Gramática de Mendes de Aguiar e Gomes Ribeiro (3a ed., 1925)
------------------------------------------------------------

Última atualização: 28abr2003


Nota explicativa
----------------

Esta gramática foi digitada por Ricardo Ueda Karpischek em 2002
para servir como material eletrônico complementar para o estudo
do latim e do português, e também para eventual reaproveitamento
do contéudo por programas de computador, devido à sua
apresentação concisa e sistemática. Em 2003 foi realizada uma
revisão com apoio financeiro do CNPq (processo 380374/03-0),
e o texto foi disponibilizado livremente na Internet.

A digitação não teve caráter editorial nem no sentido de se
pretender comercializar a versão eletrônica, e nem no de se
desejar produzir uma versão impressa bem acabada. Aliás, o texto
não está adequadamente formatado para a impressão. Sugerimos o
uso desta gramática diretamente na sua forma eletrônica. Quem
necessitar de uma gramática impressa poderá encontrar outras,
mais recentes, nas livrarias ou bibliotecas.

A edição impressa não traz informações sobre os autores, além dos
seus nomes, estampados na página 3 ("Mendes de Aguiar - Gomes
Ribeiro"). Seriam, presume-se, Joaquim Luís Mendes de Aguiar e
Roberto Gomes Ribeiro. Joaquim Luís Mendes de Aguiar nasceu em
1875 na Bahia e morreu em 1927 no Rio de Janeiro. Escreveu
Monásticas (poesias). Seu pseudônimo era Agesandro
Termidêo. Escreveu algumas obras pedagógicas. É patrono da
cadeira 37 da Academia Brasileira de Filologia. Roberto Gomes
Ribeiro nasceu em 1882 e, doente de mal incurável, suicidou-se em
1923. Foi professor no Colégio Pedro II. Escreveu peças e foi
crítico de teatro. Assim, salvo engano nessa identificação, a
edição impressa deve ser considerada no domínio público.


Observações quanto à digitação:
-------------------------------

1. A ortografia foi atualizada. Ex.: "accusativo" trocado por
"acusativo", "phenomeno" trocado por "fenômeno".

2. Tentou-se preservar a pontuação, o uso de maiúsculas (exceto
nos títulos e subtítulos) e o formato das tabelas e paradigmas
como está no texto impresso.

3. Algumas palavras ou expressões desusadas foram
substituídas. Outras foram anotadas com "OOPS".

4. O negrito ou itálico que destacam algumas terminações ou
partes de palavras foi destacado por hífens. Exemplo: "a" negrito
ou itálico foi digitado como -a (quando final) ou -a- quando
intermediário.

5. O itálico, usado para destacar as palavras latinas, não foi
preservado. Assim, no texto, as palavras latinas e as portuguesas
misturam-se. Por exemplo: "São bem conhecidas as expressões domi,
em casa, ruri, no campo, humi, em terra". Onde a perda do itálico
tornou o texto ambíguo, as palavras ou construções latinas foram
colocadas entre haspas.

6. As erratas corrigidas não foram indicadas no texto eletrônico
mas apenas no exemplar impresso.

7. Nos numerais, o "c" invertido foi digitado como "]".

8. O índice foi anteposto.

9. A edição impressa não usou os sinais indicadores da quantidade
das vogais, exceto no apêndice, onde a quantidade foi indicada
através dos acentos grave e agudo. A digitação preservou a mesma
convenção.

---

ÍNDICE

Amica verba

PRIMEIRA PARTE

MORFOLOGIA

PRELIMINARES - alfabeto - pronúncia - acentuação tônica
Das palavras e seus elementos

CAPÍTULO I - SUBSTANTIVOS

Primeira declinação
Segunda declinação
Terceira declinação
Quarta declinação
Quinta declinação
Particularidades das declinações. Nomes compostos.
Nomes defectivos - Nomes heteróclitos - Nomes heterogêneos - Nomes gregos

CAPÍTULO II - ADJETIVOS

Adjetivos de primeira classe
Adjetivos de segunda classe
Comparativos e superlativos
Adjetivos numerais

CAPÍTULO III - PRONOMES E ADJETIVOS PRONOMINAIS

Pronomes pessoais
Particularidades sobre os pronomes pessoais
Pronomes e adjetivos demonstrativos
Particularidades sobre os demonstrativos
Pronomes e adjetivos relativos
Pronomes e adjetivos interrogativos
Pronomes e adjetivos indefinitos

CAPÍTULO IV - VERBOS

Espécies de verbos latinos
Das quatro conjugações latinas
Verbo Sum
Primeira conjugação ativa - Paradigma
Segunda conjugação ativa - Paradigma
Terceira conjugação ativa - Paradigma
Verbos em io,ere - Paradigma
Quarta conjugação ativa - Paradigma
Formação dos tempos na voz ativa
Resumo da formação dos tempos na voz ativa
Primeira conjugação passiva - Paradigma
Segunda conjugação passiva - Paradigma
Terceira conjugação passiva - Paradigma
Verbos em io,ere - Paradigma
Quarta conjugação passiva - Paradigma
Formação dos tempos na voz passiva
Resumo da formação dos tempos na voz passiva
Lingugaens promissoras
Verbos depoentes
Verbos irregulares
Verbos defectivos
Verbos impessoais
Verbos de conjugação mista

CAPÍTULO V - DAS PREPOSIÇÕES

Espécies de preposições latinas

CAPÍTULO VI - DOS ADVÉRBIOS

Espécies de advérbios latinos

CAPÍTULO VII - DAS CONJUNÇÕES

Espécies de conjunções latinas

CAPÍTULO VIII - DAS INTERJEIÇÕES

Espécies de interjeições latinas

CAPÍTULO IX - FORMAÇÃO DAS PALAVRAS LATINAS

Derivação das palavras
Composição das palavras

SEGUNDA PARTE

SINTAXE

PRIMEIRA SEÇÃO - CONCORDÂNCIA

CAPÍTULO I - REGRAS DE CONCORDÂNCIA

Concordância do verbo
Concordância do predicativo
Concordância do pronome relativo
Concordância do aposto
Concordância do adjetivo
Observações

SEGUNDA SEÇÃO - SINTAXE DOS CASOS

CAPÍTULO II - NOMINATIVO

Emprego deste caso
Observações

CAPÍTULO III - ACUSATIVO

Objeto direto
Acusativo verbal
Duplo acusativo
Acusativo de dimensão, de distância
Acusativo de tempo
Acusativo de exclamação
Acusativo adverbial
Observações

CAPÍTULO IV - DATIVO

Objeto indireto
Dativo de interesse
Dativo de favor ou repulsão
Dativo de socorro, solicitude
Dativo de agrado ou desagrado
Dativo com as formas passivas
Dativo de relação
Dativo de posse
Duplo dativo
Dativo predicativo
Dativo de destino
Dativo depois dos adjetivos
Observações

CAPÍTULO V - GENITIVO

Adjunto restritivo
Genitivo de qualidade
Genitivo depois dos pronomes neutros
Genitivo depois dos adjetivos
Genitivo partitivo
Genitivo depois dos verbos
Genitivo depois dos verbos impessoais
Genitivo de delito
Genitivo de preço e de estima
Observações

CAPÍTULO VI - ABLATIVO

Ablativo de procedência
Ablativo de origem
Ablativo depois dos verbos
Ablativo como agente da passiva
Ablativo comparativo
Ablativo de tempo
Ablativo de distância
Ablativo de companhia
Ablativo de diferença
Ablativo de instrumento, causa, meio, modo, parte, preço, pena
Ablativo absoluto ou oracional
Observações

CAPÍTULO VII - LOCATIVO

Origem deste caso
Circunstância ubi
Circunstância unde
Circunstância quo
Circunstância qua
Observações

CAPÍTULO VIII - VOCATIVO

Emprego deste caso

TERCEIRA SEÇÃO - SINTAXE DO VERBO

CAPÍTULO IX - INDICATIVO E SEUS TEMPOS

Emprego do modo indicativo
Presente histórico
Imperfeito
Perfeito
Mais que perfeito
Futuro

CAPÍTULO X - IMPERATIVO

Usos do imperativo
Imperativo futuro
Substitutivos deste modo

CAPÍTULO XI - SUBJUNTIVO E SEUS TEMPOS

Emprego deste modo
Subjuntivo hipotético
Subjuntivo potencial
Subjuntivo optativo
Subjuntivo dubitativo
Imperfeito do subjuntivo
Mais que perfeito
Perfeito

CAPÍTULO XII - INFINITIVO E SEUS TEMPOS

Significação deste modo
Infinitivo complemento
Infinitivo poético
Infinitivo depois dos particípios
Infinitivo substantivo
Infinitivo histórico
Infinitivo exclamativo
Proposição infinitiva
Infinitivo presente
Infinitivo pretérito
Infinitivo futuro
Observações

CAPÍTULO XIII - FORMAS NOMINAIS DO VERBO

Particípio do presente
Particípio do pretérito
Particípio do futuro
Gerúndio
Supino

QUARTA SEÇÃO - PREPOSIÇÕES E PARTÍCULAS CONECTIVAS

CAPÍTULO XIV - PROPOSIÇÕES INTERROGATIVAS

Interrogação direta simples
Enclítica ne
Partículas nonne, num, an
Interrogação direta dupla
Interrogação indireta
Interrogação indireta simples
Interrogação indireta dupla
Proposições substantivas
Observações

CAPÍTULO XV - PROPOSIÇÕES SUBSTANTIVAS

Conectivos ut, ne
Ut non, ne non
Quod
Observações

CAPÍTULO XVI - PROPOSIÇÕES ADJETIVAS

Proposições relativas
Quippe, utpote
Quam qui

CAPÍTULO XVII - PROPOSIÇÕES ADVERBIAIS

Proposições temporais
Proposições causais
Proposições finais
Proposições consecutivas
Proposições concessivas
Proposições condicionais

CAPÍTULO XVIII - CORRELAÇÃO DOS TEMPOS ENTRE SI - DISCURSO INDIRETO

Discurso indireto

APÊNDICES

APÊNDICE I - PROSÓDIA E MÉTRICA

Quantidade das sílabas
Sílabas longas por natureza
Quantidade das sílabas conforme a sua posição
Quantidade das sílabas radicais
Quantidade das sílabas finais
Finais terminadas em consoante
Quantidade dos monossílabos
Versos latinos

APÊNDICE II - VERSOS ANTIGOS SOBRE A QUANTIDADE LATINA
Vogal antes de vogal
Vogal antes de vogal nas palavras gregas
Quantidade dos ditongos
Vogal longa por posição
Vogal seguida de uma muda e de uma líquida
A final
E final
I final
O final
U final
C, L, M finais
N final
R final
AS final
ES final
IS e YS finais
OS final
US final
Primeira sílaba nos pretéritos dissílabos
Reduplicação nos pretéritos
Supinos dissílabos
Supinos trissílabos
Palavras derivadas
Palavras compostas
Prefixos das palavras compostas
A, E, I, O, U nas palavras compostas

APÊNDICE III

Siglas e abreviaturas
Calendário
Moedas romanas
Pesos romanos
Medidas romanas
Família Romana

---

AMICA VERBA

Brasilidi Studiosae pubertati Amicitiae pignus

Brasili pubertas, oriens de gente Latina,
    En patriae gentis munera Pallas habet!
Cura sit et patrias mentem coluisse per artes;
    Pectora mollescunt, asperitasque fugit.
Aemula naturae, Laetiae fecundia linguae
    Proditur Aoniis conseruisse choros
Aspice Romuleum, genuit quem Mantua, vatem,
    Pascua qui cecinit carmine, rura, duces.
Aspice Nasonem, Pelignae gentis honorem,
    Qui, dum stant montes, laus Heliconis erit.
Aspice, saepe meas quam mulcet Horatius aures
    Et quid Castalio fonte creavit amor!...
Sin, tamen, argulae placeant modulamina linguae,
    Carpe, puer, Latias cum Cicerone vias.
Sit dux demissum a magno cui nomen Iulo,
    Livio et Tacitus, caetera turba minor,
Brasili pubes, quum tantis, sis patribus orta,
    Ne incipias atavis degener esse tuis
Brasilidis vernans pulcherrima gratia Florae,
    Principio fructus incipe ferre pares.
Multa hic invenies Latii praecepta tulisse
    Artibus ut possis non rudis esse meis.
Illustrat pueros vox ingeniosa magistri,
    Culte quod discunt, ore loquente, loqui
Instrue praeceptis animum, nec discere cesses,
    Tempus et assueta ponere in arte juvet
Nam, sine doctrina, vita est quasi mortis imago
    Incipiant pueris verba latina dari
Inclyta, Romuleo de sanguine creta, juventus
    Fac laudes Italum, fac tua fata legi

MENDES DE AGUIAR

---

MENDES DE AGUIAR - GOMES RIBEIRO

GRAMÁTICA LATINA

3a EDIÇÃO

LABOR OMNIA VINCIT

RIO DE JANEIRO
JACINTHO RIBEIRO DOS SANTOS
EDITOR
82 - RUA S. JOSÉ - 82
1925

---

PRIMEIRA PARTE

MORFOLOGIA

PRELIMINARES

ALFABETO - PRONÚNCIA - ACENTUAÇÃO TÔNICA

1. Escreve-se a língua latina com as mesmas letras que a
portuguesa, convindo notar que os romanos, na gráfica, não
distinguiam o -i- do -j- nem o -u- do -v-.

2. As vogais latinas são seis, -a-, -e-, -i-, -o-, -u-, -y-.

Pronunciam-se umas vezes breves, outras vezes longas, conforme a
maior ou menor duração do som; entretanto, essa diferença de
pronúncia não vem assinalada na gráfica, nem é sentida na
pronunciação portuguesa do latim. A essa maior ou menor duração
do som dá-se o nome de quantidade.

Observação - Nas obras didáticas, a vogal longa costuma ser
indicada com um traço e a breve com um semi-círculo postos sobre
os caracteres; o traço e o semi-círculo juntos significa ser a
vogal pronunciada ora breve, ora longa.

3. Os ditongos latinos são seis: -ae-, -oe-, -au-, -eu-, -ei-,
-ui-, longos por natureza.

4. As consoantes latinas se dividem em:

a. Mudas, que se subdividem em labiais, guturais, dentais,
figurando dentro de cada um desses grupos uma forte e uma fraca.

Labiais: -b-, -p-, -f-, (-ph-), (-v-) - forte -p-, fraca -b-.

Guturais: -c-, -g-, -k-, -q- - forte -c-, fraca -g-.

Dentais: -d-, -t- - forte -t-, fraca -d-.

b. Aspirada, -h-.

c. Líquidas, -l-, -m-, -n-, -r-; sendo -m- e -n- também chamadas
nasais.

d. Sibilante, -s-.

e. Dúplices, -x-, que equivale a uma gutural, seguida de uma
sibilante, e a, que equivale a uma dental, também seguida de uma
sibilante.

Observação - As consoantes que figuram no corpo das palavras
estão sujeitas a certas modificações, sendo as mais usuais a
acomodação, a supressão e a assimilação.

1. Acomodação consiste no arranjo dos sons, de modo a terem
melhor (OOPS) eustomia; assim:

Antes de -t- e -s-, a labial -b- se torna -p-: nub-ere, casar-se,
nup-si, nup-tum.

Antes de -t- e -s-, a gutural -g- e a aspirada -h- se tornam -c-:
teg-ere, cobrir, tex-i (por tec-si), tec-tum; trah-ere, puxar,
trax-i (por trac-si), trac-tum.

2. Supressão consiste na eliminação dos sons, por motivo idêntico
ao da acomodação; assim:

Antes de -s-, as dentais -d- e -t- desaparecem mui
frequentemente: rod-ere, roer, ro-si, ros-um.

3. Assimilação consiste na substituição de um som por outro igual
ao imediato; assim: ac-clamare, aclamar, por ad-clamare..

5. Todas as letras se pronunciam em latim, notando-se todavia:

a. Que as vogais -e- e -o- nunca se pronunciam mudas no fim das
palavras, como em português, tendo o som de -i- e -u-; mas com um
som distinto, ainda que não agudo;

b. Que o grupo -ch- soa -k-: concha, a concha, se lê conka;

c. Que a sílaba -ti-, seguida de vogal, oa -ci-, salvo precedida
de -s-, -x- ou -t-, ou ainda no infinitivo passivo aparentemente
alongado; assim: Lucretius, Lucrécio, se lê Lucrecius, mas
gestio, gestão, mistio, mistura, Attius, Átio (nome de homem) e
patier (em lugar de pati), sofrer, conservam o som dental na
sílaba -ti-.

6. As palavras latinas, assim como as portuguesas, têm uma sílaba
na qual a voz se eleva; chama-se esta sílaba acentuada ou tônica,
por trazer o acento tônico ou simplesmente o acento. Suas regras
são:

a. Nas palavras de duas sílabas, o acento permanece na última
sílaba; ex. Rosa, a rosa.

b. Nas palavras de mais de duas sílabas, o acento permanece na
penúltima sílaba se esta é longa: Formosus, formoso; e na
antepenúltima, se a penúltima é breve: Carmina, os (OOPS) carmes.

DAS PALAVRAS E SEUS ELEMENTOS

7. As palavras latinas são capituladas em oito categorias
léxicas: substantivo, adjetivo, pronome, verbo, preposição,
advérbio, conjunção e interjeição. Dessas, as quatro primeiras
são variáveis, e as restantes invariáveis.

Não há artigo em latim: umbra significa a sombra, uma sombra ou
simplesmente sombra.

8. Raiz é a parte que, modificada ou não, permanece em todas as
palavras cognatas, isto é, de uma mesma família.

Radical é o elemento significativo da palavra, achamo-lo
eliminando as desinências.

O radical pode ser modificado por prefixos e sufixos.

Desinência é a parte móvel que, unida ao radical, indica, do
nome, os casos (desinências casuais) e, do verbo, as pessoas
(desinências pessoais).

9. Há em latim dois números, singular e plural; três gêneros,
masculino, feminino e neutro, gênero este de nomes que não são
masculinos nem femininos, e que, sobretudo pertence a seres
inanimados, se bem que tais seres sejam, na sua maior parte,
designados por nomes masculinos ou femininos.

10. Declinar um nome é apor-lhe sucessivamente ao radical as
desinências que indicam os casos; à série dos casos de um nome em
ambos os números dá-se o nome de declinação.

Há em latim seis casos, ou formas diversas, que exprimem a função
que as palavras exercem na frase; a saber,

a. Nominativo (de nominare, nomear) serve para dar o nome dos
seres, respondendo às perguntas: quem? ou que?; ex. Umbra, a
sombra - É o caso do sujeito e do predicativo do sujeito.

b. Vocativo (de vocare, chamar) serve para despertar o objeto ou
a pessoa a quem nos dirigimos, ex.: Umbra, ubi es? Sombra, onde
estás? - É o caso do (OOPS) compelativo.

c. Genitivo (de gignere, gerar) designa a coisa ou pessoa a quem
pertence um objeto, respondendo às perguntas: de quem? de que?;
ex.: Nigror umbrae, o negrume da sombra. - É o caso do adjunto
limitativo ou restritivo.

d. Dativo (de dare, dar) designa o objeto ou pessoa a quem uma
ação aproveita ou desaproveita, respondendo às perguntas: a quem?
ou para quem? a que? ou para que? ex.: Luccem reddamus umbrae,
demos luz à sombra ou para a sombra. - É o caso do objeto
indireto.

e. Acusativo (de accusare, acusar) designa o objeto de uma ação,
respondendo às perguntas: quem? que?; ex.: Lux fugat umbram, a
luz afugenta a sombra - É o caso do objeto direto e do sujeito
das orações do modo infinitivo.

f. Ablativo (de auferre, tirar) designa a pessoa ou o objeto com,
em, de, ou porque uma ação é praticada; ex.: Umbra veniunt
frigora, da sombra vem o frescor. É o caso do adjunto adverbial,
exprimindo as circunstâncias de modo, tempo, lugar, causa,
matéria, instrumento, etc.

O nominativo e o vocativo chamam-se casos retos, e os demais
oblíquos ou declives, porque envolvem idéia de dependência.

Há em latim vestígios de um sétimo caso, o locativo, que exprime
o lugar onde alguém está ou onde algum fato se realiza; está nos
clássicos tão somente adstrito aos nomes próprios geográficos e
aos apelativos humi, no chão, belli, na guerra, militiae, na
milícia, domi, em casa, na pátria, foci, no fogo, no lar, ruri,
no campo, animi, no ânimo, na mente.

O caso instrumental está confundido com o ablativo.

11. Há cinco declinações em latim: são conhecidas pelo genitivo
singular, distinguindo-se ainda pela letra final do radical.

O genitivo singular termina em -ae na 1a declinação umbr-ae;
O genitivo singular termina em  -i na 2a declinação lup-i;
O genitivo singular termina em -is na 3a declinação clamor-is;
O genitivo singular termina em -us na 4a declinação cant-us;
O genitivo singular termina em -ei na 5a declinação di-ei;

Observação - Há casos que não têm desinência, e, nos radicais que
terminam em vogal, esta, ora desaparece antes das desinências
começadas por vogal, ora se funde com ela.

12. Quatro são as conjugações latinas; conhecem-se pela segunda
pessoa do singular do indicativo presente e pelo infinitivo,
distinguindo-se ainda pela letra final do radical.

Nota - Nos paradigmas das declinações a letra final dos radicais
terminados em vogal, subsistindo esta, e a desinência vão
destacadas. O mesmo se dá nas conjugações, quanto às
características dos tempos.


CAPÍTULO I

SUBSTANTIVOS

PRIMEIRA DECLINAÇÃO

13. A primeira declinação tem o genitivo singular em -ae e o
radical terminado em -a: compreende geralmente nomes femininos e
poucos masculinos.

SINGULAR

Nom. Umbr-a  (f.)   a sombra
Voc. Umbr-a         ó sombra
Gen. Umbr-ae        da sombra
Dat. Umbr-ae        à ou para a sombra
Ac.  Umbr-am        a sombra
Abl. Umbr-a         da, pela, na ou com a sombra

PLURAL

Nom. Umbr-ae        as sombras
Voc. Umbr-ae        ó sombras
Gen. Umbr-arum      das sombras
Dat. Umbr-is        às ou para as sombras
Ac.  Umbr-as        as sombras
Abl. Umbr-is        das, pelas, nas ou com as sombras

OBSERVAÇÕES

Sobre a primeira declinação temos a notar o seguinte:

a. O locativo desta declinação é em -ae: Rom-ae, em Roma.

b. Os nomes que traduzem profissão exercida por homem, e a maior
parte dos nomes de rios são masculinos: Nauta, o marinheiro,
Sequana, o Sena. Allia, Albula e Matrona são femininos.

c. A forma arcaica em -ai de genitivo singular permanece em
alguns clássicos do período da língua latina: terr-ai, da terra,
lun-ai, da lua; o genitivo arcaico familias figura em composição
com os nomes pater, pai, mater, mãe, etc: paterfamilias, o pai de
família.

d. Alguns nomes, sobretudo os terminados em -cola e -gena, têm
frequentemente o genitivo plural contraído em -um: caelicola, o
habitante do céu, caelicol-um; terrigena, o filho da terra,
terrigen-um.

e. Certos nomes femininos, que pressupõem análogos masculinos na
segunda declinação, têm no dativo e no ablativo do plural, além
da terminação -is, a terminação -abus: dea, a deusa, de-abus;
filia, a filha, fili-abus. E assim: Mula, nata, liberta, serva,
etc.

SEGUNDA DECLINAÇÃO

14. A primeira declinação tem o genitivo singular em -i e o
radical terminado em -o (mudado em alguns casos em -u):
compreende geralmente nomes masculinos em -us e em -r, femininos
em -us, e neutros em -um.

NOMES EM -US (Masc. e Fem.)

SINGULAR

Nom. Lup-us (m.)   o lobo
Voc. Lup-e         ó lobo
Gen. Lup-i         do lobo
Dat. Lup-o         ao ou para o lobo
Ac.  Lup-um        o lobo
Abl. Lup-o         do, pelo, no ou com o lobo

PLURAL

Nom. Lup-i         os lobos
Voc. Lup-i         ó lobos
Gen. Lup-orum      dos lobos
Dat. Lup-is        aos ou para os lobos
Ac.  Lup-os        as lobos
Abl. Lup-is        dos, pelos, nos ou com os lobos

NOMES EM -R (Masc.)

SINGULAR

Nom. Aper   (m.)   o javali
Voc. Aper          ó javali
Gen. Apr-i         do javali
Dat. Apr-o         ao ou para o javali
Ac.  Apr-um        o javali
Abl. Apr-o         do, pelo, no ou com o javali

PLURAL

Nom. Apr-i         os javalis
Voc. Apr-i         ó javalis
Gen. Apr-orum      dos javalis
Dat. Apr-is        aos ou para os javalis
Ac.  Apr-os        os javalis
Abl. Apr-is        dos, pelos, nos ou com os javalis

NOMES EM -UM (neutros)

SINGULAR

Nom. Don-um (n.)   o dom
Voc. Don-um        ó dom
Gen. Don-i         do dom
Dat. Don-o         ao ou para o dom
Ac.  Don-um        o dom
Abl. Don-o         do, pelo, no ou com o dom

PLURAL

Nom. Don-a         os dons
Voc. Don-a         ó dons
Gen. Don-orum      dos dons
Dat. Don-is        aos ou para os dons
Ac.  Don-a         os dons
Abl. Don-is        dos, pelos, nos ou com os dons

OBSERVAÇÕES

Sobre a segunda declinação temos a notar o seguinte:

a. O locativo desta declinação é em -i: Lugduni, em Lyon.

b. A maior parte dos nomes em -us são masculinos; entretanto são
femininos: 1. quase todos os nomes de árvores, regiões, cidades e
ilhas; 2. os apelativos alvus, o ventre, carbasus, o linho ou a
vela da nau (neutro no plural), colus, a roca, domus, a casa,
humus, a terra e vannus, a joeira; 3. os nomes gregos, peregrinos
em latim, tais como: methodus, o método, dialectus, o dialeto;
4. os nomes de pedras preciosas com exceção dos masculinos
beryllus, o berílio, carbunculus, o carbúnculo, ópalus, a opala,
smaragdus, a esmeralda, e topasus, o topázio.

c. Há três nomes em -us que são neutros: pelagus, mar, virus, a
peçonha, e vulgus, a plebe (acusativo por vezes vulg-um). Não têm
plural.

d. Os nomes agnus, o cordeiro; angelus, o anjo, chorus, o coro, e
Deus, Deus, têm o vocativo singular igual ao nominativo.

Deus, no plural, tem três formas nos casos seguintes:

Nom. e Voc. Dei, Dii e Di.
Dat. e Abl. Deis, Diis e Dis.

e. Filius, o filho, genius, o gênio, e os nomes próprios de
origem latina terminados em -ius como Caius, Caio, têm o vocativo
singular em -i: fil-i, gen-i, Ca-i. Os próprios de origem grega
seguem a regra geral; Basilius, Basílio, voc. Basili-e.

f. Os seguintes e outros nomes fazem o genitivo singular em -eri
e conservam o -e nos demais casos: gener, o genro, Liber, Baco,
liberi, os filhos (usado no plural), puer, o menino, e socer, o
sogro - genitivo generi, Liberi, pueri, etc. O mesmo se dirá com
relação a vir, o varão, e aos compostos dele, quanto à
persistência do -i.

g. Alguns nomes próprios em -um são femininos: Glycerium,
Glicéria, Leontium, Leôncia, Eustochium, Eustóquia.

h. Há nomes da segunda declinação que têm o genitivo plural em
-um, além da terminação -orum: deum ou deorum, dos deuses, fabrum
ou fabrorum, dos artífices, etc.

TERCEIRA DECLINAÇÃO

15. A terceira declinação tem o genitivo singular em -is e o
radical terminado em -i ou em uma consoante; compreende nomes
masculinos, femininos e neutros, parissílabos ou imparissílabos.

16. Nomes parissílabos são os que têm o mesmo número de sílabas
tanto no nominativo singular quanto no genitivo; imparissílabos
os que têm no nominativo singular menos sílabas do que no
genitivo.

17. Os nomes de radical em -i são parissílabos e fazem o genitivo
plural em -ium; os de radical em consoante são imparissílabos,
fazendo o genitivo plural em -um, se bem que alguns o façam em
-ium.

PARISSÍLABOS - RADICAL EM -I

18. Os masculinos e femininos têm o nominativo singular em -is,
alguns em -es e os neutros em -e, -al e -ar, tendo todos o
genitivo singular em -is.

Os radicais em -al e -ar perderam o -e- no nominativo singular,
parecendo, por isso, imparissílabos.

NOMES MASCULINOS E FEMININOS

SINGULAR

Nom. Ov-is (f.)   a ovelha
Voc. Ov-is        ó ovelha
Gen. Ov-is        da ovelha
Dat. Ov-i         à ou para a ovelha
Ac.  Ov-em        a ovelha
Abl. Ov-e         da, pela, na ou com a ovelha

PLURAL

Nom. Ov-es        as ovelhas
Voc. Ov-es        ó ovelhas
Gen. Ov-ium       das ovelhas
Dat. Ov-ibus      às ou para as ovelhas
Ac.  Ov-es        as ovelhas
Abl. Ov-ibus      das, pelas, nas ou com as ovelhas

SINGULAR

Nom. Vulp-es (f.)   a raposa
Voc. Vulp-es        ó raposa
Gen. Vulp-is        da raposa
Dat. Vulp-i         à ou para a raposa
Ac.  Vulp-em        a raposa
Abl. Vulp-e         da, pela, na ou com a raposa

PLURAL

Nom. Vulp-es        as raposas
Voc. Vulp-es        ó raposas
Gen. Vulp-ium       das raposas
Dat. Vulp-ibus      às ou para as raposas
Ac.  Vulp-es        as raposas
Abl. Vulp-ibus      das, pelas, nas ou com as raposas

NOMES NEUTROS

SINGULAR

Nom. Mar-e  (o mar)   Tribunal   (o tribunal)  Calcar   (a espora)
Voc. Mar-e            Tribunal                 Calcar   
Gen. Mar-is           Tribunal-is              Calcar-is  
Dat. Mar-i            Tribunal-i               Calcar-i   
Ac.  Mar-e            Tribunal                 Calcar   
Abl. Mar-i            Tribunal-i               Calcar-i   

PLURAL

Nom. Mar-ia           Tribunal-ia              Calcar-ia  
Voc. Mar-ia           Tribunal-ia              Calcar-ia  
Gen. Mar-ium          Tribunal-ium             Calcar-ium 
Dat. Mar-ibus         Tribunal-ibus            Calcar-ibus
Ac.  Mar-ia           Tribunal-ia              Calcar-ia  
Abl. Mar-ibus         Tribunal-ibus            Calcar-ibus


PARISSÍLABOS - RADICAL EM CONSOANTE

19. O nominativo singular dos imparissílabos ora figura com o
sufixo nominal -s ora não; nele o radical é muitas vezes
alterado, e acha-se eliminando a terminação -is do genitivo
singular.

SINGULAR

Nom. Clamor    (m.)   o clamor
Voc. Clamor           ó clamor
Gen. Clamor-is        do clamor
Dat. Clamor-i         ao ou para o clamor
Ac.  Clamor-em        o clamor
Abl. Clamor-e         do, pelo, no ou com o clamor

PLURAL

Nom. Clamor-es        os clamores
Voc. Clamor-es        ó clamores
Gen. Clamor-um        dos clamores
Dat. Clamor-ibus      aos ou para os clamores
Ac.  Clamor-es        os clamores
Abl. Clamor-ibus      dos, pelos, nos ou com os clamores

SINGULAR

Nom. Fulgur    (m.)   o raio
Voc. Fulgur           ó raio
Gen. Fulgur-is        do raio
Dat. Fulgur-i         ao ou para o raio
Ac.  Fulgur           o raio
Abl. Fulgur-e         do, pelo, no ou com o raio

PLURAL

Nom. Fulgur-a         os raios
Voc. Fulgur-a         ó raios
Gen. Fulgur-um        dos raios
Dat. Fulgur-ibus      aos ou para os raios
Ac.  Fulgur-a         os raios
Abl. Fulgur-ibus      dos, pelos, nos ou com os raios

OBSERVAÇÕES

1. Sobre os parissílabos temos a observar o seguinte:

a. A maior parte dos nomes parissílabos, masculinos e femininos,
têm o acusativo singular em -em e o ablativo em -e; entretanto,
têm os ditos casos em -im e em -i:

1. Os nomes comuns seguintes e alguns outros:

Basis f. a base
Febris f. a febre
Puppis f. a pôpa
Securis f. o machado
Sitis f. a sede
Turris f. a torre
Tusis f. a tosse
Vis f. a força

2. Os nomes geográficos como Neapolis, Nápoles, Tiberis, o Tibre,
etc.

b. Os neutros em -e, -al e -ar fazem o ablativo singular em -i e
o nominativo plural em -ia, dadas todavia as seguintes exceções:

Baccar, baccaris, o nardo rústico, abl. sing. baccar-e
Far, farris, a farinha, abl. sing. farr-e
Hepar, hepatis, o fígado, abl.sing. hepat-e
Jubar, jubaris, o brilho dos astros, abl. sing. jubar-e
Nectar, nectaris, o néctar, abl. sing. nectar-e
Sal, salis, o sal, abl. sing. sal-e

Igualmente os nomes geográficos neutros Praeneste, Preneste
(cidade do Lácio) que faz o ablativo singular Praenest-e, e
Caere, Cere (cidade da Etrúria) que segue o mesmo teor.

Far tem o nominativo plural farra; baccar hepar, jubar e nectar
não são usados no plural; sal (neutro e masculino no singular) é
no plural sempre masculino, significando ditos galantes ou
engraçados.

Os nomes seguintes têm o genitivo plural em -um:

Apis f. a abelha, ap-um (ou ap-ium)
Canis m. o cão, can-um
Juvenis m. o jovem, juven-um
Panis m. o pão, pan-um
Senex m. o velho, sen-um
Strues f. a pilha, stru-um
Vates m. o (OOPS) vate, vat-um
Volucris f. o pássaro, volucr-um

d. O nome vis, a força (fem.) é assim declinado:

SINGULAR                PLURAL
Nom. e voc. Vis         Nom. voc. e ac. Vires
Ac.         Vim         Dat. e abl.     Viribus
Abl.        Vi          Gen.            Virium

Nota - O genitivo e o dativo do singular vis, vi encontram-se em
autores como Tácito e Hirtius, e no Corpus Juris.

2. Sobre os imparissílabos temos a notar o seguinte:

a. Há dois nomes imparissílabos que excepcionalmente têm o
radical terminado em -u: sus, o porco, e grus, o (OOPS) grou.

b. Têm o genitivo plural em ium:

1. Os radicais terminados por duas consoantes: Linter, lintris
m. a canoa, lintr-ium; pons, pontis m. a ponte, pont-ium. O nome
linter e quejandos, dada que foi a contração dos casos declives,
parece parissílabos.

(OOPS) Exceptuam-se:

Accipiter m. o gavião, accipitr-um
Frater m. o irmão, fratr-um
Mater f. a mãe, matr-um
Pater m. o pai, patr-um
Parens m.f. o pai ou a mãe, parcul-um

e os nomes de origem grega: gigas, gigantis m. o gigante,
gigant-um.

2. Os seguintes monossílabos:

Dos f. o dote, dot-ium
Fraus f. a fraude, fraud-ium
Lis f. a lide, lit-ium
Mas m. o macho, mar-ium
Mus m. o rato, mur-ium
Nix,nivis f. a neve, niv-ium
Trabs f. a trave, trab-ium

e outros.

3. Os nomes de povos em -as ou -is:

Arpinas m. o habitante de Arpino, Arpinat-ium. Quiris m. o
cidadão de Roma, Quirit-ium; e optimates, os grandes, optimat-ium
ou optimat-um. Penates, os (OOPS) Penates, faz Penat-ium ou
Penat-um.

e. Os nomes seguintes sofrem alteração em certos casos:

1. Bos,bovis (m.f.) o boi ou a vaca, faz no genitivo plural
Bo-um, no dativo plural e ablativo bobus e bubus.

2. Jupiter m. Júpiter, faz o vocativo Jupiter e os casos declives
Jovis, Jovi, Jovem, Jove.

3. Vas,vasis n. o vaso, segue no plural a segunda declinação:
vas-a, vas-orum, vas-is.

4. Requies,requietis f. o repouso, faz no acusativo requiet-em ou
requi-em, e no ablativo requiet-e ou requi-e.

QUARTA DECLINAÇÃO

SINGULAR

Nom. Cant-us (m.)   o canto
Voc. Cant-us        ó canto
Gen. Cant-us        do canto
Dat. Cant-ui        ao ou para o canto
Ac.  Cant-um        o canto
Abl. Cant-u         do, pelo, no ou com o canto

PLURAL

Nom. Cant-us        os cantos
Voc. Cant-us        ó cantos
Gen. Cant-uum       dos cantos
Dat. Cant-ibus      aos ou para os cantos
Ac.  Cant-us        os cantos
Abl. Cant-ibus      dos, pelos, nos ou com os cantos

SINGULAR

Nom. Gen-u  (n.)   o joelho
Voc. Gen-u         ó joelho
Gen. Gen-us        do joelho
Dat. Gen-u         ao ou para o joelho
Ac.  Gen-u         o joelho
Abl. Gen-u         do, pelo, no ou com o joelho

PLURAL

Nom. Gen-ua        os joelhos
Voc. Gen-ua        ó joelhos
Gen. Gen-uum       dos joelhos
Dat. Gen-ibus      aos ou para os joelhos
Ac.  Gen-ua        os joelhos
Abl. Gen-ibus      dos, pelos, nos ou com os joelhos

OBSERVAÇÕES

Sobre a quarta declinação temos a notar o seguinte:

a. A maior parte dos nomes em -us são masculinos; entretanto, os
nomes referentes a mulheres, os nomes de árvores, e, bem assim,
acus, a agulha, domus, a casa, penus, os víveres, porticus, o
pórtico, tribus, a tribo, e os plurais idus, os idos (dos meses),
e quinquatruus, quinquatrias (festas em honra de Minerva) são
femininos.

b. Os nomes neutros têm no singular todos os casos em -u, exceto
o genitivo que pode ser em -u ou em -us.

c. Os nomes em cujo radical vai como incremento a gutural -c-,
como ar-c-us, o arco, pe-c-u, o gado; e, a mais, artus, o membro,
partus, o parto, e tribus, a tribo, têm no plural o dativo e o
ablativo em -ubus; os nomes portus o porto, e veru, o espeto, têm
os ditos casos em -ubus ou -ibus, indiferentemente.

d. A forma -ui do dativo singular é por vezes contraída em -u,
tornando-se semelhante à do ablativo do mesmo número; por igual,
a forma -uum do genitivo plural se contrai às vezes em -um.

e. Certos nomes em -us têm, ao lado das formas da quarta
declinação, algumas da segunda; assim laurus, loureiro, faz:

SINGULAR               PLURAL
Gen. Laurus e lauri    Nom. e voc. Laurus e lauri
Abl. Lauru e lauro     Ac. Laurus e lauros

QUINTA DECLINAÇÃO

21. A quinta declinação tem o genitivo singular em -ei e o
radical terminado em -e; compreende em geral nomes femininos.

SINGULAR

Nom. Di-es (m.)   o dia
Voc. Di-es        ó dia
Gen. Di-ei        do dia
Dat. Di-ei        ao ou para o dia
Ac.  Di-em        o dia
Abl. Di-e         do, pelo, no ou com o dia

PLURAL

Nom. Di-es        os dias
Voc. Di-es        ó dias
Gen. Di-erum      dos dias
Dat. Di-ebus      aos ou para os dias
Ac.  Di-es        os dias
Abl. Di-ebus      dos, pelos, nos ou com os dias

OBSERVAÇÕES

Na quinta declinação temos a notar o seguinte:

a. Os nomes desta declinação são em geral femininos, com exceção
de Meridies m. meio-dia, e dies o dia que, masculino no plural, é
no singular feminino significando luz, dia marcado; não tendo
esta significação, é masculino no singular. Mas esta distinção
dos gramáticos nem sempre está de acordo com o que se lê nos
clássicos latinos.

b. A terminação -ei do genitivo e do dativo singulares é longa
todas as vezes que é precedida de vogal; precedida, porém, de
consoante, é breve: - o que sucede aos nomes fides, a fé, res, a
coisa, e spes, a esperança. Por vezes a terminação -ei se contrai
em -e ou -i: planici-e ou planici-i por planici-ei.

c. Somente os nomes dies, res e species têm no plural todos os
casos; acies, o esquadrão, effigies, a efígie, facies, a face,
glacies, o gelo, progenies, a (OOPS) progenie, series, a série, e
spes, a esperança, no plural só têm os casos em -es; os demais
não são usados no plural.

d. Muitos nomes da quinta declinação têm as formas causais da
primeira: Luxuries,ei a lux;uria; e Luxuria,ae.


PARTICULARIDADES DAS DECLINAÇÕES

22. Nomes compostos - Há nomes que são formados pela (OOPS)
adunião de duas ou mais palavras.

a. Se tais nomes são formados de duas palavras em nominativo,
ambas devem ser declinadas.

Nom. Respublica f. a república   Jusjurandum n. o juramento
Gen. Reipublicae                 Jurisjurandi
Dat. Reipublicae, etc.           Jurijurando, etc.

b. Se são formados de uma palavra em nominativo e de outra em
outro caso, deve ser somente declinada a palavra em nominativo:

Nom. Paterfamilias m. o pai de família
Gen. Patrisfamilias
Dat. Patrifamilias, etc.

Nom. Jurisconsultus m. o jurisconsulto
Gen. Jurisconsulti
Dat. Jurisconsulto, etc.

23. Nomes defectivos - Há nomes a que faltam, ou o número, ou os
casos, integralmente:

a. Uns não são usados no plural, como pietas f. a piedade,
argentum n. a prata, acetum n. o vinagre, triticum n. o trigo,
etc.

b. Outros não são usados no singular, como insidiae,arum f. as
ciladas, arma,orum n. as armas, manes,ium m. os deuses bons, etc.

c. Outros não têm todos os casos, como fax,acis f. o archote (não
tem genitivo plural), astus,us m. a astúcia (só tem no singular
nom. e abl., e no plural os casos em -us), jus,uris n. o direito
(no plural só tem os casos em -a), etc.

d. Muitos, com uma só forma, são usados em todos os casos,
chamando-se, por isso, indeclináveis, como sinapi n. mostarda,
Jerusalem f. Jerusalem (hebraísmo), etc.

e. Alguns têm no plural outra significação que não a do singular,
como aedis,is f. o templo; aedes,ium a casa, etc.

24. Nomes heteróclitos - Há nomes que seguem mais de uma
declinação, para todos os casos, como Juventus,utis e Juventa,ae
f. a mocidade, e nomes que têm formas duplas em alguns casos,
como requies f. o repouso (gen. requietis ou requiei), etc.

25. Nomes heterogêneos - Há nomes que, passando para o plural,
mudam de gênero, e outros que, além de tal, mudam também de
significação, como caelum,i n. o céu, e caeli,orum m. os céus;
epulum,i n. o banquete, e epulae,arum f. as iguarias.

26. Nomes gregos - As três primeiras declinações compreendem
alguns nomes que, de origem grega, mantém formas correlatas às
daquela língua:

a. Os nomes da primeira declinação terminam em -as, -es m. e -e
f.

SINGULAR

Nom. Pausani-as, Pausânias
Voc. Pausani-a
Gen. Pausani-ae
Dat. Pausani-ae
Ac.  Pausani-am ou -an
Abl. Pausani-a

SINGULAR

Nom. Anchis-es, Anquises
Voc. Anchis-e ou -a
Gen. Anchis-ae
Dat. Anchis-ae
Ac.  Anchis-em ou -am
Abl. Anchis-e

SINGULAR

Nom. Epitom-e, o resumo
Voc. Epitom-e
Gen. Epitom-es
Dat. Epitom-e
Ac.  Epitom-en
Abl. Epitom-e

b. Os nomes da segunda declinação terminam em -eus, -os, -on.

SINGULAR

Nom. Pers-eus m. Perseu
Voc. Pers-eu
Gen. Pers-ei, -eos
Dat. Pers-ei, -eo
Ac.  Pers-eum, -ea
Abl. Pers-eo

SINGULAR

Nom. Del-os f. Delos
Voc. Del-e
Gen. Del-i
Dat. Del-o
Ac.  Del-um, -on
Abl. Del-o

SINGULAR

Nom. Lexic-on n. o léxico
Voc. Lexic-on
Gen. Lexic-i
Dat. Lexic-o
Ac.  Lexic-on
Abl. Lexic-o

c. Os nomes da terceira declinação que terminam mais comumente em
-is, sendo femininos, seguindo as formas latinas, havendo, porém,
duas formas para o genitivoe para o acusativo singulares.

Gen. Haeres-is e haeres-eos, heresia
Ac.  Haeres-im e haeres-in

d. No plural, os nomes gregos seguem mais ou menos os expoentes
casuais latinos das declinações a que se filiaram.

e. Alguns nomes em -e da primeira declinação tomam de preferência
no singular a forma latina em -a: Music-a f. a música (melhor que
music-e), etc.

f. Os nomes da terceira declinação terminados em -ma fazem o
dativo e ablativo do plural em -ibus e -is; Dogma n. o dogma,
dogmatibus e dogmatis.

g. Os nomes seguintes, e alguns outros, reduzidos à terceira
declinação latina, fazem o acusativo singular em -es e -as.

Aer,eris m. o ar, aerem,a (não tem plural). Aether,eris, o éter,
aetherem e aethera (não tem plural). Heros,ois m. o herói, heroem
e heroa, heroes e heroas.

O uso e a prática melhor conhecimento poderão dar desta matéria.

Nota - conhece-se o radical ou tema de um nome, eliminando-se do
genitivo plural do mesmo, se for da 1a, 2a ou 5a declinação, a
terminação -rum, se for da 3a, ou simplesmente a terminação -um,
ou esta e a vogal conjuntiva -i- se houver; se for da 4a. a
terminação -um simplesmente.


CAPÍTULO II

ADJETIVOS

27. Os adjetivos qualificativos latinos ou seguem a segunda
declinação para os gêneros masculino e neutro e a primeira para o
gênero feminino, ou seguem a terceira para os três gêneros; daí a
divisão em adjetivos de primeira classe e adjetivos de segunda
classe.

ADJETIVOS DE PRIMEIRA CLASSE

1. ADJETIVOS TERMINANDO O NOMINATIVO SINGULAR EM -US

SINGULAR

       Masc.        Fem.         Neutro
Nom.  altus, alto  alta, alta   altum, coisa alta
Voc.  alte         alta         altum
Gen.  alti         altae        alti 
Dat.  alto         altae        alto 
Ac.   altum        altam        altum
Abl.  alto         alta         alto 

PLURAL

       Masc.        Fem.         Neutro
Nom.  alti         altae        altum 
Voc.  alti         altae        altum 
Gen.  altorum      altarum      alti  
Dat.  altis        altis        alto  
Ac.   altos        altas        altum 
Abl.  altis        altis        alto  

1. ADJETIVOS TERMINANDO O NOMINATIVO SINGULAR EM -R

SINGULAR

       Masc.        Fem.         Neutro
Nom.  niger, negro nigra, negra nigrum, coisa negra
Gen.  nigri        nigrae       nigri  
Dat.  nigro        nigrae       nigro  
Ac.   nigrum       nigram       nigrum 
Voc.  niger        nigra        nigrum 
Abl.  nigro        nigra        nigro  

PLURAL

       Masc.        Fem.         Neutro
Nom.  nigri        nigrae       nigra
Gen.  nigrorum     nigrarum     nigrorum
Dat.  nigris       nigris       nigris
Ac.   nigros       nigras       nigra
Voc.  nigri        nigrae       nigra
Abl.  nigris       nigris       nigris

OBSERVAÇÕES

a. Alguns adjetivos em -er conservam o -e do radical em todos os
casos: asper,aspera,asperum, áspero, áspera, coisa áspera,
liber,libera,liberum, livre, livre, coisa livre, etc.

b. Satur,satura,saturum, saciado, saciada, coisa saciada, mantém
o -u- em todos os casos.

c. Os adjetivos de primeira classe são sempre triformes.

d. Todo e qualquer adjetivo concorda com o nome a que se refere,
em gênero, número e caso.

ADJETIVOS DE SEGUNDA CLASSE

1. PARISSÍLABOS

28. Os adjetivos parissílabos têm no nominativo singular, uns
duas formas, outros três; o acusativo singular é sempre em -em
(masc. e fem.) e o ablativo em -i.

SINGULAR

      Masc. e fem.    Neutro
Nom.  brev-is, breve  brev-e, coisa breve
Voc.  brev-is         brev-e  
Gen.  brev-is         brev-is 
Dat.  brev-i          brev-i  
Ac.   brev-em         brev-e  
Abl.  brev-i          brev-i  

PLURAL

      Masc. e fem.    Neutro
Nom.  brev-es         brev-ia  
Voc.  brev-es         brev-ia  
Gen.  brev-ium        brev-ium 
Dat.  brev-ibus       brev-ibus
Ac.   brev-es         brev-ia  
Abl.  brev-ibus       brev-ibus

SINGULAR

        Masc.               Fem.                 Neutro
Nom. Saluber, saudável   Salubr-is, saudável  Salubr-e, coisa saudável
Voc. Saluber             Salubr-is            Salubr-e
Gen. Salubr-is           Salubr-is            Salubr-is
Dat. Salubr-i            Salubr-i             Salubr-i
Ac.  Salubr-em           Salubr-em            Salubr-em
Abl. Salubr-i            Salubr-i             Salubr-i
 
PLURAL 

        Masc.               Fem.                 Neutro
Nom. Salubr-es           Salubr-es            Salubr-ia
Voc. Salubr-es           Salubr-es            Salubr-ia
Gen. Salubr-ium          Salubr-ium           Salubr-ium
Dat. Salubr-ibus         Salubr-ibus          Salubr-ibus
Ac.  Salubr-es           Salubr-es            Salubr-ia
Abl. Salubr-ibus         Salubr-ibus          Salubr-ibus

OBSERVAÇÕES

a. O adjetivo celer,celeris,celere, ligeiro, ligeira, coisa
ligeira, conserva o -e- do nominativo em todos os casos,
terminando ordinariamente o genitivo plural em -um: celer-um.

b. Volucer, alado, tem o genitivo plural em -um e também em -ium:
volucr-um e volucr-ium.

2. IMPARISSÍLABOS

29. Os adjetivos imparissílabos têm no nominativo singular uma só
terminação para todos os gêneros.

SINGULAR

      Masc. e fem.          Neutro
Nom.  constans, constante   constans, coisa constante
Voc.  constans              constans   
Gen.  constant-is           constant-is 
Dat.  constant-i            constant-i  
Ac.   constant-em           constans   
Abl.  constant-i            constant-i  

PLURAL

      Masc. e fem.          Neutro
Nom.  constant-es           constant-ia  
Voc.  constant-es           constant-ia  
Gen.  constant-ium          constant-ium 
Dat.  constant-ibus         constant-ibus
Ac.   constant-es           constant-ia  
Abl.  constant-ibus         constant-ibus

OBSERVAÇÕES

a. Esses adjetivos, quando substantivados, fazem o ablativo
singular em -e, o que também sucede aos particípios do presente,
como tais.

b. Alguns adjetivos imparissílabos têm por forma única de
ablativo singular a terminada em -e, e outros a terminada em -i;
com o uso serão conhecidos.

c. Os adjetivos terminados em -ans, -ens, -rs, -as (raro), -ax,
-ix, -ox, os multiplicativos em -plex (simplex, duplex, etc)
fazem o genitivo plural em -ium e o plural neutro em -ia (nom.,
voc. e ac.). Locuples, rico, faz o genitivo plural em -ium e -um;
anceps, duvidoso, e praeceps, (OOPS) precípite, só o fazem em
-um. Os demais adjetivos fazem o genitivo plural em -um e não têm
plural neutro, com exceção de vetus, velho, que faz vetera (nom.,
voc. e ac.).

COMPARATIVOS E SUPERLATIVOS

30. Em latim os adjetivos sofrem uma flexão indicadora dos graus
de qualidade:

Positivo         Comparativo            Superlativo
Brev-is, breve   brev-ior, mais breve   brev-issimus, muito breve

31. Só os adjetivos qualificativos são passíveis de graus,
sendo-o também os particípios do presente e do passado, se tomam
por completo a significação de adjetivos:

Positivo             Comparativo   Superlativo
Amans, afeiçoado     amant-ior     amant-issimus
Optatus, aprazível   optat-ior     optat-issimus

32. Regra mecânica - o comparativo e o superlativo são formados,
adicionando-se ao caso acabado em -i do positivo as terminações:

-or (masc. e fem.)            -us (neutro) para o comparativo
-ssimus (masc.) -ssima (fem.) -ssimum (neutro) para o superlativo

O caso acabado em -i, nos adjetivos de primeira classe, é o
genitivo singular, e nos de segunda, o dativo:

Alt-i (gen. de altus)    alt-ior  (comp.)   alti-ssimus (superl.)
Brev-i (dat. de brevis)  brev-ior (comp.)   brevi-ssimus (superl.)

O comparativo declina-se como os adjetivos de segunda classe
imparissílabos: tem o ablativo singular em -e ou em -i, o
genitivo plural em -um e o nominativo, vocativo e acusativo
neutros do mesmo número em -a.

O superlativo segue a declinação dos adjetivos de primeira classe
em -us,-a,-um, como altus.

SINGULAR

      Masc. e fem.         Neutro
Nom.  Brevior, mais breve  Brevius, coisa mais breve
Voc.  Brevior              Brevius  
Gen.  Brevior-is           Brevior-is 
Dat.  Brevior-i            Brevior-i  
Ac.   Brevior-em           Brevius
Abl.  Brevior-e ou -i      Brevior-e ou -i  

PLURAL

      Masc. e fem.       Neutro
Nom.  Brevior-es         Brevior-a  
Voc.  Brevior-es         Brevior-a  
Gen.  Brevior-um         Brevior-um 
Dat.  Brevior-ibus       Brevior-ibus
Ac.   Brevior-es         Brevior-a  
Abl.  Brevior-ibus       Brevior-ibus

33. Quando o adjetivo não tem adjetivo sintético ou superlativo
orgânico, a idéia da comparação é expressa, acompanhando-se o
adjetivo de magis e plus, mais, tam, tão, minus, menos,
ligando-se o segundo membro da comparação por quam, quanto, ou
por um substantivo no ablativo, tratando-se do comparativo de
superioridade ou de inferioridade; e, por quam e por ut, como,
tratando-se do de igualdade. A idéia da superlatividade é
expressa, acompanhando-se o adjetivo de valde, maxime, muito,
grandemente, ou quejandos.

