O SER HUMANO COMO SER SOCIAL E A SOCIEDADE

Título alternativo:
A ORGANIZAÇÃO SOCIAL ANTROPOSÓFICA E SUA APLICAÇÃO INDIVIDUAL

Uma palestra de Valdemar W. Setzer
Departamento de Ciência da Computação, IME-USP
www.ime.usp.br/~vwsetzer – esta versão: 19/10/19
Ver resumo e apresentação da palestra

AVALIAÇÕES DE PARTICIPANTES

Nesta página encontram-se, em ordem cronológica reversa, todas avaliações de participantes desta palestra, a partir de 1/8/18, conforme escreveram no One-minute paper no fim da mesma, respondendo: [1] Coisa mais importante aprendida; [2] Maior dúvida que ficou; [3] Comentários. Os originais estão à disposição para exame. As transcrições são literais, apenas com pequenas correções ortográficas; as partes ilegíveis são anotadas com [?]. Observações e respostas a algumas dúvidas estão indicadas com RESP.; infelizmente tiveram que ser breves. Título alternativo, para iniciativas antroposóficas: "A organização social antroposófica e sua aplicação individual." Abreviatura: 3M = trimembração.

5. 16/10/19, no Espaço Cultural Rudolf Steiner da Sociedade Antroposófica no Brasil, São Paulo; info: Paulo Vicente paulinho@semnada@vicente arrobat gmail.com

  1. [1] Olhar para as relações sociais institucionais a partir das necessidades e habilidades presentes nestas relações. [2] Acho que poderia ter representado o que falou em uma imagem. [3] Parabéns pela energia e bom humor. RESP.: Se por "imagem" a sugestão se refere a uma figura, note como meus slides foram informativos, sem imagens como cosméticos para atrair a atenção subliminarmente, e como resumo para os participantes poderem copiar ne Internet. Se a sugestão é de uma metáfora englobando tudo, preciso ver se tenho alguma inspiração.
  2. [1] Essa visão de que os espíritos básicos se aplicam a todos os setores sociais. [2] Curiosidade sobre a opinião, que muito concordo, de acabar com as competições. Daí, qual seria sua recomendação ou opinião para ensinar as crianças a perderem. [3] Feliz dia dos professores. Você faz isso de forma extremamente interessante e carinhosa. RESP.: Crianças adoram jogar jogos, que são muito importantes. Vou dar um exemplo do que se pode fazer: naquele jogo com casinhas, e quando se cai em algumas é preciso voltar para trás, o adulto poderia dizer: "Oba, vou poder jogar mais!" Um ponto importante seria não mostrar frustração ao perder, mas dizer que foi joia jogar. Se possível, deixar a criança ganhar. E por falar nisso, quando se viu em jogos de adultos alguém perder de propósito para deixar o outro feliz? Finalmente, acho que há idade para se ensinar a perder; por exemplo, no ensino médio, trazer a ideia de que o importante de um jogo é a convivência e, se for esporte, o exercício fisico.
  3. [1] Temos que buscar de forma consciente a fraternidade para compor o sentir, pensar e quere com outrem". [2] Como atingir isto? [3] "Não notaram que as flores silvestres tornaram-se mais raras a cada ano que passa? Talvez seus sábios aconselharam-nas a partir, até que os homens tornem=se mais humanos. Terão, por certo, emigrado para os céus." Kakuzo Okakura "O livro do chá",. Lehrmeister, parabéns pelo seu entusiasmo altruísta em ensinar!. RESP.: Sim, devemos buscar exercitar a fraternidade, e educar para ela, de forma consciente; o pensar, sentir e querer com o outro é uma das técnicas para desenvolvê-la. Como eu disse, outras são a percepção do outro e a ação social para com o outro. Acho que a fraternidade deve partir da individualidade de cada um. Interessante e linda imagem de Okakura, muito obrigado! Mas será que são só as flores silvestres? Quem sabe a natureza já "decidiu" que, se não a tratarmos com amor, ela irá embora... Parece-me que essa falta de amor está fazendo com que nós a forcemos a ir embora, por exemplo queimando-a.
  4. [1] Relação entre as leis sociais e conceitos já conhecidos (Liberdade, fraternidade, igualdade). Muito esclarecedor. [2] Como viver/aplicar esses conceitos na vida cotidiana? Como meditar? Como cuidar do outro sem esquecer de você mesmo? [3] Fazer mais ilustrações e esquemas para apresentar os conceitos. Muitas informações e novos conceitos, seria mais fácil entender, relacionar e absorver com alguns desenhos esquemáticos. Os exemplos e histórias contados são muito interessantes. Foi uma palestra muito rica! RESP.: Sim, aqui temos mais uma amostra da genialidade do R. Steiner: coisas muito conhecidas colocadas de maneira original em seu devido lugar, pois fora de seu lugar causam miséria social. Dei varias sugestões de como aplicar os conceitos que transmiti, por exemplo procurando descobrir quais são as necessidades dos outros e suas habilidades, e se está havendo interação social com eles/as. Não tive necessidade de fazer desenhos esquemáticos e apresentar figuras, pois seriam meros cosméticos. Quando esquematizei certos conceitos eu já estava fazendo uma tabela, por exemplo das atitudes socialmente construtivas e destrutivas.
  5. [2] Estrutura do Estado na Antroposofia. Não existe? [3] Obrigada pela paletra. RESP.: Sim,o Estado existe na proposta do Steiner. Mas ele deve cuidar do que é próprio dele e não se meter em searas alheias, como os meios de produção ou educação. Por exemplo, ele é essencial para recolher impostos e distribuí-los. Aliás é curioso que Steiner propõe a existência de um único imposto o de valor agregado (o atual ICMS), que volta e meia é mencionado nos meios políticos. Ele diz que é um absurdo taxar o trabalho, pois não é um bem de consumo produzido. Ao mesmo tempo, ele propõe que haja uma pequena inflação, para as pessoas não guardarem suas economias embaixo do colchão (na época dele, não havia tantos roubos...). Há vários bancos, como por exemplo o Triodos (procure na Internet com esse nome, verá que ele existe em vários países, inclusive em estado de formação no Brasil); nele, o investidor escolhe qual área de investimento ele gostaria de aplicar seu dinheiro, tornando as aplicações conscientes. O bando faz relatórios periódicos detalhado dos resultados dos investimentos para as instituições que tomaram os empréstimos. Note que, normalmente, quando se investe algo em um banco ou instituição financeira, o dinheiro passa para uma área totalmente inconsciente – pode-se estar aplicando em indústria de armamentos!
