ALBA VERONA BRITO GIBRAIL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O ACUSATIVO PREPOSICIONADO DO PORTUGUÊS CLÁSSICO:

uma abordagem diacrônica e teórica

 

 

 

Dissertação apresentada ao Curso de Lingüística do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Lingüística.

 

Orientadora:

                                                           Profa Dra Charlotte M. Chambelland Galves

                                                            

 

 

 

 

Unicamp

 Instituto da Linguagem

    2003

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

À Profa  Dra  Charlotte M. C. Galves

e a todos os colaboradores do Projeto

Padrões  Rítmicos,  Fixação de

Parâmetros e Mudança Gramatical.

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O mar passeia solitário na calçada

                                                                  Espelhando a lua cheia

                                                                  Nos beirais e nas sacadas.

 ( José Kleber – O Poeta de Paraty )

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AGRADECIMENTOS

 

 

Manifesto meus agradecimentos a todos os professores do IEL que, direta ou indiretamente, permitiram-me adentrar no “mundo encantado da pesquisa lingüística”.

            Em especial, agradeço à minha orientadora, Profa  Dra  Charlotte Marie C. Galves, pela confiança em mim depositada e pela dignidade suprema de entender a diversidade da alma  humana.

            Um agradecimento especial também à Profa  Dra  Mary A. Kato pela acolhedora simpatia de sua personalidade carismática, que nos obriga a querer não decepcioná-la.  

            Agradeço ao Prof. Dr. Jairo Nunes pelo alto nível de conhecimento na transmissão  de ensinamentos profundos das teorias da Gramática Gerativa, que me proporcionou reflexões mais condizentes sobre o tema que motivou este trabalho.

            Agradeço também com muito carinho aos Professores Dra  Rosa Attié Figueira, Dr. Rodolfo Ilari, Dra Maria Filomena Spatti Sândalo e Dr. Wilmar da Rocha D’Angelis pela empatia a mim manifestada.

            Agradeço a colaboração de meus muitos colegas de sala de aula;  em especial, `a  Profa Dra Evani Viotti, da USP,  à Sílvia  Regina C. de Oliveira e à Telma M. Vianna Magalhães pela espontânea boa vontade em me auxiliarem.

Um imenso e sincero agradecimento à Profa Ione Mota, do CEL, pela energia contagiante nas lidas com o Saber.

            Uma eterna gratidão à amiga Profa Ademilde Aguilar Moreira, pelo incentivo constante e encorajador nos momentos de fraqueza desta jornada, iniciada em nossas aulas de língua russa, no CEL.

            Agradeço a todos os funcionários do IEL, que contribuíram sobremaneira para as condições de viabilidade desta pesquisa.

            Finalmente, agradeço este trabalho à Didicha, minha falecida mãe, pelo exemplo de humildade e ternura, e ao  meu pai, José Queiróz, por ter-me legado a sagacidade e a coragem do Homem Nordestino.        

 

 

ÍNDICE GERAL

RESUMO

ABSTRACT

APRESENTAÇÃO                

CAPÍTULO 1- O ACUSATIVO PREPOSICIONADO NAS LÍNGUAS ROMÂNICAS

1.1 Introdução                                                                                                                       1

1.2  A origem   do fenômeno                                                                                                  2

1.2.1 O acusativo preposicionado do espanhol moderno ( Lois,1982 )                                   3

1.2.2  A formação do acusativo preposicionado do romeno ( Dobrovie-Sorin, 1987 )       13

1.2.3 Na história do Português: Ramos (1992 )                                                                      26

1.3 A proposta de Jaeggli ( 1986 ) para a atribuição de Caso nas estruturas de acusativo

preposicionado do espanhol                                                                                                   30

1.4 Conclusão                                                                                                                        36

CAPÍTULO 2- CONTEXTOS DE FORMAÇÃO DO ACUSATIVO PREPOSICIONADO

2.1 Corpus e metodologia                                                                                                      37

2.2 O acusativo preposicionado no português europeu dos séc. XVI – XIX.              45

2.2.1 Ordem dos constituintes oracionais                                                                                46

2.2.2  Natureza do objeto                                                                                                      47

2.3  O uso do acusativo preposicionado na diacronia : contextos de formação            48

2.3.1 O uso do acusativo preposicionado nos dados de autores nascidos na primeira

metade do séc. XVI                                                                                                              50

2.3.1.1 Contextos de ordens ( X ) V S O / V S O                                                                 50

2.3.1.2 Contextos de ordens ( X ) V O / V O                                                                        53

2.3.1.3 Contextos de ordens O V S / O V                                                                             64

2.1.3.4 Contextos de ordem S V O                                                                                       65

 

 

 

2.3.2 O uso do acusativo preposicionado nos textos de autores nascidos na segunda

metade do séc. XVI e séc. XVII                                                                                           68

2.3.2.1 Contextos de ordens ( X ) V S O / V S O                                                                 68

2.3.2.2 Contextos de ordens ( X ) V O / V O                                                                       76

2.3.2.3 Contextos de ordens O V S / O V                                                                            98

2.3.2.4 Contextos de ordem S V O                                                                                      103

2.3.2.5 Contextos de ordem V O S                                                                                      110

2.3.3 O uso do acusativo preposicionado nos textos de autores nascidos no séc. XVIII    111

2.3.3.1 Contextos de ordens ( X ) V S O / V S O                                                                 111

2.3.3.2 Contextos de ordens ( X ) V O / V O                                                            113

2.3.3.3 Contextos de ordens O V S / O V                                                                            119

2.3.3.4 Contextos de ordem S V O                                                                                       120

2.3.4 O uso do acusativo preposicionado nos textos de autores nascidos no séc. XIX      124

2.3.4.1 Contextos de ordens ( X ) V S O / V S O                                                                 124

2.3.4.2 Contextos de ordens ( X ) V O / V O                                                            124

2.3.4.3 Contextos de ordem S V O                                                                                     128

2.4 Quantificação dos dados                                                                                                 130