PARTICULARIDADES

34. a. Os adjetivos em -er têm o comparativo regular; com exceção
de dexter, direito, e sinister, esquerdo, que fazem dexterior e
sinisterior.

Todavia o superlativo dos adjetivos em -er é formado com a junção
de -rimus,-a,-um, ao nominativo singular masculino:

Niger, negro       niger-rimus
Saluber, saudável  saluber-rimus

Tem também o superlativo em -rimus os adjetivos: vetus, velho,
veter-rimus, e maturus, maduro, matur-rimus ou maturi-ssimus.

35. b. Seis adjetivos em -ilis fazem o superlativo ajuntando
-limus,-a,-um, ao radical do genitivo singular:

Facilis     fácil             facil-limus
Difficilis  difícil           difficil-limus
Gracilis    (OOPS) grácil     gracil-limus
Similis     semelhante        simil-limus
Dissimilis  dessemelhante     dissimil-limus
Humilis     humilde           humil-limus

Imbecillis, imbecil, faz imbecil-limus ou imbecil-lissimus (a
segunda forma é de imbecillus).

36. c. Os adjetivos terminados em -dicus, -ficus e -volus (de
dicere, dizer, facere, fazer e velle, querer) fazem o comparativo
em -entior e o superlativo em -entissimus, como se fossem
particípios em -ns.

Maledicus, (OOPS) malédico, maledic-entior, maledic-entissimus
Magnificus, magnífico, magnific-entior, magnific-entissimus
Benevolus, benévolo, benevol-entior, benevol-entissimus

Seguem as mesmas terminações:

Egenus,    pobre,       eg-entior,     eg-entissimus
Providus,  previdente,  provid-entior, provid-entissimus

37. d. Os adjetivos em -eus, -ius e -uus não são usados com
gradação orgânica. Não confundamos os adjetivos em -uus com os em
-quus; estes têm os graus sintéticos:

Antiquus, antiqui-or, antiqui-ssimus

38. e. Senex, velho, e juvenis, jovem, fazem o comparativo senior
e junior sem forma neutra, não tendo superlativo.

39. f. Muitos adjetivos, ou por sua significação ou por eufonia,
deixam de ter flexão, quer de comparativo, que de superlativo,
quer de comparativo e superlativo ao mesmo tempo. O uso dirá a
tal respeito.

Obs. A idéia decrescente pode ser expressa pelas desinências
-lus,-la,-lum (parvulus), -culus,-cula,-culum (graviculus) e pela
preposição sub anteposta (subhorridus).

40. g. Não seguem a regra mecânica os adjetivos seguintes:

Bonus, bom, melior, melhor, optimus, ótimo.
Malus, mau, pejor, pior, pessimus, péssimo.
Magnus, grande, major, maior, maximus, máximo.
Parvus, pequeno, minor, menor, minimus, mínimo.
Multus, muito, plus, mais, plurimus, muitíssimo.

A estes podemos ajuntar:

Frugi, sóbrio, frugalior, frugalissimus.
Nequam, perverso, nequior, nequissimus.
Exterus, externo, exterior, extremus ou extimus.
Inferus, baixo, inferior, infimus ou imus.
Posterus, póstero, posterior, postremus ou postumus.
Superus, alto, superior, supremus ou summus.

41. h. Há três comparativos e superlativos derivados de positivos
obsoletos:

Deter, ruim, deterior, deterrimus.
Ocys, veloz, ocior, ocissimus.
Potis, capaz, potior, potissimus.

42. i. Há alguns comparativos e superlativos cujos positivos não
são adjetivos, mas sim advérbios ou preposições; ei-los:

Citra, aquém, citerior, citimus.
Intra, dentro, interior, intimus.
Prae, antes, prior, primus.
Prope, junto, propior, proximus.
Ultra, além, ulterior, ultimus.

ADJETIVOS NUMERAIS

43. Há em latim duas espécies de adjetivos numerais:

1. Cardinais, (OOPS) ou sejam os que mostram o número dos
objetos; ex: Unus, um; duo, dois.

2. Ordinais, (OOPS) ou sejam os que mostram a ordem dos objetos;
ex: Primus, primeiro, secundus, segundo.

A estes podemos juntar os distributivos, ou seja, os que mostram
os objetos dispostos por grupos; ex: Singuli, um a um; bini, dois
a dois.

44. Dos cardinais são declináveis os três primeiros:

De quattuor até centum são eles indeclináveis.

De ducenti até nongenti eles se declinam como altus,a,um, sempre
no plural.

Mille, mil, é geralmente adjetivo e indeclinável.

Millia, milhar, é considerado substantivo plural neutro, seguindo
os expoentes casuais da terceira declinação: millia, millium,
millibus.

Declinação de Unus, um.

Nom. Un-us     un-a       un-um
Gen. Un-ius    un-ius     un-ius
Dat. Un-i      un-i       un-i
Ac.  Un-um     un-am      un-um
Abl. Un-o      un-a       un-o

Declinação de Duo, dois.

Nom. Du-o           du-ae         du-o
Gen. Du-orum        du-arum       du-orum
Dat. Du-obus        du-abus       du-obus
Ac.  Du-os ou du-o  du-as         du-o
Abl. Du-obus        du-abus       du-obus

Ambo,ae,o, ambos, declina-se como duo sendo estes dois nomes
vestígios do número dual, dada a terminação -o do nominativo e do
vocativo.

Declinação de Tres, três.

Nom. Tres      tria
Gen. Trium     trium
Dat. Tribus    tribus
Ac.  Tres      tria
Abl. Tribus    tribus

45. Nas expressões compostas de dois adjetivos numerais é o lugar
destes fixado pelo uso; assim:

a. de 21 a 100 o número menor é o primeiro com et, ou o segundo
sem et; ex: Unus et viginti ou viginti unus, vinte e um.

b. De 100 em diante o maior número é o primeiro com ou sem et;
ex: Centum et viginti ou centum viginti, cento e vinte.

46. Os numerais ordinais e distributivos se declinam como os
adjetivos de primeira classe.

47. Há também numerais que servem para designar objetos
multiplicados, chamados por isso multiplicativos, e terminados em
-plex, como sim-plex, du-plex; e numerais que marcam a proporção
dos objetos, chamados por isso proporcionais e terminam em -plus,
como sim-plus, du-plus.

48. Os primeiros se declinam como os adjetivos de segunda classe,
e os segundos como os de primeira.

49. Os advérbios numerais constam da tabela seguinte:

obs. o "c" invertido foi digitado como "]"

1 unus,a,um                        primus                                singuli                    semel (uma vez)          I
2 duo,ae,o                         secundus ou alter                     bini                       bis (duas vezes)         II
3 tres,ia                          tertius                               terni (trini)              ter                      III
4 quatuor ou quattuor              quartus                               quaterni                   quater                   IV
5 quinque                          quintus                               quini                      quinquies                V
6 sex                              sextus                                seni                       sexies                   VI
7 septem                           septimus                              septeni                    septies                  VII
8 octo                             octavus                               octoni                     octies                   VIII
9 novem                            nonus                                 noveni                     novies                   IX
10 decem                           decimus                               deni                       decies                   X
11 undecim                         undecimus                             undeni                     undecies                 XI
12 duodecem                        duodecimus                            duodeni                    duodecies                XII
13 tredecim (decem et tres)        tertius decimus                       terni deni                 terdecies (tredecies)    XIII
14 quatuordecim (decem et quatuor) quartus decimus                       quaterni deni              quatuordecies            XIV
15 quindecim (decem et quinque)    quintus decimus                       quini deni                 quindecies               XV
16 sedecim (decem et sex)          sextus decimus                        seni deni                  sedecies                 XVI
17 septemdecim (decem et septem)   septimus decimus                      septeni deni               septiesdecies            XVII
18 duodeviginti                    octavus decimus                       octoni deni (duodeviceni)  duodevicies              XVIII
19 undeviginti                     nonus decimus                         noveni deni (undeviceni)   undevicies               XIX
20 viginti                         vicesimus                             viceni                     vicies                   XX
21 viginti unus (unus et viginti)  vicesimus unus (unus et vicesimus)    viceni singuli             vicies semei             XXI
22 viginti duo (duo et viginti)    vicesimus alter (alter et vicesimus)  viceni bini                vicies bis               XXII
30 triginta                        tricesimus                            triceni                    tricies                  XXX
40 quadraginta                     quadragesimus                         quadrageni                 quadragies               XL
50 quinquaginta                    quinquagesimus                        quinquageni                quinquagies              L
60 sexaginta                       sexagesimus                           sexageni                   sexagies                 LX
70 septuaginta                     septuagesimus                         septuageni                 septuagies               LXX
80 octoginta                       octogesimus                           octogneni                  octogies                 LXXX
90 nonaginta                       nonagesimus                           nonageni                   nonagies                 XC
100 centum                         centesimus                            centeni                    centies                  C
101 centum unus (centum et unus)   centesimus primus                     centeni singuli            centies semel            CI
200 ducenti,ae,a                   ducentesimus                          duceni                     ducenties                CC
300 trecenti,ae,a                  trecentesimus                         treceni                    trecenties               CCC
400 quadrigenti,ae,a               quadringentesimus                     quadringeni                quadringenties           CCCC
500 quingenti,ae,a                 quingentesimus                        quingeni                   quingenties              D ou I]
600 sescenti,ae,a                  sexcentesimus                         sexceni                    sexcenties               DC ou I]c
700 septigenti,ae,a                septingentesimus                      septingeni                 septingenties            DCC ou I]cc
800 octigenti,ae,a                 octingentesimus                       octingeni                  octingenties             DCCC ouI]ccc
900 nongenti,ae,a                  nongentesimus                         nongeni                    nongenties               DCCCC
1000 mille                         millesimus                            singula millia             millies                  M ou ]Ic
2000 duo millia                    bis millesimus                        bina millia                bis millies              MM
10000 decem millia                 decies millesimus                     dena millia                decies millies           ccI]]
100000 centum millia               centies millesimus                    centena millia             centies millies          cccI]]]
500000 quingenta millia            quingenties millesimus                quingena millia            quingenties millies      I]]]]
1000000 decies centum millia       millies millesimus                    decies centena millia      decies centies millies   ccccI]]]]


CAPÍTULO III

PRONOMES E ADJETIVOS PRONOMINAIS

50. Há em latim seis espécies de pronomes: pessoais, possessivos,
demonstrativos, relativos, interrogativos e (OOPS)
indefinitos. Excetuados os pronomes pessoais, os restantes ou são
empregados sós e (OOPS) por assim têm a função de verdadeiros
pronomes, ou são empregados com um substantivo e (OOPS) por assim
têm a função de adjetivos (o que essencialmente são) tomando
então o nome de adjetivos pronominais.

PRONOMES PESSOAIS

51. Os pronomes pessoais são:

Da 1a pessoa.

SINGULAR

Nom. Ego          eu
Gen. Mei          de mim
Dat. Mihi ou mi   a mim, me, para mim
Ac.  Me           me
Abl. Me           de mim, em mim, por mim

PLURAL

Nom. Nos                 nós
Gen. Nostrum ou nostri   de nós
Dat. Nobis               a nós, nos, para nós
Ac.  Nos                 nos
Abl. Nobis               de nós, em nós, por nós

O pronome da primeira pessoa não tem e nem pode ter vocativo.

Da 2a pessoa.

SINGULAR

Nom. Tu      tu
Voc. Tu      ó tu
Gen. Tui     de ti
Dat. Tibi    a ti, te, para ti
Ac.  Te      te
Abl. Te      de ti, em ti, por ti

PLURAL

Nom. Vos                 vós
Nom. Vos                 ó vós
Gen. Vestrum ou vestri   de vós
Dat. Vobis               a vós, vos, para vós
Ac.  Vos                 vos
Abl. Vobis               de vós, em vós, por vós

Da 3a pessoa.

1. Pronome não reflexo - Não há em latim pronome pessoal não
reflexo, para exprimir a terceira pessoa.; supre-se essa falta
com os demonstrativos ille, hic, is, ipse, significando os mesmos
ele, ela, etc, declinados adiante.

2. pronome reflexo - O pronome reflexo, assim chamado por denotar
que a ação reverte para o mesmo sujeito que a praticou, não tem
nominativo nem vocativo; tem uma só forma casual para singular e
plural.

SINGULAR E PLURAL

Gen.  Sui, de si, dele, dela, deles, delas, disso, daquilo.
Dat.  Sibi, a si, se, para si, a ele, para ele, etc.
Ac.   Se, se.
Abl.  Se, de si, por si, em si, dele, por ele, nele, etc.

PARTICULARIDADES SOBRE OS PRONOMES PESSOAIS

a. Os genitivos plurais nostrum e vestrum empregam-se no sentido
partitivo, equivalendo a ex nobis, ex vobis; ex: Quis nostrum?
quem de nós (dentre nós)? Quis vestrum? quem de vós (dentre vós)?

Os genitivos plurais nostri e vestri empregam-se no sentido
coletivo; ex.: Memento nostri, lembra-te de nós, Miseremini
vestri, tende piedade de vós.

b. A preposição cum, construída com os ablativos dos pronomes
pessoais, é sempre enclítica e forma corpo com os ditos
ablativos; assim teremos: mecum, tecum, secum, nobiscum,
vobiscum, comigo, contigo, consigo, conosco, convosco.

c. Aos pronomes pessoais, menos tu, junta-se como reforço em
todos os casos, menos no genitivo plural, a partícula inseparável
-met (mesmo); ex.: egomet, nosmet, eu mesmo, nós mesmos. Idêntico
fato se dá por meio de -ipse; ex.: semetipsum, tuimetipsius, a si
mesmo, de ti mesmo.

PRONOMES E ADJETIVOS POSSESSIVOS

52. De cada um dos pronomes pessoais, em ambos os números, sendo
fator o caso genitivo, formam-se os possessivos, (OOPS) já
pronomes, já adjetivos; assim:

1. Do gen. sing.       - mei, forma-se meus,a,um, meu, minha.
2. Do gen. sing.       - tui, forma-se tuus,a,um, teu, tua.
3. Do gen. sing. e pl. - sui, forma-se suus,a,um, seu, sua.
4. Do gen. sing.       - nostri, forma-se noster,tra,trum, nosso, nossa.
5. Do gen. sing.       - vostri, forma-se voster,tra,trum, vosso, vossa.

53. Meus, tuus e suus se declinam por altus; tuus e suus não têm
vocativo; meus faz o voc. sing. masc. mi.


SINGULAR

Nom. meus, mea, meum.
Voc. mi, mea, meum.
Gen. mei, meae, mei.
Dat. meo, meae, meo.
Ac.  meum, meam, meum.
Abl. meo, mea, meo.

PLURAL

Nom. mei, meae, mea.
Voc. mei, meae, mea.
Gen. meorum, mearum, meorum.
Dat. meis, meis, meis.
Ac.  meos, meas, mea.
Abl. meis, meis, meis.

54. Noster e vester se declinam por Niger; Vester não tem
vocativo.

SINGULAR

Nom. noster, nostra, nostrum.
Voc. noster, nostra, nostrum.
Gen. nostri, nostrae, nostri.
Dat. nostro, nostrae, nostro.
Ac.  nostrum, nostram, nostrum.
Abl. nostro, nostra, nostro.

PLURAL

Nom. nostri, nostrae, nostra.
Voc. nostri, nostrae, nostra.
Gen. nostrorum, nostrarum, nostrorum.
Dat. nostris, nostris, nostris.
Ac.  nostros, nostras, nostra.
Abl. nostris, nostris, nostris.

PARTICULARIDADES SOBRE OS POSSESSIVOS

a. Suus é um possessivo reflexo, como seu primitivo o pessoal
sui; por consequência, na oração, ele regularmente acompanha o
objeto, enquanto que lembra e representa a pessoa expressa pelo
sujeito do verbo; ex.: Amat patrem suum, ele ama seu pai.

b. Quando o emprego de suus não é possível, urge substituí-lo
pelo genitivo ejus, dele, dela, para o singular, e pelos
genitivos eorum, earum, deles, delas, para o plural; ex.: Seu
irmão é morto. Frater ejus mortuus est (suus deve acompanhar o
complemento). Eu vi o livro deles. Librum eorum vidi (suus deve
representar o sujeito).

c. De noster e vester formam-se nostras,atis, da nossa pátria
(nosso patrício) e vestras,atis, da vossa pátria (vosso
patrício). Declinam-se por Constans.

PRONOMES E ADJETIVOS DEMONSTRATIVOS

55. Os pronomes ou adjetivos demonstrativos são:

1. Hic,haec,hoc      este, esta, isto
2. Iste,ista,istud   esse,essa,isso
3. Ille,illa,illud   aquele, aquela, aquilo
4. Is,ea,id          este, esta, isto (ele)
5. Idem,eadem,idem   o mesmo, a mesma, a mesma coisa
6. Ipse,ipsa,ipsum   o mesmo, a mesma, a mesma coisa (próprio)

56. Hic e iste designam um objeto que se mostra; ille e is um
objeto de que se fala; Ipse, significa eu mesmo, tu mesmo, ele
mesmo, conforme se refira à primeira, à segunda ou à terceira
pessoa.

1. Hic,haec,hoc, este

SINGULAR

Nom.  Hic, haec, hoc
Gen.  Hujus, hujus, hujus
Dat.  Huic, huic, huic
Ac.   Hunc, hanc, hoc
Abl.  Hoc, hac, hoc

PLURAL

Nom.  Hi, hae, haec
Gen.  Horum, harum, horum
Dat.  His, his, his
Ac.   Hos, has, haec
Abl.  His, his, his

2. Iste, ista, istud, esse

SINGULAR

Nom.  Iste, ista, istud
Gen.  Istius, istius, istius
Dat.  Isti, isti, isti
Ac.   Istum, istam, istud
Abl.  Isto, ista, isto

PLURAL

Nom.  Isti, istae, ista
Gen.  Istorum, istarum, istorum
Dat.  Istis, istis, istis
Ac.   Istos, istas, ista
Abl.  Istis, istis, istis

3. Ille, illa, illud, aquele (ele)

SINGULAR

Nom.   Ille, illa, illud
Gen.   Illius, illius, illius
Dat.   Illi, illi, illi
Ac.    Illum, illam, illud
Abl.   Illo, illa, illo

PLURAL

Nom.   Illi, illae, illa
Gen.   Illorum, illarum, illorum
Dat.   Illis, illis, illis
Ac.    Illos, illas, illa
Abl.   Illis, illis, illis

4. Is, ea, id, este (ele)

SINGULAR

Nom.   Is, ea, id
Gen.   Ejus, ejus, ejus
Dat.   Ei, ei, ei
Ac.    Eum, ea, id
Abl.   Eo, ea, eo

PLURAL

Nom.   Ii ou ei, eae, ea
Gen.   Eorum, earum, eorum
Dat.   Iis ou eis, iis ou eis, iis ou eis
Ac.    Eos, eas, ea
Abl.   Iis ou eis, iis ou eis, iis ou eis

5. Idem,eadem,idem, o mesmo

SINGULAR

Nom.   Idem, eadem, idem
Gen.   Ejusdem, ejusdem, ejusdem
Dat.   Eidem, eidem, eidem
Ac.    Eumdem, eamdem, eidem
Abl.   Eodem, eadem, eodem

PLURAL

Nom.   Iidem ou eidem, eaedem, eadem
Gen.   Eorumdem, earumdem, eorumdem
Dat.   Iisdem ou eisdem, iisdem ou eisdem, iisdem ou eisdem
Ac.    Eosdem, easdem, eadem
Abl.   Iisdem ou eisdem, iisdem ou eisdem, iisdem ou eisdem

6. Ipse,ipsa,ipsum, eu mesmo, eu próprio

SINGULAR

Nom.   Ipse, ipsa, ipsum
Gen.   Ipsius, ipsius, ipsius
Dat.   Ipsi, ipsi, ipsi
Ac.    Ipsum, ipsam, ipsum
Abl.   Ipso, ipsa, ipso

PLURAL

Nom.   Ipsi, ipsiae, ipsa
Gen.   Ipsorum, ipsarum, ipsorum
Dat.   Ipsis, ipsis, ipsis
Ac.    Ipsos, ipsas, ipsa
Abl.   Ipsis, ipsis, ipsis

PARTICULARIDADES SOBRE OS DEMONSTRATIVOS

a. A partícula -ce- por vezes é anexada aos diferentes casos de
hic, para lhes reforçar o valor demonstrativo; ex.: hisce
temporibus, nestes tempos de agora.

b. Os pronomes neutros hoc, istud, id, illud, significam isto,
isso, aquilo, no nominativo e acusativo; nos demais casos, para
ser mantida essa significação, quer o uso que a palavra res,
coisa, seja adicionada ao pronome; ex.: hujus rei, disto, ea re,
por isso.

PRONOMES E ADJETIVOS RELATIVOS

58. O relativo qui,quae,quod, junto a um substantivo e ocupando o
primeiro lugar na frase, ou melhor, iniciando-a, equivale a um
demonstrativo puro; ex.: Qui vir, este varão, Qua de causa, por
este motivo, Quibus rebus cognitis, conhecido isto.

O relativo qui,quae,quod, chamado também conjuntivo porque liga
duas orações entre si, tem a significação de que, qual, o que,
etc., e se declina do seguinte modo:

SINGULAR

Nom.   Qui, quae, quod
Gen.   Cujus, cujus, cujus
Dat.   Cui, cui, cui
Ac.    Quem, quam, quod
Abl.   Quo, qua, quo

PLURAL

Nom.   Qui, quae, quae
Gen.   Quorum, quarum, quorum
Dat.   Quibus ou queis, quibus ou queis, quibus ou queis
Ac.    Quos, quas, quae
Abl.   Quibus ou queis, quibus ou queis, quibus ou queis

59. Qualis, quantus, quantulus e quot são considerados
correlativos, quando têm por antecedente expresso ou subentendido
um pronome que lhes seja correspondente na forma ou no sentido;
assim:

Talis, qualis, tal, qual
Tantus, quantus, tão grande, quão grande
Tantulus, quantulus, tão pequeno, quão pequeno
Tot, quot, tanto, quanto

Nota - Do mesmo modo que mecum, tecum, etc., também se usam com a
preposição cum, enclítica, os ablativos quocum, quacum,
quibuscum; melhor que cum quo, cum qua, cum quibus.

PRONOMES E ADJETIVOS INTERROGATIVOS

60. São pronomes interrogativos.

1. Quis,quae,quid, quem? que? qual?

SINGULAR

Nom.   Quis, quae, quid (pron.)
Nom.   Qui, quae, quod (adj.)
Gen.   Cujus, cujus, cujus
Dat.   Cui, cui, cui
Ac.    Quem, quam, quid ou quod
Abl.   Quo, qua, quo

PLURAL

Nom.   Qui, quae, quae
Gen.   Quorum, quarum, quorum
Dat.   Quibus ou queis, quibus ou queis, quibus ou queis
Ac.    Quos, quas, quae
Abl.   Quibus ou queis, quibus ou queis, quibus ou queis

2. Uter,utra,utrum, qual dos dois? qual das duas? qual das duas
coisas?

SINGULAR

Nom.   Uter, utra, utrum
Gen.   Utrius, utrius, utrius
Dat.   Utri, utri, utri
Ac.    Utrum, utram, utrum
Abl.   Utro, utra, utro

PLURAL

Nom.   Utri, utrae, utra
Gen.   Utrorum, utrarum, utrorum
Dat.   Utris, utris, utris
Ac.    Utros, utras, utra
Abl.   Utris, utris, utris

3. Quisnam e quinam, quaenam, quidnam (pron.) quodnam (adj.), quem?
qual? que? (declina-se por quis).

4. Ecquis e ecqui, ecqua e ecquae, ecquid (pron.) ecquod (adj.), por
ventura algu'em? (declina-se por quis, salvo a primeira forma do
nominativo singular feminino e o nom. e ac. plural neutros que vêm a
ser ecqua).

5. Numquis, numqua, numquid (pron.) numquod (adj.), será que alguém?
será que alguma coisa? (declina por quis, salvo o nominativo singular
feminino e o nom. e ac. plural neutros que vêm a ser numqua).

6. Cujus,cuja,cujum, de quem? de que coisa? (declina-se por altus,
sendo tão somente usado nos seguintes casos: nom. sing. cujus,a,um,
ac. sing. cujum,am,um, abl. fem. sing. cuja, nom. fem. plur. cujae,
ac. fem. plur. cujas).

7. Cujas, gen. cujatis de que pátria? de que família? (declina-se por
constans).

8. Qualis,quale, qual? (declina-se por brevis).

9. Quantus,quanta,quantum, quão grande?

10. quantulus,quantula,quantulum, quão pequeno?

11. Quotus,quota,quotum de que número?

12. Quot, quanto de? (é indeclinável).

Nota - a. Nos casos oblíquos (genitivo, dativo, ablativo) quer o uso
que o pronome quis, nas formas neutras, seja substituído por cujus
rei, cui rei, qua re.

b. Os interrogativos podem, em sua maior parte, ser empregados como
exclamativos: ex qui clamor! ó que clamor! qualis miseria! que
miséria! quanta laetitia! que grande alegria!

PRONOMES E ADJETIVOS INDEFINITOS

61. Os indefinitos, ou o são simplesmente, e, por assim, serão
chamados indefinitos puros, ou são também relativos, e, por
igual, serão chamados indefinitos relativos.

São indefinitos puros:

a. Alguns compostos de quis ou de qui, e por estes declinados,
salvo algumas modalidades; a saber:

1. Quis,quae ou qua,quid (pron), um, alguém, alguma coisa;
qui,quae ou qua,quod (adj.) qualquer (o nominativo feminino
singular, o nominativo e o acusativo neutro plurais são quae ou
qua).

2. Aliquis,aliqua,aliquid (pron.), um, alguém, alguma coisa;
Aliqui,aliqua,aliquod (adj.), qualquer, o nominativofeminino
singular, o nominativo e o acusativo plurais neutros são sempre
aliqua. O plural aliqui,aliquae,aliqua, só é usado
pronominalmente, aliquot (indeclinável) é a única forma usada
adjetivamente, vindo sempre unida a um substantivo.

3. Quispiam,quaepiam,quidpiam (pron.) quodpiam (adj.), alguém,
algum, alguma coisa.

4. Quidam,quaedam,quiddam (pron.) quoddam (adj.), um certo, uma
certa, uma certa coisa.

5. Quisque,quaeque,quidque (pron.) quodque (adj.), cada qual,
cada um, cada coisa.

6. Quisquam,quidquam,quicquam (sem feminino nem plural) alguém,
algum, alguma coisa.

7. Quivis,quaevis,quidvis (pron.), quodvis (adj.) quem quiseres,
não importa quem; vis é a segunda pessoa sing. do presente do
indicativo de volo, eu quero.

8. Quilibet,quaelibet,quidlibet (pron.) quodlibet (adj.) qualquer
que seja, a quem aprouver; libet é o verbo unipessoal libet,
libebat, etc, aprazer.

b. Alguns, como unus e por ele declinados, salvas algumas
modalidades, mantendo o genitivo singular em -ius e o dativo em
-i, a saber:

1. Ullus,ulla,ullum (adj.), algum, alguma, alguma coisa.

2. Nullus,nulla,nullum (adj.), nenhum, nenhuma, coisa nenhuma.

3. Unus,una,unum (adj.) um, uma, uma coisa).

4. Alius,alia,aliud (adj.) outro, outra, outra coisa, (declina-se
por unus), sendo o nominativo singular neutro em -ud e também o
acusativo do mesmo número e gênero.

5. Totus,tota,totum (adj.), todo, toda, tudo.

6. Solus,sola,solum (adj.); só (solus, totus e unus têm
vocativo).

c. Alguns, como Uter, e por ele declinados, salvo algumas
modalidades, mantendo o genitivo singular em -ius e o dativo em
-i, a saber:

1. Uterque,utraque,utrumque (pron. e adj.), um e outro, ambos.

2. Neuter,neutra,neutrum (pron. e adj.), nenhum dos dois, nem um
nem outro.

3. Alter,altera,alterum (adj.), outro, o segundo.

4. Alteruter,alterutra,alterutrum (adj.) um ou outro, um dos
dois; (pode-se também declinar separadamente: alter e uter,
altera utra, alterum utrum, gen. alterutrius ou alteritis utrius,
etc.

d. Dois indefinidos se apartam das declinações precedentes, a
saber.

1. Nemo, ninguém, (em geral substantivo). Esse indefinito só tem
os casos singulares dativo e acusativo, nemini e neminem; o
genitivo e o ablativo singulares, urgindo o emprego, são tomados
a nullus, (nullius e nullo). Essa afirmação se reporta à
nomenclatura recente e não ao período arcaico do latim, onde
vemos figurar em Ennius o genitivo neminis; nos fins da república
era raríssimo o emprego de tal genitivo.

Nemo é a contração de ne homo, nem um homem.

2. Nihil, nada (neutro indeclinável) é sempre usado como
substantivo e nos casos nominativo e acusativo exclusivamente. O
genitivo nihili, o dativo e o ablativo nihilo vêm da fórmula
nihilum, afim de nihil; nihilum é contração de ne hilum, (OOPS)
nem pinta, nem tris.

62. São indefinidos relativos.

1. Quicunque,quaecunque,quodcunque, (pron.), qualquer que, todo
aquele que, tudo aquilo que. É raramente adjetivo, e quase que
seu emprego como tal se reduz às expressões quacunque ratione,
quocunque modo, de qualquer maneira, e quejandas. Quicunque é
usado no vocativo.

2. Quisquis (sem fem.), quidquid e quicquid (n.), qualquer que,
todo aquele que. Só é usado no nominativo singular masculino
quisquis, no nominativo e acusativo singulares neutros, quidquid
ou quicquid, no ablativo singular masculino e neutro, quoquo,
sendo raros o acusativo singular masculino, quemquem, o
nominativo plural masculino, quiqui, e o ablativo plural
quibusquibus.

3. Uter,utra,utrum, aquele dos dois que.

4. Utercunque,utracunque,utrumcunque, qualquer dos dois que for.

5. Qualiscunque (masc. e fem.), Qualecunque (n.), de qualquer
gênero que.

6. Quantuscunque, quantacunque, quantumcunque, de qualquer
grandeza que.

7. Quantuluscunque,quantulacunque,quantulumcunque, por pequeno
que.

8. Quotcumque (indeclinável) sejam quantos forem.

9. Quotquot (indeclinável) sejam quantos forem.

63. O indefinito unusquisque,unaquaeque,unumquodque ou
unumquidque, cada qual, cada um, cada coisa, vem às vezes
empregado partitivamente, regendo por isso genitivo ex.:
unusquisque nostrum, cada um de nós.

Construção idêntica poderão ter alguns dos indefinidos citados e
outros que não o foram; entretanto o uso e a prática dos autores
preencherão tais lacunas.


CAPÍTULO IV

VERBOS

64. Os verbos latinos, quanto à forma, são: ativos, se seguem as
flexões da voz ativa; ex.: amo, eu amo; passivos se seguem as
flexões da voz passiva; ex.: amor, eu sou amado; e depoentes, se,
tendo a significação ativa, ou neutra, depuseram as flexões da
voz ativa para tomarem as da voz passiva; ex.: imitor, eu imito.

Verbos semi-depoentes são os que depuseram as flexões da voz
ativa, tão somente nos tempos perfeitos e mais que perfeitos;
ex.: audeo, eu ouso; perf. e mais que perf. ausus sum, ausus
eram, etc.

Alguns verbos têm a forma ativa e o sentido passivo; ex.: vapulo,
eu sou açoitado.

65. os verbos latinos, quanto à significação, podem ser:
transitivos, se pedem acusativo por objeto direto; ex.:
sapientiam amo, eu amo a sabedoria; e intransitivos, se não pedem
o dito caso; ex.: dormio, eu durmo.

Os verbos intransitivos não têm forma passiva, entretanto,
unipessoalmente empregados, poderão tê-la; ex.: dormitur,
dorme-se.

Verbos unipessoais são os que têm somente a terceira pessoa
singular; ex.: oportet, é mistér.

66. Em latim os verbos têm cinco modos; três pessoais, -
indicativo, imperativo e subjuntivo; e dois impessoais -
infinitivo e particípio.

O verbo latino tem seis tempos: presente, pretérito imperfeito,
pretérito perfeito, pretérito mais que perfeito, futuro
imperfeito e futuro perfeito.

Há duas formas peculiares aos verbos latinos, que figuram apenas
ao infinitivo, as quais são: o gerúndio e o supino, que não
designam o número nem a pessoa.

O condicional não tem formas próprias em latim; o presente e o
pretérito imperfeito do subjuntivo correspondem ao nosso
condicional presente; os pretérios perfeito e mais que perfeito
do subjuntivo ao nosso condicional passado.

O verbo latino tem dois números - singular e plural: e três
pessoas, como em português.

A voz, o número e a pessoa, são indicados por desinências. Em
latim não se empregam comumente junto dos verbos os pronomes, eu,
tu, ele, etc, como em português.

67. Uma forma verbal latina pode comportar:

a. Um radical que marca a sua significação.

b. Uma característica do modo ou elemento que designa o modo.

c. Uma característica do tempo ou elemento que designa o tempo:
(nos paradigmas vai a mesma em destaque).

d. Uma desinência que indica a voz, o número e a pessoa.

DAS QUATRO CONJUGAÇÕES LATINAS

68. Há em latim quatro conjugações que são conhecidas pelo
infinitivo presente e pela segunda pessoa singular do indicativo
presente. A letra final do radical é também um expoente da
distinção das conjugações latinas.

A 1a conjugação tem o infinitivo presente em -a-re, a segunda
pessoa singular do indicativo presente em -a-s; o radical da mesma
termina em -a; ex.: am-a-re, am-a-s; radical am-a.

A 2a conjugação tem o infinitivo presente em -e-re, (longo) a
segunda pessoa singular do indicativo presente em -e-s; o radical
da mesma termina em -e; ex.: del-e-re, del-e-s; radical del-e.

A 3a conjugação tem o infinitivo presente em -e-re, (breve) a
segunda pessoa singular do indicativo presente em -i-s; o radical
da mesma termina em -u ou em uma consoante; ex.: leg-e-re,
leg-i-s; radical leg.

A essa conjugação estão filiados os verbos em -io que têm o
infinitivo presente em -e-re (breve) e, por assim, se extremam
dos verbos da 4a. conjugação; ex.: cap-e-re, cap-i-s; radical
cap.

A 4a conjugação tem o infinitivo presente em -i-re, a segunda
pessoa singular do indicativo presente em -i-s; o radical da
mesma termina em -i; ex.: aud-i-re, aud-i-s; radical aud-i.

69. O verbo sum é representante de uma classe especial, por ser
ele constituído de dois radicais diversos; a saber: es, que perde
o -e- em sum, sim, figurando por inteiro em est, essem, e mudando
o -s- em -r- em er-am, er-o; e fu, elemento formador dos tempos
perfeitos, tornando-se fo em fo-rem, fo-re.


VERBO SUM

70. Tempos primitivos: sum,es,fui,esse, ser ou estar.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Sum     Eu sou ou estou
   Es      Tu és ou estás
   Est     Ele é ou está
P. Sumus   Nós somos ou estamos
   Estis   Vós sois ou estais
   Sunt    Eles são ou estão

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Er-a-m    Eu era ou estava
   Er-a-s    Tu eras ou estavas
   Er-a-t    Ele era ou estava
P. Er-a-mus  Nós éramos ou estávamos
   Er-a-tis  Vós éreis ou estáveis
   Er-a-nt   Eles eram ou estavam

PRETÉRITO PERFEITO

S. Fu-i                    Eu fui ou estive
   Fu-i-sti                Tu foste ou estiveste
   Fu-i-t                  Ele foi ou esteve
P. Fu-i-mus                Nós fomos ou estivemos
   Fu-i-stis               Vós fostes ou estivestes
   Fu-e-runt ou Fu-e-re    Eles foram ou estiveram

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Fu-era-m      Eu fôra ou estivera
   Fu-era-s      Tu foras ou estiveras
   Fu-era-t      Ele fora ou estivera
P. Fu-era-mus    Nós fôramos ou estivéramos
   Fu-era-tis    Vós foreis ou estivéreis
   Fu-era-nt     Eles foram ou estiveram

FUTURO IMPERFEITO

S. Er-o        Eu serei ou estarei
   Er-i-s      Tu serás ou estarás
   Er-i-t      Ele será ou estará
P. Er-i-mus    Nós seremos ou estaremos
   Er-i-tis    Vós sereis ou estareis
   Er-u-nt     Eles serão ou estarão

FUTURO PERFEITO

S. Fu-ero        Eu terei sido ou estado
   Fu-eri-s      Tu terás sido ou estado
   Fu-eri-t      Ele terá sido ou estado
P. Fu-eri-mus    Nós teremos sido ou estado
   Fu-eri-tis    Vós tereis sido ou estado
   Fu-eri-nt     Eles terão sido ou estado

IMPERATIVO

PRESENTE

S. Es      Sê tu ou está
   Esto    Seja ele ou esteja
P. Este    Sede vós ou estai
   Sunto   Sejam eles ou estejam

FUTURO

S. Esto      Serás tu ou estarás
   Esto      Será ele ou estará
P. Estote    Sereis vós ou estareis
   Sunto     Serão eles ou estarão

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. S-i-m      Eu seja ou esteja
   S-i-s      Tu sejas ou estejas
   S-i-t      Ele seja ou esteja
P. S-i-mus    Nós sejamos ou estejamos
   S-i-tis    Vós sejais ou estejais
   S-i-nt     Eles sejam ou estejam

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Essem ou Forem      Eu fosse ou estivesse, seria ou estaria
   Esses ou Fores      Tu fosses ou estivesses, etc.
   Esset ou Foret      Ele fosse ou estivesse, etc.
P. Essemus             Nós fôssemos ou estivéssemos, etc.
   Essetis             Vós fôsseis ou estivésseis, etc.
   Essent ou Forent    Eles fossem ou estivessem, etc.

PRETÉRITO PERFEITO

S. Fu-eri-m      Eu tenha sido ou estado
   Fu-eri-s      Tu tenhas sido ou estado
   Fu-eri-t      Ele tenha sido ou estado
P. Fu-eri-mus    Nós tenhamos sido ou estado
   Fu-eri-tis    Vós tenhais sido ou estado
   Fu-eri-nt     Eles tenham sido ou estado

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Fu-isse-m      Eu tivesse sido ou estado, teria sido ou estado
   Fu-isse-s      Tu tivesses sido ou estado, etc.
   Fu-isse-t      Ele tivesse sido ou estado, etc.
P. Fu-isse-mus    Nós tivéssemos sido ou estado, etc.
   Fu-isse-tis    Vós tivésseis sido ou estado, etc.
   Fu-isse-nt     Eles tivessem sido ou estado, etc.

FUTURO

S. Fuero ou Fuerim    Eu for ou estiver, tiver sido ou estado
   Fueris             Tu fores ou estiveres, etc.
   Fuerit             Ele for ou estiver, etc.
P. Fuerimus           Nós formos ou estivermos, etc.
   Fueritis           Vós fordes ou estiverdes, etc.
   Fuerint            Eles forem ou estiverem, etc.

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Esse     Ser ou estar

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Fuisse   Ter sido ou estado

FUTURO IMPERFEITO

S. Fore ou futurum,ram,rum, esse   Haver de ser ou estar
P. Futuros,ras,ra esse             Haver de ser ou estar

FUTURO PERFEITO

S. Futurum,ram,rum, fuisse    Haver de ter sido ou estado
P. Futuros,ras,ra, fuisse     Haver de ter sido ou estado

PARTICÍPIO FUTURO

Futurus,ra,rum     Havendo ou tendo de ser ou estar; o que
                   há, havia, houver de ser ou estar: para
                   ser ou estar.

OBSERVAÇÕES

a. São compostos de sum:

absum,es,fui,esse    - estar ausente
adsum,es,fui,esse    - estar presente
desum,es,fui,esse    - faltar
insum,es,fui,esse    - estar dentro
intersum,es,fui,esse - estar entre
obsum,es,fui,esse    - estar contra
praesum,es,fui,esse  - estar à frente
prosum,es,fui,esse   - ser útil
subsum,es,fui,esse   - estar em baixo
supersum,es,fui,esse - estar em cima

b. Em prosum o prefixo toma a forma prod, antes de -e-, como
prodest, proderam.

c. O verbo sum e seus compostos não têm gerúndio nem supino. Dos
compostos de sum, somente absum, praesum e possum têm particípio
presente: absens,entis,praesens,entis, e potens,entis.

d. Deixamos de enumerar possum, poder, entre os compostos de sum
por termos de tratar do mesmo adiante nas formas ditas
irregulares ou anômalas.

1a CONJUGAÇÃO

(voz ativa)

PARADIGMA

71. Tempos primitivos: amo,as,avi,atum,are, amar.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Amo       Eu amo
   Amas      Tu amas
   Amat      Ele ama
P. Amamus    Nós amamos
   Amatis    Vós amais
   Amant     Eles amam

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Ama-ba-m      Eu amava
   Ama-ba-s      Tu amavas
   Ama-ba-t      Ele amava
P. Ama-ba-mus    Nós amávamos
   Ama-ba-tis    Vós amáveis
   Ama-ba-nt     Eles amavam

PRETÉRITO PERFEITO

S. Amavi                 Eu amei
   Amavisti              Tu amaste
   Amavit                Ele amou
P. Amavimus              Nós amamos
   Amavistis             Vós amastes
   Amaverunt ou Amavere  Eles amaram

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Amav-era-m      Eu amara ou tinha amado
   Amav-era-s      Tu amaras, etc
   Amav-era-t      Ele amara, etc
P. Amav-era-mus    Nós amáramos, etc
   Amav-era-tis    Vós amáreis, etc
   Amav-era-nt     Eles amaram, etc

FUTURO IMPERFEITO

S. Amabo       Eu amarei
   Amabis      Tu amarás
   Amabit      Ele amará
P. Amabimus    Nós amaremos
   Amabitis    Vós amareis
   Amabunt     Eles amarão

FUTURO PERFEITO

S. Amavero       Eu terei amado
   Amaveris      Tu terás amado
   Amaverit      Ele terá amado
P. Amaverimus    Nós teremos amado
   Amaveritis    Vós tereis amado
   Amaverint     Eles terão amado

IMPERATIVO

PRESENTE

S. Ama       Ama tu
   Amato     Ame ele
P. Amate     Amai vós
   Amanto    Amem eles

FUTURO

S. Amato      Amarás tu
   Amato      Amará ele
P. Amatote    Amareis vós
   Amanto     Amarão eles

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Am-e-m      Eu ame
   Am-e-s      Tu ames
   Am-e-t      Ele ame
P. Am-e-mus    Nós amemos
   Am-e-tis    Vós ameis
   Am-e-nt     Eles amem

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Ama-re-m      Eu amasse ou amaria
   Ama-re-s      Tu amasses, etc
   Ama-re-t      Ele amasse, etc
P. Ama-re-mus    Nós amássemos, etc
   Ama-re-tis    Vós amásseis, etc
   Ama-re-nt     Eles amassem, etc

PRETÉRITO PERFEITO

S. Amaverim      Eu tenha amado
   Amaveris      Tu tenhas amado
   Amaverit      Ele tenha amado
P. Amaverimus    Nós tenhamos amado
   Amaveritis    Vós tenhais amado
   Amaverint     Eles tenham amado

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Amav-isse-m      Eu tivesse ou teria amado
   Amav-isse-s      Tu tivesses ou terias amado
   Amav-isse-t      Ele tivesse ou teria amado
P. Amav-isse-mus    Nós tivéssemos ou teríamos amado
   Amav-isse-tis    Vós tivésseis ou teríeis amado
   Amav-isse-nt     Eles tivessem ou teriam amado

FUTURO

S. Amavero ou Amaverim    Eu amar ou tiver amado
   Amaveris               Tu amares ou tiveres amado
   Amaverit               Ele amar ou tiver amado
P. Amaverimus             Nós amarmos ou tivermos amado
   Amaveritis             Vós amardes ou tiverdes amado
   Amaverint              Eles amarem ou tiverem amado

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Amare      amar

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Amavisse   Ter amado

FUTURO IMPERFEITO

S. Amaturum,ram,rum, esse      Haver de amar
P. Amaturos,ras,ra, esse       Haver de amar

FUTURO PERFEITO

S. Amaturum,ram,rum, fuisse     Haver de ter amado
P. Amaturos,ras,ra, fuisse      Haver de ter amado

GERÚNDIO

Amandi                   de amar
Amando                   a amar, em amar
Amandum, (ad ou inter)   a amar, para amar

SUPINO

Amatum (ac.)           A amar, para amar
Amatu (dat. ou abl.)   de amar ou de ser amado

PARTICÍPIO PRESENTE

Amans, amantis         amando: o que ama ou amava

PARTICÍPIO FUTURO

Amaturus,ra,rum         Havendo ou tendo de amar; o que há
                        havia ou houver de amar; para amar.

OBSERVAÇÕES

Nos pretéritos em -avi, as sílabas em -vi-, -ve-, são muitas
vezes supressas, neles e nos tempos perfeitos deles decorrentes,
antes das consoantes -r- e -s-; ex.:

amavisti  - amasti
amaverunt - amarunt

Na 3a pessoa do pretérito perfeito do indicativo, a segunda forma
amavere não perde o -ve-.

2a CONJUGAÇÃO

(voz ativa)

PARADIGMA

72. Tempos primitivos: deleo,es,evi,etum,ere, Destruir

INDICATIVO

PRESENTE

S. Deleo      Eu destruo
   Deles      Tu destróis
   Delet      Ele destrói
P. Delemus    Nós destruímos
   Deletis    Vós destruís
   Delent     Eles destroem

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Dele-ba-m      Eu destruía
   Dele-ba-s      Tu destruías
   Dele-ba-t      Ele destruía
P. Dele-ba-mus    Nós destruíamos
   Dele-ba-tis    Vós destruíeis
   Dele-ba-nt     Eles destruíam

PRETÉRITO PERFEITO

S. Delev-i                    Eu destruí
   Delev-i-sti                Tu destruíste
   Delev-i-t                  Ele destruiu
P. Delev-i-mus                Nós destruímos
   Delev-i-stis               Vós destruístes
   Delev-e-runt ou Delevere   Eles destruíram

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Delev-era-m      Eu destruíra ou tinha destruído
   Delev-era-s      Tu destruíras, etc
   Delev-era-t      Ele destruíra, etc
P. Delev-era-mus    Nós destruíramos, etc
   Delev-era-tis    Vós destruíreis, etc
   Delev-era-nt     Eles destruíram, etc

FUTURO IMPERFEITO

S. Dele-bo        Eu destruirei
   Dele-bi-s      Tu destruirás
   Dele-bi-t      Ele destruirá
P. Dele-bi-mus    Nós destruiremos
   Dele-bi-tis    Vós destruireis
   Dele-bu-nt     Eles destruirão

FUTURO PERFEITO

S. Delev-ero        Eu terei destruído
   Delev-eri-s      Tu terás destruído
   Delev-eri-t      Ele terá destruído
P. Delev-eri-mus    Nós teremos destruído
   Delev-eri-tis    Vós tereis destruído
   Delev-eri-nt     Eles terão destruído

IMPERATIVO

PRESENTE

S. Dele       Destrói tu
   Deleto     Destrua ele
P. Delete     Destruí vós
   Delento    Destruam eles

FUTURO

S. Deleto      Destruirás tu
   Deleto      Destruirá ele
P. Deletote    Destruireis vós
   Delento     Destruirão eles

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Dele-a-m      Eu destrua
   Dele-a-s      Tu destruas
   Dele-a-t      Ele destrua
P. Dele-a-mus    Nós destruamos
   Dele-a-tis    Vós destruais
   Dele-a-nt     Eles destruam

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Delerem      Eu destruísse ou destruiria
   Deleres      Tu destruísses, etc
   Deleret      Ele destruísse, etc
P. Deleremus    Nós destruíssemos, etc
   Deleretis    Vós destruísseis, etc
   Delerent     Eles destruíssem, etc

PRETÉRITO PERFEITO

S. Delev-er-im      Eu tenha destruído
   Delev-er-is      Tu tenhas destruído
   Delev-er-it      Ele tenha destruído
P. Delev-er-imus    Nós tenhamos destruído
   Delev-er-itis    Vós tenhais destruído
   Delev-er-int     Eles tenham destruído

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Delev-isse-m      Eu tivesse ou teria destruído
   Delev-isse-s      Tu tivesses ou terias destruído
   Delev-isse-t      Ele tivesse ou teria destruído
P. Delev-isse-mus    Nós tivéssemos ou teríamos destruído
   Delev-isse-tis    Vós tivésseis ou teríeis destruído
   Delev-isse-nt     Eles tivessem ou teriam destruído

FUTURO

S. Delev-ero ou Delev-eri-m    Eu destruir ou tiver destruído
   Delev-eri-s                 Tu destruíres, etc
   Delev-eri-t                 Ele destruir, etc
P. Delev-eri-mus               Nós destruirmos, etc
   Delev-eri-tis               Vós destruirdes, etc
   Delev-eri-nt                Eles destruírem, etc

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Delere       Destruir

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Delevisse    Ter destruído

FUTURO IMPERFEITO

S. Deleturum,ram,rum esse     Haver de destruir
P. Deleturos,ras,ra esse      Haver de destruir

FUTURO PERFEITO

S. Deleturum,ram,rum fuisse     Haver de ter destruído
P. Deleturos,ras,ra fuisse      Haver de ter destruído

GERÚNDIO

Delendi     de destruir
Delendo     a destruir em destruir
Delendum    (ad ou inter) a destruir, para destruir

SUPINO

Deletum     (ac.) a destruir para destruir
Deletu      (dat. ou abl.) de destruir ou de ser destruído

PARTICÍPIO PRESENTE

Delens Delentis     destruindo; o que destrói ou destruía

PARTICÍPIO FUTURO

Deleturus,ra,rum   havendo ou tendo de destruir, o que há
                   havia ou houver de destruir; para destruir.

O que se afirmou nas observações da 1a conjugação acerca dos
pretéritos em -avi-, estende-se também aos pretéritos em -evi- da
2a, e ainda aos em -ovi- (cognovi) da 3a, o que verificaremos
quando tratarmos destes últimos pretéritos na série de verbos
irregulares.

3a CONJUGAÇÃO

(voz ativa)

PARADIGMA

73. Tempos primitivos: Lego,is,i,ctum,ere, ler.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Lego         Eu leio
   Leg-i-s      Tu lês
   Leg-i-t      Ele lê
P. Leg-i-mus    Nós lemos
   Leg-i-tis    Vós ledes
   Leg-u-nt     Eles lêem

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Leg-eba-m      Eu lia
   Leg-eba-s      Tu lias
   Leg-eba-t      Ele lia
P. Leg-eba-mus    Nós líamos
   Leg-eba-tis    Vós líeis
   Leg-eba-nt     Eles liam

PRETÉRITO PERFEITO

S. Leg-i                    Eu li
   Leg-i-sti                Tu leste
   Leg-i-t                  Ele leu
P. Leg-i-mus                Nós lemos
   Leg-i-stis               Vós lestes
   Leg-e-runt ou Leg-e-re   Eles leram

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Leg-era-m      Eu lera ou tinha lido
   Leg-era-s      Tu leras, etc
   Leg-era-t      Ele lera, etc
P. Leg-era-mus    Nós lêramos, etc
   Leg-era-tis    Vós lêreis, etc
   Leg-era-nt     Eles leram, etc

FUTURO IMPERFEITO

S. Leg-a-m      Eu lerei
   Leg-e-s      Tu lerás
   Leg-e-t      Ele lerão
P. Leg-e-mus    Nós leremos
   Leg-e-tis    Vós lereis
   Leg-e-nt     Eles lerão

FUTURO PERFEITO

S. Lege-ro       Eu terei lido
   Lege-ri-s     Tu terás lido
   Lege-ri-t     Ele terá lido
P. Lege-ri-mus   Nós teremos lido
   Lege-ri-tis   Vós tereis lido
   Lege-ri-nt    Eles terão lido

IMPERATIVO

PRESENTE

S. Leg-e       Lê tu
   Leg-i-to    Leia ele
P. Leg-i-te    Lede vós
   Leg-u-nto   Leiam eles

FUTURO

S. Leg-i-to      Lerás tu
   Leg-i-to      Lerá ele
P. Leg-i-tote    Lereis vós
   Leg-u-nto     Lerão eles

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Leg-a-m      Eu leia
   Leg-a-s      Tu leias
   Leg-a-t      Ele leia
P. Leg-a-mus    Nós leiamos
   Leg-a-tis    Vós leiais
   Leg-a-nt     Eles leiam

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Legerem      Eu lesse ou leria
   Legeres      Tu lesses, etc
   Legeret      Ele lesse, etc
P. Legeremus    Nós lêssemos, etc
   Legeretis    Vós lêsseis, etc
   Legerent     Eles lessem, etc

PRETÉRITO PERFEITO

S. Leg-eri-m     Eu tenha lido
   Leg-eri-s     Tu tenhas lido
   Leg-eri-t     Ele tenha lido
P. Leg-eri-mus   Nós tenhamos lido
   Leg-eri-tis   Vós tenhais lido
   Leg-eri-nt    Eles tenham lido

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Leg-isse-m     Eu tivesse ou teria lido
   Leg-isse-s     Tu tivesses ou terias lido
   Leg-isse-t     Ele tivesse ou teria lido
P. Leg-isse-mus   Nós tivéssemos ou teríamos lido
   Leg-isse-tis   Vós tivésseis ou teríeis lido
   Leg-isse-nt    Eles tivessem ou teriam lido

FUTURO

S. Leg-ero ou Leg-eri-m    Eu ler ou tiver lido
   Leg-eri-s               Tu leres, etc
   Leg-eri-t               Ele ler, etc
P. Leg-eri-mus             Nós lermos, etc
   Leg-eri-tis             Vós lerdes, etc
   Leg-eri-nt              Eles lerem, etc

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Leg-ere          Ler

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Leg-isse         Ter lido

FUTURO IMPERFEITO

S. Lectu-rum,-ram,-rum esse,    Haver de ler
P. Lectu-ros,-ras,-ra esse,     Haver de ler

FUTURO PERFEITO

S. Lectu-rum,-ram,-rum fuisse,    Haver de ter lido
P. Lectu-ros,-ras,-ra fuisse,     Haver de ter lido

GERÚNDIO

Leg-endi                         de ler
Leg-endo                         de ler, em ler
Leg-endum (ad ou inter)          a ler, para ler

SUPINO

Lectu-m (ac.)                    a ler, para ler
Lectu (dat. ou abl.)             de ler ou de ser lido

PARTICÍPIO PRESENTE

Leg-en-s,Leg-ent-is              Lendo; o que lê ou lia

PARTICÍPIO FUTURO

Lectu-rus,-ra,-rum               havendo ou tendo de ler; o que há
                                 havia ou houver de ler; para ler.

