CAEM - Centro de Aperfeiçoamento do Ensino de Matemática

Mostra do CAEM 2019

17, 18 e 19 de outubro

Programação das Atividades

Período Quinta feira (17/10) Sexta feira (18/10) Sábado (19/10)
Abertura
(8:00 - 8:20)
Manhã Mesa-redonda
(8:20 - 9:40)
Oficina 4
(8:00 - 9:40)
Oficina 7 / Oficina 8
(8:30 - 10:30)
Coffee Break - 20 min
(09:40 - 10:00)
Coffee Break - 20 min
(09:40 - 10:00)
Coffee Break - 30 min
(10:30 - 11:00)
Palestra 1
(10:00 - 11:40)
Palestra 3
(10:00 - 11:40)
Palestra 5
(11:00 - 12:30)
Oficina 1
(14:00 - 16:00)
Oficina 1
(14:00 - 16:00)
Encerramento
(12:30 - 12:45)
Tarde Coffee Break - 30 min
(16:00 - 16:30)
Coffee Break - 30 min
(16:00 - 16:30)
Oficina 2
(16:30 - 18:30)
Oficina 5
(16:30 - 18:30)
Atividade Cultural
(18:30 - 19:30)
Sessão de Pôster
(18:30 - 19:30)
Noite Palestra 2
(19:30 - 20:50)
Palestra 4
(19:30 - 20:50)
Oficina 3
(21:10 - 22:50)
Oficina 6
(21:10 - 22:50)

Oficinas

Oficina 1

Topo

Título: Distribuição binomial − teoria e aplicações

Ministrante:Profa. Dra. Elisete da Conceição Quintaneiro Aubin (IME−USP) e Profa. Dra. Silvia Nagib Elian (IME−USP)

Resumo: A distribuição binomial é uma das mais importantes distribuições de  probabilidade discreta. Muitos fenômenos aleatórios que ocorrem na  natureza podem ser modelados por essa distribuição. Nesta oficina pretende-se, inicialmente, apresentar noções básicas  sobre a distribuição binomial e, posteriormente, ilustrar com algumas  aplicações. Tais aplicações são exemplos que podem ser utilizados nas  aulas de matemática e estatística no ensino médio. Serão, ainda, desenvolvidas atividades relativas à distribuição com o auxílio dos participantes da oficina.

Número de vagas: 40

Oficina 2

Topo

Título: O Estudo do Meio: uma proposta interdisciplinar

Ministrante:Prof. Me. Ernani Nagy de Moraes (FE-USP)

Resumo: O Estudo do Meio é uma metodologia de ensino rica e deve ser utilizada como um projeto interdisciplinar nas escolas. A Matemática, presente claramente em nosso cotidiano, pode ser vivenciada em projetos dessa natureza. Discutiremos o que é o Estudo do Meio, analisaremos propostas dessa atividade e verificaremos como conteúdos específicos de Matemática podem estar presentes, de forma significativa.

Número de vagas: 40

Oficina 3

Topo

Título: A cadeira de noiva

Ministrante:Prof. Dr. Sergio Alves (IME−USP)

Resumo: Em sua famosa obra "Os Elementos", Euclides prova o teorema de Pitágoras relacionando as áreas dos quadrados construídos externamente sobre os lados do triângulo retângulo. Essa configuração geométrica é chamada, segundo o historiador C. Boyer, cadeira de noiva, supostamente porque lembra a cadeira em que as noivas orientais eram transportadas nas costas de um escravo para a cerimônia matrimonial. A prova dada por Euclides é apenas a "ponta do iceberg" de uma série de resultados surpreendentes que podem ser obtidos a partir dessa configuração. O principal objetivo da oficina é apresentar ao participante, por meio de uma geometria básica, algumas dessas pérolas.

Número de vagas: 40

Oficina 4

Topo

Título: Provas sem palavras e dobraduras

Ministrante:Prof. Dr. Antonio Carlos Brolezzi (IME−USP)

Resumo: Nesta oficina, serão propostas dobraduras que possam auxiliar o trabalho com provas sem palavras, que são diagramas e esquemas que permitem visualizar propriedades matemáticas diretamente.

Número de vagas: 40

Oficina 5

Topo

Título: Grupo Colaborativo na sala de aula de Matemática

Ministrante:Profa. Dra. Ruth Ribas Itacarambi (CGIEM - Grupo Colaborativo de Investigação em Educação Matemática)

Resumo: A sociedade em rede traz o compartilhamento como forma de viver, compartilhamos informações nas redes sociais, carro, casas, escritórios de startup e na academia as pesquisas por meio de grupos colaborativos. Como fica o compartilhamento do conhecimento na sala de aula? A oficina tem como objetivo apresentar diferentes experiência de grupo colaborativos que compartilham seus conhecimentos, discutir o significado de colaboração na educação e propor a vivência de uma situação colaborativa tendo a Matemática como referência.