2.5 Evolução do uso do acusativo preposicionado ao longo dos séculos                                137

2.6 Estruturas de redobramento de clítico                                                                              142

2.6.1 Com pronomes pessoais                                                                                  143

2.6.2 Com o pronome indefinido todos ( as )                                                             151

2.6.3 Com pronomes de tratamento                                                                                      155

2.6.4 Com sintagmas nominais                                                                                   157

2.65 Estruturas de Deslocação à Esquerda Clítica ( CLLD )                                      159    

2.7 Conclusão                                                                                                                      160

 

 

 

 

 

 

 CAPÍTULO 3 – O ACUSATIVO PREPOSICIONADO DO PORTUGUÊS CLÁSSICO : FORMAS VARIANTES DE ESTRUTURAS DE REDOBRAMENTO DE CLÍTICO

3.1 Introdução                                                                                                                      163

3.2 Os ambientes sintáticos de uso do acusativo preposicionado: síntese                                164

3.3 O acusativo preposicionado e o redobramento de clítico: estruturas variantes

de um mesmo fenômeno lingüístico                                                                                        168

3.4 A atribuição de Caso nas estruturas de acusativo preposicionado                         177

3.5 Estruturas de acusativo preposicionado com fronteamento do objeto                                179

3.6 A referencialidade nas estruturas de acusativo preposicionado                                         189

3.7 O clítico como sujeito de mini-orações                                                                            197

3.8 O redobramento de clítico dativo do português clássico                                       201

3.9 Considerações finais                                                                                                       206      REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS                                                                          209

 

           

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RESUMO

 

 

Esta Dissertação descreve os contextos de formação do acusativo preposicionado do português europeu dos séc. XVI – XIX. 

Textos de autores nascidos entre 1502 – 1850, integrantes do Corpus Tycho Brahe, formam o corpus da pesquisa. 

            Proponho com este trabalho investigar o uso do acusativo preposicionado naquela gramática ao longo dos séculos e os fatores que motivam a formação concomitante de estruturas de variação. Esta investigação me dá condições de apresentar um quadro evolutivo da manifestação desse tipo de ocorrência, da freqüência de realização e  dos fatores de mudança que provocaram o uso menos freqüente da forma preposicionada a partir do  séc. XVIII.

            Para a realização desta tarefa, apóio-me nos trabalhos de Ramos ( 1992 ), que descreve  o acusativo preposicionado do português do Brasil dos séc. XVII – XVIII;  Lois

( 1982 ) e Dobrovie-Sorin ( 1987 ), que descrevem este tipo de  ocorrência no espanhol e romeno modernos, respectivamente.

A coocorrência no corpus de estruturas de redobramento de clítico, formadas nos mesmos contextos e em condições de uso semelhantes às estruturas de acusativo preposicionado, motiva um trabalho paralalelo que busca o assentamento da hipótese por mim levantada dessas estruturas como formas variantes de realização de um único  fenômeno lingüístico. 

Assumo que nessas estruturas a inserção da preposição é o fator que assegura a natureza referencial dos objetos sem violação do princípio B da teoria de ligação.

            Considerando as ordens variantes de realização do acusativo preposicionado do português clássico, assumo uma gramática de natureza V2 responsável por esta formação.

 

Palavras–chave: Português Clássico; Acusativo Preposicionado;  Redobramento de clíticos;

C-comando; Referencialidade; Língua V2; Spec CP.  

 

 

ABSTRACT

 

 

 

This essay describes the contexts of the formation of the prepositional accusative of the european portuguese from  16 th century to 19 th century.

Texts of the authors that were born between 1502 – 1850 parts of the Corpus Tycho Brahe, form the corpus of the research.

I propose on this paper to investigate the usage of the prepositional accusative in that grammar througtout the centuries and the concomitant causes of the variation of the structures. This investigation allows me to presente the evolution of the manifestation of this kind of occurrence, how frequent it happened, and the causes of the less frequent usage of the prepositional form from the century 18 th.

I support this with the works of Ramos ( 1992 ) that describes the prepositional accusative of the portuguese from Brazil in the centuries 17 th – 18 th, Lois ( 1982 ) and Dobrovie – Sorin ( 1987 ) that describe this kind of occurrence in the Spanish and romanian, respectively.

The occurrence in the corpus of the clitic doubling structures at the same time,  formed in the contexts and in similar usage conditions of the prepositional accusative, requests a parallel work seeking to confirm the hipotesis lifted by me that these stuctures are variant forms of only one linguistic phenomenon.

I propose that in these structures the inserting of the preposition assures the referenciality of the objects without violating the principle B of the linking theory.

Considering the classical portuguese prepositional accusative variant orders of occurrence, I assume it´s a grammar of the nature V2 responsible for this formation.

 

 

 

Key words: Classical portuguese; Prepositional accusative; Clitic doubling; C – command;

Referenciality; V2 languages; Spec CP.

Apresentação

 

 

 

 

Considerando que textos de autores portugueses nascidos entre 1502 e 1845 apresentam ocorrências de estruturas de acusativo preposicionado e não preposicionado formadas com objetos [ + humano ], procuro, nesta Dissertação, verfificar os fatores que motivam a inserção da preposição nesses objetos, bem como os fatores que promovem a legitimação de estruturas variantes sem preposição.

Com este propósito, procuro investigar a evolução do uso do acusativo preposicionado naquela gramática e os motivos que levam ao seu desaparecimento a partir do séc. XIX.

No cumprimento desta tarefa, descrevo os contextos de formação do acusativo preposicionado.

 A coocorrência, nos textos examinados, de estruturas variantes sem preposição, formadas nos mesmos contextos que legitimam o acusativo preposicionado, me permite o levantamento da hipótese da competição de duas gramáticas na produção escrita desses autores.