  6. [3] Muito obrigada pela palestra. Foi excelente!
  7. [1] Exercício de fluxo de amor. Atuação consciente na interação como o outro. É preciso uma decisão consciente e exercer o amor e altruísmo. A importância de agir no mundo, na família, escola e grupos próximos ao nosso alcance, bem como na sociedade. [2] Reflexões sobre a prática da fraternidade universal. [3] Gostaria de deixar a minha gratidão pela palestra. Ficou em mim uma vontade renovada de interação social e compreensão do outro. RESP.: Praticar a fraternidade universal (e não apenas familiar ou comunitária) é, por exemplo, ajudar pessoas desconhecidas. Uma das maneiras de fazer isso é conversar, transmitindo as experiências pessoais. Fiz isso no dia seguinte à palestra, ao conversar com o motorista que me levou para dar uma palestra longe de casa. Ele contou-me muito de sua vida, e assim consegui dar uma porção de sugestões para a vida dele. Extraordinariamente, ele veio assistir minha palestra, a primeira vez que isso acontece com um motorista – e já convidei quase todos que estavam à minha disposição!
  8. [1] Que Steiner era visionário. Sobre as organizações sociais, porém o conteúdo é bastante restrito a uma comunidade quase fechada em si. [2] Quais movimentos sociais concretos atuam para a evolução social da forma colaborativa? [3] Muito conteúdo rico. O que faltou [?] e concluir todo o conteúdo. RESP.: Nâo, Steiner não era visionário. Ele fazia observações conscientes do mundo espiritual e do espirito e alma das pessoas. Veja a palestra dele que traduzi. "A vidência visionária e o conhecimento", em
    www.sab.org.br/antrop/GA117-131109.htm
    Quanto a movimentos sociais, todas as instituições antroposófica funcionam "colaborativamente"; por exemplo, nenhuma escola Waldorf tem fins lucrativos.
    [1] Lei individual absoluta: saber que existe algo comum a todos, independente de religião, idade, país. [2] Por que classificar de intuição algo que é baseado em conhecimento e observação? No exemplo do diagnóstico médico, para mim é observação mais conhecimento. Intuição tem por definição: algo que você pressente ou percebe sem a necessidade de raciocínio com análise. Não seria algo que você simplesmente sabe? Comprovar a intuição não seria analisar probabilidades? [3] Refletir sobre muitos pontos, inclusive sobre o papel da vida corporativa. Achei que teve um peso de opinião pessoal em alguns momentos, sem explicitar que eram pessoais. RESP.: Chamei de intuição algo que vem ao nosso pensamento sem que tenha sido resultado de uma sequência de raciocínios ou mesmo de observação que se pode apontar, e que traz algo de novo, que não tinha sido pensado antes. Aliás, como você mesma/o apontou. Sim, pode ser algo que se sabe mas ficou oculto na memória profunda. Mas uma de minhas hipóteses é que o ser humano pode criar algo completamente novo, e que não é simples combinação de coisas já conhecidas.
  9. [1] Aprendi a equilibrar as necessidades e habilidades no meio econômico, para minha vida pessoal. Desenvolver a fraternidade é essencial! [2] Minha maios dúvida é sobre a Lei de Setzer sobre o materialista que vive no andar térreo. Vou pesquisar sobre pois fiquei curiosa. Entrarei em contato, quero te levar para S.J. dos Campos. [3] Antes de mais nada, obrigada, professor! Te admiro muito, a palestra foi excelente! Agradeço por ter compartilhado suas habilidades e ter satisfeito algumas das minhas necessidades. Muita paz. RESP.: Veja minhas "leis" em
    www.ime.usp.br/~vwsetzer/jokes/leis.html
    No caso, a "lei" é a seguinte:
    Materialista ou fisicalista é a pessoa que vive e trabalha num prédio que não tem o andar térreo.
    Quanto a eu dar palestras em S.J. dos Campos, é só convidar e combinar! Vejas as que tenho dado:
    www.ime.usp.br/~vwsetzer/pals/pals-cursos.html
    mas posso dar outras.
  10. [1] Construtivos vs. destrutivo. [2] Mais informações sobre a medida social-econômica antroposófica. [3] Excelente! Muito bom. RESP.: Veja as referências bibliográficas do fim da apresentação.
  11. [1] Comunhão como o outro através do sentir, pensar e querer. Necessidades/eu vs. habilidades/o outro para me satisfazer. Não competição. Hierarquia vs. ser adulto responsável. [2] O papel da <u>alma</u>. [3] O humor do professor é sensacional. RESP.: Sobre a alma, veja meu texto
    www.ime.usp.br/~vwsetzer/const1.htm
    O humor é uma necessidade. Tenho a impressão que ele ocorre naturalmente quando se tem dá uma palestra com entusiasmo pelo assunto.
    [1] Perspectiva de que temos necessidades e habilidades de forma trimembrada. Isso me ajuda em olhar minha atuação profissional: meu papel como adulto responsável. [2] Vou exercitar esse olhar desmembrado [?] na vida econômica, jurídica e política, e na vida espiritual. Ele traz dúvidas, mas sinto que me ajudará a ver e compreender melhor meu papel. [3] Muito obrigada, foi excelente! RESP.: É fundamental se encarar os outros como adultos responsáveis (desde que eles se comportem como tal...).
  12. [1] Que a sociedade deveria seguir a trimembração humana como um macrocosmos do ser humano. [2] A matemática e as ciências exatas é física, anímica ou espiritual? Então a filosofia, artes são anímicas. Na educação ou nas ciências somente as "descobertas" ou invenções são espirituais? Se a competição estimula a felicidade em cima da tristeza alheia, como estimularíamos o crescimento através da colaboração já que o ser humano tem grande tendência a se acomodar. RESP.: A matemática é espiritual. Nunca jamais alguém viu fisicamente um ponto, uma reta e uma circunferência geométricos, ideais. As equações não têm consistência física. Idem para a boa filosofia. As artes são mais anímicas; têm um componente físico e outro espiritual (quando revelam fisicamente uma realidade espiritual). A grande tendência é a do egoísmo. É preciso educar as crianças e jovens para o altruísmo e a cooperação.
  13. [1] Aprendi que somente com uma nova educação trimembrada haverá mudanças positivas. [3] A palestra foi clara e objetiva aguçando o desejo pela busca e pesquisa.