Número de vagas: 40

Oficina 6

Topo

Título: Resolução de Problemas Clássicos de Geometria com Dobraduras

Ministrante:Profa. Dra. Ana Paula Jahn (IME−USP) e Murilo Cattaneo Cruz (Licenciando IME−USP)

Resumo: As dobraduras podem ser vistas como recursos didáticos para envolver alunos de diferentes níveis de ensino na resolução de problemas e produção de argumentos matemáticos. Essa oficina propõe discutir alguns desses problemas, em particular a resolução de dois problemas clássicos de Geometria por meio de dobraduras.

Número de vagas: 40

Oficina 7

Topo

Título: Cônicas no Ensino Médio: para além das equações reduzidas

Ministrante: Prof. Willian Pereira Barreto (Mestrando MPEM-IME-USP) e Profa. Dra. Ana Paula Jahn (IME−USP)

Resumo: A Geometria Analítica reúne conteúdos de relevância no Ensino Médio, uma vez que permite articular Álgebra e Geometria. Inclui-se aí o estudo das cônicas. No entanto, sejam por questões curriculares ou por influência dos principais materiais didáticos, essas curvas são ora deixadas de lado no ensino, ora tratadas sob um enfoque essencialmente algébrico (limitado às suas equações reduzidas), deixando, assim, de promover a desejada articulação mencionada. Nesta oficina, abordaremos algumas dessas seções cônicas a partir de atividades que denotam importantes aspectos geométricos dessas figuras. Na primeira delas, exploraremos a parábola e a elipse por meio de construções geométricas com dobraduras, no sentido de melhor compreender a definição de lugar geométrico de ambas as curvas. Na segunda, trataremos de propriedades refletoras dessas curvas, exibindo uma das diversas aplicações delas no cotidiano, buscando responder à inquietação dos alunos em conectar o que aprendem com a realidade em que vivem.

Número de vagas: 40

Oficina 8

Topo

Título: Tabuleiro Libras – Uma proposta Inclusiva

Ministrante: Nelson Junior (Supereficiente)

Resumo: O jogo de Tabuleiro Libras foi inspirado pedagogicamente no Xadrez e tem como objetivo permitir e protagonizar a inclusão de pessoas com deficiência nos jogos de tabuleiro, tanto como jogo de lazer e entretenimento quanto como um brinquedo educativo no ambiente escolar. Pode ser jogado de forma competitiva (similar ao Xadrez), cooperativa e inclusiva, ou até de forma mista. Esta oficina tem como foco a apresentação e exploração do referido jogo, com ênfase na discussão de seu potencial didático-pedagógico e de acessibilidade.

Número de vagas: 40

Palestras

Palestra 1

Topo

Título: Possibilidades e Limites do Livro Didático de Matemática

Ministrante: Profa. Dra. Eliane Reame (Instituto Sidarta)

Resumo: O livro didático possui cada vez mais diferentes funções dada a complexidade de variáveis que envolvem o cenário educacional brasileiro. Ao mesmo tempo, analisar as possibilidades e os limites dessas funções torna-se imperativo. Uma breve retrospectiva histórica do livro didático a partir da implementação do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), a apresentação de dados estatísticos sobre o alcance e impacto do livro didático na Escola, no ensino e na aprendizagem e uma análise das implicações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) na concepção, elaboração e avaliação do livro didático formam o primeiro eixo central dessa palestra. Em especial, a análise de algumas variáveis comuns envolvidas no processo de concepção, elaboração e produção do livro didático de Matemática dos diferentes segmentos de ensino, bem como um exame do uso inflacionado das funções, das possiblidades e dos limites desse fundamental recurso para a prática docente formam o segundo eixo  de apresentação da temática proposta.

Palestra 2

Topo

Título: Modelagem Matemática em 3 Atos de Dan Meyer: uma Metodologia de Ensino-Aprendizagem na Escola Básica apoiada na Teoria das Narrativas (Storytelling)

Ministrante:Prof. Dr. Humberto Bortolossi (Universidade Federal Fluminense)

Resumo: Em geral, na Escola Básica, os problemas de matemática (math word problems, em inglês) têm um enunciado padrão: uma pequena história que apresenta os dados com uma pergunta no final para ser respondida. Com esse formato prototípico, o aluno não precisa entender o contexto do problema para resolvê-lo, pois basta varrer o texto do enunciado, identificar os dados e “jogá-los” na fórmula correta. Frente a essa situação, o educador matemático Dan Meyer propõe uma metodologia diferente, mais engajadora e inspirada na estrutura narrativa de 3 atos de roteiros de filmes como Star Wars, Indiana Jones e Tubarão. O foco dessa metodologia está em (1) atrair a atenção do estudante logo de início (gancho) com uma imagem ou vídeo instigantes, (2) colocá-lo como ator do problema no sentido de determinar quais são as perguntas relevantes e quais são os dados necessários para resolver o problema e (3) o momento de resolução da expectativa (catarse) com a apresentação da solução do problema, também em forma de uma imagem ou vídeo. Enquanto essa abordagem inovadora em Modelagem Matemática já esteja estabelecida nos Estados Unidos e na França, ela é pouco conhecida no Brasil. Nesse contexto, essa palestra tem por objetivo apresentar a Modelagem Matemática em 3 Atos de Dan Meyer à comunidade de professores de Matemática em países de Língua Portuguesa, levando-os a vivenciar a metodologia de forma participativa e ativa.