A proposta da competição de duas gramáticas distintas dá conta de explicar a presença de duas formas variantes realizadas em semelhantes ambientes sintáticos no texto de um mesmo autor.  

 

- Variante preposicionada

 

1.             Partida esta Armada, despachou o Governador a Dom João Mascarenhas

pera ir entrar na Capitania de Dio ... ( D. Couto; séc. XVI; p. 174 )

 

 

 

 

 

- Variante não preposicionada

 

1.      Aceitados os partidos, ficaram esperando pelo Meale, e entretanto

despedio o Governador Diogo de Reinoso pera o Estreito de Meca em um

navio de remo muito ligeiro ... ( D. Couto; séc. XVI; p. 109 )

 

Por outro lado, a presença no corpus de estruturas de redobramento de clítico, formadas nos mesmos contextos de formação das estruturas de acusativo preposicionado e nas mesmas condições de uso, me permite a generalização de  serem estas estruturas formas variantes de manifestação de um mesmo fenômeno lingüístico.

 

Acusativo preposicionado

 

1.             Guarde Deus Nosso Senhor a Vossa Mercê muitos anos. ( F.  Manuel de

Melo; Cartas Familiares; séc. XVII; p. 97 )

2.             ... e donde com maior cómodo poderei empregar-me em servir a Vossa

Mercê  no que por estas partes se oferecem. ( F. Manuel de Melo; Cartas

Familiares; séc. XVII;  p.194 )

3.             ... que é uma distinta felicidade a honra de servir a Vossa Excelência (  A Gusmão; séc. XVII;  84 )

 

Redobramento de clítico acusativo

 

1.             ... por servi-los e vê-los a Vossas Mercês ... ( F. Manuel de Melo; Cartas

Familiares; séc. XVII; p. 130 )

2.             Quis a natureza orná-la a V. daquelas graças exteriores ... ( M. de Alorna;

séc. XVIII; p. 76 )

3.             Guarde - o Deus ao senhor  Procopio, nosso amigo velho ?

Ora guarde-o Deus, senhor vizinho !
    ( A. Garrett; Teatro; séc. XVIII; p. 38 )

 

Nesta suposição, empreendo estudos comparativos da formação dessas estruturas no português clássico com sua formação no espanhol e no romeno.

As condições de formação do acusativo preposicionado e das estruturas de redobramento de clitico naquelas gramáticas e as condições de sua formação no português clássico me levam a propor ser o acusativo preposicionado formas variantes de estruturas de redobramento com  clítico não fonologicamente realizado.

Esta Dissertação está organizada em três capítulos. O capítulo 1 apresenta uma síntese de estudos  que tratam da origem do acusativo preposicionado nas línguas românicas medievais e de sua presença nas gramáticas do espanhol  e romeno modernos.

Os trabalhos descritivos de Lois ( 1982 ) e Dobrovie-Sorin ( 1987 ) dos contextos legitimadores do fenômeno naquelas gramáticas são resenhados neste capítulo.

Na história do português, a legitimação de estruturas  de acusativo preposicionado é apresentada na resenha do trabalho de Ramos ( 1992 ), que descreve os contextos formadores desse tipo de ocorrência no português do Brasil.

Apresento também neste capítulo a resenha da proposta de Jaeggli ( 1986 ) para a atribuição de Caso nas estruturas de acusativo preposicionado do espanhol.

            O capítulo 2 compõe-se da apresentação e descrição dos contextos de formação do acusativo preposicionado do português clássico. Paralelamente à descrição desses contextos, segue a descrição dos contextos que legitimam as variantes não preposicionadas.

            Em outro subitem, neste capítulo, apresento dados de estruturas de redobramento de clítico acusativo e dativo, realizadas concomitantemente à realização do acusativo preposicionado.

No capítulo 3, apresento propostas para justificar a hipótese por mim levantada das estruturas de acusativo preposicionado como formas variantes de estruturas de redobramento de clítico. Proponho análises centradas na relação de não C-comando para explicar o papel do objeto preposicionado como elemento referenciador do clítico, visível ou não, nestas estruturas.

 

 

 

 


 

 

 

Capítulo 1

O acusativo preposicionado nas línguas românicas

 

 

 

 

 

 

1.1 Introdução

 

 

            O acusativo preposicionado nas línguas românicas é o tipo de ocorrência que apresenta o objeto direto com o  traço semântico [ + animado ] precedido de preposição.        

Nas gramáticas românicas modernas, este tipo de estrutura é assinalada em dialetos provençais e italianos, como o sardo ( cf. Jones, 1995 );  no espanhol peninsular e dialetos ( cf. Lois, 1982; Torrego, 1998 ); no romeno ( cf. Dobrovie-Sorin, 1987 ),  entre outras.

Dessas gramáticas, é no espanhol e seus dialetos e no romeno que o uso do acusativo preposicionado é regular e autorizado em contextos mais abrangentes.

O português clássico legitima estruturas de acusativo preposicionado nos mesmos contextos verificados na formação desse tipo tipo de estrutura no espanhol e romeno modernos. Diacronicamente, entretanto, no português europeu, o acusativo preposicionado exibe um comportamento evolutivo diferente do comportamento observado naquelas gramáticas.

Conforme o estudo de Teyssier ( 1989 : 341 – 343 ) mostra, no português europeu moderno, objetos diretos preposicionados são assinalados em número limitado de casos : antes de pronomes pessoais tônicos; antes dos pronomes ambos e todos; na expressão um ao outro, nas expressões tradicionais amar ( temer ) a Deus, em expressões do tipo como a um filho, como a um irmão(1 ).

 

( 1 ) Meier ( 1973 : 132 ), descreve este tipo de ocorrência do  português moderno como casos de acusativo preposicional de comparação.