4. 30/11/18, para o Grupo de Estudos de Consultoria Organizacional, São Paulo; info: vitor morgensztern vm.dossier arro_ba.sti.com.br

  1. [1] A desenvolver o senso da fraternidade. Extremamente importante a sensibilidade social. A importância do amor para reger as ações e o foco da ação social. [2] Como fazer com que a humanidade caminhe no sentido do amor. [3] Muito rica a palestra. E muito positiva e construtiva. O conteúdo é extremamente rico e ficou c/ vontade de conhecer mais. RESP.: Há dois aspectos fundamentais para esse caminho: abandonar a concepção materialista do mundo e sublimar o egoísmo, que no fundo é uma das consequências do materialismo. O ser humano deveria tornar-se cada vez mais humano e menos animal. Todo animal é egoísta por natureza: existe para a sobrevivência de si próprio e da espécie. Só o ser humano pode deixar de ser egoísta.
  2. [1] Que a trimembração social se traduz em necessidades, interação e habilidades. [2] Na verdade, não há dúvida, mas vontade de saber mais sobre esse tema relacionado ao mundo do trabalho x escolhas profissionais (que é 1 interesse pessoal). [3] Gostei muito de como o tema foi apresentado trazendo exemplos práticos. RESP.: Veja a bibliografia no fim da apresentação.
  3. [1] Necessidade <-- interação --> habilidade. Econômico <-- anímico --> espiritual. Liberdade <-- igualdade --> fraternidade. As 3 dimensões e os paralelos. [2] Como viabilizar a trimembração na organização social. RESP. Comece em si próprio, com as 3 atitudes que mencionei. Tente organizar sua família, seus grupos de trabalho e a empresa onde trabalha.
  4. [1] Que existe uma 3ª via como proposta de governo que não é nem o comunismo e nem o capitalismo, e que engloba todas as necessicades do ser humano e social. [2] Como implementar. Me parece uma "revolução" muito lenta espiritual que a humanidade percorre. [3] Agradeço seus ensinamentos muito ricos, não conheço quase nada de Antroposofia. RESP.: ver a resposta anterior.
  5. [1] Como funciona a trimembração. [2] Como ver as hierarquias espirituais uma vez que nas organizações não deveria haver hierarquia? [3] Parabéns, mais uma palestra sensacional. RESP.: Só o ser humano tem livre arbítrio, e com isso idealmente deveria poder participar das decisões em lugar de ser mandado. Cada pessoa adulta sadia gostaria de ser tratada como adulto responsável.
  6. [1] O casamento da pedagogia Waldorf com a trimembração social. [2] A escola ser apresentada como uma entidade da área/vida econômica. [3] Metade inicial com muita informação e detalhe que não contribuíram para a temática principal. RESP.: Uma instituição de ensino existe, como um todo, para satisfazer as necessidades de desenvolvimento cultural e espiritual dos alunos. Isso significa, por exemplo, que tudo numa escola, inclusive a disposição física, deveria ter isso como objetivo. Por exemplo, quase todas as escolas públicas estão parecendo prisões, com grades e portas de ferro. Isso deve ter uma influência terrível na mentalidade e emotividade dos alunos. A parte inicial foi usada durante toda a palestra.
  7. [1] Aprendi a correlação adequada da liberdade, igualdade e fraternidade na sociedade. [2] O meio ambiente é contemplado por qual dos princípios (liberdade, igualdade, fraternidade). [3] Gostaria de indicações de referências bibliográficas do tema para aprofundamento. RESP.: Parece-me que o princípio fundamental que deveria reger nosso relacionamento com o meio ambiente é o da fraternidade. Devemos reconhecer quais as necessidades do meio ambiente, para que o tornemos, com nossas ações e habilidades, o mais sadio possível. Mas para isso é essencial que o meio ambiente seja considerado como um organismo, e não como um objeto.
  8. [1] Viemos para uma reunião e troca de ideias e desenvolver ideias e em vez disto ouvimos mais uma palestra do Sr. Setzer.
  9. [1] Organizar as ideias e finalmente entender o que é a trimembração! [2] Como equacionar as ideias de Steiner no mundo atual com a influência fortíssima da IA (veja Harari).[3] Sua palestra foi super clara (muito mais do que a anterior), com uma didática muito boa e + interativa que a anterior! Gostei da forma simples como vc colocou o tema! Pena o pouco tempo (mas ele não é pouco ou muito, tempo apenas é). RESP.: A erradamente denominada Inteligência Artificial deve ser encarada como um instrumento, e colocada em seu devido lugar. Por exemplo, se carros autônomos produzirem muito menos acidentes, eles deve ser adotados. Mas ao mesmo tempo os condutores humanos desses carros deveriam ser conscientizados de que não podem deixar de prestar atenção ao trânsito, pois não é possível desenvolver sistemas computacionais prevendo todas as possíveis situações, além de que é impossível provar formalmente que um programa complexo está correto. Isso é feito por meio de testes, que somente comprovam que, para as condições daqueles dados de entrada dos testes, os sistemas funcionam como esperado. Talvez não funcionem para outros dados. O Harari tem razão no sentido de reconhecer que estamos algoritmizando o mundo e a sociedade.
  10. [1] O trio: necessidades, habilidades e interações como forma de estruturar seu pensamento e aplicar no dia-a-dia. [2] A competição pode ser mantida em harmonia com a cooperação, se essa faz algo entre 10%, 20%, enfim... [3] Caro, Setzer, quero debater mais sobre os conceitos políticos socialismo/comunismo. RESP.: Minha posição, radical, é que na educação a competição deveria ser eliminada totalmente, substituída por cooperação. Existem vários livros sobre jogos cooperativos. Não é necessário ensinar as crianças e adolescentes a competir, a sociedade os ensinará automaticamente quando forem adultos, por exemplo ao prestarem um exame vestibular. O que a sociedade não ensina é a cooperar. A cooperação pode ser altruísta, mas a competição é sempre egoísta. Alguém presenciou uma competição onde alguém ou um time perdeu para deixar o oponente feliz? Quanto ao socialismo/comunismo, é fundamental se reconhecer que essas organizações sociais, bem como o capitalismo, não resolveram os graves problemas individuais e sociais. É preciso partir de onde se está e ir mudando evolutivamente, com consciência, até se atingir uma sociedade com menos injustiça, desigualdade, exploração, e que dê chance para o desenvolvimento individual amplo.