Local:

Palestra 3

Topo

Título: Algumas contribuições da Psicologia clínica ao ensino da Matemática

Ministrante:Prof. Dr. Francisco Cesar Polcino Milies (IME−USP)

Resumo: A psicologia clínica tem aprofundado muito o estudo da importância da relação humana entre paciente e terapeuta para o sucesso terapêutico. Alguns dos conceitos envolvidos neste processo podem também serem utilizados para se obter melhores resultados na sala de aula. Esperamos discutir a importância de aspectos tais como a comunicação inconsciente, linguagem não verbal, atitude e autenticidade e como estes conceitos podem ser relevantes na prática do professor.

Palestra 4

Topo

Título: O conhecimento do professor para ensinar Álgebra relacionado à noção de padrões e regularidades na Educação Básica

Ministrante:Profa. Dra. Marcia Aguiar (UFABC)

Resumo: A prática de sala de aula e suas conexões com os conhecimentos matemáticos e didáticos dos professores constitui um importante campo de pesquisa na formação de professores. Traremos para a nossa palestra episódios de vídeos de sala de aula mostrando como os conhecimentos matemáticos e didáticos de professores são mobilizados na ação. O foco nesses episódios é na noção de padrões e regularidades como um caminho promissor para o desenvolvimento do pensamento algébrico.

Palestra 5

Topo

Título: Matemática: Conceitos e Preconceitos

Ministrante:Prof. Dr. Nilson José Machado (FE−USP)

Resumo: Na vida, em suas diversas instâncias, vivemos na antessala dos conceitos, em espaços de significação de natureza preconceitual. Temas como vida, pessoa, conhecimento, tecnologia, valores, entre outros, são tratados quase sempre sem rigor conceitual. O risco que se corre é o de se tratar como se fossem conceitos ideias preconceituais, o que caracterizaria um preconceito em sentido negativo. Sobre a Matemática, algumas ideias preconceituais são "A Matemática é Exata", "A capacidade para a Matemática é Inata", "A Matemática é Abstrata", "A Matemática justifica-se pelas suas Aplicações Práticas", entre outras. O objetivo principal da palestra é explicitar a natureza preconceitual de tais enunciados, com o objetivo de evitar que sejam tratados como se fossem conceitos. Cada um de tais enunciados constitui uma meia verdade, e como tal, uma meia mentira. As implicações de tal fato no ensino da Matemática naturalmente virão à tona.

MESA-REDONDA

Topo

Mediadora: Profa. Dra. Iole de Freitas Druck (IME-USP)

Participante: Prof. Dr. Walter Spinelli

Título: Proposta Curricular do Estado de São Paulo 2008 – Desafios e Dificuldades

Resumo: Durante os anos de 2006 e 2007, reuniu-se um grupo de professores das várias disciplinas normalmente abordadas no Ensino Fundamental II e Ensino Médio, sob a coordenação de renomados educadores em suas áreas de atuação, para a elaboração de uma proposta de reestruturação curricular para a rede de ensino oficial do Estado de São Paulo. Não foram poucos os desafios enfrentados pela equipe na idealização da proposta, seja no plano geral, das concepções teóricas, seja no específico da elaboração das sequências didáticas. Os pontos principais que poderão ser esclarecidos durante a mesa redonda são: - Pressupostos teóricos da proposta curricular de Matemática; - Organização da equipe de trabalho ;- Critérios para a elaboração da grade de conteúdos; - Critérios que nortearam a elaboração dos Cadernos de Atividades.


Participante: Profa. Dra. Arlete Aparecida Oliveira de Almeida (SEE/SP)

Título: Reflexões sobre o Currículo Paulista

Resumo: O objetivo desta apresentação será apresentar reflexões sobre as mudanças incorporadas no Currículo Paulista a partir da Base Nacional Comum Curricular.

Atividade Cultural

Topo

Em breve

Apresentação de trabalhos

Topo

18/10 - 6a feira: Apresentação de trabalhos de Professores da Educação Básica, de alunos do Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática e do curso de Licenciatura em Matemática do IME - USP.

Apoio:

Logotipo IME-USP