OBSERVAÇÕES

Há nos verbos dessa conjugação a interferência de uma vogal
conjuntiva que figura, em certas formas, após o radical: essa
vogal é -i-, que por vezes se mostra transformada em -u- ou -e-.

Os verbos dicere - dizer, ducere - conduzir, facere - fazer e
ferre - levar, bem como os seus compostos, perdem o -e- na 2a
pessoa singular do presente do indicativo; idêntico fenômeno
sucede às vezes com gerere - trazer.

VERBOS EM IO,ERE

(voz ativa)

PARADIGMA

74. Tempos primitivos: Capio,is,cepi,captum,ere, tomar.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Cap-i-o      Eu tomo
   Cap-i-s      Tu tomas
   Cap-i-t      Ele toma
P. Cap-i-mus    Nós tomamos
   Cap-i-tis    Vós tomais
   Cap-iu-nt    Eles tomam

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Cap-ieba-m      Eu tomava
   Cap-ieba-s      Tu tomavas
   Cap-ieba-t      Ele tomava
P. Cap-ieba-mus    Nós tomávamos
   Cap-ieba-tis    Vós tomáveis
   Cap-ieba-nt     Eles tomavam

PRETÉRITO PERFEITO

S. Cep-i                Eu tomei
   Cep-i-sti            Tu tomaste
   Cep-i-t              Ele tomou
P. Cep-i-mus            Nós tomamos
   Cep-i-stis           Vós tomastes
   Cep-e-runt Cepere    Eles tomaram

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Cep-era-m      Eu tomara ou tinha tomado
   Cep-era-s      Tu tomaras, etc
   Cep-era-t      Ele tomara, etc
P. Cep-era-mus    Nós tomáramos, etc
   Cep-era-tis    Vós tomáreis
   Cep-era-nt     Eles tomaram, etc

FUTURO IMPERFEITO

S. Cap-ia-m      Eu tomarei
   Cap-ie-s      Tu tomarás
   Cap-ie-t      Ele tomará
P. Cap-ie-mus    Nós tomaremos
   Cap-ie-tis    Vós tomareis
   Cap-ie-nt     Eles tomarão

FUTURO PERFEITO

S. Cep-ero       Eu terei tomado
   Cep-eri-s     Tu terás tomado
   Cep-eri-t     Ele terá tomado
P. Cep-eri-mus   Nós teremos tomado
   Cep-eri-tis   Vós tereis tomado
   Cep-eri-nt    Eles terão tomado

IMPERATIVO

PRESENTE

S. Cap-e        Toma tu
   Cap-i-to     Tome ele
P. Cap-i-te     Tomai vós
   Cap-i-unt    Tomem eles

FUTURO

S. Cap-i-to      Tomarás tu
   Cap-i-to      Tomará ele
P. Cap-i-tote    Tomareis vós
   Cap-i-unto    Tomarão eles

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Cap-ia-m      Eu tome
   Cap-ia-s      Tu tomes
   Cap-ia-t      Ele tome
P. Cap-ia-mus    Nós tomemos
   Cap-ia-tis    Vós tomeis
   Cap-ia-nt     Eles tomem

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Cap-ere-m      Eu tomasse ou tomaria
   Cap-ere-s      Tu tomasses, etc
   Cap-ere-t      Ele tomasse, etc
P. Cap-ere-mus    Nós tomássemos, etc
   Cap-ere-tis    Vós tomásseis, etc
   Cap-ere-nt     Eles tomassem, etc

PRETÉRITO PERFEITO

S. Cep-eri-m     Eu tenha tomado
   Cep-eri-s     Tu tenhas tomado
   Cep-eri-t     Ele tenha tomado
P. Cep-eri-mus   Nós tenhamos tomado
   Cep-eri-tis   Vós tenhais tomado
   Cep-eri-nt    Eles tenham tomado

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Cep-isse-m     Eu tivesse ou teria tomado
   Cep-isse-s     Tu tivesses ou terias tomado
   Cep-isse-t     Ele tivesse ou teria tomado
P. Cep-isse-mus   Nós tivéssemos ou teríamos tomado
   Cep-isse-tis   Vós tivésseis ou teríeis tomado
   Cep-isse-nt    Eles tivessem ou teriam tomado

FUTURO

S. Cepero ou ceperim    Eu tomar ou tiver tomado
   Ceperis              Tu tomares, etc
   Ceperit              Ele tomar, etc
P. Ceperimus            Nós tomarmos, etc
   Ceperitis            Vós tomardes, etc
   Ceperint             Eles tomarem, etc

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Cap-ere       Tomar

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Cep-isse      Ter tomado

FUTURO IMPERFEITO

S. Captu-rum,-ram,-rum esse      Haver de tomar
P. Captu-ros,-ras,-ra esse       Haver de tomar

FUTURO PERFEITO

S. Captu-rum,-ram,-rum fuisse      Haver de ter tomado
P. Captu-ros,-ras,-ra fuisse       Haver de ter tomado

GERÚNDIO

Cap-iend-i                      de tomar
Cap-iend-o                      a tomar, em tomar
Cap-iend-um (ad ou inter)       a tomar, para tomar

SUPINO

Captum (ac.)               a tomar, para tomar
Captu (dat. ou abl.)       de tomar ou de ser tomado

PARTICÍPIO PRESENTE

Cap-ien-s,Cap-ient-is       tomando; o que toma ou tomava

PARTICÍPIO FUTURO

Captu-rus,-ra,-rum          havendo ou tendo de tomar, o que há,
                            havia, houver de tomar; para tomar.


OBSERVAÇÕES

Vide a 3a conjugação, exarada no fim do paradigma, da 3a
conjugação, acerca da vogal conjuntiva.

Notamos a mais, em capio e nos verbos idênticos, a interferência
de um -i- em todos os tempos formados do radical do presente,
menos no presente do infinitivo capere, no pretérito imperfeito
do subjuntivo caperem e na 2a pessoa singular do imperativo
presente cape.

4a CONJUGAÇÃO

(voz ativa)

PARADIGMA

75. Tempos primitivos: Audio,is,ivi,itum,ire, ouvir.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Audio      Eu ouço
   Audis      Tu ouves
   Audit      Ele ouve
P. Audimus    Nós ouvimos
   Auditis    Vós ouvis
   Audiunt    Eles ouvem

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Audi-eba-m       Eu ouvia
   Audi-eba-s       Tu ouvias
   Audi-eba-t       Ele ouvia
P. Audi-eba-mus     Nós ouvíamos
   Audi-eba-tis     Vós ouvíeis
   Audi-eba-nt      Eles ouviam

PRETÉRITO PERFEITO

S. Audiv-i                       Eu ouvi
   Audiv-i-sti                   Tu ouviste
   Audiv-i-t                     Ele ouviu
P. Audiv-i-mus                   Nós ouvimos
   Audiv-i-stis                  Vós ouvistes
   Audiv-e-runt ou audiv-e-re    Eles ouviram

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Audiv-era-m      Eu ouvira
   Audiv-era-s      Tu ouviras
   Audiv-era-t      Ele ouvira
P. Audiv-era-mus    Nós ouvíramos
   Audiv-era-tis    Vós ouvíreis
   Audiv-era-nt     Eles ouviram

FUTURO IMPERFEITO

S. Audi-a-m      Eu ouvirei
   Audi-e-s      Tu ouvirás
   Audi-e-t      Ele ouvirá
P. Audi-e-mus    Nós ouviremos
   Audi-e-tis    Vós ouvireis
   Audi-e-nt     Eles ouvirão

FUTURO PERFEITO

S. Audivero      Eu terei ouvido
   Audiveris     Tu terás ouvido
   Audiverit     Ele terá ouvido
P. Audiverimus   Nós teremos ouvido
   Audiveritis   Vós tereis ouvido
   Audiverint    Eles terão ouvido

IMPERATIVO

PRESENTE

S. Audit       Ouve tu
   Audito      Ouça ele
P. Audite      Ouvi vós
   Audiunto    Ouçam eles

FUTURO

S. Audito      Ouvirás tu
   Audito      Ouvirá ele
P. Auditote    Ouvireis vós
   Audiunto    Ouvirão eles

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Audi-a-m      Eu
   Audi-a-s      Tu
   Audi-a-t      Ele
P. Audi-a-mus    Nós
   Audi-a-tis    Vós
   Audi-a-nt     Eles

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Audi-re-m      Eu ouvisse ou ouviria
   Audi-re-s      Tu ouvisses, etc
   Audi-re-t      Ele ouvisse, etc
P. Audi-re-mus    Nós ouvíssemos, etc
   Audi-re-tis    Vós ouvísseis, etc
   Audi-re-nt     Eles ouvissem, etc

PRETÉRITO PERFEITO

S. Audiv-eri-m     Eu tenha ouvido
   Audiv-eri-s     Tu tenhas ouvido
   Audiv-eri-t     Ele tenha ouvido
P. Audiv-eri-mus   Nós tenhamos ouvido
   Audiv-eri-tis   Vós tenhais ouvido
   Audiv-eri-nt    Eles tenham ouvido

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Audiv-isse-m     Eu tivesse ou teria ouvido
   Audiv-isse-s     Tu tivesses ou terias ouvido
   Audiv-isse-t     Ele tivesse ou teria ouvido
P. Audiv-isse-mus   Nós tivéssemos ou teríamos ouvido
   Audiv-isse-tis   Vós tivésseis ou teríeis ouvido
   Audiv-isse-nt    Eles tivessem ou teriam ouvido

FUTURO

S. Audiv-ero ou audiv-eri-m    Eu ouvir ou tiver ouvido
   Audiv-eri-s                 Tu ouvires, etc
   Audiv-eri-t                 Ele ouvir, etc
P. Audiv-eri-mus               Nós ouvirmos, etc
   Audiv-eri-tis               Vós ouvirdes, etc
   Audiv-eri-nt                Eles ouvirem, etc

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Audire               Ouvir

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Audivisse            Ter ouvido

FUTURO IMPERFEITO

S. Auditurum,ram,rum esse         Haver de ouvir
P. Auditurom,ras,ra esse          Haver de ouvir

FUTURO PERFEITO

S. Auditurum,ram,rum fuisse         Haver de ter ouvido
P. Auditurom,ras,ra fuisse          Haver de ter ouvido

GERÚNDIO

Audi-end-i          de ouvir
Audi-end-o          a ouvir, em ouvir
Audi-end-um         (ad ou inter) a ouvir, para ouvir

SUPINO

Auditu-m            (ac.) a ouvir, para ouvir
Auditu              (dat. ou abl.) de ouvir, ou de ser ouvido

PARTICÍPIO PRESENTE

Audi-en-s, audi-ent-is       ouvindo, o que ouve ou ouvia

PARTICÍPIO FUTURO

Auditurus,ra,rum     havendo ou tendo de ouvir; o que há, havia
                     houver de ouvir; para ouvir.

OBSERVAÇÕES

Nos verbos da 4a conjugação, a 3a pessoa plural do indicativo
presente e do impreativo traz após o radical a vogal -i-, à guisa
de conjuntiva.

Nos verbos desta conjugação, que têm o pretérito perfeito em
-ivi, o -v- é por vezes supresso no tempos perfeitos antes de -i-
e -e-; ex.:

Audivi     - Audii
Audiveram  - Audieram
Audivero   - Audiero
Audiverim  - Audierim
Audivissem - Audiissem
Audivisse  - Audiisse

As formas que, pela supressão do -v- figuram com dois -i-
pode-los-ão contrair em um só antes de -s-; ex.: Audiisti ou
Audisti.


FORMAÇÃO DOS TEMPOS NA VOZ ATIVA

76. Costumam os verbos latinos figurar nos vocabulários
regularmente sob cinco formas, às quais dão ordinariamente os
nomes de tempos primitivos, ex.:

Amo,as,avi,atum,ere       - amar
Deleo,es,evi,etum,ere     - destruir
Lego,is,it,ctum,ere       - ler
Capio,is,cepi,captum,ere  - tomar
Audio,is,ivi,itum,ire     - ouvir

Pelos exemplos dados, vemos que os únicos tempos nelas existentes
são: o presente do indicativo, o pretérito perfeito do indicativo
e o supino como principais; sendo que, para maior clareza do
conhecimento do verbo dado, vêm também, como acessórios, o
infinitivo presente e a segunda pessoa singular do presente do
indicativo.

77. Os tempos principais - presente do indicativo, pretérito
perfeito e supino - oferecem os três radicais de tempos, (OOPS)
ou sejam os elementos formadores dos demais tempos dos verbos,
que, por sua vez tomam o nome de tempos secundários.

Os três radicais de tempos vêm do radical verbal, que é obtido
fazendo-se cair ao infinitivo presente a desinência -re- para as
conjugações à, 2a e 4a, e a desinência -re- mais a vogal
conjuntiva -e- (portanto -ere-) para a 3a conjugação.

78. O primeiro radical de tempos, ou radical do presente, é em
geral semelhante ao radical verbal; por sua vez forma os
seguintes tempos:

1. O presente e o pretérito imperfeito nos diferentes modos.

2. O futuro imperfeito do indicativo.

3. O futuro do imperativo.

4. O gerúndio.

O segundo radical de tempos, ou radical do perfeito, vem do
radical verbal, ou modificado este, ou ajuntando-se-lhe um -v-,
um -u- ou um -s-; por sua vez forma os seguintes tempos:

1. Os pretéritos perfeito e mais que perfeito nos diferentes
modos.

2. O futuro perfeito do indicativo.

3. O futuro do subjuntivo.

O terceiro radical de tempos, ou radical do supino, vem também do
radical verbal, apondo-se-lhe -tu- ou -su-; por sua vez forma os
seguintes tempos:

1. O supino.

2. O particípio futuro ativo.

79. Obtém-se cada um dos tempos de um verbo, apondo-se ao radical
que lhe é formador: 1. as características de tempo e de modo;
2. as desinências.

Nos paradigmas das diferentes conjugações, dadas as modalidades
peculiares à 3a, as características de tempo e de modo figuram em
destaque, sendo fácil ao leitor o distingui-las.

80. As desinências da voz ativa são:

SINGULAR

1a pessoa  -o para o presente do indicativo
           -o para o futuro imperfeito do indicativo, nas
              conjugações 1a e 2a
           -o para o futuro perfeito do indicativo
           -o para o futuro perfeito do subjuntivo
           -m para os demais tempos

2a pessoa  -s para quase todos os tempos
           -sti para o pretérito perfeito do indicativo
           -to para o imperativo futuro

3a pessoa  -t para todos os tempos, menos os do imperativo
           -to para o imperativo em geral

PLURAL

1a pessoa  -mus para todos os tempos

2a pessoa  -tis para todos os tempos, menos os do imperativo
           -te para o imperativo presente
           -tote para o imperativo futuro

3a pessoa  -nt para todos os tempos, menos os do imperativo e
               o pretérito perfeito do indicativo
           -runt ou -re para o pretérito perfeito do indicativo
           -nto para o imperativo em geral

81. O -o final, no presente e no futuro imperfeito do indicativo,
propriamente falando, é antes uma vogal conjuntiva que uma
desinência.

O imperativo presente não é passível de desinência na 2a pessoa
singular; forma-se o mesmo do radical do presente, puro, nas
conjugações 1a, 2a e 4a, e do radical do presente e mais a
conjuntiva -e- na 3a conjugação.

O futuro do subjuntivo, além da desinência -o, pode ter também a
desinência -m na sua 1a pessoa singular.

O pretérito perfeito do indicativo não tem desinência de 1a
pessoa singular.

RESUMO DA FORMAÇÃO DOS TEMPOS NA VOZ ATIVA

82. O radical do presente forma:

1. O indicativo presente, apostas as desinências próprias, caindo
o -a- do radical da 1a conjugação na 1a pessoa singular, e
interferindo muitas vezes a vogal conjuntiva nas conjugações 3a e
4a.

2. O pretérito imperfeito do indicativo, apondo-se-lhe -bam,
-bas, etc, interferindo a vogal conjuntiva nas conjugações 3a e
4a.

3. O futuro imperfeito do indicativo, apondo-se-lhe -bo, bis,
etc, para as conjugações 1a e 2a e -am, -es para para as
conjugações 3a e 4a.

4. O imperativo em geral, apostas as desinências próprias,
interferindo de algum modo a vogal conjuntiva nas conjugações 3a
e 4a.

5. O subjuntivo presente, apondo-se-lhe -em, -es, etc, abrandado
o -a- do radical para a primeira conjugação; e apondo-se-lhe -am,
-as, etc., para as demais.

6. O pretérito imperfeito do subjuntivo, apondo-se-lhe -rem,
-res, etc., interferindo na 3a conjugação a vogal conjuntiva.

7. O infinitivo presente e pretérito imperfeito, apondo-se-lhe
-re, interferindo na 3a conjugação a vogal conjuntiva.

8. O gerúndio, apondo-se-lhe -ndi, etc, interferindo a vogal
conjuntiva nas conjugações 3a e 4a.

9. O particípio presente, apondo-se-lhe -us, interferindo a vogal
conjuntiva na sconjugações 3a e 4a.

83. O radical do perfeito forma

1. O pretérito perfeito do indicativo, apondo-se-lhe -i, etc.

2. O pretérito mais que perfeito do indicativo, apondo-se-lhe
-eram, etc.

3. O futuro perfeito do indicativo, -ero, etc.

4. O pretérito perfeito do indicativo, apondo-se-lhe -ero, etc.

5. O pretérito mais que perfeito do subjuntivo, apondo-se-lhe
-issem, etc.

6. O futuro perfeito do subjuntivo, apondo-se-lhe -ero ou -erim,
etc.

7. Os pretéritos perfeito e mais que perfeito do infinitivo,
apondo-se-lhe isse.

84. O radical do supino forma

1. O supino em -um, apondo-se-lhe -m.

2. O supino em -u, mantendo-se o radical puro.

3. O particípio futuro ativo, apondo-se-lhe -rus, -ra, -rum.

Os futuros do infinitivo são perífrases do particípio futuro e do
auxiliar sum nas formas infinitivas esse e fuisse

1a CONJUGAÇÃO

(voz passiva)

PARADIGMA

85. Tempos primitivos Amor,aris,atus,sum,ari ser amado.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Amor               Eu sou amado
   Amaris ou amare    Tu és amado
   Amatur             Ele é amado
P. Amamur             Nós somos amados
   Amamini            Vós sois amados
   Amantur            Eles são amado

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Ama-ba-r                   Eu era amado
   Ama-ba-ris ou Ama-ba-re    Tu eras amado
   Ama-ba-tur                 Ele era amado
P. Ama-ba-mur                 Nós éramos amados
   Ama-ba-mini                Vós éreis amados
   Ama-ba-ntur                Eles eram amados

PRETÉRITO PERFEITO

S. Amat-us,-a,-um sum ou fui              Eu fui ou tenho sido amado
   Amat-us,-a,-um es ou fuisti            Tu foste ou tens sido amado
   Amat-us,-a,-um est ou fuit             Ele foi ou tem sido amado
P. Amat-i,-ae,-a sumus ou fuimus          Nós fomos ou temos sido amados
   Amat-i,-ae,-a estis ou fuistis         Vós fostes ou tendes sido amados
   Amat-i,-ae,-a sunt, fuerunt ou fuere   Eles foram ou têm sido amados

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Amat-us,-a,-um eram ou fueram     Eu fora ou tinha sido amado
   Amat-us,-a,-um eras ou fueras     Tu foras ou tinhas sido amado
   Amat-us,-a,-um erat ou fuerat     Ele fora ou tinha sido amado
P. Amat-i,-ae,-a eramus ou fueramus  Nós fôramos ou tínhamos sido amados
   Amat-i,-ae,-a eratis ou fueratis  Vós fôreis ou tínheis sido amados
   Amat-i,-ae,-a erant ou fuerant    Eles foram ou tinham sido amados

FUTURO IMPERFEITO

S. Ama-bo-r                   Eu serei ou hei de ser amado
   Ama-be-ris ou Ama-be-re    Tu serás ou hás de ser amado
   Ama-bi-tur                 Ele será ou há de ser amado
P. Ama-bi-mur                 Nós seremos ou havemos de ser amados
   Ama-bi-mini                Vós sereis ou haveis de ser amados
   Ama-bu-ntur                Eles serão ou hão de ser amados

FUTURO PERFEITO

S. Amat-us,-a,-um ero ou fuero        Eu terei sido amado
   Amat-us,-a,-um eris ou fueris      Tu terás sido amado
   Amat-us,-a,-um erit ou fuerit      Ele terá sido amado
P. Amat-i,-ae,-a erimus ou fuerimus   Nós teremos sido amados
   Amat-i,-ae,-a eritis ou fueritis   Vós tereis sido amados
   Amat-i,-ae,-a erunt ou fuerint     Eles terão sido amados

IMPERATIVO

PRESENTE

S. Amare      Sê tu amado
   Amator     Seja ele amado
P. Amamini    Sede vós amados
   Amantor    Sejam eles amados

FUTURO

S. Amator      Serás tu amado
   Amator      Será ele amado
P. Amaminor    Sereis vós amados
   Amantor     Serão eles amados

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Am-e-r                 Eu seja amado
   Am-e-ris ou Am-e-re    Tu sejas amado
   Am-e-tur               Ele seja amado
P. Am-e-mur               Nós sejamos amados
   Am-e-mini              Vós sejais amados
   Am-e-ntur              Eles sejam amados

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Ama-re-r                   Eu fosse ou seria amado
   Ama-re-ris ou Ama-re-re    Tu fosses ou serias amado
   Ama-re-tur                 Ele fosse ou seria amado
P. Ama-re-mur                 Nós fôssemos ou seríamos amados
   Ama-re-mini                Vós fôsseis ou seríeis amados
   Ama-re-ntur                Eles fossem ou seriam amados

PRETÉRITO PERFEITO

S. Amat-us,-a,-um sim ou fuerim      Eu tenha sido amado
   Amat-us,-a,-um sis ou fueris      Tu tenhas sido amado
   Amat-us,-a,-um sit ou fuerit      Ele tenha sido amado
P. Amat-i,-ae,-a simus ou fuerimus   Nós tenhamos sido amados
   Amat-i,-ae,-a sitis ou fueritis   Vós tenhais sido amados
   Amat-i,-ae,-a sint ou fuerint     Eles tenham sido amados

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Amat-us,-a,-um essem ou fuissem      Eu tivesse ou teria sido amado
   Amat-us,-a,-um esses ou fuisses      Tu tivesses ou terias sido amado
   Amat-us,-a,-um esset ou fuisset      Ele tivesse ou teria sido amado
P. Amat-i,-ae,-a essemus ou fuissemus   Nós tivéssemos ou teríamos sido amados
   Amat-i,-ae,-a essetis ou fuissetis   Vós tivésseis ou teríeis sido amados
   Amat-i,-ae,-a essent ou fuissent     Eles tivessem ou teriam sido amados

FUTURO

S. Amat-us,-a,-um ero, fuero ou fuerim    Eu for ou tiver sido amado
   Amat-us,-a,-um eris ou fueris          Tu fores ou tiveres sido amado
   Amat-us,-a,-um erit ou fuerit          Ele for ou tiver sido amado
P. Amat-i,-ae,-a erimus ou fuerimus       Nós formos ou tivermos sido amados
   Amat-i,-ae,-a eritis ou fueritis       Vós fordes ou tiverdes sido amados
   Amat-i,-ae,-a erunt ou fuerint         Eles forem ou tiverem sido amados

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Amari                  Ser amado

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

S. Amat-um,-am,-um esse ou fuisse          Ter sido amado
P. Amat-os,-as,-a esse ou fuisse           Ter sido amado

FUTURO IMPERFEITO

S. Amat-um iri ou Amat-ndum,-am,-um esse    Haver de ser amado, dever ser amado
P. Amat-um iri ou Amat-ndos,-as,-a esse     Haver de ser amado, dever ser amado

FUTURO PERFEITO

S. Ama-ndum,-am,-um fuisse    Haver de ter sido amado, dever ter sido amado
P. Ama-ndos,-as,-a fuisse     Haver de ter sido amado, dever ter sido amado

SUPINO

Amatu                De ser amado, para ser amado

PARTICÍPIO PASSADO

Amat-us,-a,-um       amado, tendo amado, tendo sido amado

PARTICÍPIO FUTURO OU GERUNDIVO

Ama-ndus,-a-um      Havendo ou tendo de ser amado; devendo ser
                    amado, o que há de ou deve ser amado; para
                    ser amado.

OBSERVAÇÕES

A 2a pessoa singular dos tempos presentes e imperfeitos do
indicativo e do subjuntivo tem uma dupla desinência -ris e -re,
em todas as conjugações passivas.

O futuro imperfeito do infinitivo, na sua forma amatum iri, é
sempre invariável. É opinião dos gramáticos ser esta forma um
circunlóquio do supino com o infinitivo -ire apassivado.

O particípio do futuro ou gerundivo amandus,a,um, é também
chamado particípio de obrigação ou de necessidade por determinar
ser necessário que o fato se realize. Historicamente o gerundivo
e o gerúndio são uma só e mesma forma verbal.

O particípio passado, que forma os tempos perfeitos acompanhado
do auxiliar sum no seu duplo radical, é declinado e concorda em
gênero, número e caso com o sujeito.

2a CONJUGAÇÃO

(voz passiva)

PARADIGMA

86. Tempos primitivos Deleor,eris,etus sum, eri, ser destruído.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Deleor               Eu sou destruído
   Deleris ou Delere    Tu és destruído
   Deletur              Ele é destruído
P. Delemur              Nós somos destruídos
   Delemini             Vós sois destruídos
   Delentur             Eles são destruído

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Dele-ba-r                 Eu era destruído
   Dele-ba-ris Dele-ba-re    Tu eras destruído
   Dele-ba-tur               Ele era destruído
P. Dele-ba-mur               Nós éramos destruídos
   Dele-ba-mini              Vós éreis destruídos
   Dele-ba-ntur              Eles eram destruídos

PRETÉRITO PERFEITO

S. Delet-us,-a,-um sum ou fui              Eu fui ou tenho sido destruído
   Delet-us,-a,-um es ou fuisti            Tu foste ou tens sido destruído
   Delet-us,-a,-um est ou fuit             Ele foi ou tem sido destruído
P. Delet-i,-ae,-a sumus ou fuimus          Nós fomos ou temos sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a estis ou fuistis         Vós fostes ou tendes sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a sunt, fuerunt ou fuere   Eles foram ou têm sido destruídos

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Delet-us,-a,-um eram ou fueram     Eu fora ou tinha sido destruído
   Delet-us,-a,-um eras ou fueras     Tu foras ou tinhas sido destruído
   Delet-us,-a,-um erat ou fuerat     Ele fora ou tinha sido destruído
P. Delet-i,-ae,-a eramus ou fueramus  Nós fôramos ou tínhamos sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a eratis ou fueratis  Vós fôreis ou tínheis sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a erant ou fuerant    Eles foram ou tinham sido destruídos

FUTURO IMPERFEITO

S. Dele-bo-r                    Eu serei ou hei de ser destruído
   Dele-be-ris ou dele-be-re    Tu serás ou hás de ser destruído
   Dele-bi-tur                  Ele será ou há de ser destruído
P. Dele-bi-mur                  Nós seremos ou havemos de ser destruídos
   Dele-bi-mini                 Vós sereis ou haveis de ser destruídos
   Dele-bi-ntur                 Eles serão ou hão de ser destruídos

FUTURO PERFEITO

S. Delet-us,-a,-um ero ou fuero        Eu terei sido destruído
   Delet-us,-a,-um eris ou fueris      Tu terás sido destruído
   Delet-us,-a,-um erit ou fuerit      Ele terá sido destruído
P. Delet-i,-ae,-a erimus ou fuerimus   Nós teremos sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a eritis ou fueritis   Vós tereis sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a erunt ou fuerint     Eles terão sido destruídos

IMPERATIVO

PRESENTE

S. Delere      Sê tu destruído
   Deletor     Seja ele destruído
P. Delemini    Sede vós destruídos
   Delentor    Sejam eles destruídos

FUTURO

S. Deletor      Serás tu destruído
   Deletor      Será ele destruído
P. Deleminor    Sereis vós destruídos
   Delentor     Serão eles destruídos

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Dele-a-r                   Eu seja destruído
   Dele-a-ris ou dele-a-re    Tu sejas destruído
   Dele-a-tur                 Ele seja destruído
P. Dele-a-mur                 Nós sejamos destruídos
   Dele-a-mini                Vós sejais destruídos
   Dele-a-ntur                Eles sejam destruídos

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Dele-re-r                    Eu fosse ou seria destruído
   Dele-re-ris ou dele-re-re    Tu fosses ou serias destruído
   Dele-re-tur                  Ele fosse ou seria destruído
P. Dele-re-mur                  Nós fôssemos ou seríamos destruídos
   Dele-re-mini                 Vós fôsseis ou seríeis destruídos
   Dele-re-ntur                 Eles fossem ou seriam destruídos

PRETÉRITO PERFEITO

S. Delet-us,-a,-um sim ou fuerim      Eu tenha sido destruído
   Delet-us,-a,-um sis ou fueris      Tu tenhas sido destruído
   Delet-us,-a,-um sit ou fuerit      Ele tenha sido destruído
P. Delet-i,-ae,-a simus ou fuerimus   Nós tenhamos sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a sitis ou fueritis   Vós tenhais sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a sint ou fuerint     Eles tenham sido destruídos

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Delet-us,-a,-um   Eu tivesse ou teria sido destruído
   Delet-us,-a,-um   Tu tivesses ou terias sido destruído
   Delet-us,-a,-um   Ele tivesse ou teria sido destruído
P. Delet-i,-ae,-a    Nós tivéssemos ou teríamos sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a    Vós tivésseis ou teríeis sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a    Eles tivessem ou teriam sido destruídos

FUTURO

S. Delet-us,-a,-um ero, fuero ou fuerim    Eu for ou tiver sido destruído
   Delet-us,-a,-um eris ou fueris          Tu fores ou tiveres sido destruído
   Delet-us,-a,-um erit ou fuerit          Ele for ou tiver sido destruído
P. Delet-i,-ae,-a erimus ou fuerimus       Nós formos ou tivermos sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a eritis ou fueritis       Vós fordes ou tiverdes sido destruídos
   Delet-i,-ae,-a erunt ou fuerint         Eles forem ou tiverem sido destruídos

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Dele-ri                  Ser destruído

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

S. Delet-um,-am,-um esse ou fuisse          Ter sido destruído
P. Delet-os,-as,-a esse ou fuisse           Ter sido destruído

FUTURO IMPERFEITO

S. Delet-um iri ou dele-ndum,-am,-um esse    Haver de ser destruído, dever ser destruído
P. Delet-um iri ou dele-ndos,-as,-a esse     Haver de ser destruído, dever ser destruído

FUTURO PERFEITO

S. Dele-ndum,-am,-um fuisse    Haver de ter sido destruído, dever ter sido destruído
P. Dele-ndos,-as,-a fuisse     Haver de ter sido destruído, dever ter sido destruído

SUPINO

Deletu                De ser destruído, para ser destruído

PARTICÍPIO PASSADO

Delet-us,-a,-um       destruído, tendo destruído, tendo sido destruído

PARTICÍPIO FUTURO OU GERUNDIVO

Dele-ndus,-a-um      Havendo ou tendo de ser destruído; devendo ser
                     destruído, o que há de ou deve ser destruído; para
                     ser destruído.

OBSERVAÇÕES

O que foi dito nas observações exaradas no final da 1a conjugação
passiva, mutatis mutandis, cabe a esta e às demais conjugações da
mesma voz, lembrando-se ainda que nos verbos passivos não há
particípio presente.


3a CONJUGAÇÃO

(voz passiva)

PARADIGMA

87. Tempos primitivos Legor,eris,ctus,sum,i, ser lido.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Legor                    Eu sou lido
   Leg-e-ris ou leg-e-re    Tu és lido
   Leg-e-tur                Ele é lido
P. Leg-e-mur                Nós somos lidos
   Leg-e-mini               Vós sois lidos
   Leg-e-ntur               Eles são lido

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Leg-eba-r                    Eu era lido
   Leg-eba-ris ou leg-eba-re    Tu eras lido
   Leg-eba-tur                  Ele era lido
P. Leg-eba-mur                  Nós éramos lidos
   Leg-eba-mini                 Vós éreis lidos
   Leg-eba-ntur                 Eles eram lidos

PRETÉRITO PERFEITO

S. Lect-us,-a,-um sum ou fui              Eu fui ou tenho sido lido
   Lect-us,-a,-um es ou fuisti            Tu foste ou tens sido lido
   Lect-us,-a,-um est ou fuit             Ele foi ou tem sido lido
P. Lect-i,-ae,-a sumus ou fuimus          Nós fomos ou temos sido lidos
   Lect-i,-ae,-a estis ou fuistis         Vós fostes ou tendes sido lidos
   Lect-i,-ae,-a sunt, fuerunt ou fuere   Eles foram ou têm sido lidos

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Lect-us,-a,-um eram ou fueram     Eu fora ou tinha sido lido
   Lect-us,-a,-um eras ou fueras     Tu foras ou tinhas sido lido
   Lect-us,-a,-um erat ou fuerat     Ele fora ou tinha sido lido
P. Lect-i,-ae,-a eramus ou fueramus  Nós fôramos ou tínhamos sido lidos
   Lect-i,-ae,-a eratis ou fueratis  Vós fôreis ou tínheis sido lidos
   Lect-i,-ae,-a erant ou fuerant    Eles foram ou tinham sido lidos

FUTURO IMPERFEITO

S. Leg-a-r                  Eu serei ou hei de ser lido
   Leg-e-ris ou leg-e-re    Tu serás ou hás de ser lido
   Leg-e-tur                Ele será ou há de ser lido
P. Leg-e-mur                Nós seremos ou havemos de ser lidos
   Leg-e-mini               Vós sereis ou haveis de ser lidos
   Leg-e-ntur               Eles serão ou hão de ser lidos

FUTURO PERFEITO

S. Lect-us,-a,-um ero ou fuero        Eu terei sido lido
   Lect-us,-a,-um eris ou fueris      Tu terás sido lido
   Lect-us,-a,-um erit ou fuerit      Ele terá sido lido
P. Lect-i,-ae,-a erimus ou fuerimus   Nós teremos sido lidos
   Lect-i,-ae,-a eritis ou fueritis   Vós tereis sido lidos
   Lect-i,-ae,-a erunt ou fuerint     Eles terão sido lidos

IMPERATIVO

PRESENTE

S. Leg-e-re      Sê tu lido
   Leg-i-tor     Seja ele lido
P. Leg-i-mini    Sede vós lidos
   Leg-u-ntor    Sejam eles lidos

FUTURO

S. Leg-i-tor      Serás tu lido
   Leg-i-tor      Será ele lido
P. Leg-i-minor    Sereis vós lidos
   Leg-u-ntor     Serão eles lidos

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Leg-a-r                  Eu seja lido
   Leg-a-ris ou leg-a-re    Tu sejas lido
   Leg-a-tur                Ele seja lido
P. Leg-a-mur                Nós sejamos lidos
   Leg-a-mini               Vós sejais lidos
   Leg-a-ntur               Eles sejam lidos

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Leg-ere-r                    Eu fosse ou seria lido
   Leg-ere-ris ou leg-ere-re    Tu fosses ou serias lido
   Leg-ere-tur                  Ele fosse ou seria lido
P. Leg-ere-mur                  Nós fôssemos ou seríamos lidos
   Leg-ere-mini                 Vós fôsseis ou seríeis lidos
   Leg-ere-ntur                 Eles fossem ou seriam lidos

PRETÉRITO PERFEITO

S. Lect-us,-a,-um sim ou fuerim      Eu tenha sido lido
   Lect-us,-a,-um sis ou fueris      Tu tenhas sido lido
   Lect-us,-a,-um sit ou fuerit      Ele tenha sido lido
P. Lect-i,-ae,-a simus ou fuerimus   Nós tenhamos sido lidos
   Lect-i,-ae,-a sitis ou fueritis   Vós tenhais sido lidos
   Lect-i,-ae,-a sint ou fuerint     Eles tenham sido lidos

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Lect-us,-a,-um essem ou fuissem      Eu tivesse ou teria sido lido
   Lect-us,-a,-um esses ou fuisses      Tu tivesses ou terias sido lido
   Lect-us,-a,-um esset ou fuisset      Ele tivesse ou teria sido lido
P. Lect-i,-ae,-a essemus ou fuissemus   Nós tivéssemos ou teríamos sido lidos
   Lect-i,-ae,-a essetis ou fuissetis   Vós tivésseis ou teríeis sido lidos
   Lect-i,-ae,-a essent ou fuissent     Eles tivessem ou teriam sido lidos

FUTURO

S. Lect-us,-a,-um ero, fuero ou fuerim    Eu for ou tiver sido lido
   Lect-us,-a,-um eris ou fueris          Tu fores ou tiveres sido lido
   Lect-us,-a,-um erit ou fuerit          Ele for ou tiver sido lido
P. Lect-i,-ae,-a erimus ou fuerimus       Nós formos ou tivermos sido lidos
   Lect-i,-ae,-a eritis ou fueritis       Vós fordes ou tiverdes sido lidos
   Lect-i,-ae,-a erunt ou fuerint         Eles forem ou tiverem sido lidos

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Leg-i                  Ser lido

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

S. Lect-um,-am,-um esse ou fuisse          Ter sido lido
P. Lect-os,-as,-a esse ou fuisse           Ter sido lido

FUTURO IMPERFEITO

S. Lect-um iri ou Leg-endum,-am,-um esse    Haver de ser lido, dever ser lido
P. Lect-um iri ou Leg-endos,-as,-a esse     Haver de ser lido, dever ser lido

FUTURO PERFEITO

S. Leg-endum,-am,-um fuisse    Haver de ter sido lido, dever ter sido lido
P. Leg-endos,-as,-a fuisse     Haver de ter sido lido, dever ter sido lido

SUPINO

Lectu                De ser lido, para ser lido

PARTICÍPIO PASSADO

Lect-us,-a,-um       lido, tendo lido, tendo sido lido

PARTICÍPIO FUTURO OU GERUNDIVO

Leg-endus,-a-um      Havendo ou tendo de ser lido; devendo ser
                     lido, o que há de ou deve ser lido; para
                     ser lido.

OBSERVAÇÕES

Nos verbos passivos da 3a conjugação há também a interferência da
vogal conjuntiva que figura nos verbos ativos, em certos tempos,
logo após o radical, ora com a forma -i-, ora transformada em -u-
ou -e-.


VERBOS EM -I,-IOR

(voz passiva)

PARADIGMA

88. Tempos primitivos: Capior,eris,captus,sum,i, ser tomado.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Cap-i-or                 Eu sou tomado
   Cap-e-ris ou cap-e-re    Tu és tomado
   Cap-i-tur                Ele é tomado
P. Cap-i-mur                Nós somos tomados
   Cap-i-mini               Vós sois tomados
   Cap-iu-ntur              Eles são tomado

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Cap-ieba-r                     Eu era tomado
   Cap-ieba-ris ou cap-ieba-re    Tu eras tomado
   Cap-ieba-tur                   Ele era tomado
P. Cap-ieba-mur                   Nós éramos tomados
   Cap-ieba-mini                  Vós éreis tomados
   Cap-ieba-ntur                  Eles eram tomados

PRETÉRITO PERFEITO

S. Capt-us,-a,-um sum ou fui              Eu fui ou tenho sido tomado
   Capt-us,-a,-um es ou fuisti            Tu foste ou tens sido tomado
   Capt-us,-a,-um est ou fuit             Ele foi ou tem sido tomado
P. Capt-i,-ae,-a sumus ou fuimus          Nós fomos ou temos sido tomados
   Capt-i,-ae,-a estis ou fuistis         Vós fostes ou tendes sido tomados
   Capt-i,-ae,-a sunt, fuerunt ou fuere   Eles foram ou têm sido tomados

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Capt-us,-a,-um eram ou fueram     Eu fora ou tinha sido tomado
   Capt-us,-a,-um eras ou fueras     Tu foras ou tinhas sido tomado
   Capt-us,-a,-um erat ou fuerat     Ele fora ou tinha sido tomado
P. Capt-i,-ae,-a eramus ou fueramus  Nós fôramos ou tínhamos sido tomados
   Capt-i,-ae,-a eratis ou fueratis  Vós fôreis ou tínheis sido tomados
   Capt-i,-ae,-a erant ou fuerant    Eles foram ou tinham sido tomados

FUTURO IMPERFEITO

S. Cap-ia-r                   Eu serei ou hei de ser tomado
   Cap-ie-ris ou Cap-ie-re    Tu serás ou hás de ser tomado
   Cap-ie-tur                 Ele será ou há de ser tomado
P. Cap-ie-mur                 Nós seremos ou havemos de ser tomados
   Cap-ie-mini                Vós sereis ou haveis de ser tomados
   Cap-ie-ntur                Eles serão ou hão de ser tomados

FUTURO PERFEITO

S. Capt-us,-a,-um ero ou fuero        Eu terei sido tomado
   Capt-us,-a,-um eris ou fueris      Tu terás sido tomado
   Capt-us,-a,-um erit ou fuerit      Ele terá sido tomado
P. Capt-i,-ae,-a erimus ou fuerimus   Nós teremos sido tomados
   Capt-i,-ae,-a eritis ou fueritis   Vós tereis sido tomados
   Capt-i,-ae,-a erunt ou fuerint     Eles terão sido tomados

IMPERATIVO

PRESENTE

S. Cap-e-re       Sê tu tomado
   Cap-i-tor      Seja ele tomado
P. Cap-i-mini     Sede vós tomados
   Cap-i-untor    Sejam eles tomados

FUTURO

S. Cap-i-tor      Serás tu tomado
   Cap-i-tor      Será ele tomado
P. Cap-i-minor    Sereis vós tomados
   Cap-i-untor    Serão eles tomados

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Cap-ia-r                   Eu seja tomado
   Cap-ia-ris ou cap-ia-re    Tu sejas tomado
   Cap-ia-tur                 Ele seja tomado
P. Cap-ia-mur                 Nós sejamos tomados
   Cap-ia-mini                Vós sejais tomados
   Cap-ia-ntur                Eles sejam tomados

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Cap-ere-r                   Eu fosse ou seria tomado
   Cap-ere-ris ou cap-ere-re   Tu fosses ou serias tomado
   Cap-ere-tur                 Ele fosse ou seria tomado
P. Cap-ere-mur                 Nós fôssemos ou seríamos tomados
   Cap-ere-mini                Vós fôsseis ou seríeis tomados
   Cap-ere-ntur                Eles fossem ou seriam tomados

PRETÉRITO PERFEITO

S. Capt-us,-a,-um sim ou fuerim      Eu tenha sido tomado
   Capt-us,-a,-um sis ou fueris      Tu tenhas sido tomado
   Capt-us,-a,-um sit ou fuerit      Ele tenha sido tomado
P. Capt-i,-ae,-a simus ou fuerimus   Nós tenhamos sido tomados
   Capt-i,-ae,-a sitis ou fueritis   Vós tenhais sido tomados
   Capt-i,-ae,-a sint ou fuerint     Eles tenham sido tomados

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Capt-us,-a,-um essem ou fuissem      Eu tivesse ou teria sido tomado
   Capt-us,-a,-um esses ou fuisses      Tu tivesses ou terias sido tomado
   Capt-us,-a,-um esset ou fuisset      Ele tivesse ou teria sido tomado
P. Capt-i,-ae,-a essemus ou fuissemus   Nós tivéssemos ou teríamos sido tomados
   Capt-i,-ae,-a essetis ou fuissetis   Vós tivésseis ou teríeis sido tomados
   Capt-i,-ae,-a essent ou fuissent     Eles tivessem ou teriam sido tomados

FUTURO

S. Capt-us,-a,-um ero, fuero ou fuerim   Eu for ou tiver sido tomado
   Capt-us,-a,-um eris ou fueris         Tu fores ou tiveres sido tomado
   Capt-us,-a,-um erit ou fuerit         Ele for ou tiver sido tomado
P. Capt-i,-ae,-a erimus ou fuerimus      Nós formos ou tivermos sido tomados
   Capt-i,-ae,-a eritis ou fueritis      Vós fordes ou tiverdes sido tomados
   Capt-i,-ae,-a erunt ou fuerint        Eles forem ou tiverem sido tomados

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Cap-i                  Ser tomado

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

S. Capt-um,-am,-um esse ou fuisse          Ter sido tomado
P. Capt-os,-as,-a esse ou fuisse           Ter sido tomado

FUTURO IMPERFEITO

S. Capt-um iri ou Cap-iendum,-am,-um esse    Haver de ser tomado, dever ser tomado
P. Capt-um iri ou Cap-iendos,-as,-a esse     Haver de ser tomado, dever ser tomado

FUTURO PERFEITO

S. Cap-iendum,-am,-um fuisse    Haver de ter sido tomado, dever ter sido tomado
P. Cap-iendos,-as,-a fuisse     Haver de ter sido tomado, dever ter sido tomado

SUPINO

Captu                De ser tomado, para ser tomado

PARTICÍPIO PASSADO

Capt-us,-a,-um       tomado, tendo tomado, tendo sido tomado

PARTICÍPIO FUTURO OU GERUNDIVO

Cap-iendus,-a-um      Havendo ou tendo de ser tomado; devendo ser
                      tomado, o que há de ou deve ser tomado; para
                      ser tomado.

OBSERVAÇÕES

Vide a observação exarada no fim do paradigma anterior acerca da
vogal conjuntiva.

Em capior notamos a mais a interferência de um -i- em todos os
tempos formados do radical do presente, excetuando-se o
infinitivo presente, capi, o pretérito imperfeito do subjuntivo,
caperer, a 2a pessoa singular do imperativo presente, capere, e a
2a pessoa singular do indicativo presente, caperis ou capere.

Esta particularidade é extensiva a todos os compostos de capior.


4a CONJUGAÇÃO

(voz passiva)

PARADIGMA

89. Tempos primitivos Audior,iris,itus,sum,iri, ser ouvido.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Audior               Eu sou ouvido
   Audiris ou audire    Tu és ouvido
   Auditur              Ele é ouvido
P. Audimur              Nós somos ouvidos
   Audimini             Vós sois ouvidos
   Audi-u-ntur          Eles são ouvido

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Audi-eba-r                     Eu era ouvido
   Audi-eba-ris ou audi-eba-re    Tu eras ouvido
   Audi-eba-tur                   Ele era ouvido
P. Audi-eba-mur                   Nós éramos ouvidos
   Audi-eba-mini                  Vós éreis ouvidos
   Audi-eba-ntur                  Eles eram ouvidos

PRETÉRITO PERFEITO

S. Audit-us,-a,-um sum ou fui              Eu fui ou tenho sido ouvido
   Audit-us,-a,-um es ou fuisti            Tu foste ou tens sido ouvido
   Audit-us,-a,-um est ou fuit             Ele foi ou tem sido ouvido
P. Audit-i,-ae,-a sumus ou fuimus          Nós fomos ou temos sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a estis ou fuistis         Vós fostes ou tendes sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a sunt, fuerunt ou fuere   Eles foram ou têm sido ouvidos

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Audit-us,-a,-um eram ou fueram     Eu fora ou tinha sido ouvido
   Audit-us,-a,-um eras ou fueras     Tu foras ou tinhas sido ouvido
   Audit-us,-a,-um erat ou fuerat     Ele fora ou tinha sido ouvido
P. Audit-i,-ae,-a eramus ou fueramus  Nós fôramos ou tínhamos sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a eratis ou fueratis  Vós fôreis ou tínheis sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a erant ou fuerant    Eles foram ou tinham sido ouvidos

FUTURO IMPERFEITO

S. Audi-a-r                   Eu serei ou hei de ser ouvido
   Audi-e-ris ou audi-e-re    Tu serás ou hás de ser ouvido
   Audi-e-tur                 Ele será ou há de ser ouvido
P. Audi-e-mur                 Nós seremos ou havemos de ser ouvidos
   Audi-e-mini                Vós sereis ou haveis de ser ouvidos
   Audi-e-ntur                Eles serão ou hão de ser ouvidos

FUTURO PERFEITO

S. Audit-us,-a,-um ero ou fuero        Eu terei sido ouvido
   Audit-us,-a,-um eris ou fueris      Tu terás sido ouvido
   Audit-us,-a,-um erit ou fuerit      Ele terá sido ouvido
P. Audit-i,-ae,-a erimus ou fuerimus   Nós teremos sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a eritis ou fueritis   Vós tereis sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a erunt ou fuerint     Eles terão sido ouvidos

IMPERATIVO

PRESENTE

S. Audire         Sê tu ouvido
   Auditor        Seja ele ouvido
P. Audimini       Sede vós ouvidos
   Audi-u-ntor    Sejam eles ouvidos

FUTURO

S. Auditor        Serás tu ouvido
   Auditor        Será ele ouvido
P. Audiminor      Sereis vós ouvidos
   Audi-u-ntor    Serão eles ouvidos

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Audi-a-r                   Eu seja ouvido
   Audi-a-ris ou audi-a-re    Tu sejas ouvido
   Audi-a-tur                 Ele seja ouvido
P. Audi-a-mur                 Nós sejamos ouvidos
   Audi-a-mini                Vós sejais ouvidos
   Audi-a-ntur                Eles sejam ouvidos

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Audi-re-r                   Eu fosse ou seria ouvido
   Audi-re-ris ou Audi-re-re   Tu fosses ou serias ouvido
   Audi-re-tur                 Ele fosse ou seria ouvido
P. Audi-re-mur                 Nós fôssemos ou seríamos ouvidos
   Audi-re-mini                Vós fôsseis ou seríeis ouvidos
   Audi-re-ntur                Eles fossem ou seriam ouvidos

PRETÉRITO PERFEITO

S. Audit-us,-a,-um sim ou fuerim      Eu tenha sido ouvido
   Audit-us,-a,-um sis ou fueris      Tu tenhas sido ouvido
   Audit-us,-a,-um sit ou fuerit      Ele tenha sido ouvido
P. Audit-i,-ae,-a simus ou fuerimus   Nós tenhamos sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a sitis ou fueritis   Vós tenhais sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a sint ou fuerint     Eles tenham sido ouvidos

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S. Audit-us,-a,-um essem ou fuissem      Eu tivesse ou teria sido ouvido
   Audit-us,-a,-um esses ou fuisses      Tu tivesses ou terias sido ouvido
   Audit-us,-a,-um esset ou fuisset      Ele tivesse ou teria sido ouvido
P. Audit-i,-ae,-a essemus ou fuissemus   Nós tivéssemos ou teríamos sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a essetis ou fuissetis   Vós tivésseis ou teríeis sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a essent ou fuissent     Eles tivessem ou teriam sido ouvidos

FUTURO

S. Audit-us,-a,-um ero, fuero ou fuerim    Eu for ou tiver sido ouvido
   Audit-us,-a,-um eris ou fueris          Tu fores ou tiveres sido ouvido
   Audit-us,-a,-um erit ou fuerit          Ele for ou tiver sido ouvido
P. Audit-i,-ae,-a erimus ou fuerimus       Nós formos ou tivermos sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a eritis ou fueritis       Vós fordes ou tiverdes sido ouvidos
   Audit-i,-ae,-a erunt ou fuerint         Eles forem ou tiverem sido ouvidos

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Audi-ri                  Ser ouvido

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

S. Audit-um,-am,-um esse ou fuisse          Ter sido ouvido
P. Audit-os,-as,-a esse ou fuisse           Ter sido ouvido

FUTURO IMPERFEITO

S. Audit-um iri ou audi-endum,-am,-um esse    Haver de ser ouvido, dever ser ouvido
P. Audit-um iri ou audi-endos,-as,-a esse     Haver de ser ouvido, dever ser ouvido

FUTURO PERFEITO

S. Audi-ndum,-am,-um fuisse    Haver de ter sido ouvido, dever ter sido ouvido
P. Audi-ndos,-as,-a fuisse     Haver de ter sido ouvido, dever ter sido ouvido

SUPINO

Auditu                De ser ouvido, para ser ouvido

PARTICÍPIO PASSADO

Audit-us,-a,-um       ouvido, tendo ouvido, tendo sido ouvido

PARTICÍPIO FUTURO OU GERUNDIVO

Audi-endus,-a-um      Havendo ou tendo de ser ouvido; devendo ser
                      ouvido, o que há de ou deve ser ouvido; para
                      ser ouvido.

OBSERVAÇÕES

Nos verbos da 4a conjugação passiva a 3a pessoa plural do
indicativo presente e a do imperativo trazem após o radical a
vogal -u- à guisa de conjuntiva.


FORMAÇÃO DOS TEMPOS NA VOZ PASSIVA

90. Os verbos passivos, quanto à conjugação, distinguem-se pela
letra final do radical, assim como os ativos; também, como os
ativos, este radical se acha, fazendo-se cair ao infinitivo
presente as desinências -ri- para as conjugações 1a, 2a e 4a, e
-i- para a 3a.

91. Os radicais formadores dos tempos passivos são o do presente
e o do supino.

O radical do presente forma:

1. O presente e o pretérito imperfeito nos diferentes modos.
2. O futuro imperfeito do indicativo.
3. O futuro do imperativo.
4. O particípio futuro passivo ou gerundivo.

O radical do supino forma:

1. O particípio passado
2. Os pretéritos perfeito e mais que perfeito nos diferentes
modos.
3. O futuro perfeito do indicativo.
4. O futuro do subjuntivo.