  11. [1] Origem da pedagogia Waldorf. [2] Na verdade, reforcei a importância da mentalidade espiritualista para o desenvolvimento do mundo. Categorizei conteúdos que já conhecia. [3] Assunto absolutamente necessário/atual. Foi desenvolvido de forma livre, com exemplos. Quando a gente age em liberdade (por amor à ação). Lema da ética social. RESP.: Sim, a concepção de mundo materialista ou fisicalista (a que só admite a existência de matéria e fenômenos físicos no universo e no ser humano) tem que necessariamente negar o livre arbítrio (a matéria segue inexoravelmente as "leis" e condições físicas) e, portanto, negar a possibilidade de se exercer um amor altruísta, que exige uma ação livre e é sempre construtivo. O materialismo necessariamente leva ao egoísmo, que é sempre destrutivo. Talvez seja interessante acrescentar um fato: não se sabe fisicamente o que é a matéria (por exemplo, o elétron não é uma bolinha e não gira em torno do núcleo do átomo), de modo que os materialistas são pessoas que vivem e trabalham num edifício que não tem o andar térreo. Assim, todo materialista é, por natureza, uma pessoa incoerente.
  12. [3] Sugestão: passar mais rápido pelos itens iniciais e "dialogar" mais no epílogo. Dar mais tempo para o "epílogo". RESP.: Infelizmente tenho muita coisa a transmitir, e minhas palestras acabam ficando longas; tenho dificuldade em cortar certas partes pois acho que tudo é importante... É uma pena que perdemos muito tempo até fazer o computador funcionar, e não me foi dado um pouco mais de tempo, que no final se mostrou disponível.

3. 30/10/18, para pais, professores e interessados, na Escola Waldorf Jardim Primavera, Centro, Ubatuba; info: profa. Elisângela escola.arrobat jardimprimavera.com.br

  1. [1] O altruísmo ao invés do egoísmo. [2] A 3M é natural, está em tudo e deve ser apenas notada ou deve ser construída? A 3M seria o ponto de equilíbrio a ser buscado? RESP.: A 3M é natural na natureza, inclusive em nós, por exemplo os sistemas neuro-sensorial, respiratório-circulatório e metabólico-motor, cabeça, tronco e membros etc. Mas no aspecto social ela tem que ser criada por nós. Sim, é um equilíbrio, e sua falta mostra muito bem os exageros de um lado ou de outro, inclusive a independência dos vários setores da sociedade, pois cada um deveria ter seu espírito próprio.
  2. [1] Utilizar o exercício de concentração nas aulas ensinando isso para os meus alunos sem entrar em religião, já que sou professora de escola pública. [3] Gostei da fala sobre o socialismo pois ultimamente descobri que a educação no Brasil foi tomada por esse viés ideológico, o que provocou toda a dificuldade com os métodos. Entre esses, os de alfabetização foram os mais prejudicados. E por isso estou há anos, desde que me formei em 2005, procurando meios de compreender onde estava o erro. E há 2 anos descobri a pedagogia Waldorf sobre a qual estou pesquisando muito e a cada dia mais encantada. Acompanho os sites e para mim foi um prazer conhecer o Sr. pessoalmente. Parabéns professor e obrigada! Aproveitarei seu convite para acompanha-lo na palestra da escola Tancredo. Pretendo levar meu filho mais novo de 15 anos. RESP.: Cuidado, exercícios de concentração mental e meditação devem ser feitos apenas por adultos, pois aos jovens falata a liberdade para executá-los. Mas acho que no ensino médio pode-se aplicar o exercício de irradiar o amor, como fizemos. Seria interessante começar cada aula com esse exercício, por uns 5 minutos, sugerindo aos alunos que em cada aula irradiem o seu amor para um outro vizinho e um outro colega. Essa atividade teria a grande vantagem de produzir uma quebra do fluxo do dia, produzindo concentração. Um dos problemas do viés ideológico é que ele é uma abstração, baseado em teorias e não na prática e na realidade. Acaba-se dando mais importância à ideologia, à teoria, do que aos indivíduos, no caso os alunos e professores.
  3. [1] Como em um desenvolvimento fractal, a Antroposofia permeia todos os âmbitos saudáveis de uma pessoa, desde o pessoal, familiar e social. [2] Se o ser humano realmente chega a inventar ou criar ideias, na minha opinião o homem relaciona ideias de forma mais ou menos criativa. Uma hélice proteica de DNA é uma forma de zíper, por exemplo. [3] A criatividade precisa de limites, dificuldades e empecilhos de todo tipo para desenvolver a melhor solução aos problemas. No meu trabalho (arquiteta) sempre, sem exceções, foi assim. RESP.: Interessante o simbolismo do fractal! De fato, a Antroposofia parte do ser humano, expande e aplica suas características para outros âmbitos, especialmente o social; assim, como o nome diz, tudo é encarado sob a óptica do ser humano, e com isso nada se torna desumano... Steiner chama a atenção para o fato de que o ser humano é muito estável (minha observação: pois se assim não fosse estaríamos permanentemente no hospital...); se a sociedade á moldada segundo as características humanas, ela também se torna estável - o que não é o caso hoje em dia. A analogia do DNA com o zíper é interessante, mas o zíper é muito anterior (1851, pelo inventor da máquina de costura) ao conhecimento e funcionamento do DNA, de modo que não pode ter sido inspirado por ele.
  4. [1] Refletir sobre uma nova forma de sociedade. Além da meditação! [2] Não ficaram dúvidas. [3] Gostei muito de participar de todas essas reflexões para que consigamos transformar a sociedade.
  5. [1] A ideia da 3M social. Visualizá-la de forma mais ampla do que eu tinha conhecimento. [2] Não ficou dúvida quanto à palestra. Mas se abriram muitas questões para mim... [3] Muito obrigada.
  6. [1] Olhar, escutar e me identificar com o outro e, a partir disso, expandir para os grupos, família e sociedade. Também vou levar comigo o desejo de criar e desenvolver o espírito único de minha família com consciência. [2] O contínuo aprendizado é aplicar a teoria à vida prática, respeitando e "encaixando" as ações em seus respectivos âmbitos. [3] Muito grata pela nutrição! RESP.: É importante reconhecer que a teoria da 3M advém da vida prática!