      Na descrição de Meier, o PE apresenta um outro tipo de estruturas acusativa com objeto preposicionado : acusativo preposicional de colocação. Nestas ocorrências, o objeto preposicionado é realizado em fronteamento, sendo retomado pore  um clítico na oração.

                “e a André puseram-no num estreito calabouço “ ( 108 )

 

 

1.2 A origem do fenômeno

 

            Os estudos que se têm ocupado em descrever a origem e a evolução do acusativo preposicionado nas línguas românicas apresentam dados que indicam a presença do fenômeno já em textos medievais, embora este uso se apresente de modo irregular ( Lois, 1982 ).

Esses estudos assumem o aparecimento do acusativo preposicionado nas línguas românicas como recurso usado pela gramática para marcar numa estrutura oracional de ordem livre a função do sujeito e do objeto, papéis estes antes desempenhados pelas declinações latinas ( Lens, 1944;. Seco,1971; Hills, 1920; Niculescu, 1959; Meier, 1947 ) e outros, citados por Lois ( 1982 : 12 ).

            A presença do fenômeno nos primeiros textos medievais indica um estágio no qual este tipo de estrutura era de uso comum naquelas gramáticas.

Meier ( 1948, 1973 ) descreve a evolução do fenômeno nas línguas românicas em três estágios. No primeiro, a preposição aparece junto aos pronomes pessoais disjuntivos: a mi, a ti, a ele etc. Sua função, segundo Meier, é a de marcar a distinção entre o acusativo e o nominativo. No segundo estágio, o acusativo preposicionado é estendido a outros nomes, limitado, porém, a certas condições sintáticas e a um restrito meio lexical. No terceiro estágio de evolução, o fenômeno se estende a outros contextos sintáticos e adquire a função

de diferenciar os objetos nas condições de pessoa, animado e individualizado dos objetos passivo e coletivo.

De acordo com aquele autor, o português europeu, o catalão e certos dialetos provençais e italianos apresentariam em suas gramáticas a realização desse segundo estágio de evolução do acusativo preposicionado. O terceiro estágio seria apresentado pelas gramáticas do espanhol e do romeno.

           

 

 

 

 

 

1.3 O acusativo preposicionado do espanhol moderno

 

O trabalho de Lois ( 1982 ) sobre os contextos de formação do acusativo preposicionado no espanhol moderno indica  que este tipo de estrutura  já era legitimado no espanhol medieval.  Sua presença é assinalada nos primeiros textos literários.

Naqueles textos, conforme indica Lois ( op. cit : 2 ), o acusativo preposicionado tem uso irregular. Neles, há formação de estruturas acusativas sem preposição em contextos que exigem sua presença no espanhol moderno.

            A não regularidade na formação do acusativo preposicionado no espanhol medieval é indicada por Lois nos dados do texto Cantar de Mío Cid, escrito no começo do séc. XII. Neste texto, conforme mostra Lois, há  ocorrências das duas formas variantes de estruturas acusativas:  com e sem preposição.

 

( 1.1 ) Variante preposicionada

 

1.             ... como sirva a doña Ximena et las fijas que há, e a todas sus dueñas que com ellas están ...

... como sirva a dona Ximena e as filhas que tem, e a todas suas donas que com elas estão ...

2.             ... catando están a Mio Cid cuantos há en la cort ...

... cantando estão a meu Cid quantos estão na corte ...

3.             ... prisolo al conde ...

... prende-o ao conde ...

4.             ... recebien a Minaya  ...

...  recebiam a Minaya

5.             ... veré a la mugier ...

... verá à mulher ...

6.             ... porque perdonaste a Roldano ...

... porque perdoaste a Roldano ...

7.             .... vido a don Roldán acostado a un pilare ...

...  viu a Dom Roldano encostado a um pilar ...

8.             ... yo las caso a vuestras fijas ...

... eu as caso a vossas filhas ...

9.             ... tú que a todos guías, val a Mio Cid el campeador ...

... tu que a todos guias, vá a Meu Cid o Campeão.

10.         ... el Cid a doña Ximena íbala abraçar ...

... el Cid a dona Ximena a ia abraçar. 

 

( 1.2 )  Variante não preposicionada

 

11.         ... vos casades Ø mis fijas ...

... vos casastes minhas filhas ...

12.         ... veremos Ø  vuestra mugier ...

... veremos vossa mulher ...

13.         ... que mataras Ø el moro ...

... que mataras o mouro ...

14.         Minaya va veer Ø sues primas ...

         Minaya vai ver suas primas ...

15.         ... vido yacer Ø su fijo entre las mortaldades...

... viu estendido seu filho entre os mortos ...

 

O trabalho de Lois mostra que no espanhol medieval o emprego da preposição

nas estruturas acusativas era mais regular quando o objeto tinha o estatuto de pronome.

 

( 1.3 ) Variante preposicionada

 

16.         ... oíd a mi ... ( Cantar de Mío Cid )

... escuta a mim ...

17.         ... a tí adoro e creo ... ( Cantar de Mío Cid )

... a ti te adoro e creio ...

18.         ... y a él adorad ... ( Auto de los Reyes Magos, séc. XIII )

... e a ele adorei ...

A partir dos séc. XV - XVI, o emprego da preposição diante dos objetos se regulariza. Após o séc. XVIII, a ausência da preposição  com nomes próprios e expressões definidas naquela língua  é extremamente rara. ( op. cit : 3 ).

    Na argumentação de Lois,  ( op.cit : 24 ), o fenômeno do acusativo preposicionado

no espanhol e no romeno apresentam muitas similaridades. Nas duas gramáticas,  o acusativo preposicionado é realizado tanto em estruturas S V O quanto em estruturas V S O /  V O S. Nessas estruturas,  a preposição marca o objeto que apresenta certas propriedades gramaticais e referenciais que são típicas do sujeito.