92. Obtém-se cada um dos tempos de um verbo passivo, apondo-se ao
radical que lhe é formador: 1. as características de tempo e de
modo, 2. as desinências.

Nos paradigmas passivos vêm as ditas características destacadas.

93. As desinências da voz passiva são:

SINGULAR

1a pessoa  -or para o presente do indicativo.
           -or para futuro imperfeito do indicativo, nas
               conjugações 1a e 2a.
           -r  para os demais tempos do radical do presente.

2a pessoa  -ris ou -re para todos os tempos do radical do
                       presente, menos os do imperativo.
           -re para o imperativo presente.
           -tor para o imperativo futuro.

3a pessoa  -tur para todos os tempos do radical do presente.
           -tor para o imperativo em geral.

PLURAL

1a pessoa -mur para todos os tempos do radical do presente.

2a pessoa -mini para todos os tempos do radical do presente,
                menos o imperativo futuro.
          -minor para o impeativo futuro

3a pessoa -ntur para todos os tempos do radical do presente,
                menos os do imperativo
          -ntor para o imperativo em geral.

94. Na desinência -or do presente e do futuro imperfeito do
indicativo, a vogal -o- deve ser considerada conjuntiva.


RESUMO DA FORMAÇÃO DOS TEMPOS NA VOZ PASSIVA

95. O radical do presente forma:

1. O indicativo presente, apostas as desinências próprias, caindo
o -a- do radical da 1a conjugação na 1a pessoa singular e
interferindo muitas vezes a vogal conjuntiva nas conjugações 3a e
4a.

2. O pretérito imperfeito do indicativo, apondo-se-lhe -bar,
-baris, etc, interferindo a vogal conjuntiva nas conjugações 3a e
4a.

3. O futuro imperfeito do indicativo, apondo-se-lhe -bor, -beris,
etc, para as conjugações 1a e 2a, e -ar, -eris, etc, para as
conjugações 3a e 4a.

4. O imperativo em geral, apostas as desinências próprias,
interferindo de algum modo a vogal conjuntiva nas conjugações 3a
e 4a.

5. O subjuntivo presente, apondo-se-lhe -er, -eris, etc,
abrandado o -a- do radical para a 1a conjugação; e apondo-se-lhe
-ar, -aris, etc, para as demais.

6. O pretérito imperfeito do subjuntivo, apondo-se-lhe -rer,
-reris, etc, interferindo na 3a conjugação a vogal conjuntiva.

7. O presente e o pretérito imperfeito do infinitivo,
apondo-se-lhe -ri para 1a, 2a e 4a, e simplesmente -i para a 3a.

8. O particípio futuro ou gerundivo, apondo-se-lhe -ndus,-a,-um,
interferindo a vogal conjuntiva nas conjugações 3a e 4a.

96. O radical do supino forma:

1. O particípio passado, apondo-se-lhe -s-.

2. Todos os tempos perfeitos, nos diferentes modos, por perífrase
do particípio passado e do auxiliar sum em seu dulpo radical es e
fu.

3. A 1a forma do futuro imperfeito do infinitivo, por perífrase
do supino em -um e da forma infinitiva passiva iri (eo, is, etc).

97. A 2a pessoa singular do imperativo presente é semelhante ao
infinitivo presente ativo do verbo que se quer conjugar.

A sílaba -bo da 1a pessoa singular do futuro imperfeito do
indicativo das conjugações 1a e 2a, torna-se -be- na 2a pessoa
singular, -bu- na 3a pessoa plural e -bi- nas demais pessoas do
mesmo tempo.

Em tese, na passagem de um verbo latino da voz ativa para a
passiva, muito interferiu a lei dita de rotacismo.

LINGUAGENS PROMISSORAS

98. Chamam-se linguagens promissoras as que exprimem um fato
começado na intenção e futuro na execução.

Alguns autores as chamam de linguagens iniciais ou projetadas,
outros de linguagens por fazer, muitos enfim de conjugação
perifrástica.

Formam-se em latim do particípio futuro ativo ou passivo do
verbo, que se quer conjugar na voz ativa ou passiva, e do
auxiliar sum.

Em português formam-se dos auxiliares ter ou haver seguidos da
preposição de com o infinitivo do verbo que se quer conjugar
ativa ou passivamente; ex.:

Voz ativa: Amaturus,a,um sum - eu hei ou tenho de amar.
Voz passiva: Amandus,a,um sum - eu hei ou tenho de ser amado.

PARADIGMAS

(VOZ ATIVA)

INDICATIVO

PRESENTE

99. S. Amaturus,a,um sum, eu hei ou tenho de amar
                     es, tu hás ou tens de amar
                     est, ele há ou tem de amar
    P. Amaturi,ae,a sumus, nós havemos ou temos de amar
                    estis, vós haveis ou tendes de amar
                    sunt, eles hão ou têm de amar

PRETÉRITO IMPERFEITO

S Amaturus,a,um eram, eu havia ou tinha de amar
                eras, tu havias ou tinhas de amar
                erat, ele havia ou tinha de amar
P Amaturi,ae,a eramus, nós havíamos ou tínhamos de amar
               eratis, vós havíeis ou tínheis de amar
               erant, eles haviam ou tinha de amar

PRETÉRITO PERFEITO

S Amaturus,a,um fui, eu houve ou tive de amar
                fuisti, tu houveste ou tiveste de amar
                fuit, ele houve ou teve de amar
P Amaturi,ae,a fuimus, nós houvemos ou tivemos de amar
               fuistis, vós houvestes ou tivestes de amar
               fuerunt ou fuere, eles houveram ou tiveram de amar

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S Amaturus,a,um fueram, eu houvera ou tivera de amar
                fueras, tu houveras ou tiveras de amar
                fuerat, ele houvera ou tivera de amar
P Amaturi,ae,a fueramus, nós houvéramos ou tivéramos de amar
               fueratis, vós houvéreis ou tivéreis de amar
               fuerant, eles houveram ou tiveram de amar

FUTURO IMPERFEITO E PERFEITO

S Amaturus,a,um ero ou fuero, eu haverei ou terei de amar
                eris ou fueris, tu haverás ou terás de amar
                erit ou fuerit, ele haverá ou terá de amar
P Amaturi,ae,a erimus ou fuerimus, nós haveremos ou teremos de amar
               eritis ou fueritis, vós havereis ou tereis de amar
               erunt ou fuerint, eles haverão ou terão de amar

SUBJUNTIVO

PRESENTE E PRETÉRITO PERFEITO

S Amaturus,a,um sim ou fuerim, eu haja ou tenha de amar
                sis ou fueris, tu hajas ou tenhas de amar
                sit ou fuerit, ele haja ou tenha de amar
P Amaturi,ae,a simus ou fuerimus, nós hajamos ou tenhamos de amar
               sitis ou fueritis, vós hajais ou tenhais de amar
               sint ou fuerint, eles hajam ou tenham de amar

PRETÉRITO IMPERFEITO

S Amaturus,a,um essem, eu houvesse ou tivesse de amar
                esses, tu houvesses ou tivesses de amar
                esset, ele houvesse ou tivesse de amar
P Amaturi,ae,a essemus, nós houvéssemos ou tivéssemos de amar
               essetis, vós houvésseis ou tivésseis de amar
               essent, eles houvessem ou tivessem de amar

Linguagens condicionais: eu haveria ou teria, tu haverias ou
terias, ele haveria ou teria, nós haveríamos ou teríamos, vós
haveríeis ou teríeis, eles haveriam ou teriam de amar.

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

S Amaturus,a,um fuissem, eu houvera ou tivera de amar
                fuisses, tu houveras ou tiveras de amar
                fuisset, ele houvera ou tivera de amar
P Amaturi,ae,a fuissemus, nós houvéramos ou tivéramos de amar
               fuissetis, vós houvéreis ou tivéreis de amar
               fuissent, eles houveram ou tiveram de amar

FUTURO

S Amaturus,a,um fuero ou fuerim, eu houver ou tiver de amar
                fueris, tu houveres ou tiveres de amar
                fuerit, ele houver ou tiver de amar
P Amaturi,ae,a fuerimus, nós houvermos ou tivermos de amar
               fueritis, vós houverdes ou tiverdes de amar
               fuerint, eles houverem ou tiverem de amar

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Amaturum,am,um esse
P. Amaturos,as,a esse

impessoal: haver ou ter de amar
pessoal: haver ou ter eu, haveres ou teres tu,
         haver ou ter ele de amar, etc.

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

S. Amaturum,am,um fuisse
P. Amaturos,as,a fuisse

impessoal: haver ou ter amado
pessoal: haver eu, haveres tu, haver ele
         de ter amado, etc.

(VOZ PASSIVA)

INDICATIVO

PRESENTE

100. Amandus sum, eu hei ou tenho de ser amado, etc.

PRETÉRITO IMPERFEITO

Amandus eram, eu havia ou tinha de ser amado, etc.

PRETÉRITO PERFEITO

Amandus fui, eu houve ou tive de ser amado, etc.

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

Amandus fueram, eu houvera ou tivera de ser amado, etc.

FUTURO IMPERFEITO E PERFEITO

Amandus ero ou fuero, eu haverei ou terei de ser amado, etc.

SUBJUNTIVO

PRESENTE E PRETÉRITO PERFEITO

Amandus sim ou fuerim, eu haja ou tenha de ser amado, etc.

PRETÉRITO IMPERFEITO

Amandus essem, eu houvesse ou tivesse de ser amado, etc.

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

Amandus fuissem, eu houvera ou tivera de ser amado, etc.

FUTURO

Amandus fuero ou fuerim, eu houver ou tiver de ser amado, etc.

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

Amandum,am,um esse

impessoal: haver ou ter de ser amado.
pessoal: haver ou ter eu, haveres ou teres tu,
         haver ou ter ele de ser amado, etc.

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Amandum,am,um fuisse

impessoal: haver de ter sido ou dever ter sido amado
pessoal: haver eu de ter ou dever eu ter sido amado, etc.

101. Nas linguagens promissoras não figuram o imperativo e os
tempos do infinitivo que não o presente e o pretérito imperfeito,
o pretérito perfeito, e o pretérito mais que perfeito.


VERBOS DEPOENTES

102. Conjugam-se os verbos depoentes como os passivos,
mantendo-se, entretanto, da voz ativa, o gerúndio, o supino, o
particípio presente e o particípio futuro.

Os transitivos têm, por sua vez, o particípio futuro passivo e o
supino em -u- com significação passiva, sendo que alguns
particípios passados também tomam dita significação.

Há verbos depoentes em todas as conjugações, a saber:

1a Imitor,aris,atus sum,ari - imitar
2a Tueor,eris,tuitus ou tutus sum,eri - defender, ver.
3a Sequor,eris,sequutus ou secutus sum,i - seguir.
4a Metior,iris,mensus sum,iri - medir

103. Os verbos semi-depoentes, dadas as formas ativas dos tempos
do radical do presente, seguem o mesmo teor dos depoentes.

PARADIGMA

Imitor,aris,atus sum,ari - imitar

INDICATIVO

PRESENTE

104. Imit-or,                      eu imito
     Imit-aris ou -are,            etc.

PRETÉRITO IMPERFEITO

Imit-abar,                         eu imitava
Imit-abaris ou -abare,             etc.

PRETÉRITO PERFEITO

Imit-atus sum ou fui,              eu imitei, etc.

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

Imitat-us eram ou fueram,          eu tinha imitado, etc

FUTURO IMPERFEITO

Imit-abor,                         eu imitarei
Imit-aberis ou -abere,             etc.

FUTURO PERFEITO

Imitat-us ero ou fuero,            eu terei imitado, etc.

IMPERATIVO

PRESENTE E FUTURO

Imit-are ou -ator,                 imita tu, etc.
Imit-ator,                         etc.

SUBJUNTIVO

PRESENTE

Imit-er,                           eu imite
Imit-eris ou -ere,                 etc.

PRETÉRITO IMPERFEITO

Imit-arer,                         eu imitasse
Imit-areris ou -arere,             etc.

PRETÉRITO PERFEITO

Imitat-us sim ou fuerim,           eu tenho imitado, etc.

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

Imitat-us essem ou fuissem,        eu tivesse imitado, etc.

FUTURO

Imitat-us ero, fuero, ou fuerim,   eu imitar ou tiver imitado, etc.

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO PERFEITO

Imit-ari,                          imitar

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Imitat-um esse ou fuisse,          ter imitado, etc.

FUTURO ATIVO

Imitat-urum esse ou fuisse,        haver ou ter de imitar, etc.

FUTURO PASSIVO

Imit-andum esse ou fuisse,         haver ou ter de ser imitado, etc.

GERÚNDIO

Imit-andi,ando,andum,              de imitar, a imitar, imitando.

SUPINO

Imitat-um,                         a ou para imitar.
Imitat-u,                          de ou para ser imitado.

PARTICÍPIO PRESENTE

Imit-ans,antis,                    imitando, etc.

PARTICÍPIO PASSADO

Imitat-us,a,um,                    tendo imitado, etc.

PARTICÍPIO FUTURO ATIVO

Imitat-urus,ura,urum,              havendo ou tendo de imitar, etc.

PARTICÍPIO FUTURO PASSIVO OU GERUNDIVO

Imit-andus,anda,andum,             havendo ou tendo de ser imitado, etc.

105. Conjugar, dadas as modalidades previstas, os verbos
semi-depoentes Gaudeo,es,gavisus sum,ere - gozar. Audeo,es,ausus
sum,ere - ousar. Fido,is,fisus sum,ere - fiar-se, e compostos
deste último.

VERBOS IRREGULARES

106. Podemos dividir os verbos irregulares em duas classes:
irregulares propriamente ditos e defectivos. Os primeiros são os
que sofrem alterações (OOPS) já no radical, já nas características
de modo ou de tempo, já nas desinências. Os segundos, aqueles a
que faltam raízes, modos, tempos ou pessoas.

Passemos a conjugar os principais:

107. I. Possum,potes,potui,posse - poder.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Possum      posso
   Potes       podes
   Potest      pode
   Possumus    podemos
   Potestis    podeis
   Possunt     podem

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Poteram     podia
   Poteras     podias
   Poterat     podia
P. Poteramus   podíamos
   Poteratis   podíeis
   Poterant    podiam

FUTURO IMPERFEITO

S. Potero      poderei
   Poteris     poderás
   Poterit     poderá
P. Poterimus   poderemos
   Poteritis   podereis
   Poterunt    poderão

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Possim      possa
   Possis      possas
   Possit      possa
P. Possimus    possamos
   Possitis    possais
   Possint     possam

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Possim      pudesse
   Posses      pudesses
   Posset      pudesse
P. Possemus    pudéssemos
   Possetis    pudésseis
   Possent     pudessem

CONDICIONAL: poderia, poderias, poderia, poderíamos, poderíeis,
poderiam.

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

S. e P. Posse        poder, poder eu, etc.

108. O pretérito potui e os tempos decorrentes do seu radical se
conjugam regularmente. Possum não tem imperativo e nem os tempos
do infinitivo que não o presente e os pretéritos. Seu particípio
presente é potens,entis.

109. II. Fer-o,fers,tul-i,latum,ferre, levar.

Fero é da 3a conjugação; é regular na voz ativa e na voz passiva,
exceto as formas seguintes:

(VOZ ATIVA)

INDICATIVO

PRESENTE

S. Fero, fers, fert.
P. Ferimus, fertis, ferunt.

IMPERATIVO

S. Fer ou ferto, ferto.
P. ferte ou fertote, ferunto.

SUBJUNTIVO

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Ferrem, ferres, ferret.
P. Ferremus, ferretis, ferrent.

INFINITIVO

S. e P. Ferre.

(VOZ PASSIVA)

INDICATIVO

PRESENTE

S. Feror, ferris, fertur.
P. Ferimur, ferimini, feruntur.

IMPERATIVO

S. Ferre ou fertor, fertor.
P. Ferimini, feruntor.

SUBJUNTIVO

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Ferrer, ferreris ou ferrere, ferretur.
P. Ferremur, ferremini, ferrentur.

INFINITIVO

S. e P. Ferri.

Tuli por tetuli e latum por tlatum vêm do tema tollo.

110. COMPOSTOS DE FERO PARA CONJUGAR. -
affero,affers,attuli,allatum,afferre, trazer;
aufero,aufers,abstuli,ablatum,auferre, tirar;
confero,confers,contuli,collatum,conferre, amontoar;
differo,differs,distuli,dilatum,diferre, diferir;
effero,effers,extuli,elatum,efferre, levar para fora;
infero,infers,intuli,illatum,inferre, introduzir;
offero,offers,obtuli,oblatum,offerre, oferecer;
perfero,perfers,pertuli,perlatum,perferre, sofrer;
praefero,praefers,praetuli,praelatum,praeferre, preferir;
suffero,suffers,sufferre, sofrer - sustuli e sublatum pertencem a
tollo.

111. III. Eo,is,ivi,itum,ire, ir.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Eo       vou
   Is       vais
   It       vai
P. Imus     vamos
   Itis     ides
   Eunt     vão

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Ibam     ia
   Ibas     ias
   Ibat     iam
P. Ibamus   íamos
   Ibatis   íeis
   Ibant    iam

FUTURO IMPERFEITO

S. Ibo      irei
   Ibis     irás
   Ibit     irá
P. Ibimus   iremos
   Ibitis   ireis
   Ibunt    irão

IMPERATIVO

S. I ou ito       vá tu
   Ito            vá ele
P. Ite ou itote   ide vós
   Eunto          vão eles

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Eam        vá
   Eas        vás
   Eat        vá
P. Eamus      vamos
   Eatis      vades
   Eant       vão

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Irem       fosse ou iria
   Ires       fosses ou irias
   Iret       fosse ou iria
P. Iremus     fôssemos ou iríamos
   Iretis     fôsseis ou iríeis
   Irent      fossem ou iriam

INFINITIVO

PRESENTE OU PRETÉRITO IMPERFEITO

Ire                     ir

GERÚNDIO

Eundi,eundo,eundum      de ir, a ir, indo

PARTICÍPIO PRESENTE

Iens, euntis            indo; o que vai ou ia.

Os tempos decorrentes do pretérito ivi e do supino itum são
regulares.

112. Como Eo se conjugam: queo,quis,quivi,quitum,quire, poder e o
seu composto nequeo,nequis,etc (sem imperativo, nem particípios
presente e futuro); e veneo,venis,venii,venitum,venire, ser
vendido.

COMPOSTOS DE EO PARA CONJUGAR. Abeo,abis,abii,abitum,abire,
retirar-se; adeo,adis,adii,aditum,adire, dirigir-se;
coeo,cois,coii,coitum,coire, juntar-se;
exeo,exis,exii,exitum,exire, sair; ineo,inis,inii,initum,inire,
entrar; pereo,peris,perii,peritum,perire, perecer;
praetereo,praeteris,praeterii,praeteritum,praeterite, preterir;
prodeo,prodis,prodii,proditum,prodire, ir diante;
redeo,redis,redii,reditum,redire, voltar;
transeo,transis,transii,transitum,transire, passar.

113. IV. Fio,fis,factus sum,fieri, ser feito, tornar-se. Em geral
os gramáticos capitulam este verbo como voz passiva de
facio,facis,feci,factum,facere, fazer, que se conjuga por
capio. Daremos aqui somente os tempos procedentes do radical do
presente; os do radical do perfeito formam-se regularmente de
factus,a,um e do seu auxiliar sum no seu duplo radical.

Autores há que classificam os verbos depoentes e depoentes ativos
e depoentes passivos conforme tenham forma passiva e significação
ativa ou vice-versa. A esta última classe estão filiados fio,
liceo, sou licitado ou vendido em (OOPS) hasta pública, veneo,
vapulo, etc.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Fio, fis, fit.
P. Fimus, fitis, fiunt.

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Fi-ebam, -ebas, -ebat; etc.

FUTURO IMPERFEITO

S. Fi-am, -es, -et; etc.

IMPERATIVO

S. 2a Fi, fito.
   3a Fito.
P. 2a Fite, fitote.
   3a Fiunto.

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Fi-am, -as, -at, etc.

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Fi-erem, -eres, eret; etc.

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

S. e P. Fieri.

114. Os imperativos fi, fite são obsoletos; substituem-nos as
formas subjuntivas fiat, fiatis ou as imperativas (de sum) es e
esto.

115. V. Volo,vis,volui,velle - querer.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Volo,      quero
   Vis,       queres
   Vult,      quer
P. Volumus,   queremos
   Vultis,    quereis
   Volunt,    querem

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Vol-ebam,-ebas,-ebat; etc.

FUTURO IMPERFEITO

S. Vol-am,-es,-et; etc.

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Velim,     queira
   Velis,     queiras
   Velit,     queira
P. Velimus,   queiramos
   Velitis,   queirais
   Velint,    queiram

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Vellem, velles, vellet.
P. Vellemus, velletis, vellent.

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

S. e P. Velle, querer.

PARTICÍPIO DO PRESENTE

Volens, entis, querendo, etc.

O verbo volo não tem nem pode ter imperativo.
Volui e as formas dele derivadas são regulares.

COMPOSTOS DE VOLO

116. Nolo,nonvis,nolui,nolle - não querer.
Malo,mavis,malui,malle - mais querer.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Nolo, nonvis, nonvult.
P. Nolumus,nonvultis, nolunt.

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Nol-ebam, -ebas, -ebat; etc.

FUTURO IMPERFEITO

S. Nol-am, -es, -et; etc.

IMPERATIVO

S. Noli ou nolito, nolito.
P. Nolite ou nolitote, nolunto.

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Nolim, nolis, nolit.
P. Nolimus, nolitis, nolint.

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Nollem, nolles, nollet.
P. Nollemus, nolletis, nollent.

INFINITIVO

PRESENTE E PRETÉRITO IMPERFEITO

S. e P. Nolle

PARTICÍPIO PRESENTE

Nolens, entis.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Malo, mavis, mavult.
P. Malumus, mavultis, malunt.

PRETÉRITO IMPERFEITO

s. Mal-ebam, -ebas, -ebat; etc.

FUTURO IMPERFEITO

S. Mal-am, -es, -et; etc.

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. Malim, malis, malit.
P. Malimus, malitis, malint.

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Mallem, malles, mallet.
P. Mallemus, malletis, mallent.

INFINITIVO

S. e P. Malle.

Nolo vem de non volo, ou também de ne volo; malo de magis volo.

Malo não tem formas de imperativo nem de particípio presente.

Nolui e malui e as formas deles derivadas são regulares. São formas
desusadas nolam e malam.

VERBOS DEFECTIVOS

117. Conjugaremos a seguir os principais verbos defectivos:

118. I. Memini,isti,isse lembrar-se de.

Este verbo só é conjugado nos tempos perfeitos, (OOPS) ou sejam, do
segundo radical; entretanto são traduzidos esses tempos em português
com as linguagens dos tempos do 1o e do 2o radical; suas formas são
geralmente regulares.

INDICATIVO

PRESENTE E PRETÉRITO PERFEITO

Memin-i,         eu me lembro, ou eu me lembrei
Memin-isti,      tu te lembras, ou tu te lembraste, etc.

PRETÉRITO IMPERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Memin-eram,      eu me lembrava, ou eu me lembrara
Memin-eras,      tu te lembravas, ou tu te lembraras, etc.

FUTURO IMPERFEITO E PERFEITO

Memin-ero,       eu me lembrarei, ou eu me terei lembrado
Memin-eris,      tu te lembrarás, ou tu te terás lembrado, etc.

IMPERATIVO

S. Memento,      lembra-te tu
P. Mementote,    lembrai-vos vós

SUBJUNTIVO

PRESENTE E PRETÉRITO PERFEITO

Memin-erim,      eu me lembre, ou eu me tenha lembrado
Memin-eris,      tu te lembres, ou tu te tenhas lembrado, etc.

PRETÉRITO IMPERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Memin-issem,     eu me lembrasse, ou eu me lembraria; eu me
                 tivesse ou me teria lembrado, etc.
Memin-isses,     tu te lembrasses, ou te lembrarias, etc.

FUTURO

Memin-erim,      em me lembrar, ou eu me tiver lembrado
Memin-eris,      tu te lembrares, ou tu te tiveres lembrado, etc.

INFINITIVO

PRESENTE, PRETÉRITO IMPERFEITO, PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Memin-isse,      lembrar-se, ou ter-se lembrado, etc.

119. Seguem a conjugação de Memini os verbos: novi, novisti,
novisse, conhecer, coepi, coepisti, coepisse, começar e odi,
odisti, odisse, odiar.

Novi, coepi e odi não têm imperativo.

As terminações contraídas e sincopadas são comuns em novi, daí
por novisti, noverunt, etc, o encontrarmos nosti, norunt, etc.

Coepi e odi são passíveis de pretérito perfeito e mais que
perfeito na voz passiva com a significação ativa, e, a mais, de
particípio futuro ativo; ex.: coeptus sum, coeptus eram; osus
sum, osus eram; coepturus, osurus.

120. II. Aio, eu digo ou afirmo.

INDICATIVO

PRESENTE

S. Aio,      digo
   Ais,      dizes
   Ait,      diz
P. ...
   Aiunt,    dizem

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Ai-ebam, -ebas, -ebat,         dizia, etc.
P. Ai-ebamus, -ebatis, -ebant.

PRETÉRITO PERFEITO

S. Aisti (raro)                   disseste
P. Aistis (raro)                  dissestes

IMPERATIVO

S. Ai (antiquado),                dize tu

SUBJUNTIVO

PRESENTE

S. ...
   Aias,        digas
   Aiat,        diga
P. ...
   ...
   Aiant,       digam

PARTICÍPIO PRESENTE (raro)

S. Aiens, entis,          dizendo.

121. III. Inquam, eu digo

PRESENTE

S. Inquam,        digo
   Inquis,        dizes
   Inquit,        diz
P. Inquimus,      dizemos
   Inquitis,      dizeis
   Inquiunt,      dizem

PRETÉRITO IMPERFEITO

S. Inquiebat,     dizia.
P. Inquiebant,    diziam.

PRETÉRITO PERFEITO

Inquisti,         disseste.
Inquit,           disse.

FUTURO IMPERFEITO

Inquies,          dirás.
Inquiet,          dirá.

IMPERATIVO (raro)

Inque ou inquito,          dize tu.

122. IV. Edo,is,edi,esum,ere, comer.

Dados os radicais, este verbo é regular, entretanto é também
passível de umas tantas formas abundantes semelhantes às do verbo
sum. Ei-las.

INDICATIVO

PRESENTE

...
Es,       comes
Est,      come
...
Estis,    comeis
...

IMPERATIVO

Es ou esto,        come tu
Este ou estote,    comei vós

SUBJUNTIVO

PRETÉRITO IMPERFEITO

Essem,       comesse
Esses,       comesses
Esset,       comesse
Essemus,     comêssemos
Essetis,     comêsseis
Essent,      comessem

INFINITIVO

Esse,        comer
Estur,       come-se

123. Quaeso, eu rogo.

INDICATIVO

PRESENTE

Quaes-o,-umus, rogo, rogamos

124. VI. Infit, começar a falar, - Defit, falta.

INDICATIVO

PRESENTE

Infit,              começa a falar
Defit, defiunt      falta, faltam

FUTURO

Defiet,             faltará

SUBJUNTIVO

PRESENTE

Defiat,             falte

INFINITIVO

PRESENTE

Defieri,            faltar

125. VII. Avere, ser saudado.

IMPERATIVO

Ave ou aveto,       sê tu saudado, saúde.
Avete,              sede vós saudados, saúde.

126. VIII. Salvere, passar de saúde.

INDICATIVO

FUTURO

Salvebis,           tu passarás de saúde ou (imperativo) tem saúde.

IMPERATIVO

Salve ou salveto,   tem saúde, saúde.
Salvete,            tende saúde, saúde.

127. IX. Fari, dizer, falar.

INDICATIVO

PRESENTE

Fatur,          ele fala
Famur, famini   só se empregam nos compostos affari,
                effari, praefari, profari.

PRETÉRITO IMPERFEITO

Fabar,          só nos compostos.

PRETÉRITO PERFEITO

Fatus sum,      etc. Eu falei.

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

Fatus eram,     etc.

FUTURO

Fabor, (faberis), fabitur

IMPERATIVO

Fare            fala

SUBJUNTIVO

PRETÉRITO IMPERFEITO

Farer.

PRETÉRITO PERFEITO E MAIS QUE PERFEITO

Fatus sim, etc. e fatus essem, etc.

INFINITIVO

PRESENTE

Eari.

SUPINO

Fatu.

GERÚNDIO

Fandi, fando.

PARTICÍPIO PRESENTE

Fantis, fanti, etc. (sem nominativo).

PARTICÍPIO PASSADO

Fatus, (a, um).

PARTICÍPIO FUTURO OU GERUNDIVO

Fandus, (a, um).

128. As formas dadas de quaeso são as que, na nomenclatura
recente, permaneceram dentre as arcaicas de quaero, então quaeso.

As formas imperativas ave, etc., julgam alguns autores tiradas de
aveo, eu desejo.

Existe também a locução salvere jubeo.

Em algumas gramáticas figuram, (OOPS) a-la-par dos verbos
defectivos, as formas dor, der, deris, (de dare, dar); solebo e
solens (de solere, costumar); ovans, antis, (de ovare, arcaico,
dar gritos de alegria); vale, valete, adeus! (de valere, ter
saúde); e outras que tais.

Também encontramos em autores, à guisa de locuções interjeitivas:
sodes, por favor (si audes ou si audies), sis, se te apraz (si
vis); capsis, toma se queres (cape si vis); cedo, cette, dá, dize
(cedito, cedite imperativos de cedo), etc.


VERBOS UNIPESSOAIS

129. Verbos unipessoais são os que se empregam tão somente na
terceira pessoa singular, como oportet, é mister.

São consideradas unipessoais as formas passivas, como tegitur,
cobre-se, dormiebatur, dormia-se, etc, cujo sujeito querem alguns
que seja o infinitivo do verbo em questão.

130. Os principais unipessoais são: decet, convém, dedecet, não
convém, libet, apraz, licet, é lícito, oportet, é mister,
poenitet, causa pena, pesar, piget, enfada, pudet, acanha,
taedet, entedia, enfada, (pret. perf., pertaesum est) etc.

São também unipessoais os verbos que traduzem fenômenos
meteorológicos, como, tonat, abat, tonuit, tonabit, tonare,
tonuisse, etc, trovejar; ningit, ningebat, ninxit, ninget,
ningere, ninxisse, nevar; e outros muitos.


VERBOS DE CONJUGAÇÃO MISTA

131. Chamamos verbos de conjugação mista os que formam o
pretérito e o supino com radicais diferentes do radical
verbal. Daremos a seguir o elenco dos mais comuns.


1a CONJUGAÇÃO

132. Crepo, eu estalo, crepui, crepitum.

Dos seus compostos, discrepo, eu discrepo, faz discrepui,
discrepitum ou discrepavi, discrepatum (arc.); increpo, eu
repreendo, increpui, increpitum ou increpavi, increpatum (arc.).

Cubo, eu me encosto, cubui, cubitum ou cubavi, cubatum (pouco
usado).

Dos seus compostos, incubo, eu me inclino sobre, faz incubui,
incubitum, e no sentido de chocar, incubavi, incubatum;
supercubo, eu me deito, sobre, supercubavi ou supercubui,
supercubitum.

Aos mais verbos compostos dar-se-áo pretérito em -ui e o supino
em -itum, quer pertençam à primeira conjugação, como recubo, eu
estou deitado, recubui, recubitum; quer à terceira, como -
recumbo, eu estou deitado, recubui, recubitum.

Do, eu dou, dedi, datum. Do mesmo modo fazem seus compostos,
pertencentes à primeira conjugação, como: circumdo, eu cerco,
circumdedi, circumdatum. Os que pertencem à terceira, fazem o
pretérito em -didi e o supino em -ditum, como: abdo, eu escondo,
abdidi, abditum. Contudo, abscondo, eu me escondo, faz
abscondidi, absconditum ou abscondi absconsum, ainda que o
primeiro pretérito seja melhor do que o segundo.

Domo, eu amanso, domui, domitum ou domatum.
Frico, eu esfrego, fricui, frictum ou fricatum.

Juvo, eu ajudo, juvi, jutum. Seu composto adjuto, eu ajudo,
adjuvi, adjutum, ou adjuvavi, adjuvatum.

Lavo, eu lavo, lavi, lotum lautum ou lavatum.
Mico, eu brilho, micui (sem supino).

Dos seus compostos, dimico, eu pelejo, faz dimicui, dimicavi,
dimicatum.

Neco, eu mato, necui, nectum, ou necavi necatum.

Plico, eu dobro, plicui, plicitum ou plicavi, plicatum. Os seus
compostos fazem o pretérito e o supino em -ui, -itum ou -avi,
-atum, como: applico, eu aplico, applicui, applicitum. Porém aos
que se compõem de nomes, assignam os gramáticos geralmente só o
pretérito em -avi e o supino em -atum, como: duplico, eu duplico,
duplicavi, duplicatum.

Poto, eu bebo, potavi, potatum ou potum.
Sono, eu sôo, sonui, sonitum.

Dos seus compostos, persono, eu faço muito som, tem personui ou
personavi, resono, eu resôo, resonui ou resonavi.

Tono, eu (OOPS) atrôo ou trovejo, tonui, tonitum, Dos seus
compostos, intono, eu atrôo, faz intonui, intonitum ou intonatum.

Sto, eu estou de pé, steti, statum.

Dos seus compostos, antesto ou antisto, eu excedo, faz antesteti,
antestatum. Aos mais assignam-se ordinariamente o pretérito em
stiti e o supino em stitum, como: adsto, eu estou diante,
adstiti, adstitum ou adstatum.

Veto, eu proíbo, vetui ou vetavi, vetitum.


2a CONJUGAÇÃO

133. Adeo, eu ouso, ausus sum ou ausi, como disse Catão.
Gaudeo, eu folgo, gavisus sum ou gavisi, como disse Cássio Hemina.

Placeo, eu agrado, placui, placitum ou placitus sim. Assim seus
compostos: complaceo, eu agrado, complacui, complacitum ou
complacitus sum; displiceo (mudado o -a- em -i-), eu desagrado,
displicui, displicitum ou displicitus sum.

Soleo, eu costumo, solitus sum ou solui, como usaram Catão e
Salústio.

Licet, é lícito, licuit ou licitum est.
Libet, agrada, libuit ou libitum est.
Taedet, enfastia, (algumas vezes) taeduit ou taesum est.
Piget, enfada, piguit ou pigitum est.
Pudet, envergonha, puduit ou puditum est.
Miseret, causa compaixão, misertum ou miseritum est.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM UI E O SUPINO EM ITUM

134. Habeo, eu tenho ou possuo, habui, habitum, e seus compostos
adhibeo, inhibeo, etc.

Moneo, eu admoesto, monui, monitum, e seus compostos, admoneo,
commoneo.

Taceo, eu calo, tacui, tacitum, e seus compostos conticeo, etc.,
sem supino.

E grande soma de verbos idênticos desta conjugação.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM UI E O SUPINO EM TUM OU SUM

135. Doceo, eu ensino, docui, doctum; censeo, eu julgo, censui,
censum; frendeo, eu quebro, frendui, fressum.

Misceo, eu misturo, miscui, mistum ou mixtum.
Teneo, eu possuo, tenui, tentum.

Os seus compostos mudam, no presente e no pretérito, o -e- em -i-
como: abstineo, eu me abstenho, abstinui, abstentum.

Torreo, eu queimo, torrui, tostum.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM I E O SUPINO EM SUM

136. Prandeo, eu janto, prandi, pransum.

Sedeo, eu estou sentado, sedi, sessum. Dos seus compostos, uns
mudam o -e- em -i-, nopresente, como - assideo, eu estou sentado,
assedi, assessum; outros conservam o -e-, como - circumsedeo,
circumsedi, circumsessum.

Video, eu vejo, vidi, visum.

Os quatro seguintes dobram no pretérito a primeira sílaba do
radical; mordeo, eu mordo, momordi ou memordi, morsum; de cujos
compostos, admordeo, eu mordo, faz admordi ou admomordi,
admorsum; pendeo, eu estou pendente, pependi, pensum; mas os
compostos deste não dobram a sílaba no pretérito; como -
impendeo, eu estou pendente, impendi, impensum; spondeo, eu
prometo, spopondi, sponsum; de cujos compostos, despondeo, eu
prometo, faz despondi ou despopondi, desponsum; tondeo, eu
tosquio, totondi, tonsum; de cujos compostos, detondeo, eu
tosquio, faz detondi ou detotondi, detonsum; praetondeo, eu
tosquio primeiro, praetondi ou praetotondi, praetonsum.

137. Os verbos que dobram no pretérito a primeira sílaba do
radical chamam-se "de redobro".


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM I E O SUPINO EM TUM

138. Caveo, eu acautelo, cavi, cautum (em vez do antigo cavitum).
Faveo, eu favoreço, favi, fautum.
Faveo, eu aqueço, favi, fotum.
Moveo, eu movo, movi motum.
Voveo, eu voto, vovi, votum.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM SI E O SUPINO EM SUM OU TUM

139. Ardeo, eu ardo, arsi, arsum.
Haereo, eu estou pegado, haesi, haesum.
Indulgeo, eu concedo, indulsi, indultum.
Jubeo, eu mando com império, jussi, jussum.
Maneo, eu fico, mansi, mansum.
Mulceo, eu afago, mulsi, mulsum, ou mulcitum.
Mulgeo, eu ordenho, mulsi, mulsum, ou mulxi, mulctum segundo alguns.
Rideo, eu rio, risi, risum.
Suadeo, eu induzo, suasi, suasum.
Tergeo, eu limpo, tersi, tersum.
Torqueo, eu torço, torsi, tortum ou torsum (antigamente).


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM XI E O SUPINO EM TUM

140. Augeo, eu acrescento, auxi, auctum.
Lugeo, eu choro, luxi, luctum.


VERBOS QUE CARECEM DE SUPINO, TENDO O PRETÉRITO REGULAR

141. Aceo, eu me azedo, acui.

Arceo, eu me afasto, arcui; cujos compostos mudam o -a- em -e- e
têm pretérito e supino como: exerceo, eu exercito, exercui,
exercitum.

Areo, eu me seco, árui.
Calleo, eu estou calejado, callui.
Candeo, eu me abraso, candui.
Deceo, eu sou decente, decui.
Egeo, eu necessito, egui; indigeo, indigui.
Ferveo, eu fervo, ferbui, ou fervi.
Floreo, eu floresço, florui.
Frondeo, eu me cubro de folhas, frondui (pouco usado).
Horreo, eu tenho horror, horrui.
Langueo, eu estou lânguido, langui.
Lateo, eu me escondo, latui; deliteo, delitui.
Liquet, é evidente, liquit.
Liveo, eu tenho inveja, livi.
Madeo, eu estou molhado, madui.
Mineo, eu estou sobranceiro, minui.
Niteo, eu resplandeço, nitui.
Oportet, é mister, oportuit.
Poenitet, ter pesar de, poenituit.
Palleo, eu empalideço, pallui.
Pateo, eu estou patente, patui.
Rigeo, eu estou rijo, rigui.
Rubeo, eu estou vermelho, rubui.
Sileo, eu estou calado, silui.
Sorbeo, eu sorvo, sorbui.
Sordeo, eu estou sujo, (pouco usado) sordui.
Splendeo, eu resplandeço, splendui.
Studeo, eu estudo, studui.
Stupeo, eu estou estupefacto, stupui.
Tepeo, eu estou morno, tepui.
Timeo, eu temo, timui.
Torpeo, eu estou entorpecido, torpui.
Tumeo, eu estou inchado, tumui.
Vigeo, eu tenho vigor, vigui.
Vireo, eu estou verdejante, virui.


142. Têm o pretérito irregular:

Algeo, eu estou frio, alsi.
Conniveo, eu pestanejo, connivi ou connixi.
Flaveo, eu estou lourejando, flavi.
Frigeo, eu estou com frio, frixi.
Fulgeo, eu resplandeço, fulsi.

Luceo, eu reluzo, luxi: polluceo, polluxi (ao qual alguns dão o
supino polluctum)

Paveo, eu tenho pavor, pavi.
Strideo, eu ranjo, stridi.
Turgeo, eu estou inchado, tursi.
Urgeo, eu aperto, ursi.

Aos mais verbos neutros da segunda conjugação que fazem o
pretérito em -ui negam também geralmente os gramáticos o supino,
com exceção (além de placeo, já nomeado), dos verbos seguintes
aos quais dão, como tendo pretérito em -ui, supino em -itum:
caleo, eu estou quente, calui, calitum; coaleo, eu cresço;
coalui, coalitum; careo, eu careço, carui, caritum; doleo, eu me
dôo, dolui, dolitum; jaceo, eu jazo, jacui, jacitum; noceo, eu
faço mal, nocui, nocitum; oleo, eu lanço cheiro, olui, olitum;
pareo, eu obedeço, parui, paritum; taceo, eu estou calado, tacui,
tacitum; valeo, eu posso, valui, valitum.

Os compostos de taceo mudam o -a- em -i- e carecem de supino,
como: conticeo, eu me calo, conticui. Os compostos de oleo, que
guardam a significação dos simples, fazem também o pretérito em
-ui e o supino em -itum, como: oboleo, lanço cheiro, obolui,
obolitum.

Os que mudam de significação, fazem o pretérito em -evi e o
supino em -etum, como: exoleo, eu me ponho fora de uso, exolevi,
exoletum. Contudo aboleo, eu apago, faz abolevi, abolitum;
adoleo, eu cresço, adolui ou adolevi, adultum.


VERBOS QUE CARECEM DE PRETÉRITO E DE SUPINO

143. Albeo, eu estou branco.
Caneo, eu escaneço.
Flaveo, eu estou amarelo.
Hebeo, eu estou embotado.
Promineo, eu sobrepujo na altura.
Liveo, eu estou lívido.
Moereo, eu gemo.
Polleo, eu sou poderoso.
Renideo, eu estou risonho.
Squaleo, eu estou sujo.


3a CONJUGAÇÃO

VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM BI E O SUPINO EM ITUM

144. Bibo, eu bebo, bibi, bibitum. Os seus compostos conservam a
sílaba dobrada, como: ebibo, eu bebo tudo, ebibi, ebibitum.

Glubo, eu tiro a casca ou a pele, glubi, glubitum.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM CI E O SUPINO EM CTUM

145. Facio, eu faço, feci, factum.

Dos seus compostos uns mudam o -a- em -i- no presente e em -e- no
supino, como: interficio, eu mato, interfectum, outros seguem em
tudo os simples, como, calefacio, eu me (OOPS) aquento, calefeci,
calefactum.

Jacio, eu arremesso, jeci, jactum.

Dos seus compostos uns mudam o -a- em -i-, no presente, e em -e-,
no supino, como: abjicio, eu lanço de mim com desprezo, abjeci,
abjectum; outros seguem os simples, como: circumjacio,
interjacio, e superjacio.

Ico (arc.) eu firo, ici, ictum.
Vinco, eu venço, vici, victum.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM DI E O SUPINO EM SUM, SSUM OU TUM

146. Cado, eu caio, cecidi, casum.

Os seus compostos mudam o -a- em -i-, exceto no supino, e não
dobram a sílaba no pretérito.

Destes têm pretérito e supino - incido, eu caio, incidi, incasum;
occido, eu morro, occidi, occasum, recido, eu torno a cair,
recidi, recasum.

Caedo, eu firo, cecidi, caesum.

Os seus compostos mudam o -ae- em -i- e não dobram a sílaba no
pretérito, como: excido, eu destruo, excidi, excisum.

Cando, verbo antiquado, do qual se compõem - accendo, eu acendo,
accendi, accensum, e também - incendo, succendo, etc.

Cubo, eu bato metal, cudi, cusum.

Fendo, eu provoco a ira (verbo antigo e desusuado), do qual se
compõem - defendo, eu defendo, defendi, defensum; offendo, eu
ofendo, offendi, offensum.

Fodio, eu cavo, fodi, fossum.
Findo, eu fendo, fidi, fissum.
Edo, eu publico, edidi, editum.
Edo, eu como, edi, essum ou estum.

Dos seus compostos, comedo, eu como, faz comedi, comesum ou
comestum.

Scindo, eu rasgo, scidi, scissum.
Frendo, eu quebro, frendi, fressum.
Fundo, eu derramo, fudi, fusum.
Pando, eu abro, pandi, passum ou pansum.
Prendo ou prehendo, eu prendo, prehendi, prensum ou prehensum.
Pendo, eu penso, pendi ou pependi, pensum.

Os seus compostos não dobram a sílaba no pretérito como: extendo,
eu estendo, extendi, extensum ou extentum.

Tundo, eu bato, tutudi, tunsum (algumas vezes tusum).

Seus compostos não dobram a sílaba no pretérito como: contundo,
eu malho, contusum, perdendo a letra -u- do simples.

Aos verbos mando, eu mastigo, e scando, eu subo, alguns negam
geralmente pretérito; outros lhe dão os pretéritos - mandi,
scandi e os supinos mansum, scansum, tendo contudo este último
por desusado.

Os compostos de scando, mudam, na maior parte, o -a- em -e-,
como: ascendo, eu subo, ascendi, ascensum.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM GI E O SUPINO EM CTUM

147. Ago, egi, actum.

De seus compostos, dego, eu vivo, faz degi, prodigo, eu
desperdiço, prodegi, os quais carecem de supino. Dos mais
compostos uns mudam no presente o -a- em -i-, outros o conservam,
fazendo estes e aqueles o pretérito em -egi, e supino em -actum,
como: adigo, eu obrigo, adegi, adactum.

Perago, eu acabo de fazer, peregi, peractum.
Cogo, eu obrigo, faz coegi, coactum.
Frango, eu quebro, fregi, fractum.

Seus compostos mudam no presente o -a- em -i-, como: confringo,
eu quebro, confregi, confractum.

Porém em vez de affringo, usam os Latinos de affrango.

Lego, eu leio, legi, lectum. De seus compostos uns mudam no
presente o -e- em -i-, como: eligo, eu escolho, elegi, electum;
outros conservam o -e- do simples, como: relego, eu torno a ler,
relegi, relectum. Porém diligo, eu amo de preferência, faz
dilexi, dilectum; intelligo, eu entendo, intellexi ou intellegi
(arc.), intellectum; negligo ou neglego (arc.) eu desprezo,
neglexi ou neglegi (arc.) neglectum.

Pago (verbo antigo, muito usado no pretérito), eu pactuo (OOPS:
faço concerto), pepigi, pactum.

Pango, eu planto, pepigi, ou panxi, pactum. De seus compostos
alguns mudam no presente o -a- em -i- e fazem o pretérito em pegi
e o supino em pactum, como: compingo, eu componho, compegi,
compactum.

Pungo, eu firo, pupugi, punctum.

Seus compostos fazem o pretérito em unxi, como: expungo, eu
apago, expunxi, expunctum.

Tango, eu toco, tetigi, tactum.

Seus compostos mudam no presente o -a- em -i- e não dobram a
sílaba no pretérito, como: attingo, eu toco, attigi, attactum.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM SI E O SUPINO EM SUM OU TUM

148. Cedo, eu cedo, cessi, cessum.

Do mesmo modo fazem seus compostos, como: excedo, eu excedo,
excessi, excessum.

Claudo, eu fecho, clausi, clausum.
Cludo, eu fecho, clusi, clusum.
Deste verbo se compõem excludo, occludo, includo e outros.
Divido, eu divido, divisi, divisum.
Laedo, eu offendo, laesi, laesum.

Seus compostos mudam o -ae- em -i- como: allido, eu quebro,
allisi, allisum.

Ludo, eu jogo, lusi, lusum.
Mergo, eu mergulho, mersi, mersum.
Mitto, eu envio, misi, missum.
Parco, eu perdôo, parci ou peperci, parsum ou parcitum.

Seus compostos imitam o primeiro pretérito, como: comparco, eu
perdôo, comparsi, comparsum.

Plaudo, eu aplaudo, plausi, plausum.

Os seus compostos, dizem geralmente os gramáticos, mudarem alguns
o -au- em -o-, como: explodo, eu apupo, explosi, explosum.

Premo, eu aperto, pressi, pressum.

Seus compostos mudam no presente o -e- em -i-, como: opprimo, eu
aprimo, opressi, opressum.

Ao verbo quatio, eu sacudo, negam alguns o pretérito, outros lhe
dão quassi, quassum. Seus compostos mudam o -q- em -c- e perdem o
-a-, como: concutio, eu abalo, concussi, concussum.

Rado, eu raspo, rasi, rasum.
Rodo, eu rôo, rosi, rosum.
Spargo, eu espalho, sparsi, sparsum.

Seus compostos mudam o -a- em -e-, como: aspergo, eu borrifo,
aspersi, aspersum.

Tergo, eu limpo, tersi, tersum.
Trudo, eu empurro, trusi, trusum.
Vado, eu vou, (carece de pretérito e supino).

Seus compostos têm pretérito em vasi e supino em vasum, como:
evado, eu escapo, evasi, evasum.

Vello, eu arranco, vulsi ou velli, vulsum.
Viso, eu vou ver, visi, visum.
Gero, eu trago, gessi, gestum.
Uro, eu queimo, ussi, ustum.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM PSI E O SUPINO EM PTUM

149. Carpo, eu colho, carpsi, carptum.

Seus compostos mudam o -a- em -e-, como: decerpo, eu colho,
decerpsi, decerptum.

Demo, eu tiro, dempsi, demptum.
Clepo, eu escondo, clepsi ou clepi, segundo alguns, cleptum.
Promo, eu tiro para fora, prompsi, promptum.
Repo, eu ando de (OOPS) rojo, repsi, reptum.
Scalpo, eu raspo, scalpsi, scalptum.
Sculpo, eu esculpo, sculpsi, sculptum.
Scribo, eu escrevo, scripsi, scriptum.
Serpo, eu me arrasto, serpsi, serptum.
Sumo, eu tomo, sumpsi, sumptum.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM LI E O SUPINO EM SUM OU TUM

150. Fallo, eu engano, fefelli, falsum.

Seu composto refello, eu refuto, faz refelli, sem supino.

Fero, eu levo, tuli, latum. De seus compostos, affero, eu trago,
faz attuli, allatum; aufero, eu tiro, abstuli, ablatum; confero,
eu confiro, contuli, collatum, ou conlatum; differo, eu difiro,
distuli, dilatum; effero, eu exalto, extuli, elatum; infero, eu
infiro, intuli, illatum; offero, eu ofereço, obtuli, oblatum;
suffero, eu sofro, carece de pretérito e supino.

Pello, eu empurro, pepuli, pulsum.

Seus compostos não dobram a sílaba no pretérito, como: expello,
eu lanço fora; expulsi, expulsum.

Salo, eu salgo, salli, salsum.

Tollo, eu levanto, tolli, tuti ou tetuli, latum. Seus compostos
fazem, (OOPS) conforme o segundo pretérito que é usado, como:
extollo, eu levanto, extuli, elatum; sustollo, eu tiro, sustuli,
sublatum; attollo, eu levanto no alto, (carece de pretérito e de
supino, segundo alguns).


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM PI E O SUPINO EM TUM

151. Capio, eu tomo, cepi, captum. Seus compostos mudam o -a- em
-i- no presente, e em -e- no supino, como: accipio, eu recebo,
accepi, acceptum. Antecapio, eu preocupo (de que se usa
frequentemente Salústio) conserva o -a- do simples.

Rumpo, eu rompo, rupi, ruptum.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM RI E O SUPINO EM SUM OU TUM

152. Curro, eu corro, cucurri, cursum.

Seus compostos não dobram a sílaba no pretérito, exceto
praecurro, eu corro adiante, que além do pretérito praecurro, faz
também praecucurri, praecursum. Muitos outros compostos, porém,
se acham com a sílaba dobrada, como: adcurro, eu venho a correr,
adcurri ou adcucurri, adcursum; concurro, eu corro juntamente,
concurri ou concucurri, concursum; decurro, eu corro para baixo,
decurri ou decucurri, decursum; discurro, eu corro em várias
direções, discucurri, discursum; excurro, eu corro para fora,
excurri ou excucurri, excursum; percurro, eu corro
perseverantemente, percurri ou percucurri, percursum; procurro,
eu corro adiante, procurri ou procucurri, procursum; occurro, eu
saio ao encontr, occurri, occursum.

Pario, dar à luz, peperi, partum, contraído de paritum, donde o
particípio pariturus.

Seus compostos pertencem à 4a conjugação.

Verro, eu varro, verri, versum.  Temno, eu desprezo, tempsi,
temptum; o qual alguns tem por desusado. Assim fazem seus
compostos.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM UI E O SUPINO EM TUM

153. Alo, eu crio, alui, alitum ou altum.
Arguo, eu argúo, argui, argutum (desusuado).
Acuo, eu aguço, acui, acutum.
Colo, eu cultivo, colui, cultum.
Consulo, eu consulto, consului, consultum.
Exuo, eu dispo, exui, exutum.
Induo, eu visto, indui, indutum.
Fremo, eu bramo, fremui, fremitum.
Gemo, eu gemo, gemui, gemitum.
Gigno, eu gero, genui, genitum, (pret. e sup. de geno, desusado).
Imbuo, eu tinjo, imbui, imbutum.
Metuo, eu temo, metui, metutum (pouco usado).
Minuo, eu diminuo, minui, minutum.
Molo, eu môo, molui, molitum.
Necto, eu ato, nexui, nexum.
Pinso, eu piso, pinsui, pinsitum ou pinsum.
Pono, eu ponho, posui, positum.

Rapio, eu arrebato, rapui, raptum. Seus compostos mudam o -a- em
-i- e fazem o supino em -eptum, como: surripio, eu roubo,
surripui, surreptum.

Ruo, eu caio, rui, rutum.
Contudo o particípio do futuro é ruiturus.
Diruo, eu destruo, dirui, dirutum, donde o particípio diruturus.
Suo, eu coso, sui, sutum.
Spuo, eu cuspo, spui, sputum.

A seu composto respuo, eu rejeito, respui, negam alguns
gramáticos o supino.

Statuo, eu determino, statui, statutum. Seus compostos mudam o
-a- em -i- como: constituo, eu determino, constitui, constitutum.