  7. [1] Aprendi que a Vida Econômica é o que conduz uma escola Waldorf. E o quanto é importante se abrir para as necessidades do outro. [2] Em que momento o autoamor é destrutivo, não deveríamos nos amar em primeiro lugar para expressar o amor ao outro? [3] Me sinto inspirada quanto à importância da doação de habilidades. E sou grata pela doação do prof. Valdemar Setzer! RESP.: A escola Waldorf existe para atender necessidades culturais e espirituais dos alunos e de seus pais, na medida em que eles necessitam disso para seus filhos. Por isso pertence, como um todo, ao setor da Vida Econômica. Portanto, é fundamental que a escola pense quais são as necessidades globais e locais dos alunos, e procure atendê-la. Um professor devia encarar seus alunos como seres necessitados, mas ele é um representante da Vida Espiritual pois está prestando um serviço.
  8. [1] Reconhecer as necessidades, as habilidades, e as interações. [2] Como aplicar a fraternidade no capitalismo? Como o indivíduo pode ser livre no contexto atual? Liberdade, igualdade e fraternidade para quem? [3] Dificuldades de aplicação como um todo, como humanidade. Estamos fechados em grupos, devemos "olhar" para os lados. RESP.: O capitalismo tem a vantagem de partir da liberdade no setor econômico, o que não está correto, mas pelo menos irradia para os outros setores. Por exemplo o país capitalista por excelência, os EUA, preza a liberdade de expressão acima de quase tudo (está na constituição, o first amendment. Portanto, use sua liberdade e comece a exercitar sua fraternidade, inclusive implantando-a em grupos de trabalho. Note que já existe a fraternidade familiar, mas ela é baseada em laços sanguíneos. Hoje temos que praticá-la com qualquer pessoa, estando-se sempre à disposição para ajudar qualquer um, independente de influências além da compreensão do que é um ser humano, de suas necessidades e habilidades.
  9. [1] Muito esclarecedor para um assunto conhecido. Criou dúvidas que existiam entre outras coisas. [2] Não ficou dúvida. [3] Gratidão por esclarecer realmente. Por usar um vocabulário e frases sem complicações.
  10. [1] Aprendi muitas coisas importantes: a importância de ter intuição com meus alunos, a importância da liberdade para a produtividade, entre outros. [2] Como utilizar esses valores em uma escola estadual. [3] Muito obrigada. Vielen Dank! Foi exatamente o que eu precisava ouvir hoje. RESP.: Numa escola estatal (erradamente chamada de "pública"), é preciso ver onde você tem liberdade para introduzir coisas novas. Pela minha experiência, haverá dificuldades em arregimentar os colegas para tentarem novas formas de ensinar e tratar os alunos. Infelizmente há uma inércia muito grande entre os professores, pois cada um tem montanhas de problemas e querem ficar no comodismo de não ter mais um. É por isso, em minha opinião, que o projeto que instituí no meu Instituto, os Embaixadores da Matemática, recebe muito poucos convites para darmos palestras nas escolas.
  11. [1] Aprendi sobre aplicar a igualdade, liberdade e fraternidade na organização social. [2] Sobre o amor próprio como destrutivo. Entendo sobre o egoísmo e entendo o amor próprio como algo construtivo. [3] Muito agradecida pela oportunidade de aprender. RESP.: O amor próprio não é intrinsecamente destrutivo, ele é uma necessidade. Mas não pode cair no egocentrismo. Por exemplo, deve-se buscar o aperfeiçoamento pessoal para poder ajudar os outros, e não por motivos egoístas.
  12. [1] Sobre a importância da 3M liberdade, igualdade e fraternidade nos diferentes âmbitos da vida. Cada um em seu lugar. [2] Como, de fato, colocar isso em prática? RESP.: Comece encarando as pessoas como necessitadas e com habilidades, e percebendo se está havendo interação sua com elas. Procure sentir com elas, e então fazer algo por elas. Isso pode ser praticado a cada encontro que temos com outras pessoas.
  13. [1] Aprendi que a fraternidade não nos será dada de presente, deverá ser conquistada. [2] Como estimular a fraternidade dentro de uma comunidade Waldorf? [3] Agradeço por toda sua colaboração e aguardo por novas oportunidades de palestras em nossa cidade e em nossa escola. RESP.: O mais importante é desenvolver nos alunos o senso de fraternidade, de solidariedade. Para isso, uma professora pode organizar sessões de ajuda de uns para os outros. Esqueci de dizer, mas proponho que haja um "mural da ajuda", em que um aluno coloca algum problema que tem com alguma matéria, e outro oferece-se para ajuda-lo. No início haverá um problema de confidencialidade, pois sem o costume dessa ajuda, os alunos podem ter vergonha de dizer que não sabem algo. Para isso, um professor pode coordenar o mural; um aluno que quer ajuda procura-o, e recebe um número de código, que é colocado no papel com a procura de ajuda a ser afixado no mural. Um aluno que quer ajudar procura o professor e fica sabendo quem pediu a ajuda. Além disso, no ensino médio deveria haver atividades sociais de estágio dos alunos em instituições com pessoas carentes. Ver o sofrimento alheio desenvolve muito a sensibilidade social.
  14. [1] A ideia de habilidade/necessidade. [2] Por que hierarquia é vista como um problema? Para mim ela é uma maneira da organização que pode ser alcançada com respeito. Acho que tem uma interpretação sobre (?) uso (?) da palavra hierarquia. [3] Parabéns pelo seu trabalho. Tenho muita admiração e gratidão. RESP.: Depende da hierarquia. Certamente ela não é mais satisfatória em organizações, pois ninguém mais quer ser mandado (a não ser os pobres de espírito...), e sim participar das decisões. Um gerente deveria idealmente ser apenas um representante da seção ou departamento, e não mandar no que deve ser feito. Mas, como eu citei, há uma hierarquia válida, que é a do conhecimento. Obviamente há uma hierarquia de um professor em relação a seus alunos. Mas na pedagogia Waldorf, essa hierarquia deve ser exercida pela "autoridade com amor", e não por autoritarismo.
  15. 2. 21/4/18, na escola Waldorf Aldeia Akatu, Chácara Belvedere, Campinas, SP; info: Solange Costa contato atarrob.solangecosta.com.br
  16. [1] Poder ser uma educadora que contribui para combater as ações antissociais. Não desistir da minha autoeducação. [2] Gostaria de um aprofundamento da relação do comunismo e capitalismo com a filosofia de Steiner. [3] Saio da palestra bem mais segura em desempenhar a minha missão de educadora. Obrigada. RESP.: Um dos grandes defeitos do Marx foi querer sanar os problemas sociais de um ponto de vista estritamente econômico. Tanto o comunismo quanto o capitalismo baseiam-se numa visão materialista do ser humano e da sociedade. Jamais vai se compreendê-los de um ponto de vista material, pois em ambos atua muita coisa que não é física. Leia o primeiro capítulo do livro de Rudolf Steiner "A educação como questão social", em fase de reedição pela Editora Antroposófica, bem como, de Rudolf Lanz, "Nem capitalismo, nem socialismo", pela mesma editora (esgotado, tente tirar uma cópia).