Observa que  a legitimação das ordens V S O / V O S no espanhol não exige alguma

pausa ou acento especial. ( op.cit: 25 )

 

( 1.4 )             

19.         Cogió Juan su bastón.

Recolheu Juan seu bastão.

20.         Hace usted un mal negocio.

Faz você um mal negócio.

21.         Trajeron los muchachos muy malas noticias.

Trouxeram os rapazes muito más notícias.

 

No romeno, nenhuma pausa também é exigida nas estruturas realizadas nestas

ordens. ( op.cit: 26 )

 

( 1.5 )                        

22.         A cumparat tata o casa la tara.

A acheté men pére une maison à la campagne )

Comprou meu pai uma casa de campo.

23.         Conduce lucrarile ingenerul Popescu.

Conduit les traveaux l´ingénieur popescu.

Conduz os trabalhos o engenheiro Popescu.

 

 

Na proposta de Lois , nas estruturas do espanhol e do romeno de ordem V S O /

V O S, os constituintes deslocados permanecem dentro da estrutura oracional.

No espanhol moderno,  estruturas acusativas que apresentam sujeito e objeto com o traço [ + animado ] são contextos obrigatórios de inserção da preposição (op.cit : 15 )

 

( 1.6 )                         

24.         Juan mató a   ( *f ) a  María.

25.         Juan insulta a ( *f )  este señor.

26.         El perro hirió al gato.

                                  

A preposição é inserida nos objetos [ + animados ] mesmo nas estruturas acusativas

que apresentam o sujeito sem realização lexical.

 

( 1.7 )             

27.         No conocemos a ( *f ) Juan.

28.         No hemos visto a  ( *f ) su padre.

29.         Escucho a  ( *f ) alguien.

                                              

 Neste caso, estão também as estruturas acusativas que têm o sujeito representado por PRO.

 

( 1.8 )             

30.         Despedir a Juan sería un grave error. ( sujeito = PRO arbitrário )

31.         María no quiere escuchar a Juan. ( sujeito = PRO controlado )

32.         Llamaron a Juan.  ( sujeito= PRO impessoal; 3a pessoa plural )

                                  

Na argumentação de Lois,  a presença da preposição nestas estruturas se deve à presença de um elemento  NP-lexical ou PRO que recebe o papel-q de sujeito.

 

 

 

A inserção da preposição também é obrigatória nas estruturas acusativas que apresentam o pronome se impessoal e objeto [ + animado ].

 

( 1.9 )                         

33.         Se vio a Juan muy bien acompanãdo.

34.         Se atrasó al ladrón.

35.         Se felicita a los amigos

                                  

Outro contexto obrigatório de inserção da preposição é verificado nas  estruturas acusativas que apresentam o sujeito com o traço [ - animado ] e o  objeto [ + animado ].

 

( 1.10 )                       

36.         La sinceridade asusta a ( *f ) Juan.

37.         El viento molesta a ( *f ) la vecina.

                                  

Lois atribui a obrigatoriedade de inserção da preposição nestas estruturas acusativas à natureza semântica do verbo transitivo. Nestas estruturas de acusativo preposicionado, os verbos transitivos em uso são verbos que, normalmente, pedem sujeitos com o traço [ + animado ].

Como contextos facultativos de inserção da preposição nas estruturas acusativas do espanhol moderno, estão os ambientes sintáticos que apresentam sujeito [ ± animado ] e objeto [ - animado ] 

 

( 1.11 )                       

38.         Llamar a la muerte.

39.         Las aves saludan a la aurora.

40.         Los ácidos atacam a los metales.

                                  

Lois propõe que  o uso da preposição nesses objetos pode ser explicada em função

da natureza semântica dos verbos empregados nestas estruturas. Trata-se de verbos que pedem normalmente objetos [ + animado ].       

            O uso da preposição também é facultativa em estruturas acusativas com sujeito e objeto com o traço [ + animado ] e verbos que pedem normalmente objeto [ - animado ].

 

( 1.12 )           

41.         Los romanos robaron las sabinas.

42.         Me traen las mujeres mas hermosas del reino.

43.         Envió sus hijos a la escuela pública.

 

            Não sendo com esses verbos, as estruturas acusativas que apresentam  sujeito [ + animado ] e  objeto [ - animado ] não são contextos de formação do acusativo preposicionado no espanhol.

 

( 1.13 )           

44.         Compré ( * a ) la casa.

45.         Vi  ( * a ) libros.

 

            Também não há inserção da preposição nas estruturas acusativas do espanhol que apresentam objeto [ + animado ] sem determinante e sujeito com o traço [ + animado ]. 

 

( 1.14 )

46.         Busco ( * a ) amigos.

47.         Contratan ( * a ) secretarias.

 

Um outro contexto de inserção da preposição no espanhol é o contexto das estruturas causativas formadas com verbo da oração encaixada com o estatuto de verbo intransitivo ( op. cit : 59 ).

 

(1.15 )

48.         Hicieron salir a Juan de la sala.   

49.         Vieron  salir  a Juan de la sala.

50.         Oyeron  salir a Juan de la sala.

51.         Dejaron  salir a Juan de la sala.

           

            Lois assume a hipótese do licenciamento desse tipo de estrutura em função da subida do verbo da oração encaixada. Para a autora, o verbo da encaixada sobe e forma um  “complexo verbal” com o verbo matriz. Este “complexo verbal ” rege e atribui Caso ao NP-sujeito da oração encaixada.

As estruturas acima formadas com os verbos dejar, ver, oir são também licenciadas no espanhol sem a subida do verbo, tendo a ordem [ sujeito da oração encaixada +  verbo infinito ].

 

(1.16 )            

52.         Vieron a Juan salir de la sala.

53.         Oyeron a Juan salir de la sala.

54.         Dejaran a Juan salir de la sala.

 

            Lois justifica a formação desse tipo de estrutura assumindo que os verbos regem através da fronteira frásica e atribuem Caso ao NP sujeito da encaixada.