Sternuo, eu espirro, sternui sternutum.
Strepo, eu faço estrondo, strepui, strepitum.
Texo, eu teço, texui, textum.
Tribuo, eu concedo, tribui, tributum.
Vomo, eu vomito, vomui, vomitum.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM VI E O SUPINO EM TUM

154. Cerno, eu vejo, crevi, cretum.
Cresco, eu cresço, crevi, cretum.

Arcesso, eu chamo, arcessivi ou arcessii ou arcessi (por síncope)
arcessitum.

Capesso, eu tomo, capessivi, capessii ou capessi (por síncope)
capessitum.

Cupio, eu desejo, cupivi ou cupii, cupitum.

Facesso, eu faço, facessivi, facessii ou facessi (por síncope)
facessitum.

Lacesso, eu desafio, lacessivi, lacessii ou lacessi (por síncope)
lacessitum.

Nosco, eu conheço, novi, notum.

De seus compostos, agnosco, eu conheço, faz agnovi, agnitum;
cognosco, eu conheço, cognovi, cognitum; e assim percognosco,
recognosco. Porém pignosco, ignosco, internosco, pernosco,
praenosco imitam os simples.

Pasco, eu apascento, pavi, pastum. Dos seus compostosmudam o -a-
em -e- e carecem de supino os seguintes: compesco, eu refreio,
compescui; dispesco, eu separo, dispescui. Os mais compostos
imitam os simples, como: depasco, depavi, depastum.

Quaero, eu busco, quaesivi ou quaesii (por síncope), quaesitum.

Seus compostos mudam o -a- em -i-, como: acquiro, eu adquiro
acquisivi, acquisitum.

Quiesco, eu descanso, quievi, quietum.
Peto, eu peço, petivi ou petii (por síncope), petitum.
Sperno, eu desprezo, sprevi, spretum.
Scisco, eu sei, scivi, scitum.
Sterno, eu derrubo, stravi, stratum.
Solvo, eu desato, solvi, solutum.
Suesco, eu me acostumo, suevi, suetum.
Volvo, eu volvo, volvi, volutum.
Tero, eu trituro, trivi, tritum.

De seus compostos, attero, eu atrito, faz attrivi (e algumas
vezes aterui) attritum.

Sino, eu consinto, sivi ou sini, situm. Seu composto desino, eu
deixo, faz desivi ou desii (por síncope), desitum.

Sero, eu teço, serui, sertum.
Assim seus compostos - consero, desero, exsero, insero, etc.
Sero, eu semeio, sevi, satum.

Compostos: consero, insero, intersero, obsero, etc, fazem
consevo, consitum, etc.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO EM XI E O SUPINO EM XUM OU CTUM

155. Affligo, eu aflijo, afflixi, afflictum; e assim os mais
compostos.

Cingo, eu cinjo, conxi, cinctum; e assim accingo, etc.
Coquo, eu cozinho, coxi, coctum; e assim concoquo, etc.
Dico, eu digo, dixi, dictum; addico, etc.
Duco, eu guio, duxi, ductum; adduco, deduco, etc.
Extinguo, eu apago, extinxi, extinctum; restinguo, etc.
Figo, eu prego, fixi, fixum; affigo, refigo, etc.
Fingo, eu finjo, finxi, fictum; effingo, etc.
Flecto, eu dobro, flexi, flexum; reflecto, etc.
Fluo, eu corro, fluxi, fluxum; confluo, refluo, etc.
Frigo, eu frijo, frixi, frictum.
Jungo, eu ajunto, junxi, junctum; adjungo, etc.
Lingo, eu lambo, linxi, linctum.
Meio ou mingo, eu urino, mixo, mictum; commeio, etc.
Mungo, eu assôo, munxi, munctum; emungo, etc.
Necto, eu ato, nexi ou nexui, nexum.
Pecto, eu penteio, pexi ou pexui, pexum ou pectitum.
Pingo, eu pinto, pinxi, pictum; depingo, etc.
Plango, eu choro, planxi, planctum.
Plecto, eu teço, plexi, plexum.
Stringo, eu aperto, strinxi, strictum; constringo, etc.
Struo, eu edifico, struxi, structum; adstruo, destruo, etc.
Sugo, eu chupo, suxi, suctum.
Tego, eu cubro, texi, tectum; detego, retego, etc.
Tingo ou tinguo, eu tinjo, tinxi, tinctum; distinguo, etc.
Traho, eu trago por força, traxi, tractum; detraho, contraho, etc.
Ungo ou unguo, eu unjo, unxi, unctum.
Veho, eu transporto, vexi, vectum; deveho, reveho, etc.
Vivo, eu vivo, vixi victum.

Do antigo verbo spicio se compõem aspicio, conspicio, respicio, etc,
que fazem o pretérito em spexi, e o supino em spectum.

Os compostos de lacio (antigo) mudam no presente o -a- em -i- e fazem
o pretérito em -exi, e o supino em -ectum, como: illicio, eu alicio,
illexi, illectum; porém elicio, eu tiro para fora, faz elicui,
elicitum; allicio, eu trago por afagos, allicui ou allexi (mais
usado), allectum; pellicio, eu trago com afagos, pellicui ou pellexi
(mais usado), pellectum.

Rego, eu governo, rexi, rectum.

De seus compostos uns perdem o -e- do presente, como: surgo, eu me
levanto, surrexi, surrectum; outros mudam no presente o -e- em -i-,
como: corrigo, eu emendo, , correxi, correctum.


VERBOS QUE FAZEM O PRETÉRITO COM MUITA VARIEDADE

156. Cano, eu canto, cecini, cantum.

Seus compostos mudam o -a- em -i- e fazem o pretérito em cinui e
o supino em centum, como: concino, eu canto juntamente, concinui,
concentum.

Emo, eu compro, emi, emptum.

Seus compostos mudam o -e- em -i-, no presente, como: interimo,
eu mato, interimi, interemptum; coemo, porém, conserva o -e- do
simples.

Fugio, eu fujo, fugi, fugitum.
Lino, eu unto, lini, livi, ou levi, litum.
Meto, eu sego, messui, messum.
Verito, eu viro, verti, versum.
Sisto, eu faço parar, stiti, statum.

Sisto, eu estou parado, steti, statum. Os compostos fazem o
pretérito em stiti, e o supino em stitum, como: resisto, eu
resisto, restiti, restitum, segundo alguns (pouco usado).


VERBOS QUE TÊM O PRETÉRITO COMPOSTO, COMO OS PASSIVOS

157. Coepio (antigo), eu começo, coepi, coeptus sum.
Nubo, casar, nupsi, ou nuptus sum.
De seus compostos confido, eu confio, faz confidi ou confisus
sum.


VERBOS QUE CARECEM DE SUPINO

158. Abnuo, eu nego, abnui; annuo, eu aceno com a cabeça, annui;
innuo, eu dou a entender por gestos, innui; renuo, eu recuso,
renui - Todos compostos do antigo verbo nuo.

Antecello, eu levo vantagem, antecellui; excello, eu excedo,
excellui, praecello, eu sobressaio, praecellui; percello, eu
atemorizo, perculi, (supino perculsum). - Todos compostos do
antigo verbo cello.

Ango, eu aflijo, anxi.
Batuo, eu bato, batui.
Clango, eu toco trombeta, clanxi.
Congruo, eu concordo, congrui
Conquinisco, eu inclino a cabeça, conquext.
Depso, eu amoleço, depsi ou depsui.

Disco, eu aprendo, didici. Seus compostos também dobram a sílaba
no pretérito, como: addisco, eu aprendo, addidici.

Incesso, eu acometo, incessi (contração de incessivi) incessitum,
segundo alguns.

Ingruo, eu arremeto, ingrui.
Lambo, eu lambo, lambi.

Linquo, eu deixo, liqui. Seus compostos têm pretérito e supino,
como: abluo, eu lavo, ablui, ablutum; polluo, eu mancho, pollui,
pollutum.

Ningo, nevar, ninxi (unipessoal).

Pedo, lançar (OOPS) ventosidades com estrondo, pepedi. Seus
compostos não dobram a sílaba no pretérito, como: oppedo, eu
zombo, oppedi.

Pluo, chover, plui, pluvi (pouco usado).

Posco, eu peço imperiosamente, poposci. Seus compostos também
dobram a sílaba no pretérito, como: reposco, eu torno a pedir,
repoposci.

Psallo, eu canto, psalli.
Recello, eu reclino (sem pretérito nem supino)
O pretérito proculi, que alguns dão a procello, é pouco seguro.
Rudo, zurrar, rudi, (em lugar do qual, rudivi, segundo Apuleio).

Sapio, eu sei, sapivi ou sapii (por síncope). Seus compostos
mudam o -a- em -i-, como: resepio, eu torno a mim, resipui,
resipivi, ou resipii (por síncope).

Scabo, eu coço, scabi.
Sido, eu faço assento, sidi.
Sterto, eu ronco, stertui.
Strido, eu ranjo, stridi.
Tremo, eu tremo, tremui.

Volo, eu quero, volui,; nolo, eu não quero, nolui; malo, eu
(OOPS) mais quero, malui.


4a CONJUGAÇÃO

159. Amicio, eu visto, amictum. Desusado no pretérito.

Farcio, eu engordo, farsi, fartum. Os compostos fazem como
confercio, confersi, confertum.
Fulcio, eu (OOPS) sustenho, fulsi, fultum.
Haurio, haurir, hausi, haustum.
Raudio, eu enrouqueço, rausi, rausum.
Salio, eu salto, salui (raro salii) saltum. Os compostos fazem
geralmente em -ui, -ultum, como: desilio, desilui, desultum.
Sancio, eu ordeno, sanxi, sanctum, sancitum.
Sarcio, eu remendo, sarci, sartum.
Sentio, eu sinto, sensi, sensum.
Cambio, eu troco, campsi (sem supino).
Eo, eu vou, ivi, itum. Do mesmo modo fazem seus compostos como:
adeo, eu vou ter com alguém, adivi, aditum, etc.
Sepelio, eu sepulto, sepelivi, sepultum ou sepelitum, (segundo
Catão).
Singultio, eu soluço, singultivi, singultum.
Sepio, eu cerco, sepivi, sepii ou sepsi, septum.
Venio, eu venho, veni, ventum.
Vincio, eu ato, vinxi, vinctum.

VERBOS COMPOSTOS DE PARIOR, PEPERI, PARTUM, PARERE

160. Os compostos deste verbo pertencem à quarta conjugação e
mudam o -a- em -e-, como: aperio, eu abro, faz aperui, apertum;
adaperio, eu declaro, adaperui, adapertum; operio, eu cubro,
operui, opertum; assim os mais que deste se compõem. Porém
comperio, eu sei, faz comperi, compertum; reperio, eu acho,
reperi, repertum.

VERBOS DEPOENTES COM O PRETÉRITO IRREGULAR

-  da 2a conjugação:

161. Fateor, eu confesso, fassus sum. os compostos fazem como
confiteor, confessus sum. Diffiteor, eu nego, não tem pretérito.

Misereor, eu me compadeço, miseritus ou misertus sum. Não tem
particípio presente.

Reor, eu julgo, ratus sum. Não tem particípio presente.

Tueor, eu defendo, vejo, (tutus ou tuitus sum desusado). Em lugar
deste pretérito usa-se tutatus sum de tutor. O particípio futuro
é tuiturus.

162. - da 3a conjugação:

Adipiscor, eu alcanço, adeptus sum, do arcaico apiscor, aptus sum.
Comminiscor, eu imagino, commentus sum, do antigo
meniscor. Reminiscor, sem particípio passado.
Expergiscor, eu acordo do sono, experrectus sum (de expergo).
Fruor, eu gozo, fructus ou fruitus sum (ambos raros). Particípio
futuro fruiturus.
Fungor, eu exerço ou cumpro, functus sum.
Gradior, eu ando a pé ou marcho, gressus sum. Os compostos fazem
como aggredior, aggressus sum.
Irascor, eu me iro. Sem pretérito.
Labor, eu escorrego ou caio, lapsus sum. Collabor, collapsus sum,
etc.
Loquor, eu falo, locutus ou loquutus sum. Alloquor, eloquor, etc.
Morior, eu morro, mortuus sum. O particípio em -rus é moriturus.
Nanciscor, eu alcanço, nactus sum ou nanctus.
Nascor, eu nasço, natus sum. O particípio futuro é nasciturus.
Nitor, eu me esforço, nisus Ou nixus sum.
Obliviscor, eu esqueço, oblitus sum.
Paciscor, eu faço pacto, pactus sum.
Pascor, eu me alimento, pastus sum.
Patior, eu sofro, passus sum. Os compostos fazem como perpetior,
perpessus sum.
Proficiscor, eu parto, profectus sum.
Queror, eu me queixo, questus sum.
Ringor, eu rnajo os dentes. Sem particípio passado.
Sequor, eu sigo, secutus sum ou sequutus sum.
Ulciscor, eu vingo, ultus sum.
Utor, eu uso, usus sum.
Vescor, eu me alimento. Sem particípio passado.

163. Da 4a conjugação:

Assentior, eu concordo, assensus sum.
Experior, eu experimento, expertus sum.
Metior, eu meço, mensus sum.
Opperior, eu aguardo, oppertus (opperitus) sum.
Ordior, eu começo, orsus sum.
Orior, eu nasço, ortus sum. O particípio em -rus é oriturus. No
presente do indicativo diz-se orirer e orerer. Adorior faz
adoriris, adoritur.

VERBOS SEM PRETÉRITO NEM SUPINO

164. Aio, eu digo
Ambigo, eu duvido.
Aveo, eu desejo.
Dehisco, eu me abro.
Diffiteor, eu nego.
Fatisco, eu me fendo.
Ferio, eu firo.
Furo, eu me enfureço.
Glisco, eu cresço.
Hisco, eu abro a boca.
Liquor, liquefazer-se.
Medeor, eu curo.
Maereo, eu estou triste.
Palleo, eu posso.
Reminiscor, eu me lembro.
Ringor, eu ranjo os dentes.
Satago, eu me (OOPS) apressuro.
Vado, eu vou.
Vergo, eu me inclino.
Vescor, eu como.

165. Não têm pretérito nem supino os verbos (OOPS) incnoativos
que se derivam de substantivos como herbesco, eu me cubro de
herva, etc.. Os que se originam de outros verbos, como erubesco,
etc., poderão ter o pretérito e o supino do verbo donde provém;
erubui, erubitum. Seguem o mesmo princípio os verbos chamados
desiderativos como coenaturio, eu apeteço cear, e outros;
entretanto esurio e parturio constituem exceção.


CAPÍTULO V

DAS PREPOSIÇÕES

166. As preposições latinas, consideradas quanto à significação,
podem exprimir umas estado, outras movimento e outras, ainda
movimento ou estado.

167. Quanto à feição vocabular, elas se podem dividir em:
separadas, se não permanecem ligadas a outras palavras,
constituindo um só vocábulo; como: absque, adversus, apud, erga,
penes, propter, secundum, sine, tenus, versus, circa, citra,
contra, infra, juxta, pone, prope, supra, ultra, clam, palam,
procul, simul. - Inseparáveis, se figuram sempre ligadas a outras
palavras; como: amb, di, dis, re, se, ve. - Comuns, se podem ou
não permanecer ligadas a outras palavras. Todas as que não foram
acima citadas são desta classe.

168. Quanto à sintaxe, umas se constroem com acusativo, outras
com ablativo, algumas com acusativo ou ablativo, e, por
helenismo, raríssimas com genitivo.

169. Constroem-se sempre com acusativo:

ad, a, para, junto, até, contra, conforme, quanto a, além de.
adversus, (advorsus, arc.)  defronte, para com, contra.
adversum, (advorsum, arc.)  defronte, para com, contra.
ante, antes, adiante, mais que.
apud, em, junto, em casa de.

circa, junto a, em roda de, cerca ou acerca de, junto de, para
com, a respeito de.

circiter, perto de, quase, pouco mais ou menos.
circum, em roda de, em redor de.
cis, da parte de cá, aquém de.
citra, aquém de, antes de, sem.
contra, contra, defronte de, para com, por.
erga, para com, contra, defronte.
extra, de fora, afora, exceto.
infra, abaixo de, por baixo de.
intra, dentro de, da parte de dentro de, menos que.
inter, entre, no tempo de, dentro de.
juxta, ao pé de, conforme.
ob, por causa de, ante, em roda de.
penes, em, em poder de.

per, por, por meio de, per, em, entre, pelo tempo de, sob
pretexto de, por causa de.

pone, atrás, detrás de.
post, depois de, atrás de.
praeter, além de, diante de, contra, exceto.
propter, por causa de, perto de.
prope, ao pé de, junto de.

secundum, conforme, perto de, ao longo de, atrás de, depois de,
segundo, a favor de.

secus, junto de, ao pé de.
supra, sobre, da parte de cima de, além de, acima de.
trans, além de, da parte dalém de.
ultra, (OOPS) além ae, de lá de, mais de.
versus, para a bande de.
versum, para a banda de.

170. Constroem-se com ablativo:

a,ab,abs, de, por, desde, da banda de, depois de.
absque, sem, afora.
clam, às escondidas de.
cum, com, em companhia de, contra.
coram, em presença de, à vista de, ante.

de, e, ex, de, da parte de, acerca de, depois de, por causa de,
dentre ou no número de

palam, em presença de, à vista de, às claras.

prae, antes que, mais que, por causa de, ante ou diante de, em
comparação de.

pro, por, a favor de, em lugar de, diante de, em, conforme, por
causa de.

sine, sem.
tenus, até.

171. Constroem-se com acusativo e ablativo:

in, em, para, para com, contra, entre, por causa de.

sub, debaixo de, por baixo de, da parte debaixo de, perto de,
diante de, em.

super, sobre, acerca de, mais que, além que.
subter, de baixo de.

172. Constroem-se com genitivo por helenismo:

1. Tenus, estando o complemento no plural; como, labrorum tenus,
até aos lábios, aurium tenus, até às orelhas; constrói-se porém
com ablativo, estando o complemento no singular; como, capulo
tenus, até ao cabo. Mesmo estando o complemento no plural, tenus
se pode construir com ablativo; como pectoribus tenus, até aos
peitos. Tenus é sempre pospositiva.

2. Os ablativos causa, gratia, capitulados pelos gramáticos no
número das preposições, em razão do sentido que têm, como,
emolumenti sui gratia, por amor do seu interesse, usurpandi juris
causa, por motivos de exercer jurisdição. Os ablativos
preposicionais causa, gratia, são sempre pospositivos.

3. O indeclinável instar (usado só em nominativo e acusativo)
tendo por vezes força proposicional; como voluminis instar, à
maneira de volume.

4. Ergo, propriamente conjunção; mas, em Tito Lívio e na
nomenclatura arcaica, empregada às vezes como preposição, como,
formidinis ergo, por causa do terror. Ergo é pospositiva como
preposição.

5. Clam, entre os cômicos; como clam patris, às escondidas do
pai.

173. As preposições post, ante, circum, subter, propter, super e
adversus, não trazendo o complemento, valem por preposições. No
elenco de preposições que apresentamos figuram os ditos
advérbios.

174. A preposição ab mantém esta forma antes de vogal; é a antes
de consoante e abs, às vezes antes de t e q.

A preposição cum, construída com os ablativos me, te, se, nobis,
vobis, é sempre enclítica, e, construída com os ablativos quo,
qua, quibus, pode ou não ser enclítica; como mecum, tecum, etc.;
quocum ou cum quo, quibuscum ou cum quibus.

175. Nas quatro preposições construídas com acusativo ou
ablativo, releva notar que o acusativo indica que há mudança de
lugar ou de estado, e o ablativo não; exemplos:

In Asiam mittere, mandar para a Ásia.
Manere in villa, ficar na quinta.
Sub Tartara mittere, mandar para o inferno.
Sub terra habitare, habitar debaixo da terra.
Agere vias subter mare, abrir caminhos por debaixo do mar.
Subter littore esse, estar sob a praia, em terra.
Effusus super ripas Tiberis, o Tibre transbordndo.
Requiescere fronde super viridi, descansar debaixo da verde rama.


CAPÍTULO VI

DOS ADVÉRBIOS

176. Quanto à significação, os advérbios se dividem em:

1. Locativos, ou de lugar, se respondem às perguntas seguintes:

Ubi? Onde?         Unde? Donde?       Quo? Para onde?     Qua? Por onde?
-------------------------------------------------------------------------
hic, aqui          hinc, daqui        huc, para aqui      hac, por aqui
istic, aí          istinc, daí        istuc, para aí      istac, por aí
illic, ali         illinc, dali       illuc, para ali     illac, por ali
ibi, ali, lá       inde, de lá        eo, para lá         ea, por lá
ibidem, aí         indidem, daí       eodem, para aí      eadem, por aí
  mesmo              mesmo              mesmo               mesmo
alibi, noutro      aliunde, doutro    alio, para outro    alia, por outro
  lugar              lugar              lugar               lugar
ubicumque, onde    undecumque, donde  quocumque, para     quacumque, por
  quer que           quer que           onde quer que       onde quer que
alicubi, em        alicunde, dalguma  aliquo, para        aliqua, por
  alguma parte       parte              alguma parte        alguma parte
usquam, algures    undique, de toda   quoquam, para       quaquam, por
nusquam, nenhures    parte              algures             algures
ubivis, em         utrinque, duma     quovis, para        qualibet, por
  qualquer parte     e outra parte      qualquer parte      qualquer parte
ubique, em toda    funditus, desde    utroque, para uma   recta, à direita
  parte              o fundo            e outra parte     sinistra, pela
atrobique, em      cominus, de perto  foras, para fora      esquerda
  ambas as partes  eminus, de longe   intro, para dentro  usquequaque, por
foris, fora                           porro, para diante    toda a parte
intus, dentro                         retro, para trás
procul, longe                         obviam, ao
prope, perto                            encontro
peregre, fora                         usque, até
  da região

2. Temporais, ou de tempo, se respondem às perguntas:

  Quando?                  Quandiu?                Quandudum?
  Quando?             Por quanto tempo?        Desde quando tempo?
--------------------------------------------------------------------------
hodie, hoje           diu, por muito tempo     dudum, jamdudum, há
heri, ontem           aliquandiu, por algum      muito tempo
nudius tertius,         tempo                  pridem, jampridem,
  anteontem           tamdiu, tantisper, por     desde algum tempo
cras, amanhã            tanto tempo            antehac, antes disso
perendie, depois de   paulisper, parumber,     posthac, depois
  amanhã                por pouco tempo        adhuc, até agora
pridie, no dia                                deinde, dein, depois
  anterior                                    ex eo, desde então
postridie, no dia
  seguinte
quotidie, todos os
  dias
mane, de manhã
vespere, de tarde
interdiu, de dia
noctu, de noite
nunc, agora
modo, há pouco
tum, tunc, então
jam, já
mox, dentro em pouco
nuper, há pouco tempo
nondum, ainda não
olim, quondam, outrora
repente, extemplo,
illico, protinus,
confestim, statim,
subito, continuo,
logo, imediatamente,
de repente
subinde, logo depois
tandem, denique,
demum, finalmente
alias, noutro tempo
interea, entretanto
simul, ao mesmo
tempo, juntamente

3. Modais ou qualitativos, (OOPS) ou sejam, de modo ou de
qualidade, se respondem às perguntas:

Quomodo? Como?           Cur? Por que?        Quantopere? Até que ponto?
-------------------------------------------------------------------------
ita, sic, assim          eo, ideo, idcirco,   tantopere, tanto
nequiquam, frustra, em     propterea, quare,  valde, magnopere, muito
  vão, debalde             quia, quamobrem,   saltem, ao menos
ultro, sponte,             quapropter, por    certe, certamente
  espontaneamente          isso, pelo que     imprimis, praecipue,
consulto, de propósito                          sobretudo
temere, temerariamente                        fere, ferme, paene,
facile, facilmente                              propemodum, quase,
rite, segundo o costume                         pouco mais ou menos
cursim, de corrida                            partim, em parte
paulatim, pouco a pouco                       vix, apenas
pedetentim, devagar                           hactenus, até aqui
sensim, insensivelmente                       eatenus, até aí
aliter, secus, doutro                         satis, sat, assaz
  modo
item, do mesmo modo
pariter, igualmente
perinde, como se
clam, às ocultas
furtim, a furto
palam, às claras
forte, por acaso
fortuito, fortuitamente
gratis, gratuitamente
nimirum, scilicet,
  videlicet, isto é, sem
  dúvida
perperam, mal

4. Quantitativos ou numerais se respondem às perguntas:

Quantum? Quanto?                     Quoties, Quantas vezes?
-------------------------------------------------------------------------
aliquantum, algum tanto              toties, tantas vezes
tantum, tanto                        aliquoties, algumas vezes
parum, pouco                         semel, uma vez
plus, magis, mais                    bis, duas vezes
minus, menos                         ter, três vezes
parum, paululum, pouco               quater, quatro vezes
nimis, nimium, demais,               quinquies, cinco vezes
  demasiadamente                     (vide o quadro dos advérbios
prorsus, omnino,                     numerais)
  inteiramente, de todo
admodum, opprime, valde
  multum, muito

5. Afirmativos, cujos principais são:

ita, etiam,          sim, certamente
certe, utique
sane                 com certeza
profecto             seguramente
quidem, equidem      realmente
nimirum, scilicet    sem dúvida
imo                  de fato

6. Negativos, a saber:

Non, ne, haud               não
nequaquam, minime,          de nenhum modo
haudquaquam, neutiquam

7. Dubitativos, a saber:

Fortasse, forsitan,         talvez
forsan
forte                       por acaso

8. Limitativos, ou de exclusão, a saber:

Solum, tantum, modo,        somente
tantummodo, dumtaxat
quasi                       como se
ceterum                     além disso
poene, prope                pouco mais ou menos
alioquin                    doutra sorte

Podem-se juntar vários dos correspondentes à pergunta Quantopere?

9. Correlativos,  a saber:

ubi                ibi
unde               inde
quo                eo
qua                ea
cum                tum
quam               tam
quantum            tantum
toties             quoties
ita                ut

177. Quanto à derivação, os advérbios latinos provém de
substantivos, de adjetivos ou de outros advérbios

a. advérbios derivados de substantivos

1. Com o sufixo -im ou -tim indicando modo, ex.:

Turmatim, por turmas (turma)
Catervatim, por catervas (caterva)
Tributim, por tribos (tribus)

2. Com o sufixo -u, ou seja a forma ablativa da 4a declinação,
indicando tempo. Ex.:

Noctu (nox), de noite
Diu (dius), de dia

3. Com o sufixo -itus, indicando modo, ex.:

Funditus (fundus), desde os alicerces

b. Advérbios derivados de adjetivos

A maior parte dos advérbios de modo, provém de adjetivos ou de
particípios; terminam em -e, -o ou -ter.

Os advérbios em -e e em -o formam-se dos adjetivos e particípios
em -us, apondo-se ao genitivo singular, deduzido o -i final, para
uns -e, para outros -o, tendo estas vogais a quantidade longa;
ex.:

Improbus,a,um, ímprobo     - improbe, improbamente
Liber,era,erum, livre      - libere, livremente
Conjunctus,a,um, conjunto  - conjuncte, conjuntamente

O mesmo adjetivo pode algumas vezes dar dois advérbios, um em -e,
outro em -o, mas com sentido diverso; ex.:

Certus,a,um  - certe, ao menos
             - certo, certamente

A regra anterior admite algumas exceções; como:

Bonus, bom           - bene, bem (com -e breve)
Malus, mau           - male, mal (com -e breve)
Alius, outro         - aliter, de outra feição
Violentus, violento  - violenter, violentamente
Durus, duro          - duriter, duramente

178. Dos adjetivos ditos de 2a classe, formam-se os advérbios,
apondo-se ao dativo singular a partícula -ter; ex.:

Gravis, grave; - graviter, gravemente
Brevis, breve; - breviter, brevemente

Os adjetivos imparissílabos, cujo radical termina em -nt, -rt,
perdem o -ti- antes de -ter; ex.:

Constans, constante  - constanter, constantemente
Solers, hábil        - solerter, habilmente

Advérbios há, oriundos de adjetivos de 2a classe, que são formas
acusativas neutras dos mesmos, ex.:

Facilis, fácil   - facile, facilmente
Recens, recente  - recens, recentemente

Outros advérbios têm dupla forma, em -e e em -iter:

Humanae e humaniter, humanamente.

179. Os advérbios de modo em -e, -o, -ter, são passíveis de
gradação na mesma reta dos adjetivos de que se derivam.

O comparativo dos advérbios é em -ius, idêntico ao comparativo
neutro dos adjetivos; e o superlativo é em -issime; ex.:

Docte, sabiamente - doctius, mais sabiamente
                  - doctissime, mui sabiamente ou sapientissimamente

As particularidades que certos adjetivos apresentam na sua
gradação têm-nas os advérbios deles derivados; ex.:

Pulcher, superl. pulcherrimus  - advérbio pulcherrime
Facilis, superl. facillimus    - advérbio facillime
Bonus, superl. optimus         - advérbio optime

180. Outros advérbios que não os de modo, são também passíveis de
gradação; ex.:

Multum, muito        - plus, plurime
Prope, junto         - propius, proxime
Saepe, bastas vezes  - saepius, saepissime

181. c. Advérbios derivados de outros advérbios.

Esta última série compreende os advérbios que se derivam de
advérbios numerais com a aposição do sufixo -fariam, indicando o
número das vezes ou dos modos, ex.:

Bifariam (bis), duas vezes, de dois modos
Trifariam (ter), três vezes, de três modos

182. Lembramos a tempo que o sistema apresentado de formação dos
advérbios modais de adjetivos de 1a e de 2a classe, é puramente
mecânico.

Lembramos também que, nos advérbios derivados de substantivos,
alguns há que são ablativos singulares genuínos dos ditos
substantivos de que se derivam; como:

Jure, com toda a razão
Vulgo, vulgarmente

As partículas en e ecce, eis, eis aqui, eis ali, mais
interjeições que advérbios, se constroem com os casos nominativo
e acusativo; ex.:

Ecce homo ou hominem, eis aqui o homem.


CAPÍTULO VII

DAS CONJUNÇÕES

183. As conjunções latinas, da mesma feição que as portuguesas,
podem reduzir-se a duas classes, a saber, coordenativas e
subordinativas.

184. As coordenativas são:

a. Copulativas (para ligar de perto) e continuativas (para ligar
de longe) - Et, ac, que, atque, e. Quoque, etiam, também. Item,
outrossim, bem assim. Nec, neque, nem (por et non). Quum ... tum,
não só ... mas também - Quidem, vero, nimirum, sane, em verdade,
com efeito. Praeterea, tum, além disso, também.

b. Disjuntivas (marcam a alternativa) - Aut, vel, ve, sive, seu,
ou. Necne, ou, não. Sive ... sive, quer ... quer.

c. Adversativas (marcam a oposição) - At, ast, atqui, sed, autem,
vero, verum, mas, porém. Tamen, attamen, contudo. Verumtamen, não
obstante que, sem embargo de.

d. Demonstrativas (marcam a razão) - Nam, namque, enim, etenim,
pois, porque.

e. Conclusivas (marcam a ilação e a conseqüência) - Igitur, ergo,
itaque, portanto, logo. Ideo, proinde, propterea, por isso, por
conseqüência. Idcirco, quocirca, quare, quapropter, quamobrem,
por isso, pelo que.

185. As subordinativas são:

a. Integrantes (ou finais) e interrogativas (marcam a intenção, o
fim, o resultado) - Ut, quod, quo, que. Ne (por ut non), neve,
neu, quin, quominus, que não. Cur, por que razão? Si, se. An, ne,
num, utrum, si, se porventura.

b. Condicionais (marcam a condição) - Si, se. Sin, ni, nisi, se
não. Dum, modo, dummodo, contanto que.

c. Causais (marcam a causa, o fim, a razão) - Nam, namque, enim,
etenim, quod, quia, siquidem, porque.. Quoniam, quando,
quandoquidem, porque, visto que, já que. Quum, como porque - Ut,
quo, por que. Ne (por ut non), para que não.

d. Concessivas (marcam a concessão) - Quamquam, quamvis, etsi,
ut, ainda que, ainda quando. Licet, etiamsi, embora, posto que.

e. Temporais (designam o tempo) - Quam, como, quando. Dum,
enquanto. Ut, ubi, simul, ac, tanto que, logo que. Donec, até
que. Antequam, ants que. Postquam, depois que; etc.

f. Comparativas (marcam a comparação, o confronto) - Ut, uti,
velut, veluti, sicut, sicuti, ceu, assim como, como. Tanquam,
atque, como. Perinde ac, bem como. Quam, do que.

As conjunções - que, quoque, quidem, autem, vero, ve, enim, ne
interrogando, são pospositivas.

186. Quanto à feição vocabular, as conjunções podem ser:

1. Inseparáveis, se são tão somente empregadas em união com
outras palavras como enclíticas; tais são: que, e; ve, ou.

2. Separadas, se nunca são empregadas em união com outras
palavras; tais são todas as outras conjunções.

Quanto à composição, as conjunções podem ser:

1. Simples, se constam de uma só palavra, como et, si, aut, etc.

2. Compostas, se constam de duas ou mais palavras; como dummodo
(dum modo) verumtamen (verum tamen) etc.


CAPÍTULO VIII

DAS INTERJEIÇÕES

187. As interjeições latinas, em tese, são palavras geralmente
curtas e aspiradas, tendentes a exprimir as emoções súbitas da
alma.

Uma interjeição é equivalente a uma ou mais orações; é uma parte
do discurso exclusivamente sintética, sendo que as demais são
todas analíticas.

188. As principais interjeições latinas são:

a. De alegria:

io, evoe              viva!
evax, oh              viva! oh!

b. De dor e ameaça

heu, eheu,            ai de mim!
pro, proh,
au
vae, hei, ohe         ai!
hei, heu              ui! ai!
ha                    ah!

c. De admiração

oh, heu, ecce         oh! ah!
hun, ehen, hui        oh! ah!
papae                 oh! ah!

d. De aversão

phui                  exprime repugnância
apage                 fora!

e. De indignação e dor

proh                  oh dor!
vae                   oh!

f. De chamamento

heus, oh              ei! olá!
eho, ehodum           ei! olá!

g. De desejo

utinam                oxalá!

h. De animação:

eia                   eia!
euge                  coragem!
eu                    bravo!

macte (sing.)
macti (pl.)

i. De aprovação

ne, nae               justamente!
hercule, mehercule,   por Hércules!
hercle, mehercle,
mehercules
medius                justamente!
fidius                perfeitamente!
mecastor              por Castor!
edepol                por Pollux!


CAPÍTULO IX

FORMAÇÃO DAS PALAVRAS LATINAS

189. As palavras latinas, quanto à sua formação, podem ser:

1. Primitivas, se são formadas diretamente da raiz; ex.: curro,
eu corro.

2. Derivadas, se são formadas das primitivas, mediante a aposição
de sufixos ao radical respectivo; ex.: curriculum, a carreira.

3. Compostas, se são formadas das primitivas, ou, mediante a
junção de duas ou mais palavras simples, ou, mediante a aposição
de prefixos ao radical respectivo; ex.: magnanimus (magnus
animus) magnânimo, de alma grande; percurro (per curro) eu
percorro.

Damos a seguir: 1. a formação das palavras por derivação; 2. a
formação das palavras por composição.

DERIVAÇÃO DAS PALAVRAS

190. A derivação afeta especialmente os substantivos, os
adjetivos, os verbos e os advérbios.

191. 1. Substantivos - os substantivos se derivam de verbos, de
outros substantivos, e de advérbios, apondo-se aos radicais
respectivos os sufixos que figuram na tabela seguinte:

Suf.    Fonte   Acepções            Exemplos
---------------------------------------------------------------------------
          (1. NOMES DE AGENTES)
tor     verbo   Pessoa que          Conditor, fundador (condere)
                faz a ação
sor                                 Cursor, corredor (currere)
trix                                Saltatrix, dançarina (saltare)
a                                   Scriba, escrivão (scribere)

o,onis  subst.                      Praedo, ladrão (praedo)
arius                               Ostiarius, porteiro (ostium)

des             Patronímico         Eneades, descendentes de Enéias (Aeneas)
ides                                Pelides, filho de Peleu (Peleus)

          (2. NOMES ABSTRATOS)
or      verbo   Ação ou estado      Amor, amor (amare)
tio                                 Actio, ação (agere)
sio                                 Processio, marcha (procedere)
tus                                 Actus, ato (agere)
sus                                 Processus, processo (procedere)
tura            Ação ou resultado   Armatura, armadura (armare)
                da ação
men             Resultado da        Nomen, nome (noscer)
                ação.
trum            Meio, instrumento   Aratrum, arado (arare)
mentum                              Ornamentum, ornamento (ornare)
bulum           Instrumento e       Stabulum, estábulo (stare)
                lugar da ação
culum                               Vehiculum, veículo (vehere)

arium   subst.  lugar continente    Columbarium, pombal (columba)
etum            lugar de plantas    Olivetum, olival (oliva)
ile             lugar de animais    Ovile, aprisco (ovis)
ium             Condição, reunião   Servitium, servidão (servus)
                de pessoas          Convivium, banquete (conviva)
atus            Função              Pontificatus, pontificado (pontifex)

ia      adjet.  Qualidade           Perfidia, perfídia (perfidus)
itia                                Tristitia, tristeza (tristis)
tas                                 Bonitas, bondade (bonus)
tudo                                Pulchritudo, beleza (pulcher)
edo                                 Dulcedo, doçura (dulcis)

          (3. NOMES DIMINUTIVOS)
ulus    subst.  Diminuição,         Hortulus, jardinzinho (hortus)
                mesquinhez, graça
olus                                Filiolus, filhinho (filius)
culus                               Pisciculus, peixinho (piscis)
ellus                               Ocellus, olhinho (oculus)

192. 2. Adjetivos - Os adjetivos se derivam de verbos, de
substantivos e de outros adjetivos, apondo-se aos respectivos
radicais os sufixos constantes da tabela seguinte:

Suf.    Fonte   Acepções            Exemplos
---------------------------------------------------------------------------
   (1. DERIVADOS DE VERBOS E SUBSTANTIVOS COMUNS)
bundus  verbo   Ação ou estado      Moribundus, moribundo (mori)
cundus                              Verecundus, pudico (vereri)
idus            Posse de certa      Timidus, tímido (timere)
                qualidade ou
                estado
ax              Tendência para      Loquax, loquaz (loqui)
ulus                                Bibulus, bebedor (bibere)

ilis    subst.  Capacidade de       Fragilis, frágil (frangere)
                (sentido ativo e
                passivo)
bilis                               Amabilis, amável (amare)
ilis            Referência a        Civilis, civil (civis)
alis                                Regalis, real (rex)
aris                                Popularis, popular (populus)
ensis                               Forensis, forense (forum)
nus                                 Maternus, materno (mater)
inus                                Caninus, canino (canis)
anus                                Urbanus, urbano (urbs)
icus                                Civicus, cívico (civis)
ius             Abundância em       Regius, régio (rex)
osus                                Gloriosus, glorioso (gloria)
entus                               Fraudulentus, fraudulento (fraus)
atus            Provisão de         Barbatus, barbado (barba)
itus                                Auritus, orelhudo (auris)
utus                                Nasutus, narigudo (nasus)
eus             Matéria,            Aureus, áureo (aurum)
                semelhança          Roseus, róseo (rosa)

   (2. DERIVADOS DE SUBSTANTIVOS PRÓPRIOS)
anus    subst.  Derivados de        Sullanus, de Sila (Sulla)
                nomes de homens
ianus                               Neronianus, de Nero (Nero)
eus                                 Romuleus, de Rômulo (Romulus)
icus                                Platonicus, de Platão (Plato)
anus            Derivados de nomes  Romanus, romano (Roma)
                países, terras
inus                                Praenestinus, de Preneste (Praeneste)
ensis                               Atheniensis, de Atenas (Athenae)
as                                  Arpinas, de Arpino (Arpiuum)

   (3. ADJETIVOS DIMINUTIVOS)
ulus    adjet.  Diminuição,         Parvulus, pequenino (parvus)
                intensidade
culus                               Masculus, másculo (mas)
ellus                               Novellus, novel (novus)

193. 3. Verbos - Os verbos se derivam de substantivos, de
adjetivos e de outros verbos, apondo-se aos respectivos radicais
os sufixos constantes da tabela seguinte:

Suf.    Fonte   Acepções            Exemplos                       conj.
-------------------------------------------------------------------------
o       subst.  Ação                Turbo, fraudo, amo              1a
                                    Finio, vestio                   4a
o       adjet.                      Fecundo, denigro, dito          1a
                                    Albeo, lenio                   2a,4a
sco     verbo   Princípio de ação   Conticesco, flavesco            3a
ito             Repetição da ação   Clamito, volito                 1a
urio            Desejo              Esurio, dormiturio              4a
illo            Atenuação da ação   Murmurillo, cantillo            1a
ico                                 Albico, claudico                1a
isso            Imitação, arremedo  Atticissi, patrisso             1a
                de ação
izo                                 Atticizo, patrizo               1a


194. 4. Advérbios - Os advérbios se derivam de substantivos, de
adjetivos, de verbos e de outros advérbios, dada a aposição de
sufixos adverbiais, conforme já vimos no capítulo referente a
essa categoria léxica.

COMPOSIÇÃO DAS PALAVRAS

195. 1. Por prefixos apostos ao radical, segundo vemos na tabela
seguinte, sendo os aludidos prefixos, em tese, preposições
monossilábicas, separáveis ou inseparáveis.

Pref.      Acepções              Exemplos
---------------------------------------------------------------------------
a,ab,abs   Afastamento           Amovere, abire, aberrare, abscondere,
                                 absque, abstinere
e,ex       Movimento para fora,  Educere, egredi, exornare, exire
           acabamento
de         De alto a baixo,      Deflectere, dejicere
           desvio
di,dis     Para diversas         Divertere, dinumerare, disjungere,
           partes, aumento       discedere
se         Separação             Seponere, secedere, seditio
ne,nec     Negação               Necopinus, negotium
ve                               Vesanus, vecordia
ad         Movimento para,       Adire, accedere
           aumento
in         Negação, movimento    Infamis, incurrere
           para dentro
com,con,co Reunião, cooperação   Componere, commovere, conferre, consonare
                                 coegi, coalesco
per        Movimento através,    Percurrere, pellucidus
           acabamento
amb,am,an  Movimento em torno    Ambire, amburere, amicire, amputare
                                 anfractus, anquiro
pro,prod   Adiante, defesa       Procedere, provolare, prodesse, prodire
prae       Anterioridade,        Praecedere, praematurus
           preeminência
ob         Defronte, em          Oblimare, obstinatus
           contrário
sub,sus,su Debaixo,              Subesse, substare, sustollere,
           inferioridade,        sustinere, suspicere, suspirare
           diminuição
re,red,    Para trás, de novo,   Recedere, reclinare, Redire
redi       por completo          redamatus, redivivus

196. 2. Pela junção de duas ou mais palavras simples, sendo estas
substantivos, adjetivos, verbos, preposições e advérbios.

Exemplos de palavras compostas onde a primeira componente é um
substantivo: aedificare, capripes, causidicus.

Onde a primeira componente é um adjetivo: magnanimus, omnipotens,
amplificatus.

Onde a primeira componente é um verbo: arefacio, calefacio,
commonefacio.

Onde a primeira componente é uma preposição polissílaba:
antepono, subtervolvo, praetermitto.

Onde a primeira componente é um advérbio: benedico, malefacio,
satispetere.


SEGUNDA PARTE

SINTAXE

PRIMEIRA SEÇÃO

CONCORDÂNCIA

197. Estudada a morfologia, isto é, as variadíssimas formas de
que uma palavra se pode revestir em latim, para traduzir as
modalidades da idéia, resta-nos ver agora como essas palavras se
ligam entre si na proposição, e como as várias proposições devem
concatenar-se, para a formação do período.

O melhor estudo da sintaxe é o que se faz sobre os próprios
autores, lendo-os, comentando-os, comparando-os uns com os
outros, sem estribar demasiado em regras gerais. Por outro lado,
estas regras são necessárias para que o aluno penetre no
labirinto dos autores do Lácio; são como que o fio misterioso que
vai ligando as partículas do pensamento, dispersas no período,
mais em obediência à harmonia e a efeitos retóricos, do que à
ordem natural do raciocínio.

Nenhum professor poderá formular regras mecânicas para que o
aluno compreenda logo os discursos de Cícero ou os poemas de
Vergílio. Mas, sem regra alguma, torna-se dificílima tal
compreensão. Não falo já na versão para o latim, em que este
recurso didático se torna de absoluta necessidade.

Para uma língua morta, como o latim, não podemos dispensar o
clássico cedo regulam dos velhos mestres.

Regras curtas, redigidas com clareza, confirmadas com exemplos, e
não dissertações complexas, ou simples alusões à construção
vernácula, fazendo notar a sua correspondência, em latim. Tudo
isso é bom e é necessário, mas como complemento à regra que
deverá destarte ser explanada pelo professor.

Reduzida a sintaxe a pequenas regras, nem os alunos, já de si
pouco afectos ao latim, desanimarão de podê-las conservar de
memória, nem ao mestre faltará campo vasto para dissertações
eruditas.

Este método seguimos na exposição da sintaxe, pois cremos ser o
melhor para o aluno.

Quanto à terminologia, empregaremos, o mais possível, a que anda
usada no português, e que o finado mestre Fausto Barreto resumiu
de Mason, na Antologia Nacional.


CAPÍTULO I

REGRAS DE CONCORDÂNCIA

198. CONCORDÂNCIA DO VERBO. - O verbo concorda com o sujeito em
número e pessoa.

Ex.: Romani strenue pugnabant, Os Romanos combatiam com denôdo.

199. Quando o sujeito é um pronome pessoal, fica geralmente
oculto; e só se exprime para dar maior destaque à pessoa ou para
estabelecer oposição.

Ex.: Quod ego fui Trasimendum id tu hodie es (T.L.); o que eu fui
em Transimendo és tu hoje. Tu rides, ego fleo, tu ris, eu choro.

200. Se o verbo tem como sujeito vários nomes no singular, o
verbo vai para o plural.

Ex.: Castor et Pollux erant fratres, Cástor e Pólux eram irmãos.

201. Se os sujeitos são de pessoas diferentes, o verbo concorda
com a mais nobre: a primeira tem preferência sobre a segunda, e
esta sobre a terceira.

Ex.: Ego et tu valemus, eu e tu temos saúde. Neque ille neque tu
fecistis, nem tu nem ele fizestes isso.

202. Às vezes, ou por atenção, ou para destacar o sujeito mais
vizinho, o verbo concorda somente com este.

Ex.: Et tu et omnes homines sciunt, sabe-o tu e toda gente.

203. Pode o verbo conservar-se no singular, depois de vários
substantivos, ou quando a idéia do último domina a dos outros, ou
quando são análogos pelo sentido, a ponto de se considerarem como
um todo.

Ex.: Fors, tempus ac necessitas fecit (T.L.); a casualidade, o
tempo e a necessidade produziram isto.

Religio et fides anteponatur amicitiae (Cic.); a religião e a fé
se anteponham à amizade.

204. Embora ao sujeito no singular se siga um aposto no plural, o
verbo concorda só com o sujeito.

Ex.: Tulliola, deliciae nostrae, valet (Cic.); Tuliazinha, nossas
delícias, tem saúde.

205. Se, porém, um sujeito no plural é acompanhado dos partitivos
alius ... alius ... alter ... alter ..., a concordância faz-se,
por vezes, não com o sujeito, mas com o aposto.

Ex.: Duo consules hujus anni, alter morbo, alter fero periit
(T.L.); dos dois cônsules deste ano, um morreu de enfermidade,
outro a ferro.

206. A preposição cum, ligando a um sujeito no singular outros
nomes de pessoas, faz que o verbo se construa no plural.

Ex.: Remo cum fratre Quirinus jura dabunt (Verg.); Rômulo com seu
irmão Remo ditarão as leis.

207. Os nomes coletivos, como pars, vis, multitudo e outros,
chamam por vezes o verbo ao plural, dando-se a constructio ad
sensum.

Ex.: Pars in crucem acti, pars bestiis objecti sunt (Ces.); parte
foram crucificados, parte lançados às feras.

208. Sucede o mesmo com os pronomes quisque, uterque, neuter,
quisquam, e outros.

Ex.: Coepere se quisquam magis extollere (Cic.); começou cada
qual a exaltar-se mais.

209. CONCORDÂNCIA DO PREDICATIVO - O predicativo (adjetivo ou
substantivo) vai para o caso do nome a que se refere, e com ele
concorda também em gênero e número, se tal predicativo for
adjetivo ou particípio.

Ex.: Horum species est honestissima (Cic.); a aparência destes é
muito decente.
Animal hoc quem vocamus hominem (Cic.); este animal a que
chamamos homem.

210. Se o sujeito for composto, o predicativo vai geralmente para
o plural: para o masculino, tratando-se de nomes de pessoas de
gênero diverso; para o neutro, tratando-se de nomes de coisas.

Ex.: Pater et mater sunt boni, o pai e a mãe são bons.
Virtus et vitium contraria sunt, a virtude e o vício são
contrários.

211. Muitos nomes femininos abstratos, e alguns concretos, podem
levar o predicativo ao plural neutro.

Ex.: Stultitia et temeritas et injustitia et intemperantia sunt
fugienda (Cic.); a loucura, a temeridade, a injustiça e a
intemperança devem-se evitar.

212. Se no sujeito concorrem pessoas e coisas, o predicativo, no
plural, vai para o gênero dos seres animados, preferindo o mais
nobre, ou para o neutro.

Ex.: Servi atque arma sunt traditi, ou tradita.

213. Havendo diversidade de gênero, ou de número, entre o
predicativo e o sujeito, o verbo concorda de ordinário com o
predicativo.

Ex.: Nisi honor ignominia putanda est (Cic.); a não ser que a
honra se deva reputar como ignomínia.

214. O pronome demonstrativo que logicamente devia ser neutro em
determinadas frases, concorda com o predicativo em número e em
gênero.

Ex.: Haec mea culpa est (Cic.); isto é culpa minha.
(Haec e não hoc).

215. Contudo, nas frases negativas, encontra-se frequentemente o
gênero neutro.

Ex.: Nec sopor illud erat (Verg.); nem aquilo era sono.

216. Se o sujeito é um infinitivo, umo preposição, uma palavra
indeclinável, , o predicativo põe-se no singular neutro.

Ex.: Turpe est mentiri, é feio mentir.

217. CONCORDÂNCIA DO PRONOME RELATIVO. - O pronome relativo
concorda com o seu antecedente em gênero e número, mas pede o
caso próprio da função que na oração desempenha.

Ex.: In epistulis quas ad Caesarem mitto (Cic.); nas cartas que
mando a César.

218. Casos há, porém, em que o relativo, por uma construção
peculiar, concorda com o consequente em gênero, número e caso.

Ex.: Quam quisque norit artem in ea se exerceat (Cic.); cada qual
se ocupe na arte que aprendeu.

Quae debetur pars tuae modestiae audacter tolle (Phedro); a parte
que é devida à tua modéstia toma-a ousadamente.

219. O pronome relativo, colocado entre dois substantivos, dos
quais um é sujeito e outro predicativo, pode concordar em gênero
e número com qualquer deles.

Ex.: Animal hoc quem (ou quod) vocamus hominem.

220. O pronome relativo pode colocar-se no plural neutro, depois
de dois nomes de coisas do mesmo gênero.

Ex.: Fortunam nemo ab inconstantia et temeritate sejunget, quae
digna certe non sunt deo (Cic.); ninguém separará a fortuna das
idéias de inconstância e casualidade, coisas que são certamente
indignas de Deus.

221. De acordo com o gênio sintético da língua latina, emprega-se
qui para ligar uma frase e às vezes uma proposição à outra,
correspondendo a um demonstrativo em português.

Ex.: Quem ut conspexere silent, depois que o viram, calam-se.

222. Quando o relativo qui acompanha um substantivo que é aposto,
coloca-se antes desse substantivo.

Ex.: Tolosates, quae civitas est in provincia (Ces.); os
Tolosates, nação que faz parte da província romana.

223. Qui, seguido de um subjuntivo, equivale a ut.

Ex.: Ranae regem petiere qui dissolutos mores compesceret
(Phedro); as rãs pediram um rei para que reprimisse os costumes
dissolutos.
- Note-se que só se emprega qui, se o sujeito ou objeto da
proposição subordinada é o mesmo da proposição principal.

224. Antes do pronome relativo, subentende-se frequentemente o
pronome demonstrativo.

Ex.: Conveniunt quibus aut odium crudele tyranni aut metus acer
erat (Verg.); reunem-se aqueles que ou tinham ódio ao cruel
tirano, ou forte medo.

225. O relativo qui, seguido de um subjuntivo, não equivale
também a uma conjunção casual.

Ex.: Infelix, qui non audierit (Verg.); infeliz, por não ter
ouvido.

226. CONCORDÂNCIA DO APOSTO. - O aposto, ou continuado, coloca-se
no mesmo caso do nome a que se refere como atributivo.

Ex.: Aristides, Lysimachi filius (Cor. N.); Aristides, filho de
Lisímaco.

227. Quando a um nome próprio se segue um aposto, o predicado
concorda geralmente com o aposto, mormente se o nome for de
cidade, acompanhado dos apelativos urbs, oppidum civitas.

Ex.: Corioli oppidum captum est (T.L.); a cidade de Coríolos foi
tomada.

Corinthium, totius Graeciae lumen, extinctum esse voluerunt
(Cic.); quiseram que fosse apagada a luz de toda a Grécia,
Corinto.

228. CONCORDÂNCIA DO ADJETIVO. - O adjetivo, atributivo natural
do substantivo, concorda com este em gênero, número e caso.

Ex.: Pater bonus, mater bona.
Animal hoc providum (Cic.); este animal previdente.

229. Referindo-se a muitos sujeitos ligados pela conjunção et, o
adjetivo coloca-se no plural. Se os substantivos são de gênero
diferente, o adjetivo vai para o masculino, tratando-se de seres
animados; para o neutro, tratando-se de coisas.

Ex.: Pater et mater boni.
Virtus et vitium contraria.

230. Tratando-se de um nome de ser animado e de um nome de coisa,
o adjetivo, ou particípio, que a eles se refere vai geralmente
para o neutro.

Ex.: Romani regem regnumque Macedoniae sua futura sciunt (T.L.);
os romanos sabem que o rei e o reino da Macedônia lhes
pertencerão.