  17. [1] Via de mão dupla de necessidades e habilidades. Necessidade de desenvolver a fraternidade. [2] É possível desenvolver a fraternidade numa escola baseada no sistema de mensalidade? De um lado o pagamento de salários depende do pagamento das mensalidades, mas as mensalidades (muitas vezes) sobrecarregam as famílias! Como manter o equilíbrio? [3] Obrigada por compartilhar seu conhecimento! Esclareceu muita coisa!!! Por favor, volte mais vezes! Gostaria também de participar de uma oficina de meditação. Obrigada. RESP.: O equilíbrio é mantido se a escola é financiada pelos que podem pagar mais, permitindo que os que não podem paguem menos. Se o Estado financiasse em grande parte (mas não em tudo!) as escolas, e estas fossem organizadas e geridas pelas comunidades em que se inserem, as escolas seriam muito melhores e dariam muito menos despesa.
  18. [1] A trimembração da sociedade, que cada parte tem que estar no seu lugar. [3] Espero ver um dia uma sociedade bem estruturada.
  19. [1] Aprendi que a minha educação não foi "tão ruim" quanto eu supunha... Valorizei a minha experiência social e comunitária em relação às faltas na educação formal que eu sei ter sofrido. [3] Gratidão!
  20. [1] Atitudes humanistas. [2] Não seria possível pensar ao invés de polaridades (interno, externo e o encontro) pensar em modos de ser na relação que é o encontro de ambos os polos pela existência? [3] O ideal do humanismo é a grande problemática. RESP.: Cuidado, o ser humano não é um ser que simplesmente existe, pois ele transcende a natureza.
  21. [1] Achei muito interessante esta visão: prestação de serviços --> dentro das habilidades --> pode estar no âmbito espiritual = e concluir que é isto que nos humaniza. Lindo! [2] Por que a educação pública mantida pelo "governo" não funciona? Sou professore, sei e sinto que isto é verdade mas não consigo responder com argumentos. Gostaria de saber sua visão. [3] Muito obrigada. Aprendi muito! RESP.: Não é só a educação estatal que não funciona, a privada em geral também não. Acho que a razão mais fundamental é o desconhecimento do que significa o desenvolvimento da criança e do adolescente, e adequar o ensino a cada idade, como faz a pedagogia Waldorf, que parte justamente daquele conhecimento. Usei a expressão "educação estatal" e não "pública", pois as escolas estatais não pertencem ao público, às comunidades. Nelas, o Estado dita todas as normas, como contratação de professores, espaço físico, livros didáticos, métodos de ensino etc. Tenho visto escolas particulares que empregam livros-texto muito bonitos e bem ilustrados, mas muito inadequados às idades, em geral exigindo um nível intelectual muito acima do que as crianças deveriam ter e, supreendentemente, muita "decoreba" de palavras que não precisam ser conhecidas nas respectivas idades, em lugar de enfatizar os processos que elas representam. Por exemplo, numa 3ª série de uma escola privada os alunos (de 7 a 9 anos de idade!) tiveram que decorar o que é um "dígrafo" - e isso caiu numa prova.
  22. [1] Que o técnico é secundário. O social é mais importante. Quantos profissionais conhecemos, que são intragáveis? Muitos. [2] Como ser, ou melhor, dar liberdade para uma criança, na condição de mãe, sem que ela não entenda que pode fazer o que quer. Acho que não entendi como educar com liberdade. Mistério! RESP.: É fundamental a criança aprender que tem limites, reconhecendo que o conhecimento dos adultos é muito maior. Mas é importante dar liberdade limitada às crianças, por exemplo, deixando-a escolher, dentre vários brinquedos selecionados pelos pais ou pela professora, com qual deseja brincar.
  23. [1] Toda a palestra foi muito relevante, porém o que mais preencheu as minhas necessidades foi a exposição sobre os tipos de necessidades, habilidades e interações sociais, e sobre a sociedade trimembrada. [2] Nenhuma dúvida restou; apenas foram abertas novas possibilidades de discussão. [3] Muito obrigada pelo tempo dedicado à nossa capacitação!
  24. [1] Sobre os males que a competitividade pode causar nas nossas vidas, principalmente nas das crianças. [2] Sobre o comunismo. Como podemos aplicar na prática, na vida cotidiana, os princípios da filosofia comunista, já que vivemos numa sociedade capitalista. [3] Acho importante e discutir sobre os prós e contras das formas de sociedade socialista/capitalista. RESP.: A preocupação com o aspecto social foi uma grande contribuição do socialismo; no entanto a sua solução dos problemas sociais é totalmente inadequada. Por exemplo, a mania socialista de estatizar os meios de produção e distribuição. Pode-se ver o que isso resulta aqui no Brasil: corrupção deslavada e ineficiência. Temos que mudar a sociedade capitalista para ela dar mais ênfase aos aspectos sociais e não permitir que empresas produzam e empurrem produtos que não são de necessidades, totalmente supérfluos. É preciso acabar com uma das bases do capitalismo que é o consumo supérfluo e a propaganda que o induz. Quem consome demais faz com que alguém consuma de menos.
  25. [1] Aprendi de mais importante onde se encaixa liberdade, igualdade e fraternidade dentro das estruturas sociais e humanas. [2] Estudar mais, aprofundar para conseguir internalizar na vida como um todo. [3] Algum dia gostaria de convidá-lo para uma palestra, talvez sobre imitação, meios de comunicação ou o que o senhor achar importante para o primeiro setênio. É um jardim Waldorf próximo à Akatu, Jardim Vir a Ser. RESP.: Estou à disposição, só convidar. Por que as escolas Waldorf da região não se unem e promovem uma palestra ou workshop meu em conjunto?