            Com  verbo causativo hacer, a ordem [ sujeito da oração encaixada  + verbo infinito  ] não é realizada no espanhol:

 

( 1.17 )                       

55.         Hicieron a Juan salir de la sala.

 

            Lois assume a não formação desta estrutura causativa em virtude  do verbo hacer não atribuir Caso ao NP- sujeito da oração encaixada.

            Para aquela autora, a presença da preposição nas estrututuras causativas  indica sempre a presença de um NP-sujeito [ + animado ], condição esta que reafirma a natureza de [ + animado ] dos NPs-objetos como promovedora das estruturas de acusativo preposicionado do espanhol.

            Para Lois, aparentemente a relação temática entre o verbo e o sujeito da frase encaixada não é preservada e o sujeito do verbo infinito  é subcategorizado pelo complexo verbal.

 

1.3.1 Proposta  para a formação do acusativo preposicionado do espanhol

 

Lois propõe que a inserção da preposição nas estruturas acusativas do espanhol ocorre nos objetos que podem ocupar a posição de sujeito, representando o papel de agente. A inserção da preposição seria motivada pela necessidade de identificar o elemento que recebe o papel-q de argumento interno.

Assume  a formação do acusativo preposicionado como recurso de diferenciar o sujeito do objeto quanto às suas funções gramaticais, tendo em vista a ordem livre dos constituintes oracionais naquela gramática   ( op. cit : 26 ).  

Lois  apresenta duas condições obrigatórias para a inserção da preposição:

 

1. Quando o objeto puder ser inserido na posição de sujeito

 

2. Quando o objeto é um agente potencial.

 

                                              

A inserção facultativa da preposição  a  é verificada quando apenas o item ( 1 ) é satisfeito .      

             Lois propõe uma regra para a inserção da preposição nos objetos ( op. cit : 52-54 ). Tal regra leva  em conta a matriz lexical do objeto, isto é, a matriz que o elemento N tem na sua entrada lexical em relação ao traço  (  ± animado ) , e a matriz gramatical da posição sujeito. O traço pertinente no caso também é [ ±  animado ] . Para que uma inserção seja correta é necessário que os traços do elemento inserido coincidam com aqueles da posição de sujeito.  A inserção funciona sobre um princípio de não distinção e identidade.

            Quando um verbo seleciona um sujeito [ + animado ] e um objeto que não é especificado nem positivamente nem negativamente quanto ao traço animado, Lois propõe o símbolo u.

 

 

As matrizes não distintas seriam:

 

 

1. Matriz gramatical da posição do sujeito             2. Matriz lexical do objeto

 

( u animado )                                                             ( + animado ) ou ( - animado )

 

( + animado )                                                             ( + animado )

 

( - animado )                                                              ( - animado )

 

 

Assim, os casos da obrigatoriedade, da exclusão e da facultividade de inserção da preposição nas estruturas transitivas nas bases das matrizes lexicais do objeto e da posição de sujeito são especificadas entre parênteses, indicando se as duas matrizes são não-distintas ( n-d ) ou distintas ( d ):

 

( 118 )   Inserção obrigatória

 

56.         María mató a Juan (  + animado )  Þ     [ + animado ]  V    ( n-d )

57.         María vió la niña. ( + animado  )    Þ     [ + animado ]  V    ( n-d )

58.         La sinceridad asusta a Juan ( + animado ) Þ [ u  animado ] V  ( n-d )

 

( 1.19 )    Preposição excluída

 

59.         Juan compró la casa. ( - animado ) Þ   [ + animado ]  V  ( d )

60.         Busco amigos. ( + animado ) Þ   [ + animado ]  V   ( d )

 

( 1.20 )   Uso facultativo da preposição

 

61.         La amistad dominó ( a ) el interes [ - animado ) de todos. ]  Þ  [  u  animado ]    V  ( n-d )

62.         El adjetivo precede ( a ) el substantivo. [ - animado ] Þ [  u  animado ]  V  ( n-d )

63.         Ella quería llamar ( a ) un policía [ + animado ]    Þ  [ + animado ]  V ( n-d )

64.         Dejó ( a ) su niño en la puerta. [ + animado ]    Þ   [ + animado ] V ( n-d )

65.         Los hombres llaman ( a ) la muerte [ - animado ]    Þ    [ + animado ]  V ( n-d )

 

            Com esta proposta,  Lois tenta justificar o uso obrigatório, o uso facultativo e a exclusão  da preposição nas estruturas acusativas do espanhol moderno. Sua proposta não oferece explicações para a ocorrência de estruturas de redobramento de clítico com pronomes pessoais do espanhol peninsular e nem de redobramento de clítico com sintagmas nominais de seus dialetos.

 Para Lois o fenômeno do redobramento está intimamente ligado ao acusativo preposicionado no sentido de ambos só são possíveis com a presença da preposição.

Lois compartilha das suposições dos gramáticos tradicionais que correlacionam o redobramento de clítico com o acusativo preposicionado no sentido de que estes dois tipos de estruturas permitem a distinção do argumento externo e externo do verbo. Para a autora não pode ser coincidência que o fenômeno do redobramento se observa nas línguas que não têm a ordem S V O como ordem única ( op.cit : 61 ).

Argumenta que há uma distinção a fazer entre línguas que apresentam o acusativo preposicionado mesmo com clítico ausente, como o espanhol,  e línguas, nas quais a preposição não é inserida nos objetos na ausência do clítico, como o árabe libanês.

Para Lois, há uma outra possibilidade lógica para explicar o uso da preposição nestas estruturas dentro da proposta de Jaeggli ( 1982 ) deste elemento como atribuidor de Caso ao objeto nas estruturas de redobramento.