231. Muitas vezes, o adjetivo concorda, por atração, com o mais
próximo.

Ex.: Brachia modo atque umeri liberi ab aqua erant (Ces.); só os
braços e os ombros estavam fora da água.

232. O uso do adjetivo, como advérbio, é frequente nos autores,
ainda os mais antigos.

Ex.: Erat ille Romae frequens (Cic.) estava ele frequentemente em
Roma.

OBSERVAÇÕES

1. Dão-se em latim certas anomalias de concordância nas quais se
tem em vista mais o sentido mais o sentido do que o número ou
gênero dos substantivos.

Assim, encontra-se por vezes o verbo no plural com um vocábulo no
singular.

Ex.: Vos, o Calliope, precor, adspirate canenti (Verg.), vós, ó
Calíope, vos peço, inspirai ao cantor.

Deve-se notar, porém, que a invocação do poeta se dirige aqui às
musas, sob o nome de uma delas.

2. Exceção análoga se dá nesta frase: Triste lupus stabulis, em
que um adjetivo, predicativo de um nome masculino, está no gênero
neutro. Explica-se, traduzindo da maneira seguinte: "O lobo é
coisa funesta para os apriscos".

De igual forma se interpreta este exemplo de Cícero: Turpitudo
pejus quam dolor, a torpeza é coisa pior que a dor.


SEGUNDA SEÇÃO

SINTAXE DOS CASOS

233. Ampliando o que dissemos dos casos, em noções preliminares,
exporemos a sintaxe dos elementos da proposição, visto como na
flexão casual se radicam as funções várias que um nome pode
exercer no discurso.

Os casos conservam, no latim clássico, quase toda a força que
tinham nas primitivas línguas indo-européias. Os próprios
advérbios, que se destinavam a exprimir certas cambiantes do
pensamento e relações mais definidas, receberam um valor
transitivo e tornaram-se preposições que, por sua vez, exigiram
casos.

Na exposição metódica dos casos, teremos, pois, a explicação das
várias ordens de dependência que entre si guardam os elementos
que compõem uma cláusula oracional. Às conjunções caberá o papel
de informar-nos qual a interdependência observada de oração a
oração.

Há funções gramaticais que podem ser expressas por mais de um
caso. No momento oportuno chamaremos a atenção para este fato.

Na exposição desta matéria, obedeceremos à ordem seguinte:
nominativo, acusativo, dativo, genitivo, ablativo, locativo,
vocativo. Procedendo assim, começará o nosso estudo pelos
elementos essenciais da proposição, passando depois aos
secundários e acidentais.


CAPÍTULO II

NOMINATIVO

234. O nominativo é o caso pelo qual se designam os nomes, sem
implicar a idéia de qualquer construção.

Ex.: Quid est ei homini nomen? - Leno Ballio. (Pl.); que nome tem
este homem? - Balião o alcoviteiro.

235. O sujeito de uma oração do modo finito, quer seja
substantivo, pronome, ou adjetivo substantivado, coloca-se no
nominativo.

Ex.: Deus est, existe um Deus.
Sapiens nunquam mentitur, o sábio não mente nunca.
- Veremos em seu lugar que as proposições infinitivas se afastam
dessa regra, pelo menos aparentemente.

236. O nominativo é ainda o caso do predicativo que acompanha o
verbo sum.

Ex.: Gloria est consentiens laus bonorum, glória é o louvor
unânime dos bons.
Capti praeda militum fuerunt (T.L.); os cativos foram a presa dos
soldados.

- Note-se por este último exemplo que o substantivo, com função
de predicativo, pode discordar do sujeito em gênero e número.

237. Além do verbo sum, tem frequentemente o predicativo no mesmo
caso do sujeito os verbos de ação imanente, como: existo, evado,
fio, eo, appareo, maneo, morior, nascor, intereo, e os passivos
dicor, nominor, habeor, videor, creor e outros que na voz ativa
pedem no acusativo o predicativo do objeto direto.

Ex.: Vestra vero quae vita dicitur mors est (Cic.); O que se diz
ser vossa vida é morte.
Videris mihi bonus, pareces-me bom.

238. Aposto a um pronome oculto, o nominativo equivale às vezes a
uma circunstância de tempo.

Ex.: Puer haec feci, fiz isto, quando menino.  Non eadem volo
senex quae puer volui (Sen.); não quero, quando velho, o mesmo
que quis, quando menino.

239. Às vezes serve de aposto a uma frase inteira.

Ex.: Diadema attuleras domo, meditatum et cognitatum scelus
(Cic.); tinhas trazido de casa um diadema, crime preparado e
meditado.

240. Se o substantivo que serve de aposição é acompanhado do
verbo dico, pode colocar-se no acusativo como objeto de dico, ou
no mesmo caso do nome a que serve de aposto.

Ex.: Superiores, Crassum dico et Antonium (Cic.); os
predecessores, digo Crasso e Antonio.
Hesternus dies nobis, consularibus dico, turpis illuxit (id.); o
dia de ontem surgiu lúgubre para nós, quero dizer, para os
consulares.

OBSERVAÇÕES

O nominativo, enquanto nominativo puro, substitui por vezes o
vocativo; não raro figuram um ao lado do outro. (OOPS) Hajam
vista os seguintes exemplos de Plauto: Meus ocellus... mi
anime. Mi Libane, ocellus aureus.


CAPÍTULO III

ACUSATIVO

241. OBJETO DIRETO - O acusativo é o caso do objeto direto,
pedido pelos verbos transitivos.

Ex.: Patriam diligo, amo a pátria.
Aegiptum Nilus irrigat (Cic.); o Nilo rega o Egito.

242. A certos verbos intransitivos, ou aparentemente
intransitivos, em português, correspondem em latim verbos
transitivos. Tais são: Deficio, fugio, abhorreo, queror,
lamentor, maneo, navigo, sitio, sequor, decet, pudet, piget, etc.

Ex.: ...tela nostros deficere (Cic.); faltando dardos aos nossos.
Thyrrenum navigat aequor (Verg.); navega pelo Mar Tirreno.
Pudet me peccati, envergonho-me do meu delito.

243. O acusativo do abjeto (raramente da pessoa) é empregado com
os verbos que exprimem sentimento e cuja primeira significação é
intransitiva.

Ex.: Illud paveo (Pl.); apavoro-me com aquilo.
Ea quae indignentur adversarii (Cic.); aquilo de que se indignem
os adversários.
Quis bonus non luget mortem Trebonii?; que homem bom não chorará
pela morte de Trebônio?

244. Alguns verbos intransitivos adquirem força transitiva pelo
fato de se tornarem compostos com preposições que regem
acusativo. Tais são os verbos: Transeo, obeo, aggredior, oppugno,
circumfluo, invado, etc.

Ex.: Obire castra, cercar o acampamento.
Rhodanum transire, passar o Ródano.

245. Os verbos gratulor, minor e, às vezes, aemulor pedem
acusativo do objeto e dativo da pessoa.

Ex.: Verri victoriam gratulatur (Cic.); dá a Verres os parabéns
pela vitória.
Crucem servo minatur (id.); ameaça o escravo com a cruz.

246. ACUSATIVO VERBAL. - Alguns verbos intransitivos podem ter
acusativo da própria ação que exprimem, chamado acusativo verbal.

Ex.: Servitutem servire (Cic.); sujeitar-se à escravidão.

247. Construção idêntica se dá com a forma neutra dos adjetivos,
e também com certos verbos, como sono, anhelo, etc.

Ex.: Dulce ridentem, dulce loquentem (Hor.); sorrindo docemente,
docemente falando.
Torvum clamare (Verg.); gritar ameaçador.
Scelus anhelantem (Cic.); respirando crime.
Nec vox hominem sonat (Verg.); nem a voz soa a voz humana.

248. Emprega-se igualmente o acusativo verbal com os verbos oleo,
sapio, redoleo, resipio, fragro.

Ex.: Pastillos, Rufillus olet, Gorgonius hircum (Hor.); Rufilo
cheira a pastéis. Gorgonio a bodum.

Illa erit optima quae unguenta sapiat (Plin.); será muito boa
aquela que cheirar a essência.

249. Um verbo intransitivo pode sempre construir-se com o
acusativo neutro de um pronome ou adjetivo indefinido.

Ex.: Id studeo, aplico-me a isto; (embora studeo peça dativo.)
Utrumque laetor (Cic.); alegro-me com uma e outra coisa.

250. DUPLO ACUSATIVO. - Empregam-se com dois acusativos, um da
pessoa e o outro do objeto, os verbos que significam ensinar,
admoestar e ocultar.

Ex.: Doceo pueros grammaticam, ensino gramática aos meninos.
Fabius ea me monuit (Cic.); Fábio avisou-me disso.
Quod te celatum volebam (id.); o que queria que te ficasse
oculto.

251. Alguns destes verbos, com a significação de informar,
advertir, esconder, pedem frequentemente acusativo da pessoa e
ablativo do objeto, com a preposição de.

Ex.: De insidiis celare te voluit (Cic.); quis ocultar-te as
ciladas.
Monere aliquem de periculo, advertir alguém do perigo.

NOTA - No duplo acusativo destes verbos, o nome da pessoa é o
objeto direto que passará a nominativo, se quisermos converter a
cláusula ativa em passiva. Quanto ao outro acusativo, que se pode
considerar adjunto de referência, costumam ensinar que ensinar
que permanece no mesmo caso, mas a verdade é que os autores
clássicos evitam geralmente essa construção, exceção feita dos
poetas. Cícero emprega antes um ablativo instrumental: doctus
literis graecis et latinis, doctus fidibus; neste último exemplo
deve subentender-se canere.

252. Emprega-se também o acusativo duplo com os verbos rogo,
posco, reposco, flagito, interrogo e outros que significam pedir
e perguntar.

Ex.: Tribunus me primum sententiam rogavit (Cic.); o tribuno
pediu-me que desse o meu parecer em primeiro lugar.

253. Mas com os verbos peto, flagito, e posco usa-se mais o
ablativo, precedido da preposição ab; interrogo prefere a
preposição de, quaero as preposições ab, ex ou de.

Ex.: Legati a Caesare pacem poscebant, os embaixadores pediam a
paz a César.
Ranae regem petiere a Jove (Phedro); as rãs pediram um rei a
Júpiter.

254. Os pronomes e os adjetivos neutros são os que maior
contingente fornecem para a construção de todos estes verbos com
duplo acusativo.

Ex.: Id te oro, peço-te isto.
Unum a te postulo, uma só coisa te peço.
Pauca milites hortatus (Ces.); tendo exortado os soldados em
poucas palavras.

255. Encontra-se ainda volo com dois acusativos, em Plauto e
César.

Ex.: Si quid me vis (Pl.); se me queres alguma coisa; (talvez se
subentenda alloqui, falar).

256. Pedem também duplo acusativo os verbos transitivos em cuja
composição entre a preposição trans, como transporto, traduco,
trajicio.

Ex.: Caesar exercitum Rhodanum traduxit. (Ces.); César fez passar
o exército para além do Ródano.

257. ACUSATIVO DE DIMENSÃO. - Os adjetivos de dimensão longus,
latus, altus, e expressões equivalentes, constroem-se com
acusativo.

Ex.: Murum decem pedes altus, um muro de dez pés de alto.
Ager centum pedes latus, um campo de cem pés de largo.

258. Acusativo de distância. - Os verbos que significam
distância, como absum, disto e expressões similares, levam ao
acusativo o adjunto de distância.

Ex.: Decem millia passuum ab urbe distat, dista da cidade dez mil
passos.

Millia passuum tria ab eorum castris castra ponit (Ces.); coloca
o acampamento a três mil passos do deles.

259. A distância pode também ser expressa por ablativo,
especialmente quando se subentendem os ablativos spatio ou
intervallo, acompanhados de genitivo.

Ex.: Abesse septem millium intervallo (Ces.); estar distante sete
milhas.

260. ACUSATIVO DE TEMPO. - O nome que indica quanto tempo durou
uma ação (quandiu) põe-se em acusativo.

Ex.: Septem regnavi annos, reinou durante sete anos.

261. Por igual forma se exprime o tempo desde que (ex quo) se
realiza uma ação que dura atualmente.

Ex.: jam regnat annos multos, reina há já muitos anos.

262. A maneira, porém, mais comum de exprimir numericamente há
quanto tempo uma coisa se faz é a seguinte: quartum jam regnat
annum, reina há quatro anos; como quem diz: "é o quarto ano que
reina".

263. Para exprimir quanto tempo há que uma coisa se fez,
emprega-se o acusativo, precedido de abhinc ou ante (Ou
ablativo).

Ex.: Abhinc sex menses mortuus est, morreu há seis meses.
Ante hos sex menses (Phed.)

264. Depois do particípio natus, usamos do acusativo para
exprimir a idade.

Ex.: Annos triginta natus, com trinta anos de idade.

265. O tempo daqui a exprime-se em acusativo, com a preposição
post. (Ou ablativo simples)

Ex.: Post tres dies profiscar, partirei daqui a três dias.

NOTA. - Algumas destas circunstâncias, como a duração, podem
exprimir-se em ablativo, conforme veremos em seu lugar.

266. ACUSATIVO DE EXCLAMAÇÃO. - Empregam-no frequentemente os
autores clássicos, em vez de uma proposição regular, ao lado do
nominativo e do vocativo. Pode ser precedido de heu, eheu.

Ex.: Me infelicem! Heu me miserum! infeliz de mim! miserável de
mim!

267. Depois das partículas en, ecce, encontra-se raramente o
acusativo, e comumente o nominativo, entre os autores clássicos;
mas, depois de O, é freqüente; pro acompanha o acusativo fidem.

Ex.: O fallacem hominum spem (Cic.); ó falaz esperança dos
homens.
Pro deum atque hominum fidem! (id.); pela fé dos deuses e dos
homens!
Ecce nuntius, eis o mensageiro.

268. ACUSATIVO ADVERBIAL. - Os autores clássicos põem no
acusativo certas expressões equivalentes a uma locução adverbial,
como estas: magnam partem, em grande parte, maximam partem, na
maior parte, ao lado da forma conhecida partim.

269. Usam-se também no acusativo neutro, adverbialmente, alguns
adjetivos, como: summum, no máximo, nihil, em nada, multum,
muito.

Ex.: Suebi non multum frumento... vivunt.

NOTA. - Omitimos o acusativo de movimento ou direção, pois
trataremos em capítulo especial dos adjuntos de lugar.

Não nos referimos igualmente ao acusativo pedido por certas
preposiçÕes de que já demos notícia na primeira parte.

OBSERVAÇÕES

1. Não falamos do acusativo com função predicativa, pois é um
simples caso de concordância de que já tratamos.

Como em português, há em latim certos verbos que pedem adjunto
predicativo do objeto.

Tais são: puto, habeo, duco, existimo, creo, dico, apello, voco,
nomino, facio, efficio, reddo, e as frases praebere se, praestare
se, mostrar-se, gerere se, portar-se.

Não se deve confundir acusativo predicativo com o aposto no mesmo
caso. O aposto pode tirar-se, sem destruir a frase; p. ex.:
Brutum sequuntur ducem (T.L.), em que o acusativo ducem não é
indispensável. O contrário se dá na frase: Me Albani gerendo
bello ducem creavere. (T.L.)

Temos a expressão reliquum facere, abandonar; p. ex.: Reliquos
feci agros (Cic.); abandonei os campos.

Dizemos com o verbo habeo: Agros, vias denique infestas habebant
(Cic.).

Em vez do acusativo predicativo, empregam-se frases como estas:
pro nihilo, pro certo habere; pro certo polliceor; pro concesso
putare; pro non dicto habere, etc.

Encontra-se ainda o predicativo praecipitem com os verbos de
movimento: agere, dare, dejicere, jacere, mittere.

2. Em autores de boa nota lê-se o acusativo e outros casos,
depois dos adjetivos verbais em -bundus, como utebundus,
venerabundus, etc.

3. O acusativo adverbial de parte, construção imitada dos gregos,
foi usado pelos prosadores, sendo habitual entre os poetas,
sobretudo em Vergílio, tanto com verbos, quanto como com
adjetivos: Tremit ossa pavore; os umerosque deo similis.

Muitas vezes é um acusativo de referência, de ponto de vista,
ante o qual se pressupõem ocultas as preposições circa, secundum;
como em grego kata. Qui genus? Quem sois, quanto à descendência?
(Verg.) Cetera egregius.

Não confundir esta sintaxe poética com o acusativo adverbial e
outras formas clássicas, como: id temporis, id aetatis; quid?
porquê? Nihil est quod, não há razão porque, e outras.

O acusativo poético é freqüente com a forma passiva dos verbos
que significam vestir-se, despir-se, designando a espécie do
vestido: exuvias indutus Achillis, vestido com os despojos de
Aquiles.


CAPÍTULO IV

DATIVO

270. OBJETO INDIRETO. - O dativo, designando o fim, a direção, a
utilidade do que enuncia o predicado, com relação a uma pessoa ou
coisa, exerce a função de objeto indireto.

Ex.: Do vestem pauperi, dou um vestido ao pobre.
Invidet mihi, tem-me ódio.

271. DATIVO DE INTERESSE. - O dativo exprime a noção fundamental
de interesse, depois de qualquer verbo, adjetivo e particípio,
quer o interesse se reflita em pessoas, quer em nomes abstratos,
ou concretos.

Ex.: Sibi soli vivere, viver só para si.

Domus pulchra dominis aedificatur non muribus (Cic.); uma casa
bonita constrói-se para os donos, não para os ratos.

Non solum nobis divites esse volumus (id.); nem só para nós
queremos ser ricos.

- A esa regra se prende o dativo de proveito e vice-versa, depois
dos verbos prosum, obsum, noceo, conducit, expedit e, raramente,
incommodo.

272. DATIVO DE FAVOR OU REPULSÃO. - Pedem-no os verbos: faveo,
cupio, suffragor, gratificor, gratulor, studeo, indulgeo, parco,
adversor, invideo, insidior, irascor, maledico, minor, doleo, e
outros muitos.

Ex.: Parce sepultis, perdoa aos mortos.

273. DATIVO DE SOCORRO, SOLICITUDE. - Pedem-no os verbos:
auxilior, opitulor, consulo, succurro, prospicio, medeor, etc.

Ex.: Succurre relictis, socorre aos abandonados.

274. DATIVO DE AGRADO OU DESAGRADO. - Pedem-no os verbos:
auxilior, opitulor, consulo, succurro, prospicio, medeor, etc.

Ex.: Si tibi placet, se te apraz.

275. (OOPS) Há mais com dativo os verbos que exprimem confiança:
credo, fido, acontecimento: accidit, contingit, evenit,
aproximação: propinquo, appropinquo, carência: desum. E ainda:
nubo, supplico, videor, e a expressão obviam ire, finalmente,
todos os que significam vantagem ou desvantagem.

Ex.: Mihi crede, crê-me.

276. Os verbos compostos das preposições ad, ante, circum, cum,
de, ex, in, inter, ob, post, prae, sub, ou super, têm comumente o
objeto indireto no dativo.

Ex.: Inferre vim alicui, fazer violência a alguém.
Qui, si huic oneri novum accesserit? (Plin.); que acontecerá, se
a esta acrescer nova carga?
Demere alicui solicitudinem (Cic.); tirar alguém de inquietações.

277. Mas, quando estes verbos, transitivos ou intransitivos,
indicam nitidamente o movimento, a direção para um lugar ou para
um objeto, pedem antes acusativo com preposição ad ou in.

- Constroem-se geralmente com a preposição de que são compostos,
desde que sejam tomados no sentido próprio, e com dativo, quando
tomados no sentido figurado.

Ex.: Adesse amicis, prestar auxílio aos amigos.
Adesse ad judicium, assistir a um julgamento.
Injicere se in hostes, arremessar-se contra os inimigos.
Injicere terrore alicui, causar terror a alguém.

278. Diz-se: Mitto epistulam, scribo alicui ou ad aliquem; se ad
philosophiam ou philosophiae applicare. Aliquid oculis ou sub
oculos subjicere.

279. Os compostos de cum preferem construir-se com esta
preposição.

Ex.: Rem aliquam cum altera comparare, conferre, comparar uma
coisa com outra.

280. DATIVO COM AS FORMAS PASSIVAS. - Depois do adjetivo verbal
em -ndus, significando obrigação, dever, emprega-se o dativo, em
vez do ablativo com ab, desde que não haja perigo de ambiguidade,
com certos verbos que já de si pedem dativo.

Ex.: Mihi colenda est virtus, a virtude deve ser praticada por
mim.
Magna diis immortalibus habenda est gratia (Cic.); devemos render
muitas graças aos deuses imortais.

281. Usa-se também este dativo com tempos compostos do particípio
do pretérito, e ainda com os verbos probo, approbo, videor.

Ex.: Nobis est expositum (Cic.); foi por nós exposto.
Mihi consilium captum jam diu est (id.); há muito já que tomei
uma deliberação.
Probatur mihi tuum consilium, aprovo a tua deliberação.
Malum non mihi videtur esse mors (Cic.); não me parece que a
morte seja um mal.

282. DATIVO DE RELAÇÃO. - Coloca-se no dativo a palavra que
designa relação com uma pessoa, referência a uma coisa.

Ex.: Quid mihi futurum sit? que há de ser de mim?
Quis huic rei testis est? (OOPS) (id.); quem dá testemunho disto?

283. Semelhante a este é o dativo que bons autores chamam
absoluto, imitado do grego, e que também indica referência.

Ex.: Quod est oppidum primum Thessaliae venientibus ab Epiro
(Ces.); que é a primeira cidade da Tessália, para quem vem do
Épiro.

284. DATIVO DE POSSE. - A construção com dativo é a maneira mais
comum de designar a relação de posse entre uma coisa e seu
detentor.

Ex.: Est mihi domus, existe para mim uma casa, ou, tenho uma
casa.
Sunt nobis mitia poma (Verg.); temos frutas maduras.

285. DUPLO DATIVO. - Freqüente com o verbo sum; é um idiotismo da
língua, a que uns chamam dativo de finalidade, outros de função
predicativa.

Ex.: Hoc est mihi utilitati, isto me é de utilidade, para
utilidade, isto me é útil.

NOTA. - Pela frase se poderá julgar qual destas duas funções lhe
cabe melhor; p. ex.: quae tibi usioni superarunt, o que te
sobejar para uso; nesta frase de Cícero há evidentemente
finalidade. Mas nesta outra: tua pietas plane nobis auxilio fuit,
também do mesmo autor, paece haver antes uma espécie de
predicativo de objeto indireto.

Construção idêntica, pelo caso e pela função, ocorre com o verbo
impessoal licet: iis esse liberis non licet (Cic.); não lhes é
permitido serem livres; licuit esse otioso (id.); foi-lhe
permitido estar ocioso.

- Este duplo dativo emprega-se também com os verbos do, verto e
tribuo; p. ex.: hoc mihi tribuit vitio, levou-me isto à conta de
vício.

286. DATIVO PREDICATIVO. - Emprega-se com as palavras nomen e
cognomen, acompanhadas dos verbos sum, do, addo, indo, dico,
maneo.

Ex.: Puero, ab inopia, Egerio inditum nomen (T.L.); pela falta de
tudo, foi dado ao menino o nome de Egério.

NOTA. - Pode-se usar a construção comum à função predicativa, e
ainda o genitivo; e dir-se-á Est mihi nomen Paulo, Paulus ou
Pauli.

287. DATIVO DE DESTINO. - É freqüente este dativo, equivalente à
preposição para, designando o fim ou uso a que se destina
qualquer coisa.

Ex.: Capere aliquid pignori, tomar alguma coisa para servir de
penhor.
Ire auxilio alicui, ir em socorro de alguém.

288. DATIVO DEPOIS DOS ADJETIVOS. - Muitos são os adjetivos que
pedem depois de si dativo, tanto por exprimirem relações
semelhantes às dos verbos que exigem este caso, como pela
tradução literal de uma palavra em dativo. (com as prep. a; para)

Ex.: Cunctis esto bonus, sê bom para todos.

289. Estes adjetivos significam geralmente uma relação para com
uma pessoa ou coisa, como: amizade, bondade, hostilidade,
semelhança, igualdade, vizinhança.

Temos assim: affinis, aequalis, utilis, bonus, amicus, inimicus,
communis, familiaris, necessarius, par, impar, proprius, similis,
vicinus, finitimus, aptus, idoneus, gratus, infestus, propitius,
etc.

290. Similis e seus compostos podem construir-se igualmente com
genitivo, mesmo tomados na significação de meros adjetivos.

Ex.: Similis patri ou patris.

291. Os adjetivos aptus, idoneus, e outros adjetivos ou
particípios que designem propriamente uma aptidão para qualquer
coisa, constroem-se de ordinário com acusativo, precedido da
preposição ad.

Ex.: Alcibiades ad omnes res aptus (Cor.N.); Alcibíades era apto
para tudo.

OBSERVAÇÕES

1. Quase não fizemos distinção entre verbos transitivos e
intransitivos, para o efeito da construção com dativo. Exista ou
não objeto direto, a relação indireta, fundamentalmente, é a
mesma.

Alguns destes verbos são transitivos em português e intransitivos
em latim. (OOPS) Haja vista o verbo studeo para o qual chamamos a
atenção dos alunos. Studere grammaticae; aplicar-se à gramática,
estudar a gramática.

2. Os poetas, imitando a sintaxe grega, constroem com dativo da
pessoa ou do objeto os verbos certo, pugno, luctor, combater, e
outros, em desacordo com as regras gerais.

3. Como em português, é muito usado em latim o dativo expletivo
(dativus ethicus), sobretudo no estilo familiar. Ex.: tu mihi
istius audaciam defendis? (Cic.); pois defendes-me o atrevimento
desse?

4. Os poetas empregam habitualmente o dativo com os verbos na voz
passiva: Neque cernitur ulli (Verg.); nem é visto por algum.

É um helenismo, pois a tanto chegava a influência da literatura
grega sobre os escritores de Roma, que a própria sintaxe é
adaptada à língua latina.

5. Querem alguns gramáticos, a propósito de similis, urdir
hipóteses engenhosas, para distinguir os casos em que deve
empregar-se no dativo ou no genitivo. A mais fundamentada é a
Chassang que lhe aplica a regra geral de que os adjetivos,
empregados como substantivos, pedem o caso limitativo destes, o
genitivo. Teríamos pois: similis patri; semelhante ao pai;
similis patris, o semelhante do pai; como temos: veritatis
amicus, o amigo da verdade.

Mas o certo é que a leitura dos autores prova até à evidência que
uma e outra construção é usada, ainda nos casos em que similis é
puro adjetivo.

O próprio Chassang termina por confessar isso mesmo, em uma nota
que diz: "Encontram-se, contudo, quase que indiferentemente
construídos, com genitivo ou com dativo, os adjetivos similis,
dissimilis, affinis."

Mas, com os pronomes pessoais, emprega-se sempre o genitivo:
similis tui, similis nostri.


CAPÍTULO V

GENITIVO

292. ADJUNTO RESTRITIVO. - O genitivo serve especialmente para
estabelecer a relação imediata entre dois substantivos, de
maneira que um complete a idéia contida no outro, limitando-lhe
ou restringindo-lhe a aplicação.

Ex.: Liber Petri, o livro de Pedro.
Metus hostium, o medo dos inimigos.
Bona laudis et gloriae (Cic.); os bens do louvor e da glória.

293. Esta construção tem uma extensão vastíssima, como vasto é o
campo dos adjuntos limitativos, e aplica-se aos próprios
adjetivos e particípios, quando tomados substantivadamente.

Ex.: Abdita sylvae, os esconderijos do bosque.
Juris prudentes, os sabedores do direito.
Veritatis amans, amante da verdade.

294. Em certas construções, o substantivo substitui o adjetivo,
como em português.

Ex.: Deliciae pueri, delícias de menino, ou menino delicioso.
Monstrum mulieris, mulher monstro.
Quaedam pestes hominum (Cic.), certas pestes de homens, ou,
homens pestilentos.

295. Quando a clareza o exige, e nos casos em que o substantivo
está em relação com um pronome pessoal, como atributo, os bons
autores empregam preposições, de preferência ao genitivo.

Ex.: Pietate adversus deos sublata (e não deorum); tirada a
piedade para com os deuses.
Meam tuorum erga me meritorum memoriam, a lembrança que conservo
dos teus benefícios para comigo.
Illius in te amor (Cic.); o amor dele para contigo.

296. O genitivo determinativo encontra-se por vezes em lugar do
aposto, ou continuado, com os nomes de cidades, rios e outros
locativos.

Ex.: Oppidum Antiochiae, (Cic.); a cidade de Antioquia.

Lacus Timavi; urbs Troiae, regnum Lavini (Verg; T.L.) Vienna
Allobrogum; Lutetia Parisiorum, Viena, Paris.

297. O genitivo de pessoa (subentendendo-se uxor, servus ou
filius) designa a relação de esposa, escravo ou filho; o genitivo
de divindade, precedido da preposição ad, ante e a, designa
templo.

Ex.: Caecilia Metelli, Cecília, esposa de Metello.
Ajax Oilei, Ajax, filho de Oileu.
Habitat ad Castoris, mora junto ao templo de
Castor. (subentende-se templum).
Ante Castoris.
A Vestae (Cic.).

NOTA. - Há casos em que pode dar-se ambiguidade no genitivo
determinativo. Assim: metus hostium pode exprimir o medo que os
inimigos têm de nós, ou o medo que nós temos dos inimigos. No
primeiro caso chama-se genitivo subjetivo, porque, transformando
metus em verbo, o genitivo hostium iria paa o nominativo. No
segundo caso, chama-se genitivo objetivo, pois hostium ficaria em
acusativo.

Subj.: Hostes metuunt nos.
Obj.: Nos metuimus hostes.

Já atrás notamos que, para maior clareza, se podem usar as
preposições erga, in, adversus, e de, em certos casos; por ex.:
judicium de Volscis, julgamento a respeito dos Volscos.

298. GENITIVO DE QUALIDADE. - Designando uma qualidade intrínseca
e permanente, emprega-se, ao lado do ablativo, o genitivo,
sobretudo tratando-se de nomes concretos, com significação
abstrata.

Ex.: Plurimarum palmarum vetus gladiator (Cic.); velho gladiador
de muitas palmas.
Non multi cibi hospitem occipies, multi joci (id.); não receberás
um hóspede de muito comer, mas de muita pilhéria.
Maximi animi hominem (id.); homem de grande ânimo.

299. GENITIVO DEPOIS DOS PRONOMES NEUTROS. - Os pronomes neutros
podem às vezes construir-se com genitivo.

Ex.: Quid lucri? em vez de: quod lucrum? que lucro?
Nullum lucrum, ou nihil lucri, nenhum lucro.

300. Admitem igualmente genitivo com os adjetivos de primeira
classe, não, porém, com os de segunda.

Ex.: Quid novi? que há de novo?
Nihil novum ou nihil novi, nada de novo.
Mas: Aliquid memorabile, alguma coisa de notável; e não: aliquid
memorabilis.

301. GENITIVO DEPOIS DOS ADJETIVOS. - Como os substantivos, têm
os adjetivos genitivo restritivo ou determinativo, equivalente ao
objeto direto, se ao adjetivo substituíssemos o verbo de que ele
geralmente deriva.

Ex.: Tempus edax rerum (Ov.); o tempo devorador das coisas. -
Tempus quod res edit.
Vini capax - qui vinum capit, odre de vinho, bêbado.

302. Pedem, pois, genitivo as seguintes categorias de adjetivos:

1. Os derivados imediatamente de verbos transitivos: tenax, edax,
capax, ferax, timidus, cupidus, patiens, etc.

Ex.: Timidus procellae (Hor.); o que tem medo da tempestade.

2. Os que exprimem tendência, disposição de espírito, desejo, a
saber: avarus, avidus, curiosus, diligens, gnarus, peritus,
memor, providus, rudis, securus, studiosus, etc.

Ex.: Avidus laudum, ávido de louvores.

3. Os que exprimem participação, cumplicidade, culpabilidade:
expers, consors, particeps, reus, affinis, exsors, potens,
impotens, innocens, insons, suspectus, etc.

Ex.: Insons culpae, inocente de culpa.
Reus ambitus, réu de concussão.

4. Os que exprimem abundância, liberalidade, riqueza: plenus,
refertus, inops, inanis, onustus, vacuus, dives, locuples,
egenus, fecundus, fertilis, sterilis, etc.

Ex.: Dives opum, rico em haveres.
Omnium egenus, pobre de tudo.

NOTA. - Os adjetivos da última classe constroem-se também com
ablativo. Dignus admite também esta dupla construção.

303. O genitivo constrói-se ainda com vários outros adjetivos,
como adjunto determinativo especial.

Ex.: Incertus animi (T.L.); com o espírito ansioso.
Integer vitae (Hor.); irrepreensível na vida.

304. GENITIVO PARTITIVO. - Pode usar-se com os substantivos, com
os adjetivos, com os pronomes e com os advérbios; é de rigor com
os adjetivos de quantidade, no neutro do singular, e com os
advérbios de lugar.

Ex.: Melior pars nostri animus est, o espírito é a melhor parte
de nós mesmos.

Multum temporis, muito tempo.
Nonnulli militum, alguns dos soldados.
Exiguum campi, pouco de campo.
Ubinam gentium sumus? (Cic.); em que terra estamos nós?
Eo inopiae venere (Tac.); chegaram a tal ponto de miséria.

305. Convém notar, porém, que os clássicos, com os nomes de
quantidade, não empregam o genitivo, quando a terminação da
palavra que o precede não permite reconhecer o gênero neutro.

Ex.: Multo sanguine ea Poenis victoria stetit (T.L.); aquela
vitória custou muito sangue aos cartagineses. (E não: multo
sanguinis).

306. Usam os latinos a forma neutra do adjetivo com um nome em
genitivo, ou concordam o adjetivo com o nome; preferem o neutro
do plural.

Ex.: Ad extremum vitae (Cic.); para o fim da vida.
In interiora aedium Sullae (Cic.); para o interior da habitação
de Sila.
In summo monte, no mais alto do monte.
(In monte summo quereria dizer: no monte mais alto).

307. O uso do genitivo partitivo é comum com os numerais,
adjetivos de quantidade e pronomes indefinidos e interrogativos.

Ex.: Pauci civium, poucos dos cidadãos.
Nemo mortalium, nenhum dentre os mortais.
Quis vestrum? quem de vós?

308. Igualmente o é depois dos superlativos, e também dos
comparativos, quando estes fazem as vezes dos superlativo,
referindo-se a duas coisas.

Ex.: Major fratrum, o maior dos dois irmãos.
Maximus fratrum, o maior dentre os irmãos.
Altissima arborum, a mais alta das árvores.

309. Encontra-se também o ablativo com as preposições ex, de,
depois dos superlativos, e o acusativo com inter.

Ex.: De duobus utrum honestius? (Cic.); dentre as duas coisas
qual a mais honesta?
Nemo de iis (id.); nenhum destes.
De pluribus una (Hor,); uma dentre muitas.
Altissima arborum, de ou ex arboribus, inter arbores.

310. GENITIVO DEPOIS DOS VERBOS. - Como os substantivos, os
adjetivos e os pronomes, também muitos verbos pedem no genitivo o
objeto que corresponde, umas vezes ao direto, outras ao indireto,
e que, geralmente, é acompanhado em português da preposição de,
restritiva.

Ex.: Utinam obliviscamini eorum, oxalá vos esqueçais deles.

311. Pedem este genitivo os verbos que significam lembrar-se de,
esquecer-se de, recordar-se de: Memini, obliviscor, reminiscor,
recordor, venit in mentem, "vem ao pensamento", e expressões
equivalentes.

Ex.: Beneficiorum memento, lembra-te dos benefícios.
Solet in mentem venire illius temporis quo proxime fuimus una
(Cic.); costumo recordar-me daquele tempo em que há pouco
estivemos juntos.
Oblivisci nihil soles nisi injurias (id.); nada costumas
esquecer, a não ser as injúrias.

312. GENITIVO DEPOIS DOS VERBOS UNIPESSOAIS. - Os verbos que
exprimem sentimentos de compaixão, vergonha, arrependimento,
aversão, pedem no genitivo o objeto indireto.

Os principais destes verbos são os unipessoais: poenitet,
arrepender-se, taedet, enfastiar-se, pudet, envergonhar-se,
piget, enfadar-se, miseret, miserescit, compadecer-se de.

- Dá-se a elipse das palavras poenitentia, taedium, pudor,
misericordia, como explicam os gramáticos.

Ex.: Eum negotii totius et emptionis suae poenitebat (Cic.);
arrependia-se de todo o negócio e da sua compra.

Pudet me tui (id.); envergonho-me de ti.

Pudet me deorum hominumque (T.L.); envergonho-me diante dos
deuses e dos homens. (Note-se esta última acepção do genitivo e a
sua analogia com a dupla significação de envergonhar-se ou ter
vergonha de, em português).

NOTA. - O acusativo da pessoa que se envergonha suprime-se,
quando o sentimento é geral.

Talvez por analogia com estes verbos, vereor, temer-se de,
constrói-se com genitivo. Cícero até o faz unipessoal.

O mesmo se diga de fastidio, enfastiar-se de.

313. Est, é dever, é próprio, interest, importa a, e algumas
vezes refert, levam ao genitivo o nome da pessoa a que se
referem.

Ex.: Est boni judicis (Cic.); é dever do bom juiz.
Clodii intererat Milonem perire (id.); era do interesse de Clódio
que Milão perecesse.
Illud parvi refert (id.); aquilo pouco importa.

314. Se este genitivo houver de ser um pronome pessoal, com o
verbo est empregam-se as formas neutras meum, tuum, suum,
nostrum, vestrum; com os outros dois mea, tua, sua, nostra,
vestra.

Ex.: Est meum majores natu vereri, é meu dever respeitar os mais
velhos.
Magni sua putabat interesse (Cic.); julgava interessar-lhe muito.
Interest mea unius, importa-me a mim só.

NOTA. - Para o pronome neutro, depois de est, deve subentender-se
officium; para mea, tua, etc., subentende-se o ablativo re, de
res, coisa, pois refert compõe-se de re mais fert, e traduz esta
idéia: "é útil com referência a uma coisa". Interest teria
seguido a construção de refert, por analogia.

315. Interest e refert podem ter um segundo adjunto no acusativo,
com ad, tratando-se de nomes de coisas inanimadas.

Ex.: Magni ad honorem nostrum interest (Cic.); importa muito à
nossa honra.

316. Com estes três verbos andam freqüentemente juntos os
genitivos de preço magni, parvi, tanti, embora se possam usar
também os advérbios multum, tantum, plurimum, etc.

Ex.: Parvi sunt arma, nisi consilium (Cic.); de pouco são as
armas, sem um plano.

NOTA. - A expressão tanti est equivale à nossa: vale a pena: Est
mihi tanti, Quirites, hujus invidiae tempestatem subire (Cic.);
vale a pena, resigno-me, cidadãos de Roma, a arrostar com esta
tempestade de ódios.

317. GENITIVO DE DELITO. - Com os verbos que significam acusar,
condenar, absolver, o objeto indireto coloca-se no genitivo,
quando este exprime o delito. São os principais: Accuso, arguo,
insimulo, convinco, acusar; damno, condemno, condenar; absolvo,
absolver.

Ex.: Absolvere aliquem furti, absolver alguém do crime de furto.
Majestatis absoluti sunt (Cic.); foram absolvidos do crime de
lesa majestade.
Summae se iniquitatis condemnari debere (Ces.); que ele devia ser
condenado pelo crime de suprema iniquidade.
Capitis damnari, ser condenado a perder a cabeça, à morte.

NOTA. - Para explicar esta construção, deve subentender-se o
ablativo crimine.

Em Phedro, está explícito, neste exemplo: Lupus arguebat vulpem
furti crimine, o lobo acusava a raposa do crime de furto.

Tácito e os autores jurídicos do baixo império extenderam o
genitivo a todos os verbos que tinham relação com atos judiciais:
Defertur impietatis in principem, é denunciado por crime de
impiedade para com o príncipe.

318. Estes verbos admitem igualmente ablativo com de ou in, ou
ainda sem preposição.

Ex.: De vi publica damnatus (Tac.); condenado por violência
pública.
In quo te accuso (Cic.); do que eu te acuso.
Damnare aliquem capitis ou capite (Cic.).

319. Damnare e condemnare, além do ablativo, pedem freqüentemente
o acusativo, regido da preposição ad, para designar a pena.

Ex.: Qui damnati ad poenam erant (Plin.); os que tinham sido
condenados a uma pena.
Damnatus in metallum (id.); condenado a trabalhar nas minas de
metal.
Ad mortem (Tac.); ad bestias (Suet.)

320. GENITIVO DE PREÇO E DE ESTIMA. - Os verbos que designam
preço ou estima, como aestimo, duco, facio, habeo, (tenho em tal
ou tal conta), emo, compro, vendo, sto, consto, (custar), admitem
uns tantos genitivos como objeto indireto.

Ex.: Quanti emisti librum? - Tribus denariis; por quanto
compraste o livro? - Por três dinheiros.

Voluptatem virtus minimi facit, a virtude não tem em conta alguma
os prazeres.

Emit homo cupidus et locuples tanti quanti Pythius voluit (Cic.);
o homem ávido e rico comprou pelo que Pítio quis.

321. Se o preço for expresso por um substantivo, usa-se o
ablativo.

Ex.: Ea lis L talentis aestimata est (Corn. N.); esta demanda foi
avaliada em cinquenta talentos.

322. São os seguintes os genitivos neutros em geral: magni,
maximi, parvi, minoris, minimi, pluris, plurimi, tanti, quanti;
mas, quando não se pretende exprimir estima, mas compra, usam-se
os genitivos pluris, minoris, tanti, quanti; e os ablativos
magno, permagno, plurimo, parvo, minimo, nihilo.

Ex.: Quanti oryza empta est? - Parvo. (Hor.); por que preço foi
comprado o arroz? - Por pequeno preço.

323. Há ainda os seguintes genitivos de desdém: flocci, de um
floco de lã, nauci, de uma casca de noz, pili, de um pelo, assis,
de uma moeda (OOPS) de quatro reais, nihili, de nada.

Ex.: Nec tamen flocci facio (Cic.); não o tenho na conta nem de
um floco de lã.

OBSERVAÇÕES

1. Alguns adjetivos encontram-se em bons autores construídos com
acusativo, em lugar do genitivo: Avidissimo ad ea populo
(T.L.). Avida in novas res ingenia (id.)

2. Os particípios do presente dos verbos transitivos foram sempre
construídos com o genitivo. Raramente, porém, os particípios dos
verbos intransitivos, e só no latim pós-clássico.

3. Refert encontra-se com dativo, até em autores clássicos.

Ex.: Quid refert intra naturae finis viventi? (Hor.); que
interessa aos que vivem dentro dos limites da natureza?


CAPÍTULO VI

ABLATIVO

324. O ablativo emprega-se, em geral, para designar uma
circunstância que serve para completar o predicado, à maneira dos
advérbios que deste caso derivam em grande número. Assim é que
substituiu o caso instrumental e, em parte, o locativo; com ele
se exprimem os adjuntos mais comuns, quais sejam os de tempo,
modo, lugar, meio, causa, etc. É o caso típico da procedência, da
origem, do afastamento, como o indica a sua própria etimologia
(ab e fero). Substitui muitas vezes o genitivo, com certos verbos
e adjetivos, regidos da preposição de em português.

325. ABLATIVO DE PROCEDÊNCIA. - O nome do ponto de partida vai
para o ablativo, com ou sem preposição.

Ex.: Roma profectus, tendo partido de Roma.
Ut ab Athenis in Boeotiam irem (Cic.); para eu ir de Atenas para
a Beócia.
Etruscis manat quae fontibus unda (Prop.); a água que mana das
fontes etruscas.

NOTA. - Tendo nós de tratar dos adjuntos de lugar em capítulo à
parte, limitamo-nos aqui a esta idéia geral sobre a circunstância
unde.

326. ABLATIVO DE ORIGEM. - Para indicar a procedência, o nome dos
progenitores coloca-se em ablativo, com ou sem a preposição ex.

Ex.: Deum deo natum (T.L.); deus, filho de um deus. (Ex deo).

327. Mas, se o antepassado é longínquo, usa-se a preposição a ou
ab.

Ex.: Quem ait a Deucalione ortum (Cic.); que diz ser descendente
de Deucalião.

328. Com os nomes de cidades suprime-se geralmente a preposição,
a não ser quando se quer precisar bem o lugar de origem.

Ex.: Cumis erant oriundi (T.L.); eram oriundos de Cumas.
Omnes latini ab Alba oriundi (id.); todos os latinos são oriundos
de Alba.

329. ABLATIVO DEPOIS DOS VERBOS. - O ablativo sem preposição
serve de objeto indireto a muitos verbos que em português são
regidos da preposição de, e que podemos reduzir às seguintes
categorias:

1. Verbos que significam abundância ou carência: afficio, cumulo,
augeo, orno, impleo, nudo, exonero, abundo, careo, egeo, indigeo,
redundo, affluo, sendo que egeo, indigeo, compleo, e outros se
constroem frequentemente com genitivo.

Ex.: Antiochiae, celebri quondam urbe et copiosa atque
eruditissimis hominibus liberalissimisque studiis affluenti
(Cic.); em Anioquia, cidade célebre outrora e rica, que abundava
em homens eruditíssimos e em estudos de humanidades.
Cumulare aras donis (T.L.); encher os altares de ofertas.
Egeo consilii (Cic.) preciso de conselho.

2. Os verbos que significam livrar de, despojar de, preservar de,
afastar de: libero, arceo, fraudo, intercludo, solvo, exsolvo,
purgo, exuo, prohibeo, interdico, moveo, pello, etc.

Ex.: Muribus purgo domum (Phedro); limpo casa de ratos.
Solutus omni cura (Hor.); livre de todo o cuidado.

3. Os verbos que significam trocar por: muto, permuto, commuto.

Ex.: Giandem mutavit arista (Verg.); trocou a glande por trigo.

4. Os verbos que significam separar, distinguir de, afastar de, e
outros verbos em cuja composição entra o prefixo português des-
pedem ablativo com preposição a ou ab: absterreo, deterreo,
secerno, separo, arceo, alieno, etc.

Ex.: Secernant se a bonus (Cic.); separem-se dos bons.

5. Grande número de verbos compostos das preposições ab, de, ex,
pela idéia de afastamento, proveniência, que envolvem, podendo
estas acompanhar o ablativo.

Ex.: Consilio destitit atque eo itinere sese avertit (Ces.);
desistiu do plano, e afastou-se daquele caminho.
Decedere de via (Cic.); sair do caminho.
Monte degrediens cum exercitu conspicitur (Sall.) é visto descer
do monte com o exército.
Caelo demissa (T.L.); mandada do céu.
A majoribus accepimus, soubemos dos antepassados.

6. Os verbos que exprimem um estado de alma - alegria ou
tristeza: Laetor, gaudeo, moereo, doleo, glorior, etc.

Ex.: Gaude tuo isto tam excellenti bono (Cic.); alegra-te com
esse teu tão excelente dom.

7. Os verbos utor, servir-se de, fruor, gozar de, fungor,
desempenhar-se de, potior, apoderar-se de, vescor, alimentar-se
de, e, nos poetas, dignor.

Potior pode ter acusativo e genitivo.

Ex.: Fruere fortuna et gloria (Cic.); goza da fortuna e da
glória.
Haud equidem tali me dignor honore (Verg.); não me julgo digna de
tamanha honra.
Rerum potiri (Lucr.); assenhorear-se do poder.

8. A expressão opus est "é preciso, há necessidade de" quando
empregada unipessoalmente, pede ablativo; empregada como
predicativo, tem nominativo, permanecendo opus invariável.

Ex.: Mihi opus est calamo, ou calamus mihi opus est, tenho
necessidade de uma caneta, ou, é-me necessária uma caneta.
Dux nobis et auctor opus est (Cic.); é-nos preciso um guia e um
conselheiro.

9. Quid verbis opus est? (Ter.); para que precisamos de palavras.
Opus est consulto, facto, é preciso consultar-se, fazer-se. (E
outros particípios do pretérito).

330. Convém notar a dupla construção de certos verbos, como dono,
circumdo, exuo, intercludo, os quais podem ter acusativo do
objeto e dativo da pessoa, ou acusativo da pessoa e ablativo do
objeto.

Ex.: Circumdare murum civitati ou circumdare civitatem muro,
cercar a cidade com um muro. Intercludere hosti commeatum ou
intercludere hostem commeatu, impedir a chegada de víveres ao
inimigo.

NOTA. - Tratando do genitivo, vimos que boa parte dos adjetivos
que pedem este caso, podem igualmente construir-se com ablativo,
como os que significam abundância, carência, afastamento, os
partitivos, etc.

331. ABLATIVO COMO AGENTE DA PASSIVA. - O agente da passiva (que
é o sujeito da voz ativa) coloca-se no ablativo, com as
preposições a ou ab, se o nome for de pessoas ou seres animados,
sem preposição, se for de coisas.

Ex.: Convincitur a testibus, urgetur confessione sua (Cic.); é
convencido pelas testemunhas, e apertado pela sua própria
confissão.

NOTA. - Falando do dativo, demos as exceções a esta regra. Convém
notar que os prosadores pós-clássicos usam frequentemente o
dativo como agente da passiva.

Em Tácito encontra-se a cada passo: Militibus diligebatur, era
amado pelos soldados.

Os verbos empregados na voz passiva guardam a construção própria
aos objetos diretos que conservarem da ativa. Ex.: Dedi vestem
pauperi, dei um vestido ao pobre; dir-se-á na voz passiva: Vestis
data est a me pauperi.

332. Usa-se o ablativo com a preposição a ou ab tratando-se de
nomes de coisas, quando estas vêm de qualquer maneira
personificadas:

Ex.: Vinci a voluptate (Cic.); ser vencido pela voluptuosidade.

333. Há ainda certos verbos intransitivos que, tendo como que uma
significação passiva, se constroem com o agente no ablativo.

Ex.: Jacent suis testibus (Cic.); jazem esmagados pelos seus
próprios testemunhos.
Perire ab aliquo, perecer vítima de alguém.

334. ABLATIVO COMPARATIVO. - Os comparativos orgânicos, postos
geralmente em nominativo ou acusativo, , podem ter o segundo
termo de comparação no ablativo.

Ex.: Sol est major luna, o sol é maior que a lua.

Opinione omnium majorem animo cepi dolorem (Cic); sofri um abalo
maior do que todos julgam.

335. Este ablativo pode mudar-se para outro caso, intervindo a
conjunção quam, formando-se às vezes uma segunda oração; esta
oração é necessária, quando o primeiro termo de comparação é
regido por uma palavra que não rege o segundo.

Ex.: Sol est major quam luna (est magna).

Solem confirmant mathematici majorem esse quam terram (Cic.); os
astrônomos provam ser o sol maior do que a terra.
Vicinus tuus meliorem equum habet quam tuus est (id.); o teu
vizinho tem um cavalo melhor do que o teu.

336. Aos advérbios tam, magis, minus, ou venham antes de um
adjetivo, ou acompanhem um verbo, corresponde a conjunção quam,
antes do segundo termo de comparação.

Ex.: Magis temerarius quam fortis, mais atrevido do que valente.
Nemini magis invideo quam fratri, a ninguém tenho mais ódio do
que ao irmão.

337. Depois dos quantitativos plus, minus, amplius, subentende-se
frequentemente quam.

Ex.: Apes numquam plus unum regem patiuntur (Sen.); as abelhas
nunca toleram mais que um rei.

338. Depois de um comparativo, empregam-se os seguintes
ablativos: solito, dicto, aequo, justo, spe, expectatione,
opinione, etc.

Ex.: Citius dicto, mais depressa do que fora dito.
Tristior solito, mais triste que de costume.
Opinione major, maior do que se julga, etc.

339. Com um comparativo, os adjetivos neutros que exprimem
quantidade põem-se no ablativo.

Ex.: Virtus est multo pretiosior quam qurum, a virtude é muito
mais preciosa do que o ouro.
Tanto majore pecunia in stipendium opus erat (T.L.); tanto mais
dinheiro se precisava para pagar o soldo.

340. Emprega-se o comparativo para exprimir um meio termo entre o
positivo e o superlativo, equivalente às expressões portuguesas:
um pouco mais, um tanto.

Ex.: Themistocles liberius vivebat (Cor.N.); Temístocles vivia um
pouco mais livremente.
Senectus est natura loquacior (Cic.); a velhice é de si um tanto
faladora

341. Usam-se expressões como estas: Felicior quam prudentior,
mais feliz do que prudente; major sum quam ut, sou grande demais
para; major quam pro, maior em proporção com.

Ex.: Major sum quam cui possit fortuna nocere (Ov.); sou grande
demais para que a fortuna me possa fazer mal.
Major romanis quam pro numero pugnantium jactura fuit (T.L.); a
perda dos romanos foi grande demais em proporção com o número de
combatentes.

342. ABLATIVO DE TEMPO. - A circunstância de tempo em que um
acontecimento se dá (tempus quando) exprime-se em ablativo.

Ex.: Anno superiore, no ano passado.
Hodierno die, no dia de hoje.
Hora decima, às dez horas.
Aestate, no verão.

343. O ablativo indica ainda daqui a quanto tempo uma coisa se
fará: tribus diebus proficiscar; e o tempo desde que uma coisa se
faz, se fazia ou foi feita; pode acompanhar o advérbio abhinc.

Ex.: Decem ante annis, há dez anos.
Abhinc decem annis (ou decem annos).

344. Temos ainda as expressões: Longo post intervallo, longo
tempo depois; de nocte, muito de madrugada; ad tempus, no tempo
(OOPS) aprazado; tertio quoque die, de três em três dias; in
tempus, por um certo tempo; e outras.

NOTA. - a. Pelo que dissemos aqui, e pelo que deixamos dito ao
tratar do acusativo, vê-se que estes dois casos, acusativo e
ablativo, se auxiliam mutuamente, para exprimirem as várias
circunstâncias de tempo, a ponto de ser difícil estabelecer
barreiras definitivas em que cada um deles deva
conter-se. Reduzindo tudo a duas regras gerais: o ablativo
responde à pergunta quando, em que tempo; e o acusativo à
pergunta quandiu, por quanto tempo, sem excluir o ablativo,
sobretudo em Tito Lívio.

b. Emprega-se in com ablativo, para designar o que dura sempre e
se repete incessantemente. Ex.: in omni puncto temporis, a todo o
momento.