  26. [1] A fraternidade deve ser desenvolvida na sociedade de forma consciente. [2] Como podemos desenvolver a liberdade individual atrelada à necessidade física do homem. [3] Grande oportunidade de reflexão e aprendizagem. RESP.: Em primeiro lugar, o ser humano tem necessidades físicas mas tem outras, anímicas e espirituais, como mostrei. A liberdade individual pode ser desenvolvida se permitirmos que cada pessoa adulta responsável, sempre à sua maneira: satisfaça suas necessidades básicas, possa interagir com outras pessoas, e possa se desenvolver espiritualmente. Essas são liberdades externas. A liberdade interior, o livre arbítrio, tem que ser desenvolvido individualmente - é uma das razões de eu dar a oficina sobre concentração mental e meditação. Somente nelas é que o indivíduo pode ser realmente livre.
  27. [1] Aprendi a me sensibilizar e começar a olhar os âmbitos sociais (grupos, instituições, família) a partir desta perspectiva mais esperançosa. [2] Como atuar desta forma proposta na palestra com adultos, em grupos e instituições, que não vivenciaram e não conhecem a Antroposofia? RESP.: Apesar de inspirada na Antroposofia, minha palestra não exige conhecimentos dela, para ser compreendida e se praticar as indicações que dei. Os conhecimentos dela podem dar mais segurança de que as indicações são corretas e produzem uma melhora individual e social.
  28. [1] Trazer à consciência a questão da competitividade nas escolas. [2] Como fomentar na prática a conscientização da "fraternidade" na vida econômica. [3] Gratidão pelo compartilhamento das suas habilidades. RESP.: Individualmente, reconhecendo-se as necessidades dos outros e procurando satisfazê-las, como na história citada da vendedora altruísta. Em um ciclo de três artigos de 2005 (o título original era "Ciência espiritual e questão social", mas foi mudado em edições posteriores da Editora Antroposófica para "Economia e sociedade à luz da Ciência Espiritual") Steiner compara o espírito reinante numa empresa em que o empresário a construiu para dar emprego a 200 pessoas, em comparação com outra que foi construída para enriquecer o empresário.
  29. Esperança no indivíduo e autoeducação gera a fraternidade. O amor posto em prática... O Cristo em mim... Gratidão, prof. Setzer.
  30. [1] Esperança na evolução da convivência social.
  31. [1] Fraternidade é o caminho! [2] Como implementar cooperação e colaboração em uma sociedade baseada na escassez? [3] Gratidão pelas ideias compartilhadas. RESP.: Nossa sociedade é baseada na escassez para muitos e no supérfluo para relativamente poucos. A solução é a educação para maior sensibilidade, responsabilidade e ação social.
  32. [1] Desenvolvimento espiritual. Por conta disso, nos tornar mais fraternos. [2] Dificuldade de acesso a esses conhecimentos e as pessoas não fazem essa busca! Isso não dá para forçar - como fazer. [3] A busca começa internamente e se expande no contato com as pessoas. A sociedade em evolução. RESP.: Como fazer: conscientizar as pessoas e educar crianças e jovens para a consciência e a ação sociais.
  33. [1] Gostaria que o Sr. detalhasse mais o aspecto econômico das escolas. [2] E os outros dois aspectos liberdade e fraternidade, qual a importância deles? [3] Observação: gostaria de vê-lo novamente para falar da autogestão das escolas Waldorf. RESP.: Não tenho espaço, tempo e experiência para o detalhe pedido. De qualquer modo, o aspecto financeiro de uma escola não deve ser preocupação dos professores, que devem se dedicar ao ensino; no entanto, deveriam participar dele e de outras necessidades e estruturas da escola para conhecerem todos os aspectos dela. O aspecto financeiro deve ficar por conta de uma entidade mantenedora. Outros aspectos econômicos devem ser resolvidos sempre por consenso, levando-se em conta em primeiro lugar quais são as necessidades físicas e anímicas dos alunos, pois essa deveria ser a função de uma escola.
  34. [1] Aprendi sobre a mudança começa em mim, em mim a mudança de visão e postura frente o ser humano. [2] Minha dúvida é como aplicar a economia associativa no trabalho prático, eu o trabalho no SUS e a lógica da trimembração seria uma excelente lógica de trabalho. [3] Obrigada. RESP.: Não conheço as entranhas do SUS e não tenho prática nesse tipo de aconselhamento. De qualquer maneira, cada unidade deveria ter independência para gerir-se a si própria e atender as necessidades locais da melhor maneira possível. Um passo seria a organização de conselhos de direção, em que os gerentes seriam apenas representantes dos conselhos, como deveria ser em qualquer instituição.
  35. [1] Existe uma esperança para a sociedade desde que a fortaleçamos e aplicamos de maneira correta igualdade, liberdade e fraternidade. [2] Aparecerá durante a semana após reflexão sobre a palestra. [3] Parabéns professor!! Sou seu fã!!
  36. [1] Muitas coisas... Jogos cooperativos, reconhecer as necessidades e habilidades dos outros... Fraternidade. [2] Como educar os filhos com esta visão antroposófica. [3] Sugerir livros sobre a educação dos filhos. RESP.: A educação dos filhos com a visão antroposófica exige que se conheça a Antroposofia e suas aplicações educacionais. Há muita literatura sobre os dois aspectos. De qualquer modo, sem um conhecimento da organização do ser humano de um ponto de vista espiritual não se pode compreender como se deve educar os filhos de maneira adequada para a idade, improvisar adequadamente em cada situação e respeitar a maturidade em cada idade.
  37. [1] Aprendi uma nova forma de identificar necessidades, habilidades, interação social.
  38. [3] Obrigada prof. Valdemar Setzer por todo conhecimento compartilhado. Sua palestra foi excelente! Espero levar seus conhecimentos e sua alegria para a escola Waldorf Veredas. Fiquei muito interessada na sua palestra sobre Matemática para o ensino médio. Topa?! Muito obrigada. RESP.: Claro que topo, veja a palestra
    https://www.ime.usp.br/~vwsetzer/pals/Fibonacci-resumo.html
    especialmente as avaliações dos participantes.
  39. [1] A trimembração do organismo social e sua relação com o ser humano. [2] A competição pode gerar resultados positivos? Ex. A cooperação entre empresas pode gerar resultados negativos para os consumidores (cartel). Competição pode levar a criança a aprimorar suas habilidades? [3] Igualdade deve ser um valor para os cidadãos para que seja um valor para o Estado. RESP.: Em minha concepção, toda competição é antissocial, como mostrei na palestra. O desejo de competir é, de certo modo, animalesco dentro do ser humano. Nós devemos sublimar nossos impulsos animais, e nos tornarmos cada vez mais humanos. Penso que não há necessidade alguma de crianças e adolescentes competirem. Infelizmente a sociedade exige competição, mas na hora em que eles forem atuar socialmente, como jovens adultos, aprenderão rapidinho a competir, por exemplo, ao prestarem um vestibular. Mas espero que, tendo sido educados para a cooperação, conservem esse espírito a vida toda, podendo aplicá-lo onde couber.