Na observação da autora, a questão seria resolvida considerando o acusativo preposicionado e as estruturas de redobramento de clítico em condições de aparecimento independentes. O clítico nas estruturas de redobramento não absorveria o Caso e a preposição não seria jamais marcador casual.

Sua proposta está assentada no fato de que no galego, o redobramento de clítico ocorre sem a presença da preposição.

 

 

1.4  A formação do acusativo preposicionado do romeno

 

 

A mesma exigência de objeto com o traço semântico de animacidade para a formação do acusativo preposicionado do espanhol é  verificada no romeno moderno ( Dobrovie-Sorin, 1987 : 24 )

Naquela gramática, nomes próprios e os pronomes definidos com o traço [ + humano ] são contextos obrigatórios de inserção da preposição nos objetos acusativos.

Para Dobrovie-Sorin ( 1987 : 27 ) não há uma explicação verdadeira para dar conta da legitimação de estruturas de acusativo preposicionado do romeno. Há as suposições dos gramáticos tradicionais de que  o acusativo preposicionado é o meio de distinguir o objeto do sujeito.

Como observa Dobrovie-Sorin,  a ordem livre dos constituintes nas sentenças do romeno leva à ambigüidade de interpretação.

 

( 1.21 )                       

66.         Certat mama copilul.

                             A grondé la maman l’enfant.

                             Repreendeu a mãe a criança.

 

( 1.22 )           

67.         La maman a grondé l’enfant.

                             A mãe repreendeu a criança.

     L’enfant a grondé la maman.

     A criança repreendeu a mãe.

 

Dobrovie – Sorin assume a inserção da preposição pe nestas estruturas acusativas como recurso para a  distinção do constituinte que carrega o Caso objetivo quando este elemento tem as propriedades gramaticais do sujeito.

 

 

 

Para a autora , entretanto, não está muito claro o motivo que leva  os nomes próprios e as expressões definidas a serem fatores obrigatórios de inserção da preposição no romeno, enquanto que outros sintagmas mesmo com o traço [ + humano ] são fatores não obrigatórios dessa inserção.

            De natureza diferente do espanhol peninsular,  que não legitima o redobramento de clítico com sintagmas nominais, no romeno as estruturas de acusativo preposicionado com objetos nomes próprios e expressões definidas são realizadas na forma de redobramento de clítico.

Na argumentação de Dobrovie – Sorin ( op. cit : 21 ), enquanto no francês e no italiano os objetos direto e indireto lexicais se acham em distribuição complementar com os pronomes clíticos correspondentes, no espanhol e no romeno, esses objetos coexistem de maneira opcional ou obrigatória com os clíticos que portam o mesmo papel – θ ( op. cit : 21 – 22 ):

Dobrovie – Sorin assume a preposição pe dessas estruturas acusativas na função de  marcador de Caso.

Para Dobrovie – Sorin, o redobramento de clítico só é permitido na presença do acusativo preposicionado.

Conforme mostra Dobrovie - Sorin ( op.cit : 31 – 33 ), com exceção dos quantificadores nimeni ( ninguém ) e cineva ( alguém ), no romeno, há formação de estruturas de redobramento de clítico com objetos nomes  próprios e expressões definidas.

           

( 1. 23 )          

68.         L-am  vàzut  pe  Ion.

                             Je  l-ai  vu  pe  Jean.

                             Vi-o  pe Jean.

69.         L-am  intilnit pe  vàrul  tàu.

                             ( Je ) l-ai  rencontré  pe cousin  ton.

                             Encontrei-o pe teu primo.

 

 

 

O redobramento de clítico também é formado com pronomes  pessoais.

 

( 1. 24 )          

70.         L-am  vàzut  pe  el. 

                            ( Je )  l-ai  vu  pe  lui.

                            Vi-o  pe ele.

                                  

O redobramento de clítico é  facultativo no romeno com objetos que apresentam opcionalidade de formação do acusativo preposicionado.

 

 ( 1.25 )            

71.         Am  vàzut bàiatul.

( Je )  ai vu garçon-le.

Vi  o menino.

72.         L-am  vàzut   pe   bàiat.

( Je )  l-ai   vu  pe  garçon. 

Vi - o ao menino.

73.         Bàiatul  l-am  examinat ieri.

Le garçon ( je ) l-ai examiné hier.

         O menino o examinei aqui.   

74.         Am  examinat  un  elev.

         ( je ) ai  examiné un élève.

Examinei um aluno.

75.         L-am  examinat * ( pe ) un   elev  care a ràmas repetent.

( je )  l-ai  exáminé  pe un élève qui a redoublé.

                            Examinei-o a um aluno que repetiu.

 

Na proposta de Dobrovie-Sorin,  nestas construções, em que há um clítico e um

sintagma  correferencial a este elemento, interpretado como  um argumento do mesmo tipo, é a preposição que atribui um Caso ao complemento redobrado. O Caso do verbo é atribuído ao clítico.

  O redobramento é excluído nas estruturas de acusativo preposicionado formadas

   com os quantificadores nimeni ( ninguém ) e  cineva ( alguém ).

 

( 1. 26 )               

76.         * Nu l-am  vàzut pe nimeni

                               ( je ) ne l-ai vu  pe  personne.

                               Não o encontrei a ninguém.

77.         * L1-am intilnit pe cineva1 .

  ( je ) l-ai rencontré pe quelqu’un.

  Encontrei-o a alguém.      

 

Para Dobrovie – Sorin, a não formação de estruturas de redobramento de clíticos com os quantificadores  nimeni (  ninguém ) e cineva ( alguém ), pode ser justificada pela própria natureza quantificacional destes elementos. Como elementos quantificacionais, eles são submetidos ao Movimento dos Quantificadores ( May, 1977 ) .