Na baixa latinidade abusa-se desta preposição.

c. Para exprimir com mais exatidão o tempo quandiu, emprega-se
frequentemente o acusativo com a preposição per ou intra.

Intra ou per decem annos, no espaço de dez anos.

345. ABLATIVO DE DISTÂNCIA. - Além do acusativo, pode a distância
exprimir-se também por ablativo.

Ex.: Aesculapii templum quinque millibus passuum ab Epidauro
distat (T.L.); o templo de Esculápio dista cinco mil passos de
Epidauro.

NOTA. - Querem alguns autores que se empregue o ablativo,
atendendo à distância a quo, desde o ponto de partida; e o
acusativo, atendendo à distância ad quem, com relação ao termo
que se tem em vista.

346. ABLATIVO DE COMPANHIA. - Exprime-se este adjunto em ablativo
com a preposição cum, a qual se omite em certos casos, como
quando se trata de forças militares, com relação ao comandante.

Ex.: Omnibus copiis profectus est (Ces.); partiu com todas as
forças.

347. ABLATIVO DE INSTRUMENTO. - Ferire gladio, ferir com a
espada. Canere cithara, tocar cítara.

348. DE CAUSA. - Incendi ira, abrasar-se em cólera. Praestare
eloquentia, distinguir-se pela eloqüência. Hoc, eo, por isso.

349. DE MEIO. - Extollere aliquem honoribus, exaltar alguém com
honrarias.

350. DE MODO. - Specie libera, livre na aparência. Cum
temeritate, com temeridade.

351. DE PARTE. - Teneo lupum auribus, seguro um lobo pelas
orelhas.
Forma vincis, vences pela formusura.

352. ABLATIVOS DE PREÇO E DE PENA. - Emere magno, comprar caro.
Damnare capite, condenar à morte.

353. ABLATIVO DE DIFERENÇA. - Duobus digitis major quam frater,
dois dedos maior que o irmão (Dois dedos de diferença).
E as expressões: Nimio plus, mais que muito; pilo minus, menos
que nada, que um pelo.

354. ABLATIVO ABSOLUTO OU ORACIONAL. - Coloca-se em ablativo a
cláusula participial (particípio, ou adjetivo, e substantivo a
que este se refere) cujo sujeito não faz parte da oração de que a
dita cláusula depende como adjunto.

Ex.: Oriente sole, tenebrae diffugiunt, nascendo o sol, (cláusula
participial, podendo formar oração à parte, com sujeito diferente
do da principal) as trevas fogem.

O particípio não seria absoluto, ou separado, se o sujeito da
cláusula participial fosse o mesmo da oração principal, como
neste exemplo: Sol oriens tenebras fugat, o sol, nascendo,
afugenta as trevas.

355. Podem entrar no ablativo absoluto os particípios do presente
e os do pretérito, bem como certos adjetivos; mas, quando ocorre
o particípio do verbo ser, omite-se em latim.

Ex.: O fortunatam natam, me consule, Romam! (Cic.); ò afortunada
Roma nascida, sendo eu cônsul.
Sic est locutus, partibus factis, leo (Phedro); feitas as partes,
assim falou o leão.
Vivo patre, em vida do pai.

356. O ablativo absoluto exprime geralmente uma circunstância de
tempo, de causa, de modo e até de instrumento; daí a razão lógica
do emprego em tal caso.

- Fácil será, pois, transformar um ablativo absoluto numa oração
do modo finito, atendendo à circunstância que ele traduz, e ao
modo e tempo em que a traduz. Exatamente como em português.

OBSERVAÇÕES

1. Dissemos que o ablativo tomou o lugar do instrumental, com o
qual já se confundia primitivamente, para exprimir certos
adjuntos, como o de modo e causa, tanto pela identidade da
terminação, como pela função que desempenhava. Foi este caso
muito usado no período ante-clássico; nos c;ássicos ainda se
destaca por vezes do simples ablativo, sobretudo nas frases
rituais, como esta: cum faciam vitula pro frugibus, ipse venito
(Verg.); quando sacrificar uma novilha pelas searas, então virás;
ter tibi fit libo, ter, dea casta, mero (Tib.); três vezes te
oferecem sacrifício com (OOPS) fogaça, ò deusa pura, três vezes
com vinho.

Mesmo em Cícero, há certos ablativos, regidos da preposição a,
que são reminiscências do instrumental. Ex.: nervos a quibus
artus continentur, os tendões pelos quais estão ligados os
membros.

O caso instrumental existe no sânscrito; Quintiliano nos diz que
os gramáticos ainda no seu tempo admitiam no grego e no latim a
persistência deste caso. E explica com este exemplo: "Quando eu
digo hasta percussi, não emprego o ablativo na sua significação
própria".

A verdade, porém, é que este caso é hoje um objeto de luxo
filológico.

2. O advérbio procul constrói-se habitualmente com a preposição
ab, sendo o ponto de afastamento expresso pelo substantivo:
procul a mari, longe do mar. Mas, em Horácio, Tito Lívio e
Tácito, encontra-se sem preposição: procul negotiis, procul
oppido, sucedendo o mesmo com absum, visto a preposição ab estar
expressa no verbo.

Procul dubio, "sem dúvida alguma", é uma locução adverbial.

3. Os verbos pluo, lapido, sudo, mano, que em geral exprimem
fenômenos prodigiosos, constroem-se ordinariamente com ablativo
instrumental. Ex.: In monte Albano lapidibus pluisse
(T.L.). Relatum in monumenta est lacte et sanguine pluisse
(Plin.).


CAPÍTULO VII

LOCATIVO

357. Convém não confundir este caso com o genitivo, dativo e
ablativo, como acontece de ordinário.

Servia exclusivamente para indicar o adjuto de lugar. São bem
conhecidas as expressões domi, em casa, ruri, no campo, humi, em
terra.

A este caso adscrevem os gramáticos o suposto genitivo animi, nas
frases animi pendere, angi, horrescere, etc.

Os locativos da terceira declinação acabaram por confundir-se com
o ablativo. Encontram-se, contudo, as formas em -i, como neste
exemplo de Cícero: Corintho et Carthagini; bons gramáticos
defendem, no entanto, que a forma Carthagini é o ablativo
antiquado.

Também se encontra o dativo indicando lugar: abditusque carceri
(V. Paterculus); gramáticos antigos consideram o locativo ruri
como dativo.

A índole desta gramática não comporta longas discussões
histórico-filológicas; por isso remetemos o leitor a tratados
mais completos. Por uma simples questão de método, posta a idéia
de lugar que o locativo encerra, conglobaremos aqui os adjuntos
de lugar, em todas as suas modalidades, embora alheias a este
caso.

358. CIRCUNSTÂNCIA UBI.- O adjunto de lugar onde (ubi),
tratando-se de cidades, pequenas ilhas, vilas e aldeias,
exprime-se em locativo, se o nome próprio é da 1a ou 2a
declinação e do singular; no ablativo, se o nome próprio pertence
à 3a declinação ou se é do plural.

Ex.: Romae, Lugduni, Babylone, Athenis natus, nascido em Roma, em
Lião, em Babilônia, em Atenas.

359. Os outros nomes de lugar, sítios e regiões põe-se no
ablativo com in.

Ex.: Ambulat in horto, passeia no horto.
Erat in Gallia, estava na Gália.

360. Usam-se os conhecidos locativos: domi, em casa, humi, em
terra; em oposição a domi, temos belli, militiae, na guerra; ruri
ou rure, no campo, e animi, no espírito.

361. Quando domus vai acompanhado de um adjetivo, coloca-se de
preferência no ablativo: in domo aliqua; mas admite os seguintes
adjetivos: meae, tuae, suae, nostrae, vestrae, alienae, e o
genitivo restritivo de um nome.

Ex.: Domi meae, em minha casa; domi Caesaris, em casa de César.

362. Como exceção à regra geral, encontram-se nomes de grandes
ilhas em locativo: Cretae, (Verg.); Cypri, (Corn.N.); da mesma
sorte que nomes de regiões, de que há exemplos incontestáveis em
bons autores.

Ex.: Deinde Graeciae, sicut apud nos, delubra magnifica
consecrata sunt (Cic.); depois na Grécia, como entre nós, foram
consagrados magníficos templos.
Non Libiae, non ante Tyro (Verg.); nem na Líbia, nem antes de
Tiro.

363. Se a um nome próprio de cidade, no locativo, se juntam, em
aposição, as palavras urbs, oppidum, etc., estas se colocam em
ablativo com in.

Ex.: Constiterunt Albae, in urbe opportuna (Cic.); pararam em
Alba, cidade bem situada.

364. Diziam: in urbe Roma; e in ipsa Alexandria, por causa do
adjetivo que acompanha este último nome de cidade. Terra marique,
por terra e por mar; dextra, à direita, laeva, à esquerda; tota
Asia, em toda a Ásia. Os poetas suprimem facilmente a preposição.

365. CIRCUNSTÂNCIA UNDE. - O adjunto de lugar donde (unde)
exprime-se em ablativo sem preposição, tratando-se de nomes de
cidades ou de ilhas pequenas, e com as preposições a, ab, e, ex,
tratando-se de nomes comuns ou de regiões.

Ex.: Profectus est Roma, Babylone, Athenis, ex Italia, partiu de
Roma, de Babilônia, de Atenas, da Itália.

366. Há ainda os locativos: humo, domo, rure; com nomes de
cidades também se encontra a preposição ab.

Ex.: Caesar ab Gergovia discessit (Ces.); César retirou-se da
Gergóvia.

367. CIRCUNSTÂNCIA QUO. - O adjunto para onde (quo) exprime-se em
acusativo sem preposição, tratando-se de nomes de cidades e
pequenas ilhas, e, em geral, com preposição in, e às vezes ad.

Ex.: Profectus est Romam, Babylonem, Athenas, in Galliam, partiu
para Roma, para Babilônia, para Atenas, para a Gália.

368. Temos ainda: rus, para o campo; domum, para a casa; humum,
para a terra. Em poesia omite-se frequentemente a preposição.

Ex.: Italiam venit (Verg.), veio à Itália.

369. CIRCUNSTÂNCIA QUA. - O adjunto de lugar por onde (qua)
exprime-se em acusativo com a preposição per.

Ex.: Inter feci per Galliam, per Lugdunum, passei pela Gália, por
Lião.

370. O nome de uma porta, de uma rua, exprime-se em ablativo sem
preposição.

Ex.: Egressus est urbe, Capena porta, Sacra via, saiu de Roma
pela porta Capena, pela via Sacra.

OBSERVAÇÕES

1. As regras gerais sobre as circunstâncias de lugar, como vimos,
não são tão fixas, que não flutuem à vontade dos autores,
sobretudo no período pós-clássico. Os poetas e os historiadores
tomam liberdades que chegam a desorientar os gramáticos que
pretendem reduzir o assunto a regras inflexíveis. É muito natural
nos poetas a omissão das preposições, para efeitos métricos, como
é natural nos prosadores o esquecerem-se da distinção entre nomes
de cidades e de regiões, quando a função lógica da palavra é a
mesma, num e noutro caso. É a tendência para a uniformidade que
já notamos nas questões de tempo, até que a preposição nivele
todas as diferenças, nas línguas novi-latinas.

2. Os poetas, com a liberdade que sempre lhes foi reconhecida,
empregaram o dativo, em vez do acusativo de movimento.

Ex.: It clamor caelo (Verg.); um clamor sobe até ao céu. Spolia
conjiciunt igni, (id.). Pelago suspecta dona praecipitare (id.)


CAPÍTULO VIII

VOCATIVO

371. Os nomes das pessoas a quem se fala, das pessoas e das
coisas que se interpelam, colocam-se no vocativo, caso que, na
forma e na significação, é muito semelhante ao nominativo.

O vocativo emprega-se só, ou com uma interjeição. O adjetivo só,
no vocativo, encontra-se nos poetas.

Ex.: Quo tu, turpissime? (Hor.); para onde vais tu, (OOPS)
feiarrão?

372. Também o pronome pessoal se emprega frequentemente no
vocativo, confundindo-se por vezes com o próprio nominativo,
sobrtudo quando se lhe segue o imperativo. Em todo o caso, parece
mais lógico dizer-se que o pronome supõe oculta a segunda pessoa,
a qual seria o verdadeiro vocativo.

Ex.: Vos quae responderit Alphesiboeus, dicite, Pierides,
(Verg.); vós, ó Musas, dizei o que terá respondido Alfesibeu.

373. Entre os cômicos, e mesmo em Vergílio, é freqüente o uso do
pronome indefinido com o imperativo.

Ex.: Aperite aliquis (Plin.); abra alguém.
Exoriare aliquis nostris ex ossibus ultor (Verg.); surja dos
nossos restos algum vingador.

374. A interjeição o, freqüente nos poetas, somente se usa em
prosa nas exclamações.

Ex.: O tenebrae, o lutum, o sordes, o paterni generis oblite
(Cic.); ó trevas, ó lodo, ó imundície, ó esquecido da ascendência
paterna.

375. Entre os poetas, o nominativo faz não raro as vezes de
vocativo.

Ex.: Almae filius Maiae! (Hor.); ó filho de Maia criadora!
Adsis laetitiae Bacchus dator et bona Juno (Verg.); acode ó Baco,
portador da alegria, e tu, ó boa Juno.
Vos, o Pompilius sanguis (Hor.); vós, ó descendência de Pompílio.

376. É freqüente, no nominativo, um nome aposto ao vocativo.

Ex.: Nutritus duro, Romule, lacte lupae (prop.); ó Rômulo,
nutrido com o forte leite de uma loba.


TERCEIRA SEÇÃO

SINTAXE DO VERBO

377. Na exposição da doutrina referente aos casos, tivemos já
ocasião de ver a relação entre o verbo e os vários complementos
da oração, sobretudo com os objetos direto e indireto.

Resta-nos agora, pois, estudar o verbo nos seus modos, tempos e
formas nominais, e nas relações que, de oração para oração,
conservam entre si os modos e os tempos: é a construção das
proposições no período, por coordenação e
subordinação. Completar-se-á este assunto com uma vista de olhos
sobre os elementos naturais de ligação - as conjunções.

Sendo neste ponto a sintaxe latina muito parecida com a
portuguesa, não nos demoraremos em explanações que serviriam
apenas para tornar o livro mais volumoso e entediar os alunos.

Excusado é dizer que supomos o conhecimento da proposição, ou
oração, e dos elementos que a compõem.

São noções gerais que os alunos já devem ter, de um sério estudo
de análise lógica.


CAPÍTULO IX

INDICATIVO E SEUS TEMPOS

378. O indicativo enuncia um juízo de um modo positivo, um fato
como real. Emprega-se o indicativo:

1. Nas orações principais (afirmativas, negativas ou
interrogativas.)

2. Nas orações ligadas a outras pelas conjunções seguintes:

De tempo: ut, ubi, quandiu, cum ou quum, priusquam, antequam,
postquam.

De comparação: ut, velut, sicut.

De restrição: prout, quatenus, utcumque.

Condicionais: si.

(OOPS) Supositivas: sive ... sive.

De argumentação: quia, quod, quoniam, si quidem quando,
quandoquidem.

3. Nas orações subordinadas, ligadas à principal por uma das
(OOPS) conjuncionais: qui, qualis, quod, quisquis, quotquot,
quicumque, qualiscumque, quantuscumque, ubi, ubicumque,
quocumque, quoties, quanquam, etsi, etc.

Ex.: Quisquis es, quem quer que sejas.

Helvetii, ubi se paratos esse arbitrati sunt, oppida sua omnia
incendunt (Ces.); os Helvécios, logo que se julgaram preparados,
queimaram todas as suas fortificações.  Romani, quanquam itinere
et (OOPS) praelio fessi erant (T.L.); os Romanos, ainda que
estivessem cansados da marcha e do combate...

379. PRESENTE HISTÓRICO. - Empregam-no todos os autores, e
especialmente os historiadores, na narração, para tornar como que
presente aos olhos do leitor uma ação passada.

Ex.: Quantum mutatus ab illo Hectore qui redit exuvias indutus
Achillis! (Verg.); quão diferente daquele Heitor que volta
(voltou) vestido com os despojos de Aquiles!

380. Alterna frequentemente com o perfeito histórico.

Ex.: Loquendi finem facit, seque ad suos recepit (Ces.); acaba de
falar e vai (foi) para entre os seus.

381. Designa uma ação que se prepara, tendo portanto a
significação de futuro.

Ex.: Tuemini castra; ego reliquas portas circumeo et castrorum
praesidia confirmo. (Ces.); guardai o acampamento; eu percorro
(vou percorrer) as demais portas e reforço as guarnições.

382. IMPERFEITO. - Emprega-se para exprimir uma ação que, em
certo momento do passado, se estava praticando (como em
português) e exprime ainda uma tentativa que pode
falhar. (Imperfeito de conatu).

Ex.: Persuadebam, tentava persuadir.
Consules incerti, quod malum repentinum urbem invasisset,
sedabant tumultus (T.L.); os cônsules perplexos, pois que um
súbito mal tinha invadido a cidade, tentavam apaziguar os
tumultos.

383. Emprega-se também o imperfeito, como o perfeito e mais que
perfeito do indicativo, com o valor de condicional, modo que em
latim se traduz ordinariamente pelo presente ou imperfeito do
subjuntivo.

Ex.: Poterat utrumque fieri, si esset fides (Cic.); poder-se-ia
fazer uma e outra coisa, se houvesse lealdade.

384. No estilo epistolar, supondo-se o escritor no momento em que
o destinatário lê a carta.

Ex.: Nihil habebam quod scriberem (Cic.); nada tenho para te
escrever (nada tinha).

385. PERFEITO. - Exprime sempre uma ação passada, e equivale aos
nossos perfeitos simples e composto. Algumas vezes coloca-se
depois de quum, para indicar um fato anterior ao que exprime o
verbo da oração principal; marca ações repetidas.

Ex.: Quum fortuna reflavit, affligimur (Cic.); quando a fortuna
sopra contrária, ficamos abatidos.

386. MAIS QUE PERFEITO. - Emprega-se algumas vezes em lugar do
perfeito e do imperfeito.

Ex.: Non sum qui fueram (Ov.); não sou o que era ou fui.

387. FUTURO. - O futuro perfeito (futurum exactum) denota uma
ação futura que se efetuará num determinado momento por vir,
chamando mais a atenção sobre o resultado que sobre a ação em si
mesma.

Ex.: Cum tu haec leges, ego illum fortasse convenero (Cic.);
quando tu isto leres, já eu me terei talvez encontrado com ele.

388. Exprime ainda o resultado que deve dar uma ação já efetuada.

Ex.: Sin plane occidimus, ego omnibus meis exitio fuero (Cic.);
se pelo contrário caímos por completo, serei fatal para todos os
meus.

389. Com a força perifrástica do particípio do futuro, exprime-se
uma ação que está a ponto de efetuar-se.

Ex.: Cum jam apes evolaturae sunt (Varr.); quando as abelhas
estão para levantar o vôo.

390. O futuro emprega-se em latim com a conjunção si, quando o
verbo da oração principal está também no futuro.

Ex.: Naturam si sequemur ducem nunquam errabimus (Cic.); se
seguirmos como guia a natureza, nunca erraremos.

391. Significa ainda a rapidez com que uma coisa se fará.

Ex.: Primus impetus castra ceperit (T.L.); o primeiro assalto
tomará o acampamento. (Terá tomado).


CAPÍTULO X

IMPERATIVO

392. O imperativo é o modo pelo qual se expressa a vontade, sob a
forma de uma ordem, pedido ou exortação.

Tem, como notamos, presente e futuro, conforme se vê pelo
conhecido exemplo de Plauto: Cras petito, dabitur; nunc abi, pede
amanhã, dar-se-te-á; por agora, vai-te.

Convém notar que o imperativo presente se emprega a miúdo pelo
imperativo futuro; só muito raramente se dá o inverso.

393. IMPERATIVO FUTURO. - Emprega-se de preferência no texto das
leis e dos tratados, nos preceitos morais que se dão como norma
para o futuro.

Ex.: Ignoscito saepe alteri nunquam tibi, perdoa muitas vezes aos
outros, nunca a ti mesmo.

394. Como o subjuntivo se funde com o optativo, supre o
imperativo na primeira e terceira pessoa; há, porém, uma terceira
pessoa para o imperativo futuro.

Ex.: Parentes diligamus, amemos nossos pais.
Duo sunto consules (Cic.); há de haver dois cônsules.

395. A proibição exprime-se pelo presente do subjuntivo,
precedido de ne, nas primeiras e terceiras pessoas.

Ex.: Ne prosequamur, não sigamos por diante.
Ne prosequatur, não siga por diante.

396. Com as segundas pessoas emprega-se o pretérito perfeito do
subjuntivo, equivalente a um subjuntivo aoristo, e, raramente, o
imperativo; é freqüente o imperativo noli.

Ex.: Hoc ne dixeris, não digas isso.
Ne saevi, magna sacerdos (Verg.); não te enfureças, grande
sacerdotisa.
Tu ne cede malis, sed contra audentior ito (id.); não cedas a
contratempos, mas, ao contrário, prossegue com maior ânimo.
Noli oblivisci te Ciceronem esse (Cic.); não te esqueças de que
te chamas Cícero.

397. Temos ainda as expressões cave, fac ne.

Ex.: Cave verbum facias, não digas palavra.
Fac ne venias, não venhas.

398. Age antepõe-se a outros imperativos, e é muitas vezes
acompanhado da expressão sis (si vis).

Ex.: Age sis, roga, anda, por favor, pede.

399. Como frase de cumprimento, empregavam os latinos jubemus te
valere, passa bem; para suavizar uma ordem: velim hoc facias,
faze isto; fac ut sciam, informa-me, etc.

400. Na conversação e na discussão emprega-se comumente esto,
seja.


CAPÍTULO XI

SUBJUNTIVO E SEUS TEMPOS

401. O subjuntivo (ou conjuntivo) enuncia uma ação mais vagamente
que o indicativo, em relação com uma outra, e com idéia de
dependência.

Emprega-se o subjuntivo:

1. Nas proposições hipotéticas, para exprimir a ação condicional.

2. Nas orações que exprimem desejo, ordem, exortação.

3. Nas orações substantivas, (depois de facio, accidit, etc., com
ut).

4. Nas orações condicionais, onde a ação é dada somente como
possível, impossível ou duvidosa.

5. Nas orações temporais (depois de cum, postquam, dum, etc).

6. Nas orações relativas (qui, quem, cujus).

7. Nas orações consecutivas (adeo, ita, talis, hic, is - ut).

8. Nas orações causais.

9. Nas orações finais (ut, quo, a fim de que).

10. Nas orações concessivas (quamquam, quamvis, licet, etc.)

11. Nas interrogações indiretas.

12. Pode às vezes substituir o indicativo, nas proposições
independentes, como no discurso indireto.

De todas estas modalidades do subjuntivo daremos no decorrer do
assunto freqüentes exemplos.

402. SUBJUNTIVO HIPOTÉTICO. - Nas proposições independentes,
usa-se muitas vezes o subjuntivo para exprimir uma suposição, uma
hipótese.

Ex.: Ne sit summum malum dolor (Cic.); suponhamos que a dor não é
o maior mal.
Vendat aedes vir bonus (id.); suponhamos que um homem honesto
vende uma casa.

403. SUBJUNTIVO POTENCIAL. - Exprime uma possibilidade, e algumas
vezes adoça uma afirmação.

Ex.: Possim aliquo modo ignoscere (Cic.); poderia até certo ponto
perdoar.
Vix verosimile fortasse videatur (id.); apenas parecerá
verossímil.

404. SUBJUNTIVO OPTATIVO. - Foi esta a primeira função do
subjuntivo - exprimir um desejo.

Ex.: Tum me, Jupiter optime maxime, leto adficias (T.L.); dá-me
então a morte, ó Júpiter soberano.
Dii faxint (Cic.); permitam os deuses.
Dii illas deaeque perdant (Sen.); deuses e deusas as lancem a
perder.
Inteream, peream, que eu morra.

405. Nas frases negativas, emprega-se ne, e raramente non.

Ex.: Denique isto bono utare dum adsit, cum absit ne requiras
(Cic.); finalmente goza deste bem, enquanto o houver, quando
falte, não o procures.

406. A expressão de desejo torna-se mais forte com as partículas
utinam, e, entre os poetas, ut, ou si.

Ex.: Utinam neges (Cic.); oxalá negues.
O mihi praeteritos referat si Juppiter annos? (Verg.); ó se
Júpiter me restituísse os anos que já lá vão!

407. Para exprimir desejo, e por cortesia, empregam-se os
substantivos velim, nolim, malim, que Madvig diz não serem
optativos, porquanto eles já de si denotam vontade,
independentemente do modo.

Ex.: Quidquid veniet in mentem scribas velint (Cic.); escreve-me
tudo o que te ocorrer.

408. SUBJUNTIVO DUBITATIVO. - Emprega-se nas interrogações, para
exprimir a dúvida, a perplexidade.

Ex.: Quid faciam? que fazer?

409. IMPERFEITO DO SUBJUNTIVO. - Emprega-se nas proposições
principais hipotéticas, com relação ao presente, e nas
condicionais.

Ex.: Possem id facere, si vellem, poderia fazer isto, se
quisesse.

410. MAIS QUE PERFEITO. - Marca uma suposta ação, não realizada
no passado.

Ex.: Urbes vero, sine hominum coetu, non potuissent nec
aedificare nec frequentari (Cic.); as cidades, porém, sem a
reunião dos homens, nem se teriam podido edificar nem frequentar.

411. PERFEITO. - Equivale ao nosso perfeito do subjuntivo, e
serve para denotar uma ação que se terá ou poderá ter realizado
em relação com uma outra, no passado ou no futuro. Por ela se
exprimem os preceitos morais.

Ex.: Interroga cur, unde venerim (Sall.); pergunta porque e donde
tenha eu vindo.
Neutrum asseveraverim (Tac.); não teria asseverado nem uma coisa
nem outra.
Quid non sit, citius quam quid sit, dixerim (Cic.); mais depressa
poderei dizer o que não é, que aquilo que é.


CAPÍTULO XII

INFINITIVO E SEUS TEMPOS

412. O infinitivo é considerado como um substantivo indeclinável,
podendo, por isso, empregar-se como nominativo e como acusativo.

413. Fazendo as funções de sujeito, pode o infinitivo ter como
predicativo um nome, ou um adjetivo no gênero neutro.

Ex.: Turpe est mentiri, é vergonhoso mentir.
Vacare culpa magnum est solatium (Cic.); estar livre de culpa é
grande consolação.

414. Pode servir também de complemento, e ser acompanhado de um
adjetivo.

Ex.: Vincere scis, sabes vencer.
Graiis dedit ore rotundo musa loqui (Hor.); a musa deu aos gregos
uma linguagem harmoniosa.
Reddes dulce loqui, reddes ridere decorum (id.); restituir-me-ás
o meu doce falar, o meu agradável sorrir.

415. INFINITIVO COMPLEMENTO. - Pedem o infinitivo como
complemento os verbos seguintes.

Audeo, cogito, cupio, debeo, coepi, incipio, desino, maturo,
pergo, possum, scio, soleo, studeo, valeo, volo, e muitos outros,
sobretudo no século que se seguiu ao de Augusto.

Convém notar que há verbos que se podem construir como infinitivo
ou com uma conjunção e o subjuntivo.

416. INFINITIVO POÉTICO. - Depois dos verbos do e seus compostos
reddo, trado, etc, emprega-se o infinitivo, no sentido
indeterminado que é próprio deste modo. É construção muito
seguida pelos poetas.

Ex.: Dederat comam diffundere ventis (Verg.); deixara flutuar aos
ventos a cabeleira (OOPS) (isto é: tinha deixado aos ventos a
ação de fazer flutuar a cabeleira).

417. INFINITIVO DEPOIS DOS PARTICÍPIOS. - O infinitivo pode ainda
ser complemento de um particípio, como paratus, assuetus, etc.,
sobretudo entre os historiadores.

Ex.: Parati omnia perpeti (Ces.); prontos para tudo suportar.
Assuetus exire mari (Plin.); acostumados a sair do mar.

418. Os poetas folgam em usar o infinitivo, depois de certos
adjetivos, como dignus e outros que na prosa se constroem com o
gerúndio.

Ex.: Dignus lege regi (Hor.); digno de ser regulado por uma lei.
Cedere nescius (id.); que não sabe ceder.
Certa mori (Verg.); determinada a morrer.

419. INFINITIVO SUBSTANTIVADO. - O infinitivo substantivado
encontra-se, como em português, regido de preposições, como inter
e praeter.

Ex.: Inter optime vivere et gravissime aegrotare nihil prorsus
interesse dicebant (Cic.); diziam não haver diferença alguma
entre gozar ótima saúde e estar gravemente enfermo.
Nihil praeter plorare (OOPS) (H.); nada mais que o chorar.

420. INFINITIVO HISTÓRICO. - Para dar mais vivacidade à narração
e para evitar repetição de outros tempos, emprega-se o infinitivo
presente, chamado histórico.

Ex.: Omnes per urbem discurrere pavidi, alii alios sciscitare,
auctorem nuntii requirere (Ces.); todos corriam aterrorizados,
pela cidade, interrogavam-se uns aos outros, procuravam o autor
da notícia.
At Romae ruere in servitutem consules, patres, equites (Tac.);
mas em Roma todos se precipitaram na servidão, cônsules,
senadores, cavaleiros.

421. INFINITIVO EXCLAMATIVO. - Como em português, o infinitivo
emprega-se independentemente de qualquer verbo anterior, nas
proposições exclamativo-interrogativas.

Ex.: Mene incepto desistere victam? (Verg.); eu, vencida,
desistir do meu plano?

422. PROPOSIÇÃO INFINITIVA. - As orações que depois de certos
verbos colocamos em português no modo finito com a integrante
que, vão em latim para o infinito, com o sujeito no acusativo.

Ex.: Credo te flere, creio que tu choras.
Democritus dicit innumerabiles esse mundos (Cic.), Demócrito diz
que os mundos são inumeráveis.

423. Pedem esta construção os verbos que significam dizer, crer,
saber, anunciar, mostrar, advertir, pensar, sentir, experimentar
uma emoção de espírito, ver, ler, ensinar, aprender, mandar,
prometer, forçar, rogar, e certas expressões compostas, com valor
semelhante.

424. Depois dos verbos que significam prometer, esperar,
emprega-se de preferência o infinitivo futuro.

Ex.: Pollicentur se obsides daturos esse, prometem que não darão
reféns.

425. O infinitivo futuro pode substituir-se pela perífrase fore
ut, futurum esse ut, com o verbo no subjuntivo; esta substituição
torna-se necessária, quando o verbo não tem infinitivo futuro.

Ex.: Spero fore ut vincas, espero que venças.

426. Na proposição infinitiva, expressa-se frequentemente um
pronome reflexo que se refere ao sujeito da oração principal.

Ex.: Cupio me esse clementem (Cic.); desejo ser clemente.

427. Alguns verbos que têm comumente o infinitivo com acusativo,
usados na passiva, constroem-se com o sujeito e o predicativo em
nominativo. Tais são: dico, credo, trado, fero, existimo, puto,
etc.

Ex.: Petrus dicitur esse bonus, diz-se que Pedro é bom.
Vulpes ad coenam dicitur ciconiam invitasse (Phed.); diz-se que a
raposa convidou a cegonha para o jantar.

NOTA. - O verbo videor, chamado depoente, e que não é mais que a
voz passiva de video, pertence ao número dos que têm esta
construção. Nem o aluno terá dificuldade em compreendê-la, se
como tal o considerar, nas frases (OOPS) ocurrentes. Por exemplo:
à frase "parece-me que teu pai é muito rico" deve dar-se-lhe este
giro: "teu pai é visto por mim ser muito rico" que será em latim:
pater tuus videtur mihi esse ditissimus. O mesmo acontece com
dico e fero, na voz passiva. Na construção com o verbo videor, o
agente da passiva (objeto indireto em português) vai para dativo,
imitando a sintaxe grega.

428. Mesmo com outros verbos, os poetas latinos suprimem o
pronome sujeito da proposição infinitiva, e referem o predicativo
diretamente ao sujeito da oração principal.

Ex.: Vir bonus et sapiens dignis ait esse paratus (Hor.); o homem
bom e avisado declara estar à disposição dos que o merecem.
Sensit medios delapsus in hostes (Verg.); percebeu que tinha
caído no meio dos inimigos.

429. A proposição infinitiva pode servir de sujeito a um verbo
impessoal, ou tomado impessoalmente, ou a um verbo na terceira
pessoa, acompanhado de predicativo.

Ex.: Constat ad salutem civium inventas esse leges (Cic.); é
sabido que as leis foram imaginadas para defesa dos cidadãos.

430. Com os verbos licet, prodest, etc., seguidos de esse, fieri,
videri e análogos, o sujeito da frase infinitiva vai, como já
dissemos para o dativo.

Ex.: Nec profuit equis velocibus esse (Ov.); de nada serviu aos
cavalos o serem velozes.

431. INFINITIVO PRESENTE. - O infinitivo presente corresponde ao
presente e ao imperfeito. Emprega-se com os verbos jubeo, veto,
etc., apesar de significarem eles uma ação futura.

Ex.: Caesar jussit castra moveri (Ces.); César mandou levantar o
acampamento.

432. INFINITIVO PRETÉRITO. - Como em português, corresponde em
latim ao mais que perfeito, depois de um verbo no pretérito.

Ex.: Credidi te adfuisse, cuidei que tinhas estado presente.

433. O pretérito infinitivo passivo emprega-se frequentemente,
depois dos verbos volo, nolo cupio.

Ex.: Sociis maxime lex consultum esse vult (Cic.); a lei quer que
se vele sobretudo pelos intresses dos aliados.

434. INFINITIVO FUTURO. - Além de exprimir ação que se realizará
num tempo ainda por vir, corresponde ao nosso condicional, depois
de um verbo no pretérito.

Ex.: Non praevidit se occisum iri, não previu que seria morto.

435. Apesar de indeclinável, por ser composto de um supino e do
infinitivo passivo do verbo eo, pode ser seguido de um adjetivo
que com ele concorde.

Ex.: Arbitrantur se beneficos visum iri (Cic.); crêem que serão
tidos como benfeitores.

436. A forma fuisse, depois do particípio do futuro, emprega-se
para exprimir uma ação que se daria ou não, conforme se desse, ou
não, certa modalidade. Depois do presente, equivale ao
condicional composto.

Ex.: Credo illos profecturos fuisse, si..., creio que eles teriam
partido, se...

OBSERVAÇÕES

Guardia e Wierzeyski insurgem-se contra a regra empírica, que
ensinam comumente os gramáticos, de que a oração no infinitivo
exija o sujeito no acusativo.

Começando por declarar que tal função repugna ao acusativo, "o
qual no princípio marcou o movimento, a direção de um agente para
um objeto", dizem que só se pode explicar tal fenômeno, tomando o
infinitivo por um nome verbal, como realmente é. Apóiam esta
teoria com uma citação de Bopp que notou construção idêntica nas
línguas grega e gótica, considerando nelas o infinitivo como o
sujeito, e, por conseguinte, como nominativo.

O mesmo se dá no latim: o infinitivo é o sujeito, e o acusativo é
um adjunto de parte, de referência, como nas construções que se
encontram a cada passo nos poetas: oculos dejecta decoros, etc. E
explicam assim a oração infinitiva no exemplo seguinte: ipsum
consulem manere Romae optimum visum est - manere Romae, o ficar
em Roma, ipsum consulem, no que diz respeito ao mesmo cônsul,
optimum visum est, pareceu o melhor.

Não há dúvida que a argumentação destes autores convence; mas,
prescindindo, na prática, da origem de tal construção,
continuaremos a considerá-la como uma verdadeira proposição, pois
há nela, bem expresso, um enunciado.


CAPÍTULO XIII

FORMAS NOMINAIS DO VERBO

437. Os particípios têm a natureza do nome e a do verbo. Como
nomes, declinam-se e seguem as regras de concordância do adjetivo
com o substantivo, podendo empregar-se substantivadamente. Como
verbos, podem ser acompanhados de objeto, com ou sem preposição;
têm o valor de ativos ou de medio-passivos, e as formas
correspondentes às três divisões principais do tempo: passado,
presente e futuro.

438. PARTICÍPIO DO PRESENTE. - Como nome verbal, o particípio do
presente compartilha a natureza do adjetivo e como tal se
emprega; admite comparativo e superlativo e pode acompanhar um
genitivo restritivo.

Ex.: Sui prodigus, aliene appetens (Sall.); pródigo do que é seu,
cobiçoso do que é dos outros.

439. Como modo, o particípio do presente conserva os complementos
do verbo a que pertence; indica, não o estado, mas a ação;
substitui orações adjetivas e adverbiais.

Ex.: Gallus, escam quaerens, margaritam reperit (Phedro); um
galo, procurando alimento, encontrou uma pérola.

440. Designa ainda este particípio a situação em que se encontra
o sujeito do verbo principal, quando se efetua a ação deste.

Ex.: Plato uno et octogesimo anno scribens est mortuus (Cic.);
Platão morreu escrevendo, aos oitenta e um anos.

- Note-se a expressão: amans virtutis, amante da virtude; amans
virtutem, que ama a virtude.

441. Depois dos verbos audio, video, sentio, e semelhantes,
usa-se geralmente o particípio do presente, em aposição ao objeto
direto.

Ex.: Vidi eum egredientem, vi-o sair, quando saía.
Audivi eos loquentes, ouvi-os falar, quando falavam.

442. PARTICÍPIO DO PRETÉRITO. - O particípio do pretérito
designa, de um modo geral, um ato já completo; quando empregado
com o verbo habeo, indica que esse ato ainda dura, durava ou
durou.

Ex.: Suas in Asia pecunias collocatas habebat (Cic.); tinha o seu
dinheiro colocado na Ásia.

443. O particípio do pretérito dos verbos depoentes tem, em
geral, significação ativa, designando, as mais das vezes, a ação
no presente.

Ex.: Vocem imitata tubarum (Verg.); imitando o som das trombetas.

444. Alguns verbos intransitivos têm o particípio do pretérito
com significação passiva.

Ex.: Terra regnata Lycurgo (Verg.); terra onde reinava Licurgo.

445. PARTICÍPIO DO FUTURO. - Este particípio designa o que há de,
o que deve, o que tem de acontecer; com os verbos de movimento
denota o fim, a intenção.

Ex.: Venerunt castra oppognaturi (T.L.); vieram por cerco ao
acampamento.

446. O particípio passivo em -dus, que significa dever,
obrigação, só tem verdadeiramente a significação de futuro,
depois dos verbos curo, do trado, mitto, concedo, accipio,
suspicio, relinquo, e outros que indicam um fim ou destino.

Ex.: Pueris sententias ediscendas damus (Sen.); damos aos meninos
sentenças para aprender.

447. Junto com qualificativo a um substantivo, o particípio em
-dus responde aos nossos adjetivos em -vel.

Ex.: Vix ferendus dolor (Cic.); dor apenas suportável.

448. GERÚNDIO. - Ogerúndio supre os casos que faltam ao
infinitivo presente, depois de certos verbos, adjetivos e
substantivos que demandam esta forma, regida em português de
preposição.

449. O gerúndio em -di, ou genitivo, emprega-se nos adjuntos
restritivos, depois de substantivos e adjetivos.

Ex.: Sapientia est ars vivendi (Cic.); a sabedoria é a arte de
viver.
Cupidus loquendi, desejoso de falar.

450. O gerúndio em -do, ou dativo, emprega-se depois dos verbos e
adjetivos que pedem este caso.

Ex.: Apta natando ranarum crura (Ov.); as pernas das rãs são
aptas para nadar.

451. O gerúndio em -do, ablativo, indica o modo, o meio, a causa,
sendo por vezes acompanhado das preposições a, ab, de, ex, in.

Ex.: Injurias ferendo, laudem merebere (Cic.); suportando
injustiças, merecerás estima.
Prohibenda est ira in puniendo (id.) é preciso evitar a cólera no
ato de punir.

452. O gerúndio em -dum, acusativo, emprega-se com a preposição
ad, e algumas vezes com in, inter, ob.

Ex.: Homo ad agendum est natus (Cic.); o homem foi feito para a
ação.
Ante domandum ingentes tollunt animos (Verg.); antes de domar são
cheios de fogo.
- Note-se, neste último exemplo, o sentido indeterminado do verbo
no infinito ativo, dando aqui a idéia de passivo.

453. Os gerúndios guardam a força verbal, e, como verbos, têm
objeto direto e indireto, embora muito raro com o gerúndio em
-do.

Ex.: Potestas liberandi captivos a vinculis (Cic.); o poder de
libertar os cativos dos grilhões.

454. Quando o gerúndio é acompanhado de um substantivo, concorda
de ordinário com este substantivo em gênero, número e caso,
transformando-se no particípio em -dus, de significação passiva.

Ex.: Tempus legendi librum, tempo de ler o livro; ou: tempus
legendi libri, tempo de ser lido o livro.
In voluptate aspernanda virtus cernitur, (Cic.); mostra-se a
virtude em desprezar o prazer.

455. O verbo sum acompanha o particípio do futuro no dativo e
genitivo, e videor no genitivo.

Ex.: Divites ... qui oneri ferendo essent (T.L.); os ricos que
estivessem em estado de suportar esse peso.
Quaeque conciliandae misericordiae videbantur (Cic.); e tudo o
que parecia próprio a excitar a piedade.

456. Em vez de gerúndio, emprega-se às vezes o presente do
infinitivo, sobretudo entre os poetas; esta construção é comum,
depois das expressões consilium est, tempus est, mos est.

Ex.: Tempus est abire, é tempo de partir.
- Note-se que este infinitivo deve considerar-se, não como
restritivo, mas como sujeito: como quem dissesse: abire est
tempestivum.

457. O gerúndio empregado sem complemento, é um verdadeiro
substantivo.

Ex.: Ad res diversissimas, parendum et imperandum (T.L.); para
coisas muito diferentes, obedecer e mandar.

458. SUPINO. - O supino tem três casos: acusativo em -um, e
dativo e ablativo em -u. É, como o gerúndio, um nome verbal; a
sua forma em -um constrói-se com todos os complementos que pede o
verbo de que ele é tirado.

459. Como acusativo, o supino em -um constrói-se com os verbos de
movimento, para exprimir o fim. Tais são: eo, mitto, venio, duco,
voco, etc.

Ex.: Non ego graiis servitum matribus ibo (Verg.); não irei eu
para servir às mães gregas.

460. O supino em -u não é passivo, como corria entre os
gramáticos antigos; acompanha os adjetivos facilis, dignus,
mirabilis, incredibilis, optimus, jucundus, miserabilis, etc.;
bem como fas, nefas, opus est. Isto vê-se sobretudo nos autores
antigos, em exemplos como estes: primus cubitu surgat (Cic.);
obsonatu redeo (Pl.); optumum facto (id.). Deles se chega quase à
conclusão de que a forma em -u, comumente usada nos clássicos,
depois de certos adjetivos, é um dativo e não ablativo. Sobretudo
comparando-os com expressões como estas: esui jucunda (Col.);
lepida memoratui (Pl.) potui jucunda (Plin.); ao lado de
difficile concoctu (id.).

- Tácito constrói-o com pudet: pudet dicto.

- Note-se que o número de supinos em -u é restrito, no período
clássico; os principais são: auditu, dictu, factu, inventu,
memoratu, natu, visu, cognitu, intellectu, responsu, scitu,
tactu.


QUARTA SEÇÃO

PROPOSIÇÕES E PARTÍCULAS CONECTIVAS

461. Tratando nesta seção das proposições, ou orações, e das
partículas que as ligam entre si, omitiremos falar daquelas que,
sendo independentes, não oferecem nenhuma particularidade no
assunto, como as optativas, potenciais, etc.

Da proposição infinitiva falamos no capítulo XII. Resta-nos,
portanto, dizer alguma coisa sobre as proposições interrogativas,
em particular, passando depois às subordinadas e seus conectivos,
numa rápida exposição.


CAPÍTULO XIV

PROPOSIÇÕES INTERROGATIVAS

462. INTERROGAÇÃO DIRETA SIMPLES. - No período ante-clássico, e,
raramente, no clássico, encontra-se a interrogação direta sem que
vá acompanhada de partícula alguma; a regra, porém, é que na
interrogação simples direta se usem as partículas interrogativas
ne, nonne, num, an.

463. ENCLÍTICA NE. - Esta partícula vem sempre posposta e unida à
palavra mais importante que deve ocupar, na proposição, o
primeiro ou segundo lugar, raramente o terceiro; emprega-se
geralmente, quando a resposta tanto pode ser afirmativa como
negativa.

Ex.: Cum omnibusne pax esse possit? (Cic.); poderá porventura
haver paz com todos?
Hoc placetne veteranis? (id.); agradará isto aos veteranos?

464. A enclítica ne não se repete de ordinário, quando se dá uma
série de interrogações; na linguagem popular a partícula ne
perdia o -e final, em certas expressões como tun, por tune, vin,
por visne, satin, por satisne, quin, por qui ne, etc.

Ex.: Tanton me crimine dignum duxisti? (Ver.); julgaste-me capaz
de tamanho crime?
- Unida à partícula demonstrativa ce, esta muda-se em ci: hicine,
huncine, hocine, etc.

465. PARTÍCULA NONNE. - Emprega-se esta partícula, quando se
espera uma resposta afirmativa.

Ex.: Nonne perspicuum est? (Cic.); não está claro?

466. Se ocorrem mais interrogações, usa-se nonne na primeira, e
non nas demais; só se repete nonne para fazer sobressair a
insistência.

467. PARTÍCULA NUM. - Emprega-se, quando se espera uma resposta
negativa.

Ex.: Num negare audes? (Cic.); ousarás porventura negar?

- Esta partícula foi antigamente um advérbio de tempo (nunc.):
num moror? (Pl.); ficarei ainda?
Pode ser reforçada com ne e quid: numne? numquid?

468. PARTÍCULA AN. - An, an vero, usa-se como insistência
retórica, sem que se espere resposta alguma.

Precede quisquam, ullus, unquam, usquam: an unquam tale visum
est? viu-se já coisa assim?

469. An encontra-se freqüentemente no início de uma interrogação
direta que vem depois de uma pergunta geral.

Ex.: Quid dices? An Siciliam virtute tua liberatam? (Cic.); que
dirás tu? Que a Sicília foi libertada pelo teu valor?

470. Nas interrogações que contém uma negação, usa-se da
partícula nonne.

Ex.: Canis nonne similis est lupo? (Cic.); não é o cão semelhante
ao lobo?

NOTA. - Para responderem a uma pergunta, os latinos servem-se
geralmente do verbo da oração interrogativa: Videsne? - Video; -
Num vides? - Non video. Mas uma resposta afirmativa pode
exprimir-se igualmente por etiam, ita, utique, sane, sane verum,
quidem; uma resposta negativa por minime; uma resposta
retificadora por imo, imo vero, mas não, mas pelo contrário...

471. - INTERROGAÇÃO DIRETA DUPLA. - Nestas interrogações, também
chamadas disjuntivas, o primeiro membro da frase começa
geralmente por utrum, e algumas vezes por ne, o segundo por an.

Ex.: Ultrum ea vestra, an nostra culpa est? (Cic.); é nossa a
culpa ou é vossa?

472. A expressão ou não, com que no segundo membro se nega o
primeiro, exprime-se por annon ou necne, podendo omitir-se a
repetição do verbo. Neste caso, o primeiro membro carece
geralmente da partícula interrogativa.

Ex.: Sunt haec tua verba necne? (Cic.); são estas as tuas
palavras ou não?

473. INTERROGAÇÃO INDIRETA. - Interrogação indireta é a que se
contém numa proposição objetiva, indicada pelos interrogativos
quis, ecquis, qui, qualis, quantus, quot, uter, etc., e pelos
advérbios ubi, quo, unde, qua, quam, cur, quomodo, utrum, ne, an,
num, etc.

Esta interrogação pode depender não só dos verbos, como peto,
quaero, interrogo, mas também de outros verbos e expressões que
supõem uma interrogação mental, como dubito, dubium est, ignoro,
scio, cogito, etc.

Ex.: Interroga cur, unde venerim, pergunta porque e donde vim.
Archimedes ab ignaro milite quis esset interfectus est (T.L.);
Arquimedes foi morto por um soldado que ignorava quem ele fosse.

474. INTERROGAÇÃO INDIRETA SIMPLES. - Na interrogação indireta
simples, usa-se das partículas ne, num, na dúvida de uma resposta
negativa ou afirmativa, e nonne, quando se pressupõe a resposta
afirmativa.

Ex.: Quaeritur idemne sit pertinacia et perseverantia,
pergunta-se se é a mesma coisa a pertinácia e a perseverança.

475. Depois dos verbos que significam tentar, esperar, como
"como", video, experior, tento, expecto, pode empregar-se a
conjunção si.

Ex.: Hostes tentabant si egredi possent, os inimigos tentavam ver
se podiam sair.

476. INTERROGAÇÃO INDIRETA DUPLA. - Constrói-se com as mesmas
partículas que interrogações diretas duplas, tendo o verbo no
subjuntivo.

Ex.: quaero a te utrum aeger sis an valeas, ou aegerne sis an
valeas, pergunto-me se estás doente ou tens saúde.

- Note-se que Cícero reforça utrum com ne: utrune; da mesma sorte
reforça an: anne, nas interrogações duplas.

477. PROPOSIÇÕES DUBITATIVAS. - Como vimos atrás, dão-se estas
proposições, depois dos verbos e expressões que designam dúvida,
e pressupõem uma interrogação mental: participam assim da
natureza das interrogativas.

478. Se a proposição dubitativa for simples, isto é, se constar
de um só membro, exprime-se no subjuntivo com as partículas an,
annon, num ou ne.

- An exprime uma certa propensão para o sim: dubito an hoc vero
sit, duvido se isto será verdade (talvez seja).

- Annon exprime certa propensão para o não: haud scio annon hoc
sit melius, não sei se isto será melhor (talvez que não).

- Num ou ne exprimem certeza absoluta; nolito facere quod dubitas
num liceat, não faças o que duvidas se é lícito.

479. Se a proposição dubitativa consta de dois membros,
exprime-se também no subjuntivo, usando-se no primeiro membro
utrum ou ne (ou omitindo-se a partícula) e no segundo an (ou ne
se no primeiro se omitiu a partícula).

Ex.: Dubito, nescio utrum hoc sit verum an falsum - verumne hoc
sit an falsum.

480. A partícula quin vem sempre precedida de uma proposição
negativa, ou interrogativa com sentido negativo, como non dubito,
non est dubium, quis dubitat, etc.

Ex.: Non dubito quin venturus sis, não duvido que venhas (estou
certo).

Quis dubitat quin venturus sis?
- Note-se a diferença entre quin e quin non: non dubito quin
venturus non sis, não duvido que não venhas (estou certo que não
virás).

481. Se dubito não tem negação (estou incerto, não sei se) pede
após si uma proposição interrogativa indireta com num ou ne.

Ex.: Dubito venturusne sis, num venturus sis, duvido se virás.

482. Dubito, quando significa simplesmente hesitar, constrói-se
com infinitivo.

Ex.: Codrus non dubitavit pro patria vitam ponere, Codro não
hesitou em dar a vida pela pátria.

483. A partícula quin emprega-se também como relativa em lugar do
nominativo qui non, quod non, e às vezes quae non, depois de nemo
est, nullus est, nihil est, e depois das interrogações figuradas
(equivalentes a proposições negativas) que abrem com quis est?
quid est? Depois de uma oração principal negativa, tem o valor da
locução (OOPS) conjuncional sem que.

Ex.: Quis est quin cernat quanta vis sit in sensibus? quem há que
não veja quanta força há nos sentidos?
Dies nullus est quin veniat (Cic.); não passa dia nenhum sem que
ele venha.
Nemo fuit militum quin vulneraretur (Cic.); não houve um soldado
que não fosse ferido.

OBSERVAÇÕES

Para as interrogações diretas, comuns, são bem conhecidos os
pronomes quis, quid, funcionando como substantivos; qui, quod,
como adjetivos; uter, utra, utrum, quando se fala de dois. Temos
ainda quando, quomodo e, sobretudo depois de possum e fio, a
forma adverbial qui: Qui fiat ut nemo vivat sua sorte contentus?
Como é que ninguém vive contente com sua sorte?

Porque, interrogativo, traduz-se por cur, nas interrogações
diretas, por quare, nas indiretas.

"Porque não" traduz-se regularmente por cur non e também por
quin, com o indicativo.


CAPÍTULO XV

PROPOSIÇÕES SUBSTANTIVAS

484. As proposições substantivas, chamadas também completivas e
integrantes, guardam a equivalência de verdadeiros substantivos,
servindo de sujeito, de objeto, de predicativo, etc. Já tratamos
das infinitivas e das interrogativas diretas: cumpre-nos falar
agora daquelas que vêm ligadas por conjunções subordinativas,
acompanhadas do subjuntivo.

485. CONECTIVOS UT, NE. - Empregam-se as conjunções ut, ne, com
os verbos que designam manifestação da vontade, mandado, ordem,
deliberação, como praecipio, mando, impero, decerno, censeo,
persuadeo, hortor, opto, oro, postulo, curo, interdico, video,
permitto, etc.

486. Emprega-se igualmente ut, depois dos verbos unipessoais
accidit, oportet, contingit, evenit, fit, efficitur, de várias
expressões, como: mos est, natura fert, aequum est, futurum est,
longe abest, etc.

Ex.: Fieri potest ut errem, é possível que eu erre.

487. A conjunção ut omite-se comumente, depois dos verbos nolo,
malo, oportet e outros, como em português a conjunção integrante
que.

Ex.: Tu ad me scribas velim (Cic.); desejo que me escrevas.

488. Com os verbos que significam temer, recear, emprega-se ut,
se se deseja que o fato aconteça; ne, desejando-se que não
aconteça.

Ex.: Timeo ut veniat, temo que não venha.
Timeo ne veniat, temo que venha.
Vereor ne laborem augeam (Cic.); receio aumentar o meu trabalho.
Timeo ut labores sustineas (id.); temo que não suportes as
fadigas.