  40. [1] Que o exercício da igualdade, liberdade e fraternidade só são eficazes como instrumentos de progresso social, se respeitadas as "áreas" de atuação de cada um desses conceitos: Vida econômica, jurídico-política e espiritual. [2] Se dentro da prática atual da pedagogia Waldorf isso tem sido compreendido e praticado com base nessa visão. RESP.: A pedagogia Waldorf é maravilhosa; no entanto é aplicada por pessoas humanas, e elas carregam em si vários defeitos que vão contra a pedagogia. Mas isso deve ser compreendido e tolerado, mostrando a elas que, se atuassem dentro dos princípios da pedagogia e da organização social antroposóficas, elas teriam melhor atuação e ficariam mais realizadas.
  41. [1] Aprendi a olhar melhor para os acontecimentos como sendo experiências que nos trará algo a somar ou algo a refletir e pensar com amor o que podemos tirar dessas experiências para o que aproveitar e o que não repetir. Sem julgar ou apresentar posicionamento divisor. No âmbito político acredito que o fato de observar que houve momentos de repetir atitudes que não somaram para o desenvolvimento do ser humano, olho para essas situações com acolhimento e pois ainda somos imperfeitos e somos sujeitos ao erro e cada um traz para seu âmbito o que possui na bagagem e quando olhamos o abismo social que existe observamos que alguma ações tiveram objetivos para uma determinada necessidade que muitas vezes para nós ou para outros já não nos contempla, pois, podemos precisar de outros aspectos. Uma vez que sabemos da carência de luz que há. Acredito que mesmo com nossa incompletude ao assumir algo trazemos o que podemos dar, mesmo que aos olhos dos outros tenha faltado. E entrando no âmbito do "grafite" nas paredes da cidade eu vejo como um pedido de socorro que esses jovens se encontram por viverem em uma sociedade completamente opressora e ao se manifestar encontram caminho para pôr para fora seus anseios e isso mostra o quanto estamos faltando como sociedade e essa responsabilidade é nossa.

1. 8/1/18, no I Curso de Formação de Professoras de Jardim de Infância Waldorf, na Escola Waldorf João Guimarães Rosa, Ribeirão Preto, SP; info: Pureza Panico purezapanico atarro.ba gmail.com

  1. [1] Que precisamos desenvolver a fraternidade, objetivo que vai humanizar toda a sociedade. [2] Como fazer com que todos tenham acesso a toda essa sabedoria. [3] Gostei muito - enriquecedora. RESP: A fraternidade, que precisamos desenvolver, deve-se somar ao sentido de liberdade e fraternidade, que o mundo civilizado já desenvolveu, a ponto de essas duas últimas terem se tornado objeto leis (contra o cerceamento da liberdade e a descriminação social, por exemplo).
  2. [1] A aplicação da liberdade, igualdade e fraternidade nos setênios das crianças. (Não conheço "quase" nada sobre a Waldorf.) [2] No exemplo da vendedora de roupas, aquela que foi mais preocupada com o cliente não estaria na contramão da realidade capitalista? [3] Gostei da forma que a palestra me sensibilizou. RESP.: Sim, a vendedora preocupada com as necessidades do cliente está exercendo a fraternidade, e vai na contramão do egoísmo e da ambição que movem a sociedade em geral, especialmente a capitalista.
  3. [1] Tudo sobre a trimembração social, como ela está em diversos âmbitos. [2] Minha dúvida está em como trabalhar com a dificuldade do ser humano em lidar com situações nas quais "poder", o seu domínio está ameaçado? Ex.: a criticidade, reflexão de pessoas do que ocorre no entorno, escolas que não renovam uma gestão, associação e ficam em sua zona de conforto, desconsiderando o caminho pela verdade. [3] Gratidão por compartilhar seus conhecimentos. RESP.: O ser humano só vai mudar com a educação, que deveria dedicar-se em primeiro lugar ao social, em segundo às atividades artísticas e só em terceiro às intelectuais. No entanto, o que se faz normalmente é cuidar quase que só do desenvolvimento intelectual.
  4. [1] O que aprendi de mais importante foi entender a importância da fraternidade como instrumento de manutenção da humanidade. [3] Palestra foi muito interessante, principalmente na relação estabelecida para a vida econômica. RESP.: A "vida econômica" é a que se dedica à satisfação de necessidades, sejam físicas, anímicas ou espirituais.
  5. [1] O quanto é importante perceber o outro. Devemos exercer igualdade, liberdade e fraternidade principalmente nas escolas. Nas escolas sem ser Waldorf acontece o oposto. São prisões competitivas com desigualdade total. [3] Gostei bastante da palestra. É um tema que sempre me interessa. Gosto de sua objetividade, do dinamismo e da lógica de sua fala e apresentação. Gratidão pelo aprendizado.
  6. [1] Não é difícil desenvolvermos o senso de organização social, porém há de se haver um despertar que infelizmente precisa de ferramentas que não estão tão disponíveis. O sistema nos propõe o contrário da liberdade, igualdade e fraternidade. Porém há esperanças em algumas escolas Waldorf, palestras como esta, livros. Temos que praticar os exercícios para desenvolver cada vez mais o olhar para o social e para nós para sempre nos unirmos no mesmo sentido. [2] Nenhuma. Muito objetiva e bem estruturada. [3] Assunto muito importante. Gratidão!
  7. [1] A organização social e suas divisões segundo a Antroposofia e a atuação do indivíduo frente aos organismos sociais. A questão das escolas pertencerem ao âmbito econômico. RESP.: Sim, pois prestam um serviço de desenvolvimento cultural e espiritual dos alunos, atendendo a esse tipo de necessidade deles e dos pais em relação aos filhos. No entanto, cada professore em sua classe é um representante da "vida espiritual", e deve ter liberdade para dar as suas aulas, especialmente levando em conta cada classe diferentemente.
  8. [1] Que devemos começar a trabalhar conscientemente pela fraternidade, não mais na interpretação que "deixar de fazer o mal é um bem", mas aprender que "deixar de fazer o bem é um mal." Enfim, a consciência de nossa atuação na sociedade com valores e princípios fraternos.
  9. [1] Aprendi a olhar a sociedade sob os três âmbitos liberdade, igualdade e fraternidade.