A que a regra do Movimento dos Quantificadores ( Mvt Q ) se aplica a NPs que comportam operadores, em os deslocar para uma posição de adjunção à oração dominante. A FL que resulta deste movimento comporta um operador na posição A’ de adjunção à oração  e uma variável ( o traço deixado pelo NP quantificado ). A categoria nula resultante do Mvt Q precisa estar de acordo com condições de boa formação que regem as variáveis: se achar numa posição A, ser marcada por um Caso e ser ligada por um Operador.

Dobrovie – Sorin propõe que, nas estruturas acusativas com os quantificadores nimeni ( ninguém ) e cineva ( alguém ), uma variável é deixada no lugar do quantificador deslocado, na LF, por Mvt Q , em obediência às exigências que definem as variáveis. Nesta relação, a presença do clítico na estrutura não é permitida. A presença do clítico implicaria numa variável sem atribuição de Caso, pois  o clítico absorveria o Caso objetivo (op. cit : 53 -75 ).

            Os dados apresentados por aquela autora indicam a não formação de redobramento de clítico com esses objetos em estruturas acusativas projetadas nas ordens V O / O V.

 

 

( 1.27 )              

78.         * [  pe nimeni 1 ] [ S  nu l1- am intilnit e1 ]

                    [ pe personne1 ]  [ S ( je )  ne l1-ai rencontré e1 ]

                    A ninguém não o  encontrei.

79.         * [ pe cineva1 ] [ S l1- am intilnit e1 ]

        [ pe quelqu’un1] [ S ( je ) l1-ai rencontré e1 ]

        A alguém o encontrei.

 

Dobrovie - Sorin propõe  que uma referência específica não implica  Mvt Q.  Para a autora, uma representação que utiliza uma relação de quantificação existencial não é compatível com a interpretação para referência específica.

            Na proposta de Dobrovie-Sorin, no romeno, os objetos diretos redobrados não são acessíveis à quantificação.

O romeno também forma estruturas de redobramento de clítico dativo.

Um comportamento diferente é mostrado na formação desse tipo de estrutura. De acordo com as observações de Dobrovie - Sorin ( 1987 : 34 ), o redobramento de clítico dativo no romeno é opcional para uma certa classe de sintagmas que designam referentes [ + animados +  humanos  + específicos ].

 

( 1.28 )                       

80.         ( I ) – am trimis bani bàitului tàu.

                            ( je )  ( lui ) - ai envoyé argent garçondat ton.

                            J` ai envoyé de lárgent à ton garçon.

 

            Na proposta da autora, o redobramento de clítico dativo é completamente opcional no romeno, no sentido de que sua presença ou sua ausência não muda em nada o resto da frase.

            O  redobramento de clítico acusativo está correlacionado com a presença de uma preposição que precede o objeto. Esta preposiçãp tem o papel de assegurar a atribuição do Caso ao objeto direto precisamente nas estruturas que têm clítico, os quais absorvem o caso normalmente atribuído ao elemento em posição de objeto. 

            O  redobramento de clítico dativo não afeta em nada o NP dativo.  Sua proposta é que o Caso dativo não é atribuído pelo verbo.  O caso dativo, marcado morfologicamente em  romeno, seria um Caso inerente.

Na argumentação de Dobrovie – Sorin ( op. cit : 34 – 35 ), o contraste verificado entre estes dois tipos de estruturas é observado tanto no   romeno quanto no espanhol. Nas duas línguas, o complemento objeto indireto pode ser redobrado livremente por um clítico  sem que o redobramento seja correlacionado à presença de uma preposição. Nas duas línguas, o objeto direto não pode ser redobrado sem que ele seja precedido de uma preposição.

Tanto no romeno quanto no espanhol, o objeto direto sem redobramento recebe o Caso objetivo sob regência do verbo. O objeto indireto recebe um Caso inerente. No romeno, por meio de um Caso morfológico; no espanhol, com a ajuda de uma preposição.

Na proposta de Dobrovie- Sorin ( 1987 : 38 ), o caso inerente é atribuído livremente. Esta condição não viola o princípio de atribuição de Caso proposto por Vergnaud ( 1982 ) de que um mesmo elemento não pode atribuir o mesmo Caso a dois NPs distintos.

A atribuição livre do Caso inerente permite a atribuição dupla do Caso dativo nas estruturas de redobramento. Um Caso inerente é atribuído livremente dentro de uma mesma cadeia temática. Os Casos inerentes são intimamente ligados aos papéis – θ.

O romeno legitima um outro tipo de construção  que  implica em estruturas de redobramento de clítico. Trata-se das estruturas formadas com o pronome relativo care ( qual ).

            Conforme observa Dobrovie – Sorin, a formação de estruturas de redobramento de clítico com pronomes relativos no romeno representa um contraste crucial desta gramática com a gramática do espanhol do Rio da Prata. ( op. cit : 80 - 81 ),

 

( 1.29 )           

81.         Omul pe care  l - am vàzut.

                            O homem ao qual eu o vi.

82.         El hombre que/ a quien vi.

O homem que / a quem vi.

 

            Com os pronomes interrogativos correspondentes, a presença do  clítico é excluída.

 

( 130 )                        

83.         * Pe cine l-ai vàzut ?          

                                A quem você o viu ?

84.            Pe cine ai vàzut ?

   A quem você viu ? 

85.         * Ce l-ai citit ?

                               O que  você o leu ?

86.           Ce ai citit ?

   O que você leu ?

 

A restrição da presença do clítico em construções com  pronomes interrogativos é

verificada nas estruturas acusativas. Em estruturas dativas, o redobramento de clítico é realizado tanto no romeno quanto no espanhol.

 

( 1.31 )                       

87.         A quién le regaló un libro ?

                             A quem tu  lhe emprestaste um livro ?

88.         Cui ( i ) – ai dat o carte ?

     À qui ( lui )- as ( tu ) donné un livre ?

                             A quem ( lhe ) deu um livro ?