489. UT NON, NE NON. - Com os verbos que significam "um esforço",
e com efficio, adipiscor, em vez de ne emprega-se ut non: Enitor
ut non cadat, esforço-me para que não caia. Em vez de ut
encontra-se também ne non.

Ex.: Timeo ne non impetrem (Cic.); temo de não alcançar.

490. Depois dos verbos que indicam um impedimento, um obstáculo,
como prohibeo, impedio, deterreo, obsto, detineo, etc.,
emprega-se quominus e ne, e às vezes quin.

Ex.: Nec aetas impedit quominus agri colendi studio teneamur
(Cic.); nem a idade impede que nos deixemos levar do gosto pela
agricultura.
Non possum recusare quin, haud multum abet quin, etc.

491. QUOD. - Quod (que, no que diz respeito a, o fato de) pode
abrir uma oração do indicativo que sirva de sujeito ou objeto à
oração principal.

Ex.: Praetereo quod eam sibi domum delegit (Cic.); passo em
silêncio o fato de ele ter escolhido para si esta morada.

NOTA. - Esta construção, na época clássica, supõe quase sempre
como correlativo de quod um pronome demonstrativo na proposição
principal, tratando-se dos verbos dicendi e sentiendi.

OBSERVAÇÕES

1. Muitos verbos constroem-se com infinitivo e com subjuntivo; na
leitura dos autores poderá o ouvido familiarizar-se com pequenas
diferenciações de sentido que às vezes (OOPS) importa uma ou
outra destas construções. Também nós em português possuímos não
poucos verbos que se podem construir com subjuntivo ou
infinitivo: manda-os entrar ou manda que entrem.

2. Jubeo constrói-se, em regra, com o infinitivo; isto não impede
que se encontre, no mesmo sentido, empregado também no
subjuntivo: Senatus jussit ut classem in Italiam trajiceret
(T.L.) o senado mandou que fizesse passar a frota para Itália.

Encontra-se mesmo este verbo construído com dativo, e seguido,
(OOPS) já do infinitivo, já de ut e o subjuntivo. Ex.: Hae mihi
literae jubent ad pristinas cogitationes reverti (Cic.). E em
César: Militibus suis jussit ne qui eorum violarentur.

3. Cogo e sino constroem-se comumente com infinitivo.


CAPÍTULO XVI

PROPOSIÇÕES ADJETIVAS

492. As proposições adjetivas equivalem geralmente a um atributo;
além das orações introduzidas pelo pronome relativo qui,
pertencem a este grupo as que começam pelas expressões ut qui,
utpote qui, e pelos advérbios relativos ubi, unde quo, qua, etc.

493. PROPOSIÇÕES RELATIVAS. - As proposições relativas
constroem-se com indicativo, quando trazem à oração principal uma
determinação positiva e real.

Ex.: In epistulis quas ad Caesarem mitto (Cic.); nas cartas que
envio a César.

494. Mas pedem o verbo no subjuntivo:

1. As proposições relativas finais:

Ex.: Haec habui de amicitia quae dicerem (Cic.); a respeito da
amizade tive isto para dizer.

2. As proposições relativas causais.

Ex.: Peccasse mihi videor qui a te discesserim (Cic.); parece-me
ter cometido um delito por me ter afastado de ti.

3. As proposições relativas consecutivas (Depois de is, talis,
etc.)

Ex.: Pax talis quae nihil habitura sit insidiarum (Cic.); uma paz
tal que nada tenha de cilada.

4. As proposições relativas, dependentes de dignus, indignus,
aptus, idoneus.

Ex.: Dignus est qui imperet (Cic.); é digno de mandar.

5. As proposições relativas precedidas de sunt qui, reperientur
qui, nemo est qui, habeo quod, etc.

Ex.: Sunt qui dicant, há quem diga.
Nemo est qui neget, não há niguém que negue.

6. As proposições relativas, precedidas de uma proposição
negativa ou interrogativa, que indique uma suposição; e as
começadas pelos (OOPS) advérbios conjuncionais ubi, unde, etc.

Ex.: Nihil affert quod probet, nada afirma que acompanhe de
provas.
De pueris quid agam non habeo (Cic.); não sei que fazer dos
meninos.
Quis est qui velit? quem há que possa querer?
Aderat fortuna, etiam ubi artes defuissent (Tac.); havia a
fortuna, ainda quando faltassem as artes.
Non habet unde solvat, (OOPS) não tem por onde pague.

7. As proposições relativas condicionais.

Ex.: Haec qui videat nonne cogatur confiteri deos esse? (Cic.);
quem isto veja não será obrigado a confessar que há deuses?
(Qui videat equivale a si quis videat).

8. As proposições relativas concessivas.

Ex.: Quis est qui Fabricii, Curit non cum benevolentia memoriam
usurpet quos nunquam viderit? (Cic.) quem não conservará com
simpatia a lembrança de Fabrício e Cúrio, ainda que nunca os
visse?
(Quos por quamvis, etiamsi)

495. QUIPPE, UTPOTE. - Para marcar uma conseqüência lógica, qui é
geralmente precedido das conjunções quippe, utpote (visto que,
como quem) com o verbo no subjuntivo.

Ex.: Quippe qui perraro veniret (Cic.); visto que ele vinha muito
raramente.
Frater ejus utpote qui peregre depugnarit (id.); seu irmão como
quem tinha combatido no estrangeiro.

- Note-se que utpote se concontra em Cícero com indicativo, para
denotar uma afirmação mais categórica, conforme à índole deste
modo.

496. QUAM QUI. - Depois de uma expressão comparativa, emprega-se
qui, em vez de ut, levando o verbo ao subjuntivo.

Ex.: Haec dicta sunt subtilius quam quae possis agnoscere, isto
foi dito com demasiada sutileza para que possas compreendê-lo.


CAPÍTULO XVII

PROPOSIÇÕES ADVERBIAIS

497. PROPOSIÇÕES TEMPORAIS. - Quando estas exprimem um fato
realizado antes da ação principal, ligam-se à oração principal
com as seguintes conjunções: Postquam, simul ac, simul atque, ut,
ubi primum, as quais se constroem com indicativo.

Ex.: Ubi ea dies venit, aderant (T.L.); logo que chegou aquele
dia, apresentavam-se.

498. Quando as proposições temporais exprimem um fato
contemporâneo da ação principal, empregam-se as conjunções dum,
quoad, donec, com indicativo ou subjuntivo, conforme a
significação: Indicativo, se se quer exprimir o tempo em que,
durante o qual.

Ex.: Gens Lacedaemoniorum fortis fuit, dum Lycurgi leges manebant
(Cic.); os Lacedemônios foram uma nação forte, enquanto vigoravam
as leis de Licurgo.

Subjuntivo, quando se quer exprimir o tempo necessário para
executar qualquer intento.

Ex.: Delitui, dum vela darent, estive escondido até que soltassem
as velas.

- Nesta segunda acepção encontra-se também o indicativo.

Ex.: Donec eris felix, multos numerabis amicos (Ov.); enquanto
fores feliz contarás muitos amigos.

499. Quando as proposições temporais exprimem um fato posterior à
ação principal, ligam-se com esta, mediante as conjunções
antequam, priusquam; no indicativo, se o fato que se exprime é
certo; no subjuntivo, se o fato é incerto, ou só existe no
pensamento.

Ex.: Cui priusquam de ceteris rebus respondeo de amicitia pauca
dicam (Cic.); antes de lhe dar resposta quanto ao mais, direi
alguma coisa da amizade.
Antequam ego in Siciliam veni (id.) antes de eu vir à Sicília.
Postquam in conspectu hostes erant (T.L.); depois que o inimigo
estava à vista.
Tempestas minatur antequam surgat (Sen.); a tempestade ameaça
antes de rebentar.

500. PROPOSIÇÕES CAUSAIS. - As conjunções causais quod, quia,
quoniam, quando, siquidem, quatenus constroem-se com o
indicativo, se exprimem, segundo a opinião do escritor, o motivo,
a ocasião real de uma ação, ou um fato como certo; com o
subjuntivo, se exprimem a causa, segundo a opinião de outrém, ou
um fato duvidoso.

Ex.: Tibi gratias ago quod me omni molestia liberas (Cic.);
agradeço-te porque me livras de todo o embaraço.
Laudat Africanum Panaetius quod fuerit abstinens (Cic.); Panécio
louva Africano por ter sido abstinente.

501. Cum, sempre que é conjunção causal, ou ajunta à idéia de
tempo uma idéia de causa, constrói-se com subjuntivo.

Ex.: Cum vita insidiarum plena sit, ratio ipsa monet amicitias
comparare (Cic.); como a vida está cheia de ciladas, a própria
razão nos persuade a que procuremos ter amigos.
Dionysius, cum in communibus suggestis consistere non auderet,
concionari ex turri alta solebat (id.); Dionísio, não ousando
permanecer nas tribunas públicas, costumava arengar ao povo do
alto de uma torre.

502. PROPOSIÇÕES FINAIS. - As proposições finais exprimem-se no
subjuntivo com ut, se são positivas, com ne, se negativas.

Ex.: Ut, aequato omnium periculo, spem fugae toleret (Ces.); para
que, igualado o perigo de todos, tirasse toda a esperança de
fuga.
Ne diutius vos teneam, judices (Cic.); para não vos demorar mais,
juízes.

503. Antes dos comparativos, em vez de ut, emprega-se geralmente
quo; sucedendo-se várias proposições negativas, na primeira
usa-se ne, nas demais neve ou neu, nunca porém neque.

504. Exprimem-se ainda as orações finais:

1. Com o supino em -um, tratando-se de verbos de movimento: veni
visum, vim ver, para ver.

2. Com os ablativos causa, gratia, e o genitivo do gerúndio: veni
videndi causa, gratia.

3. Com o particípio do futuro ativo: veni visurus.

4. Com o relativo qui e o verbo no subjuntivo: veni qui viderem.

5. Com o acusativo do gerúndio, precedido da preposição ad: veni
ad videndum.

505. PROPOSIÇÕES CONSECUTIVAS. - As proposições consecutivas vêm
geralmente depois de sit, ita, adeo, tam, is, ea, id, tantus,
talis, e palavras de significação equivalente.

506. As proposições consecutivas traduzem-se com ut, se são
afirmativas, com ut non, se negativas, tendo o verbo no
subjuntivo.

Ex.: Neque enim is es, Catilina, ut te aut pudor a turpitudine
revocarit... (Cic.); nem tu, Catilina, és homem a quem o pudor
possa afastar da torpeza...
Reliquos ita perterritos egerunt ut non prius fuga desisterent
quam in conspectum agminis nostri venissent (Ces.); aos demais
assim os perseguiram quando apavorados, que não sustiveram a
fuga, senão quando chegaram à vista do nosso exército.

- Ne, consecutivo, encontra-se às vezes em lugar de ut non,
sobretudo se as proposições têm ao mesmo tempo sentido temporal e
consecutivo.

507. PROPOSIÇÕES CONCESSIVAS. - Quamvis pede ordinariamente
subjuntivo, na prosa clássica, embora se encontrem raros exemplos
com indicativo.

Ex.: Senectus, enim, quamvis non sit gravis (Cic.); a velhice,
pois, ainda que não seja pesada.

Quamvis (OOPS) praelio non interfuissent (Tac.); ainda que não
tinham assistido ao combate.

508. Quamquam constrói-se, entre os clássicos, com o indicativo;
pode ter subjuntivo quando o verbo exprime um sentido
condicional. Tácito prefere o subjuntivo.

Ex.: Quamquam abest a culpa (Cic.); ainda que está longe de culpa.

Camillus, quamquam exercitum assuetum imperio mallet, nihil
recusavit (T.L.); Camilo, embora preferisse um exército
acostumado à disciplina, nada recusou.

509. Etsi, tametsi, etiamsi regem indicativo ou subjuntivo,
conforme se emita uma afirmação como certa ou como duvidosa.

Ex.: Eloquentiae studendum est, etsi ea quidam abutuntur (Cic.);
é necessário estudar a eloqüência, ainda que alguns abusam dela.
Etsi non fueris suasor profectionis meae, approbator certe fuisti
(id.); ainda que não me aconselhaste a partida, aprovaste-a
decerto.

Note-se que esta regra pode estender-se em latim a todas as
conjunções concessivas em geral.

510. Licet, que freqüentemente se encontra destacado, no sentido
verbal, quando conjunção concessiva pede subjuntivo.

Ex.: Improbitas, licet adversario molesta sit, judici invisa est
(Quint.); a falta de probidade, se é molesta ao adversário, é
odiosa ao juiz.

- Quamvis emprega-se freqüentemente com o sentido etimológico de
quanto quiseres.

511. PROPOSIÇÕES CONDICIONAIS. - O verbo das proposições
condicionais põe-se no indicativo, quando a ação enunciada se
considera como real e certa, no subjuntivo, quando se considera
não como real, mas como possível.

Ex.: Si nullum ante consilium inieras, hic nuntius ad te minimi
pertinebat (Cic.); se não tiveras já formado algum projeto, esta
notícia não te dizia respeito de maneira nenhuma.
Hi homines neque adjuvare te debent, si possint, neque possunt,
si velint (id.); estes homens nem te devem ajudar, admitindo que
possam, nem podem, se o queiram fazer.

512. As conjunções que abrem as orações condicionais são: si,
sin, nisi, si non, ni, quasi, sine; raras vezes tamquam, quum,
ubi.


CAPÍTULO XVIII

CORRELAÇÃO DOS TEMPOS ENTRE SI - DISCURSO INDIRETO

513. É este assunto muito ingrato, para ser reduzido a
regras. Para quem tem o ouvido afeito ao português, fácil coisa
será aplicar no período latino a correspondência dos tempos,
consecutio temporum, pois da sintaxe latina procede a nossa em
quase tudo. Neste ponto, os exemplos darão por si maior luz que
toda e qualquer regra que possamos formular.

514. Quando um verbo no subjuntivo depende de outro verbo na
proposição principal, dá-se entre eles a concordância a que
chamaram os gramáticos consecutio temporum.

515. Quando o verbo da proposição principal está no presente ou
no futuro, o verbo da proposição subordinada coloca-se no
presente, a menos que queiramos exprimir a idéia do passado, caso
este em que empregaremos o perfeito do subjuntivo.

Ex.: Curo, curabo ut scias, procuro, procurarei que saibas.
Curabo ut sciveris, procurarei que tenhas sabido.

516. Quando o verbo da proposição principal está num dos tempos
do pretérito, o verbo da proposição subordinada coloca-se no
imperfeito, ou ainda no mais que perfeito, se se trata de uma
ação anterior.

Ex.: Curabam, curavi, curaveram ut scires.
Demonstravi quibus rebus adductus ad causam accessissem (Cic.);
demonstrei por que motivo me tinha resolvido a tomar esta causa.

517. Num e noutro caso, se pretendemos designar expressamente a
idéia de futuro, empregamos, depois do presente, o futuro
perifrástico com sim, e depois dos tempos do pretérito, o futuro
perifrástico com essem.

Ex.: Scio quid facturus sis, sei que o farás.
Sciebam quid facturus esses, sabia o que ias fazer.

518. Equivalendo o presente histórico ao pretérito perfeito, pode
o verbo da oração subordinada que lhe corresponde ir para o
imperfeito do subjuntivo, tendo em vista a relação lógica.

Ex.: Caesar, ne graviori bello occurreret, proficiscitur (Ces.);
César, para não ter que fazer face a uma guerra mais terrível,
decide-se a partir.

519. DISCURSO INDIRETO. - O discurso diz-se direto, quando o
escritor cita as palavras de alguém, interpondo o verbo inquam.

Ex.: Ibo Athenas, inquit, irei a Atenas, diz.

Diz-se indireto, quando as palavras de outrém são incorporadas na
narração, dependentes de um verbo declarativo (narro, dico,
respondeo), relatando apenas o sentido das palavras do discurso
direto.

Ex.: Dixit se iturum esse Athenas, disse que iria a Atenas.

520. As proposições principais, que teriam o indicativo no
discurso direto, têm infinitivo no discurso indireto.

Ex.: Aristoteles ait bestiolas quasdam esse (Cic.); Aristóteles
diz haver certos insetos.

521. As proposições dependentes têm o verbo no subjuntivo.

Ex.: Aristoteles ait bestiolas quasdam esse quae unum diem vivunt
(Cic.); Aristóteles diz haver certos insetos que vivem apenas um
dia.

522. As proposições que no discurso direto têm o verbo no
imperativo, no indireto mudam-se para o subjuntivo.

Ex.: Cicero ad haec unum modo respondit: non esse consuetudinem
populi Romani accipere ab hoste armato condicionem: si ab armis
discedere velint, se adjutore utantur, (utimini) legatosque ad
Caesarem mittant (mittite) (Ces.)

523. Nas orações interrogativas, o discurso indireto pede (OOPS)
já o indicativo, já o subjuntivo.

Ex. Rogat ne se in rebus tam trepidis deserat; quo enim se
repulsos ab Romanis ituros? (T.L.). Quod si veteris contumeliae
oblivisci vellet, num etiam recentiorum injuriarum, quod eo
invito iter per provinciam per vim tentassent... memoriam
deponere posse? (Ces.)

524. Damos a seguir um trecho de Cícero em discurso direto e o
mesmo, citado por Quintiliano, em discurso indireto.

Ars enim earum rerum est quae sciuntur; oratoris autem omnis
actio opinionibus non scientia continetur. Nam et apud eos
dicimus qui nesciunt et ea dicimus quae nescimus ipsi. (De
Or. II,7).

Artem earum rerum esse quae sciantur; oratores omnem actionem
opinione non scientia contineri, qui et apud eos dicat qui
nesciant, et ipse dicat aliquando quod nesciat. (Inst. Or. II,
17).

- Note-se que o escritor pode empregar o indicativo no discurso
indireto, quando inserir na citação de um autor suas próprias
observações.


APÊNDICES

APÊNDICE I

PROSÓDIA E MÉTRICA

Entre gregos e romanos, a versificação fundava-se sobre a medida
do tempo, e não, como entre nós, na tonicidade de umas tantas
sílabas.

Havia, pois, sílabas breves e sílabas longas, isto é, sílabas que
duravam um tempo, e sílabas que duravam dois ou mais tempos. Daí
o chamar-se quantidade à maior ou menor duração de tempo na
pronúncia de uma sílaba.

Da combinação destas sílabas se formavam os compassos que entram
como unidade na composição dos versos latinos.

A estes compassos dava-se o nome de pés, naturalmente por serem
marcados com os pés nas danças populares, onde eram entoadas, com
ritmo certo, as composições, sujeitas, por isso, a metro
determinado e fixo. Não há, por conseguinte, no verso latino a
monotonia da rima de que nós fizemos um artifício exagerado, de
uma estética puramente convencional.

A prosódia trata, pois, da quantidade das sílabas, assinalando
quais as breves e quais as longas.

A métrica expõe as várias combinações das sílabas para formarem
os pés, e a disposição destes na urdidura do verso.

Convém notar que a quantidade de uma sílaba depende, ou da sua
natureza, ou da sua posição.

NOTA. - Na falta dos sinais tipográficos para designar a
quantidade das sílabas, usaremos, para as longas, o acento agudo,
e, para as breves, o acento grave.

II

QUANTIDADE DAS SÍLABAS

SÍLABAS LONGAS POR NATUREZA. - Uma sílaba é longa por natureza:

a. Quando consta de um ditongo ou de uma vogal derivada de
ditongo; aequus, iníquus.

b. Quando consta de vogais que são o resultado de uma contração:
némo, por ne hòmo, búbus, por bòvibus, málo, por màgis vólo.

c. Quando consta de uma vogal que sofreu alongamento, na flexão
ou na formação da palavra; égi, perfeito de àgo; déni, de dec-ni.

NOTA. - Prae, apesar de ditongo, é breve, antes de vogal:
praeustus.

QUANTIDADE DAS SÍLABAS CONFORME A SUA POSIÇÃO. - Uma sílaba
torna-se longa pela posição:

a. se a vogal é seguida de duas consoantes ou de x ou z, letras
dobradas: árs, réx, gáza.

b. Se terminar por uma só consoante, seguindo-se-lhe, porém,
outra, ou na mesma palavra, ou na seguinte: ár-tis, pér montem.

NOTA. - A dupla consoante não influi na (OOPS) posição da última
sílaba, terminada em vogal, da palavra anterior, que se
conservará breve, se o é de sua natureza.

Se a sílaba terinar por vogal, de sua natureza breve, e a sílaba
seguinte, dentro da mesma palavra, começar por letra muda,
seguida de uma líquida, será comum, isto é, longa ou breve, para
os poetas: tenèbrae ou tenébrae; volùcres ou volúcres.

Uma vogal é breve por posição, antes de outra vogal ou de um h:
èo, prior, nìhil.

Excetuam-se:

a. O caso -ei da quinta declinação, quando precedido de -i-:
diéi, faciéi, bem como no vocativo de nomes próprios cujo
nominativo é em -eius: Pompéi.

b. O antigo genitivo da primeira declinação: aulái; bem como o
-ai no vocativo dos nomes próprios, cujo nominativo termina em
-aius: Gái.

c. Os genitivos do singular em -ius, dos pronomes demonstrativos
e indefinitos: uníus, alíus; contudo, os poetas podem
abreviá-los, a não ser alíus.

d. O -i- de fio, quando não for seguido de -r-: fío, fíat; mas
fìeri, fìerem, têm o -i- breve.

e. As palavras gregas, na passagem para o latim, conservam
geralmente longa a vogal que no grego era longa, ou fazia parte
de um ditongo: áer, Antiochía, Amphíon, Daríus, etc.

QUANTIDADE DAS SÍLABAS RADICAIS

Tanto nos derivados como nos compostos, a quantidade da sílaba
radical conserva-se geralmente invariável, mesmo que a vogal
sofra deflexão fonética: sèquor e inséquor, càpio e occùpo.

Os pretéritos e supinos dissílabos têm a sílaba radical longa.

Excetuam-se, para os pretéritos; bìbi, dèdi, fìdi, scìdi, stèti,
stìti, tùli; para os supinos: dàtum, ràtum, sàtum, cìtum, ìtum,
lìtum, quìtum, sìtum, rùtum.

Os pretéritos reduplicados têm breves as duas primeiras sílabas:
cado, cècìdi, tundo, tùtùdi. Excetuam-se caedo que faz cecídi e
os perfeitos, cuja penúltima sílaba é longa por posição; mordeo,
momordi, curro,cucurri.

QUANTIDADE DAS SÍLABAS FINAIS. - -A, no fim dos nomes, é
breve. Excetua-se:

a. No ablativo singular da primeira declinação; in mensá.

b. No vocativo dos nomes em -as: Aeneá.

c. No imperativo da primeira conjugação: Amá.

d. Nas palavras indeclináveis, com exceção de ità, quià, eià,
posteà.

-E final é breve. Excetua-se:

a. No ablativo singular da quinta declinação: dié, hodié, quaré.

b. Nos advérbios em -e, derivados de adjetivos da primeira
classe, com exceção de benè e malè.

c. No imperativo dos verbos da segunda conjugação: docé, jubé.

-I final é longo. Excetua-se:

a. Em nisì e quasì. É comum em mihi, tibi, sibi, ibi, sendo que
nos dois últimos é melhor abreviá-lo, bem como no dissílabo
cui. Diz-se, porém, ubíque, ibídem, ibíque.

-O final é longo, em geral. É, porém, comum no nominativo do
singular: homó e homò; bem como nas primeiras pessoas do
singular: laudó e laudò. É breve em egò, duò, citò, modò
(advérbio).

-U final é longo: manú.

FINAIS TERMINADAS EM CONSOANTE. - Geralmente, as sílabas finais
em consoante simples são breves, com exceção das terminadas em
-s.

-AS final é longa, com exceção do nominativo das palavras gregas
em às, gen. àdis ou àdos, e nos acusativos da mesma origem:
heroàs.

-ES final é longa. Excetua-se:

a. No nominativo singular das palavras imparissílabas da terceira
declinação, quando a penúltima do genitivo é breve: segès,
sègètis. São, porém, longos: Cerés, abiés, ariés e pariés.

b. Na preposição penès, na forma verbal ès.

c. Nalgumas formas gregas, como Troadès.

-OS final é longa, com exceção de òs (ossis), compòs e impòs.

-IS final é breve. Excetua-se:

a. Nos casos do plural: hortís, nobís.

b. Na segunda pessoa do singular do presente do indicativo dos
verbos da quarta conjugação: vestís; e nas formas verbais fís,
sís, vís, velís e seus compostos.

c. Em lís (litis) e vís, a força, Quirís, Samnís (gen. ítis),
Eleusís, Salamís (ínis) e Simoís.

-US final é breve. Excetua-se:

a. No gen. singular, nom. voc. e ac. do plural dos nomes da
quarta declinação: ritús (ritu-is, ritu-es).

b. No nominativo singular da terceira declinação, quando a
penúltima do genitivo é longa: Virtús, virtútis, mús, múris.

É igualmente longo em grús e sús (OOPS) (contractos).

QUANTIDADE DOS MONOSSÍLABOS. - Os monossílabos que terminam em
vogal são geralmente longos: mé, té, dé, etc. Excetuam-se as
enclíticas què, nè, vè, tè, cè: dormisnè?

Quanto aos terminados em consoante, temos o seguinte:

1. São longos os substantivos, com exceção de vir, còr, mèl, òs
(ossis).

2. Longos são também os demais monossílabos terminados em -c:
síc, húc, díc, etc.; mas são breves: fàc, nèc, e ambíguo hic
(pronome).

Longos são ainda os que terminam em -n: quín, án, nón.

3. Os outros monossílabos, quase todos invariáveis, terminados em
-b, -d ou -t, são breves: àb, òb, àd, sèd, àt, èt, etc.


III

VERSOS LATINOS

(obs. v breve, - longa, ~ breve ou longa)

Como já dissemos, o verso latino compõe-se de pés, sendo pé a
combinação de sílabas longas e breves.

Os pés mais usados nos versos latinos são os seguintes:

Jambo                  v -      ròsás
Trocheu ou choreu      - v      díxìt
Spondeu                - -      áudáx
Dactylo                - v v    ómnìì
Anapesto               v v -    crèpìtáns
Cretico ou anphimacro  - v -    díctìtáns
Choriambo              - v v -  mágnànìmós

Chama-se arsis a parte forte do pé, sobre que recai o acento
métrico ou ictus; thesis, a parte fraca onde a voz decai ou
baixa.

A última sílaba de qualquer verso pode ser breve ou longa, à
escolha.

Cesura, em geral, é a divisão dos versos maiores em duas partes,
para descanso da voz; dá-se comumente o nome de cesura à sílaba
que termina uma palavra e começa um pé; é de grande monta nos
hexametros e pentametros, gozando do privilégio de tornar longa
uma sílaba breve, se ao poeta convier.

Geralmente, dá-se a elisão entre a vogal final e a vogal inicial
de palavras consecutivas. Para este efeito, o -m final
considera-se como não existente, e elide-se a vogal a que adere.

Por sinérese podem-se contrair às vezes duas sílabas constituídas
por duas vogais da mesma palavra: deerunt.

Por dierese pode uma sílaba separar-se em duas; dissoluo por
dissolvo.

Os versos latinos mais usados são o hexametro e o pentametro,
assim chamados pelo número de pés, ou metros, que os compõem.

A combinação destes dois versos tem o nome genérico de disticho,
e era usado na chamada elegia.

O hexametro consta de seis pés, podendo ser os quatro primeiros
dactylos ou spondeus, o quinto dactylo e o sexto spondeu.

Encontram-se às vezes hexametros com o quinto e o sexto pés
constituídos por uma palavra de quatro sílabas, todas longas,
chamando-se o verso spondaico. Neste caso, o quarto é comumente
dactylo.

A cesura cai geralmente, na primeira sílaba do terceiro pé, ou
então no quarto, preferindo-se trochaica, sendo que neste caso
costuma também haver cesura comum depois do primeiro pé.

ESQUEMA DE UM HEXAMETRO

  - v v  | - v v   | - v v  | - v v | - v v   | - ~
  - -    | - -     | - -    | - -   | - v v   | - ~

  Tántae | mólìs è | rát ró | mánám | condèrè | géntem!

A cesura recai na segunda sílaba de erat.

  Tuntae molis erat || romanam condere gentem!

O pentametro consta de cinco pés, constituindo o quinto as
cesuras que vêm, uma depois do segundo, outra depois do quarto
pé. Eis o esquema:

  - v v   | - v v  | -    | - v v  | - v v   | ~
  - -     | - -    | -    | - v v  | - v v   | ~

  Témpòrà | sì fùè | rínt | núbìlà | sólùs è | rís

Os bons poetas usam no fim deste verso um dissílabo ou um
tetrassílabo, e, raras vezes, um monossílabo seguido de um
trissílabo.

O Senario jambo, como indica o próprio nome, consta de seis pés
jambos.

Há muitas outras variedades de metros, sobretudo nas odes, e que
se encontram em qualquer volume das obras de Horácio.


APÊNDICE II

Como alguns professores gostem que os seus alunos conheçam os
antigos versos sobre a quantidade latina, aqui os reproduzimos na
íntegra.

VOGAL ANTES DE VOGAL

Vocalem breviant, alia subeunte, Latini;
Produc, ni sequitur R, Fio et nomina quintae,
Quae geminos casus, E longo, assumit in Ei.
Nomina corripies Fideique, Speique, Reique.
Jus commune est vati, producito alius;
Alterius brevia: Pompei et cetera produc.
Eheu produces semper; variabitur Ohe.

VOGAL ANTES DE VOGAL NAS PALAVRAS GREGAS

Graeca per Ausoniae fines sine lege vagantur;
Quaedam etenim brevibus, veluti Symphonia, gaudent:
Et quaedam longis, ceu Dia, Chorea, Thalia,
Darius, Cytherea, Aer, Elegia, Platea,
Atque alia; at Choream rapuit Plateamque poeta
Solvit et in geminas, veluti Cythereia, longam.

QUANTIDADE DOS DITONGOS

Diphthongus longa est in Graecis atque Latinis
Prae rape praepositam vocali, dicque Praeustus.

VOGAL LONGA POR POSIÇÃO

Vocalis longa est, si consona bina sequatur,
Aut duplex, aut J vocalibus interjectum.
Quadrijugus rapitur, Bijugus conjungitur illi,
In quibus J duplex non est, sed consona simplex;
Subjicit et Subicit dicunt in carmine vates.
Consona si vocem claudat, quam pone sequatur
Altera, protahitur praeeuntis syllaba vocis
Consona principium verbi sortita sequentis,
Seu duplex seu bina, nihil praeeuntibus auget
Temporis, ut fiant longae, ceu clara Zacynthos.

VOGAL SEGUIDA DE UMA MUDA E DE UMA LÍQUIDA

Contrahit orator, variant in carmine vates,
Si mutam liquidamque simul brevis una praeibit;
At mutam et liquidam quoties ab origine longa
Praecedit, rapitur nunquam, ceu Matris, Aratrum;
Utraque vocalem si consona juncta sequentem
Non ferit, anteiens brevis est, velut Obruo, nunquam.

A FINAL

A finita dato longis; Ita, Postea deme,
Eja, Quia, et casus omnes; sed protrahe sextum.
Productis graecos casus adjunge vocandi.

E FINAL

Corripe E, sed primae quintaeque vocabula produc,
Atque Fame, Cete, Tempe, Fermeque, Fereque.
Adde Doce similemque modum et monosyllaba, praeter
Encliticas ac Syllabicas; nec non, Male dempto
Ac Bene, produces adverbia cuncta secundae

I FINAL

I produc; brevia Nisi cum Quasi, graecaque quintae.
Jure Mihi variare, Tibique Sibique solemus.
Corripies Ibi, Ubi melius, disyllabon et Cui.

O FINAL

O datur ambiguis; graeca et monosyllaba longis.
Ergo pro causa, ternus sextusque secundae;
Atque Adeo, atque Ideo, atque adverbia nomine nata
Sed Cito corripies, Modoque, et Scio, Nescio et Imo
Et Duo. Sit varium Sero, et conjunctio Vero.

U FINAL

U semper produc: B, D, T corripe semper.

C, L, M FINAIS

C longum est; varium Hic pronomen; corripe Donec,
Et Nec; Fac pariter malunt brevjare poetae.
Corripe L, at produc Sal, Sol, Nil, multaque Hebraea.
M vorat Ecthlipsis; prisci breviare solebant.

N FINAL

N longum est Graecis pariter pariterque Latinis.
En brevia quod format Inis breve; graeca secundae
Jungimus; et quartum, si sit brevis ultima recti;
Forsitan, In, Forsan, Tamen, An, Viden, adjice curtis.

R FINAL

R breve, sed longum est Far, Par, cum pignore, Lar, Nar,
Cur, Fur, cum graecis, quibus est genitivus in eris:
Addito Iber; sed Cor melius breve. Celtiber anceps.

AS FINAL

AS produc; quartum Graecorum tertia casum
Corripit, et rectum, si in adis breve patrius exit.

ES FINAL

ES quoque produces; breviat sed tertia rectum,
Cum patrii brevis est crescens penultima. Pes hinc
Excipitur, Paries, Aries, Abiesque, Ceresque;
Corripe et Es de Sum, et Penes, et pluralia graeca.

IS E YS FINAIS

Corripies IS et YS; plurales excipe casus;
Glis, Sis, Vis verbum ac nomen, Nolisque, Velisque,
Audis cum sociis; quorum est genitivus in inis,
Entisve, aut itis longum, producito semper.

OS FINAL

Vult OS produci; Compos breviatur et Impos,
Osque ossis: graecorum et neutra; et cuncta secundae
Addicta Ausonidum; graecus genitivus et omnis.

US FINAL

US breve ponatur. Produc monosyllaba, quaeque
Casibus increscunt longis, et nomina quartae,
Excepto recto et quinto, et quibus exit in untis
Patrius, et conflata e pus, contractaque graeca
In recto ac patrio; et venerandum nomen JESUS.

PRIMEIRA SÍLABA NOS PRETÉRITOS DISSÍLABOS

Praeterita assumunt primam disyllaba longam.
Sto, Do, Scindo, Fero rapiunt, Bibo, Findo priores,
Abscidit, Abscidit modulatur utrumque poeta.

REDUPLICAÇÃO NOS PRETÉRITOS

Praeteritum geminet si primam, corripe utramque,
Ut Pario, Peperi, vetet id nisi consona bina.
Caedo, Caecidit habet longam, ceu Pedo, Pepedi.

SUPINOS DISSÍLABOS

Cuncta Supina volunt primam disyllaba longam:
At Reor, et Cieo, Sero, et Ire, Sinoque, Linoque,
Do, Queo, et orta Ruo, breviabunt rite priores.

SUPINOS TRISSÍLABOS

Utum producunt polisyllaba cuncta Supina
De vi praeterito semper producitur itum;
Agnitus agnosco, et cognosco Cognitus effert
Cetera corripies in itum quaecumque Supina.

PALAVRAS DERIVADAS

Derivata patris naturam verba sequuntur.
Mobilis et Fomes, Laterna, ac Regula, Sedes,
Quamquam orta et brevibus, gaudent producere primam
Corripiuntur Arista, vadum, Sopor atque Lucerna,
Nata licet longis: usus te plura docebit.

PALAVRAS COMPOSTAS

Legem Simplicium retinent Composta suorum,
Vocalem licet, aut diphthongum syllaba mutet.
Dejero sed juro dat, Pejeroque: Innuba Nubo,
Pronubaque, atque Hilum Nihilum: dat Semisopitus
Sopio: Fatidicus, fratresque a dico creantur.
Participale Ambitum ab Itum inter longa repone.

PREFIXOS DAS PALAVRAS COMPOSTAS

Longa, A, DE, E, SE, DI, praeter Dirimo, atque Disertus.
Sit Re breve; at Refert a Res producito semper.
Corripe PRO graecum; produces rite latinum;
Contrahe quae Fundus, Fugio, Neptisque, Neposque,
Et Festus, Fari, Fateor Fanumque crearunt.
Hisce Profecto addes, pariterque Procella, Protervus,
Atque Propago genus; Propago, protrahe vitis.
Propino varia, Procuro, Propago, Profundo.
Corripe AB et reliquas, obstet nisi consona bina,
Quae sunt AD, vel IN, OB, PER, SUB, SUPER, ANTEque CIRCUM,
Queis graecum adjunges Adamas, Atomusque, Atheusque.

A, E, I, O, U NAS PALAVRAS COMPOSTAS

Produc A semper composti parte priore;
At simul E, simul I, crebo breviare memento:
Nequidquam produc, Nequando, Venefica, Nequam,
Nequaquam, Nequis sociosque; Videlicet addes.
Idem masculeum produc, et Siquis, Ibidem,
Scilicet, et Bigae, Tibicen, Ubique, Quadrigae,
Bimus, Tantidem, Quidam, et composta Diei.
Compositi O breviant Graeci, Samothracia testis;
Sed Minotaurus pariterque Geometra longum est.
O Latium variat; producere namque Alioquin
Et Quandoque; at Quandoquidem breviare solemus.
U brevia, Quadrupes ceu, Grajugena atque Ducenti.


APÊNDICE III

I

SIGLAS E ABREVIATURAS

Os Romanos, nas cartas, usavam de siglas tradutoras de expressões
usuais de saudações, cumprimento, etc. sendo as mais comuns as
seguintes:

S. - salutem
S.D.P. - salutem dicit plurimam
S.V.B.E.E.V. - si vales, bene est; ego valeo.

Havia também siglas expressoras de prenomes, (OOPS) ou sejam os
nomes próprios (OOPS) personativos usados pelos Romanos, indo a
seguir algumas que eram mais comuns, juntamente com abreviaturas
no mesmo sentido.

A. - Aulus
Ann. - Annaeus
Ap. - Appius
G. ou C. - Gaius (que é o mais correto) ou Caius
Gn. ou Cn. - Gnaeus (que é o mais correto) ou Cneius
D. - Decimus
K. - Kaeso
L. - Lucius
M. - Marcus
M'. - Manius
Mam. - Mamercus
N. (Num.) - Numerius
P. - Publius
Q. (Qu.) - Quintus
S. (Sex.) - Sextus
Ser. - Servius
Sp. - Spurius
T. - Titus
Ti (Tib.) - Tiberius

Damos também siglas e abreviaturas outras, mais comuns,
empregadas algumas em documentos oficiais.

Aed. Cur. - aedilis curulis
Aed. Pl. - aedilis plebis
Cs. ou Cos. - consul
Css. ou Coss. - consules
Proc. - proconsul
Pr. - praetor
Pont. Max. - pontifex maximus
Tr. Pl. - tribunus plebis
Des. - designatus
Imp. - imperator
Leg. - legatus, legio
Praef. - praefectus
Eq. Rom. - eques Romanus
P.R. - populus Romanus
S. - senatus
S.P.Q.R. - senatus populusque Romanus
S.C. - senatus consultum
P.C. - patres conscripti
Quir. - Quirites
Resp. - res publica
D. - divus
F. - filius
N. - nepos
Ictus. - iure consultus
O.M. - optimus maximus
Q.D.B.V. - quod Deus bene vertat
Q.B.F.F.Q.S. - quod bonum, felix, faustumque sit
A.D. - ante diem
A. Chr. - ante Christum
A.U.C. - anno urbis conditae
K. (Kal.) - Kalendae
Non, - Nonae
Id. - Idus
Hs. - sestertium.


II

CALENDÁRIO

Segundo Varrão, a fundação de Roma foi levada a efeito em Abril
do ano 3o da VI Olimpíada, 753 anos antes de Cristo, sendo a dita
fundação o ponto de partida para a era romana. O ano, segundo o
calendário juliano, tinha, como hodiernamente, doze meses,
sendo-lhes títulos

Ianuarius, Janeiro
Februarius, Fevereiro
Martius, Março
Aprilis, Abril
Maius, Maio
Iunius, Junho
Quintilis ou Julius, Julho
Sextilis ou Augustus, Agosto
September, Setembro
October, Outubro
November, Novembro
December, Dezembro.

No tempo em que o ano romano decorria de Março, havia razão para
o emprego de Quintilis, Sextilis, September, etc., cujas
traduções são: quinto mês, sexto mês, sétimo mês, etc.

Os dias da semana (septmana ou hebdomada) eram designados da
seguinte feição:

Dies Solis, Domingo.
Dies Lunae, Segunda Feira.
Dies Martis, Terça Feira.
Dies Mercurii, Quarta Feira.
Dies Jovis, Quinta Feira.
Dies Veneris, Sexta Feira.
Dies Saturni, Sábado.

Os Romanos serviam-se das palavras kalendae - calendas, nonae -
nonas e idus - idos, para indicar os três dias principais do mês.

1. Kalendae (K. ou Kal.) eram o primeiro dia de todos os meses.

2. Nonae (non.) eram o sétimo dia nos meses de Março, Maio, Julho
e Outubro, e o quinto dia nos demais.

3. Idus (id.) eram o décimo quinto dia nos meses de Março, Maio,
Julho e Outubro, e décimo terceiro dia nos demais.

Para exprimir-se uma data em latim, emprega-se uma das três
palavras precedentes, conforme o prazo da ocasião, no caso
ablativo, seguida do nome do mês regularmente adjetivado; ex.:
kalendis martiis - em 1o de Março; nonis februariis - em 5 de
Fevereiro; idibus decembribus - em 13 de Dezembro.

O dia que imediatamente precede às kalendae, nonae e idus, é
expresso pela palavra pridie, seguida do acusativo; e o dia
imediato às aludidas palavras é expresso, às vezes, por
postridie, também seguido de acusativo; ex.: pridie kalendas
novembres - em 31 de Outubro; postridie nonas maias - em 8 de
maio.

Para exprimir-se qualquer dos outros dias intermediários, usam-se
os ordinais, contando-se em ordem retrógrada o lapso das
kalendae, nonae ou idus mais próximos, entrando no cômputo o dia
donde se parte (dies a quo) e o dia a que se chega (dies ad
quem); assim, do dia 3 ao dia 7 vão 5 dias; do dia 19 de Março ao
dia 1o de Abril vão 14 dias. Isto posto, o dia 3 de maio poderá
ser indicado por die quinto ante nonas maias, ou ante diem
quintum nonas maias, ou quinto nonas maias. O dia 19 de Março
poderá ser indicado por die quarto decimo ante kalendas apriles,
ou ante diem quartum decimum kalendas apriles ou quarto decimo
calendas apriles. Para facilitar as indicações das diferentes
datas romanas apresentamos o quadro seguinte:

          I                        II
      Março, Maio,            Janeiro, Agosto
      Julho, Outubro          Dezembro
      (31 dias)               (31 dias)

1   kalendis martiis        kalendis januariis
2   a. d. VI non. mart.     a. d. IV non. jan.
3   a. d. V non. mart.      a. d. III non. jan.
4   a. d. IV non. mart.     pridie non. jan.
5   a. d. III non. mart.    noniis januariis
6   pridie non. mart.       a. d. VIII id. jan.
7   nonis martiis           a. d. VII id. jan.
8   a. d. VIII id. mart.    a. d. VI id. jan.
9   a. d. VII id. mart.     a. d. V id. jan.
10  a. d. VI id. mart.      a. d. IV id. jan.
11  a. d. V id. mart.       a. d. III id. jan.
12  a. d. IV id. mart.      pridie id. jan.
13  a. d. III id. mart.     idibus januariis
14  pridie id. mart.        a. d. XIX kal. febr.
15  idibus martiis          a. d. XVIII kal. febr.
16  a. d. XVII kal. april.  a. d. XVII kal. febr.
17  a. d. XVI kal. april.   a. d. XVI kal. febr.
18  a. d. XV kal. april.    a. d. XV kal. febr.
19  a. d. XIV kal. april.   a. d. XIV kal. febr.
20  a. d. XIII kal. april.  a. d. XIII kal. febr.
21  a. d. XII kal. april.   a. d. XII kal. febr.
22  a. d. XI kal. april.    a. d. XI kal. febr.
23  a. d. X kal. april.     a. d. X kal. febr.
24  a. d. IX kal. april.    a. d. IX kal. febr.
25  a. d. VIII kal. april.  a. d. VIII kal. febr.
26  a. d. VII kal. april.   a. d. VII kal. febr.
27  a. d. VI kal. april.    a. d. VI kal. febr.
28  a. d. V kal. april.     a. d. V kal. febr.
29  a. d. IV kal. april.    a. d. IV kal. febr.
30  a. d. III kal. april.   a. d. III kal. febr.
31  pridie kal. april.      pridie kal. febr.


           III                   IV
      Abril, Junho,           Fevereiro
      Setembro, Novembro      (28 dias)
      (30 dias)

1   kalendis aprilibus      kalendis februariis
2   a. d. VI non. april.    a. d. IV non. febr.
3   a. d. V non. april.     a. d. III non. febr.
4   pridie non. april.      pridie non. febr.
5   nonis aprilibus         noniis februariis
6   a. d. VIII id. april.   a. d. VIII id. febr.
7   a. d. VII id. april.    a. d. VII id. febr.
8   a. d. VI id. april.     a. d. VI id. febr.
9   a. d. V id. april.      a. d. V id. febr.
10  a. d. IV id. april.     a. d. IV id. febr.
11  a. d. III id. april.    a. d. III id. febr.
12  pridie id. april.       pridie id. febr.
13  idibus aprilibus        idibus februariis
14  a. d. XVIII kal. mai.   a. d. XVI kal. mart.
15  a. d. XVII kal. mai.    a. d. XV kal. mart.
16  a. d. XVI kal. mai.     a. d. XIV kal. mart.
17  a. d. XV kal. mai.      a. d. XIII kal. mart.
18  a. d. XIV kal. mai.     a. d. XII kal. mart.
19  a. d. XIII kal. mai.    a. d. XI kal. mart.
20  a. d. XII kal. mai.     a. d. X kal. mart.
21  a. d. XI kal. mai.      a. d. IX kal. mart.
22  a. d. X kal. mai.       a. d. VIII kal. mart.
23  a. d. IX kal. mai.      a. d. VII kal. mart.
24  a. d. VIII kal. mai.    a. d. VI kal. mart.
25  a. d. VII kal. mai.     a. d. V kal. mart.
26  a. d. VI kal. mai.      a. d. IV kal. mart.
27  a. d. V kal. mai.       a. d. III kal. mart.
28  a. d. IV kal. mai.      pridie kal. mart.
29  a. d. III kal. mai.
30  pridie kal. mai.


Querendo-se reduzir a data romana à vulgar, sendo assumido nonas
ou idos, junta-se 1 ao dia em que recaem as ditas nonas ou idos;
tratando-se porém de kalendas, juntam-se 2 ao número dos dias do
mês anterior às aludidas kalendas; das somas obtidas pelos dois
processos expostos, subtrai-se a data romana, sendo que o resto
da subtração indicará a data vulgar; ex.:

A. d. III. Non. April = 5 + 1 - 3 = 3 de Abril.
A. d. V. Id. Aug. = 13 + 1 - 5 = 9 de Agosto.
A. d. XIX. Kal. Febr. = 31 + 2 - 19 = 14 de Janeiro.

Querendo-se reduzir a data vulgar à data romana, subtrai-se da
soma aludida a data vulgar, e o resto da subtração indicará a
data romana; ex.:

5 + 1 - 3 = ante diem tertium Nonas Apriles
13 + 1 - 9 = ante diem quintum Idus Augustas
31 + 2 - 14 = ante diem undevicesimum Kalendas Februarias.


III

MOEDAS ROMANAS

Antes do uso do aureus, moeda de ouro corrente entre os Romanos,
foi base do sistema monetário o as que equivalia a uma libra
(bronze), sendo-lhe múltiplos o dussis, o sestertius, o tressis,
o quatrussis, o quincussis, etc., palavras compostas de as,assis,
e dos numerais equivalentes a duo asses, semi-as-tertius, tres
asses, etc.

As onças (unciae), frações do as, eram os submúltiplos dessa
quantia, sendo expressos pelos vocábulos sextans, quadrans,
triens, ou seja, 1/6, 1/4, 1/3 do as. O dodrans equivalia
a 9 onças e o quincussis a 5 onças.

O denarius, que tinha por frações o quinarius e o sestertius, foi
a moeda de prata da época.


IV

PESOS ROMANOS

A base dos pesos romanos era a libra (libra), dividida em 12
onças (unciae), sendo-lhe submúltiplos: - deunx = 11 unciae;
dextans = 10 unciae; dodrans = 9 unciae; bes = 8 unciae; septunx
= 7 unciae; semis ou semissis = 6 unciae; quincunx = 5 unciae;
quadrans = 4 unciae; triens = 3 unciae; sextans = 2 unciae;
sexcuns ou sescuncia = 1,5 unciae; uncia = 1/12 da libra = 27,83
gramas.

A uncia foi, mais tarde, capitulada como unidade de peso,
sendo-lhe submúltiplos semuncia ou semiuncia = 1/2 da uncia;
duella = 1/3 da uncia; sicilicus = 1/4 da uncia; sextula = 1/6 da
uncia; dracma = 1/8 da uncia; scriptula, scriptulum ou scripulum
= 1/24 da uncia.

Eram múltiplos da libra, chamada também as, dupondius, dupondium
ou dussis = 2 asses = 648,2 gramas; tripondium ou tressis = 3
asses; quadrussis = 4 asses; quinquessis = 5 asses; sexis ou
sexessis = 6 asses; septussis = 7 asses; octussis = 8 asses;
nonussis = 9 asses; decussis = 10 asses; quadragessis = 40 asses;
quinquagessis = 50 asses; sexagessis = 60 asses; septuagessis =
70 asses; octogessis = 80 asses; nonagessis = 90 asses; centussis
ou centumpondium = 100 asses = 32,41 quilogramas.

O talentum = talento, peso genuinamente grego, foi citado por
muitos autores latinos como equivalente a 100 libras romanas e
portanto ao centumpondium.


V

MEDIDAS ROMANAS

1. As medidas de capacidades para líquidos tinham por base a
ânfora ou quadrantal, cujo conteúdo equivalia a 80 libras romanas
(OOPS) ou sejam 27,54 quilogramas. Comportava 25,92 litros
sendo-lhe submúltiplos - 2 urnae = 8 congii = 48 sextarii = 96
heminae = 192 quartarii = 576 cyathi = 2304 ligulae, valendo cada
lugula 1,125 centilitro. O múltiplo da ânfora era o culeus ou
culleus, pipa ou tonel dos Romanos, que comportava 20 ânforas
(OOPS) ou sejam 518,4 litros.

A base das medidas para secos era o modius - alqueire, que
comportava 8,64 litros, sendo dividido em 2 semodii = 16 sextarii
= 32 heminae = 64 quartarii = 256 acetabula = 192 cyathi.

O medimnus, de origem grega, citado por autores romanos, é
capitulado múltiplo do modius comportando 51,84 litros, e por
assim, 6 modii.

2. As medidas de comprimento ou lineares, tinham por base o pes
porrectus que equivalia a 284,5 milímetros, sendo-lhes
submúltiplos 4 palmi minores = 12 unciae = 16 digiti = 24
semiunciae = 36 duellae = 48 sicilici = 72 sextulae = 288
scripula.

Havia o palmus major, chamado também - spithama, dodrans, ou 3/4
do pes = 9 unciae = 12 digiti = 200,875 milímetros.

Os múltiplos do pes se reduzem a: - cubitus = 1,5 pedes = 441,75
milímetros; passus minor = 2,5 pedes = 736,25 milímetros; passus
major ou gressus = 5 pedes = 1,4725 metros; decempeda = 10 pedes
= 2,945 metros; actus = 120 pedes = 35,34 metros; milliarium ou
milliare = 1000 passos (milha).

O stadium, de origem grega, é apresentado pelos autores latinos
como a oitava parte do milenarium, portanto valendo 125 passos.

O pes é também chamado monetalis, por ser o seu padrão guardado
no templo de Juno Moneta, no Capitólio.

3. As medidas agrárias, ou de superfície, tinham por base o
jugerum eram: - uncia = 1/12 do jugerum; sicilicus = 1/48;
sextula = 1/72; scripulum = 1/288.

Os múltiplos eram: - haeredium = 2 jugera = 49,956624 ares;
centuria = 100 haerediae ou 200 jugera = 49,956624 hectares;
saltus = 4 centuriae ou 800 jugera = 199,8265 hectares.


VI

FAMÍLIA ROMANA

Os laços de parentesco entre os romanos eram constituídos por
afinidade e por consanguinidade; daí as palavras affinis, afins,
e consanguinei, consanguíneos, sendo que os consanguíneos por
linha varonil eram chamados agnati, agnatos ou parentes por
varonia.

Damos a seguir a lista dos graus de cada um dos parentescos supra
expostos:

PARENTES AFINS

Vitricus - Padrasto
Noverca - Madrasta
Socer - Sogro
Socrus - Sogra
Prosocer - Avô sogro
Prosocrus - Avó sogra
Privignus - Enteado
Privigna - Enteada
Gener - Genro
Nurus - Nora
Progener - Genro (marido da neta)
Pronurus - Nora (mulher do neto)
Levir,iri - Cunhado
Glos,oris - Cunhada.

PARENTES CONSANGUÍNEOS

1. São consanguíneos em linha reta ascendente:

Pater - Pai
Avus - Avô
Proavus - Bisavô
Abavus - Trisavô
Atavus - Quarto avô
Tritavus - Quinto avô
Mater - Mãe
Avia - Avó
Proavia - Bisavó
Abavia - Trisavó
Atavia - Quarta avó
Tritavia - Quinta avó

2. São consanguíneos em linha reta ascendente:

Filius - Filho
Filia - Filha
Nepos - Neto
Neptis - Neta
Pronepos - Bisneto
Abnepos - (OOPS) Treneto
Adnepos - Quarto neto
Trinepos - Quinto neto

3. São consanguíneos em linhas colaterais:

Frater, soror - Irmão, irmã
Patruus - Tio, Amita - Tia (irmãos do pai)
Avunculus - Tio, Matertera - Tia (irmãos da mãe)
Patruelis - Primo co-irmão (filho do Patruus)
Amitinus - Primo co-irmão (filho da Amita)
Consobrinus - Primo co-irmão (filho da Matertera, ou do Avunculus)
Sobrini - Primos
Patruus magnus - Tio (irmão do avô)
Patruus major, ou Propatruus - Irmão do bisavô
Amita magna - Irmã da avó
Proamita, ou Amita major - Irmã da bisavó.